A nova moda do nome e sobrenome no futebol

b6153-3

Terça-Feira Gorda de Carnaval – e são tantas e diferentes as explicações da sua gordura, que é melhor ficar numa só: Mardi Gras, Terça-Feira Gorda em francês, é o último dia permitido para comer tudo que tem vontade, antes do jejum quaresmal.

Dia que, por ser feriado, permite divagar por outros assuntos, igualmente intrigantes, mas que também devem ter explicações das mais lógicas para todos eles.

Antes, era comum no nosso futebol, se ouvir no rádio as jogadas de Didi, Garrincha, Belini, Mazola, Tostão, Vavá, Pepe, Gilmar, Gerson, Clodoaldo, Dino, Jairzinho, Zito, Tatá, Zico, Zózimo, Dudu, Zagalo, Felix, Rivellino, entre tantos tão simples assim, até chegar ao maior de todos, Pelé, ante outros, mas poucos, chamados Domingos da Guia ou seu filho Ademir da Guia, Nilton Santos, De Sordi, Carlos Alberto.

Hoje, verifica-se, nos gramados, que uma boa maioria resolveu fazer uso do nome e sobrenome, como Felipe Rodrigues, André Castro, Pedro Carmona, Gabriel Leite, Martin Silva, Gustavo Scarpa, Diego Cavalieri, Thiago Neves, Rafael Sóbis, Felipe Melo, Michel Bastos, Marcos Rocha e Everton Souza, além de outros. Até no já aposentado Ronaldo inventaram um questionável “fenômeno”.

Nada que diminua ou aumente o tamanho da bola, mas que só fez crescer o trabalho dos narradores.

O número de palavras usadas em cada jogo, no mínimo, dobrou.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Zico critica escolha do Catar como sede da Copa de 2022: “Absurdo”

O brasileiro aponta uma necessidade de quebra com os padrões europeus de gestão

Zico é candidato à presidência da Fifa nas eleições que ocorrerão em fevereiro de 2016 (Getty Images)

Candidato à presidência da Fifa, Zico voltou a polemizar e criticar a atual gestão da entidade. Desta vez, a reclamação do ex-jogador girou em torno da realização da Copa do Mundo de 2022 no Catar.

“O problema é que o Catar não pensa em futebol. É impensável, absurdo, considerar que um Mundial possa ser jogado lá. O Catar não faz parte da grande cultura do futebol”, afirmou o Galinho em entrevista ao jornal francês Le Monde.

“Acho que, infelizmente, não dá mais tempo de mudar a sede da Copa de 2018, mesmo que haja irregularidades. Porém, ainda há tempo para reavaliar a sede de 2022”, disse Zico.

O ex-meia ainda disparou contra os dirigentes da Fifa, entre eles o atual presidente Joseph Blatter, investigado pela Justiça Suíça por corrupção. “A Fifa está esbanjando seu dinheiro para se defender, mas não foi criada para isso”.

Zico tem como concorrente nas eleições o atual presidente da Uefa, Michel Platini, com quem se envolveu em polêmicas. O brasileiro aponta uma necessidade de quebra com os padrões europeus de gestão. “A concentração de riqueza e poder na Europa é muito perigosa para o desenvolvimento do futebol mundial”.

“A necessidade de mudança é tão grande, que um candidato que não tenha vínculos com a administração atual terá mais facilidade e credibilidade para enfrentar as reformas necessárias”, completou.

Apesar disso, o Galinho evitou mostrar animosidade com relação a Platini. “Caso ele seja eleito, quero poder contribuir para sua gestão, assim como espero que ele contribua na minha se eu for eleito”, ponderou.

Fox Sports

Esporte Interativo transmitirá final da Europa League in loco; saiba mais

Esporte Interativo transmitirá final da Europa League in loco; saiba mais

André Henning e comentaristas estarão na Polônia para a grande final do segundo principal campeonato interclubes da Europa

Competição exclusiva do Esporte Interativo até o fim desta temporada, a UEFA Europa League terá uma cobertura totalmente inédita em sua final.

Segundo informações obtidas com exclusividade pelo NaTelinha, uma equipe completa de transmissão será enviada para Varsóvia, capital da Polônia, para a transmissão da segunda competição mais importante do continente europeu.

Os enviados deverão ficar uma semana na Polônia, fazendo toda a prévia do grande jogo. A narração será feita in loco pelo principal locutor do canal, André Henning, e os comentaristas titulares Vitor Sérgio Rodrigues e Zico também estarão nesta.

É a primeira vez que o E+I mandará uma equipe tão grande para uma cobertura. Em outros casos, o canal enviava somente Vitor Sérgio para comentários e reportagens, ou apenas André Henning para narrações.

Além disso, esta transmissão in loco servirá para que o Esporte Interativo e a Turner mostrem o seu poderio tecnológico, sendo até mesmo uma prévia para UEFA analisar o que será feito a partir de agosto na Champions League, adquirido pelo canal com total exclusividade até 2017/2018.

 

NaTelinha

ESPN Brasil vai transmitir amistoso em homenagem ao Alex

Logo espnbrasil.png

Jogo do Alex

A ESPN Brasil vai transmitir a partida em homenagem ao ex-meia Alex, promovida pelo Palmeiras, no Allianz Parque, dia 28, sábado, às 21 horas

Agora, na condição de comentarista da emissora, ele  receberá amigos como Amoroso, Djalminha, Edmundo, Evair, Gamarra, Gilberto Silva, Júnior Baiano, Paulo Nunes, Pedrinho, Rivaldo, César Sampaio, Velloso, Zico e por aí vai. A lista tem 37 nomes.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Xuxa e Zico estarão amanhã inaugurando a Escola Zico 10

A propósito de Xuxa, ela e o ex-jogador Zico estarão juntos nesta quarta-feira, às 14h30, para a inauguração da Escola Zico 10, que tem uma parceria com a fundação da apresentadora.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

A mania de culpar CBF e federações pelo mal do futebol brasileiro

No Brasil, temos a mania de culpar os políticos pela corrupção que acontece no País. Como se só eles cometessem atos de corrupção. No futebol, não é diferente. CBF e Federações são as vilãs.

Na última sexta-feira, o até então presidente do Corinthians, Mário Gobbi (houve eleição no dia seguinte e o candidato dele foi escolhido, Roberto de Andrade), em uma entrevista histórica,surpreendeu a todos com um discurso duro, populista e realista.

Ele garantiu que se a Federação Paulista não permitisse a venda de ingressos para o Corinthians, o time não entraria em campo no clássico diante do Palmeiras. 20 minutos depois, a FPF recuou e aceitou a exigência do maior clube do Estado de São Paulo.

Foi o gancho para muitos afirmarem que CBF e Federações não têm peito para impor nada aos clubes e que já está passando da hora de haver a criação de uma Liga, com os times tomando conta do futebol, e a CBF cuidando apenas da Seleção Brasileira.

Sem querer tirar a culpa das federações e da CBF, que acabam trocando, muitas vezes os pés pelas mãos, mas qual a moral (no sentido real da palavra), a ética e o poder financeiro para os clubes pelo menos levantarem o dedo para sugerirem a criação de uma liga?

Só os 12 maiores clubes do Brasil (Atlético/MG, Cruzeiro, Inter, Grêmio, Flamengo, Vasco, Botafogo, Fluminense, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos) juntos, devem quase R$ 3 bilhões (três bilhões de reais) à União. Não declara R$ 100 à Receita Federal para tu ver o que acontece!

Não vou entrar nem na seara das dívidas trabalhistas. Onde a irresponsabilidade financeira e principalmente a falta de planejamento reina há décadas. Se não bastasse, praticamente todos os anos, vários desses clubes conseguem de maneira insaciável aumentar suas respectivas dívidas, sem nenhuma punição.

São esses aí, que vão estar à frente da Liga Nacional de Clubes. Que vão cuidar do futebol brasileiro?

O grande problema é que a CBF e as federações viraram o nosso salvo-conduto de tudo que é ruim no futebol brasileiro.

Se o futebol padece, a culpa é delas. 7×1 para a Alemanha? CBF que nunca olhou para as categorias de base. Pouco público nos estádios? CBF ou Federação que não sabem fazer um calendário adequado. Briga de torcedores nos Estádios? Retrato do futebol brasileiro comandando por entidades que têm dirigentes se perpetuando no poder. Jogo às 10 horas da noite? CBF e federações que viram reféns e se vendem para a TV.

Aí, eu pergunto: E quem são essas pessoas que comandam a CBF e as federações? De onde elas vêm? Quem as escolhem?

São os próprios clubes que escolhem os presidentes das respectivas entidades. Por interesse, politicagem ou até por birra mesmo, os dirigentes dos times se esforçam para que a conjuntura do futebol siga sem alterações.

CBF, federações e clubes estão no mesmo barco, com raras exceções, alguns pulam fora e desistem ou até mesmo gritam, mas são abafados pela esmagadora maioria. Os que permanecem gostam de navegar em águas calmas, com todo o conforto e luxo de um grande navio.

Então, o que pode ser feito? Só os jogadores podem mudar essa situação. São também por eles que o futebol existe e é apaixonante. Mas assim como em outras profissões, assim como na política, para modificar esse cenário é necessário virar refém de tubarões, ceder, engolir sapos e sofrer grandes consequências.

O Bom Senso FC foi o primeiro passo de uma verdadeira revolução, mas o silêncio da maioria é o que preocupa. Talvez precisasse só de 10, daqueles que já saíram de cena ou não precisam de tapinhas nas costas: Pelé, Zico, Rivelino, Ronaldo, Falcão, Romário, Neymar, Hulk … pudessem ajudar.  O grito deles, juntos, daria um peso maior, traria um clamor maior.

Já imaginou, Paulo André, Alex, Pelé, Romário, Ronaldo, Falcão e Zico, juntos, numa coletiva de imprensa para exigir mudanças no futebol brasileiro?

Os pessimistas dirão: Sonha, Alice! Os realistas: Complicado demais. Os otimistas: Um dia, quem sabe!

“O futebol é o retrato do nosso País. Triste. Não tem educação, não tem cultura, não tem saúde, não tem justiça. O Estado é uma figura de ficção”, Mário Gobbi.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 12/02/2015

Zico está de volta ao Esporte Interativo

Zico assinou contrato com o Esporte Interativo no fim de semana…
… Além de comentários durante a transmissão da próxima “Liga dos Campeões”, ele terá um programa próprio na emissora.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Jogo das Estrelas em 2014 terá transmissão do SporTV e Esporte Interativo

Futebol

SporTV e Esporte Interativo irão transmitir o “Jogo das Estrelas”, do Zico, direto do Maracanã, marcado para o sábado, 27.

Brasil contra o Resto do Mundo já têm confirmadas as presenças de Seedorf, Conca e Petkovic. Zico vai atuar um tempo em cada time.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Renato Maurício Prado comenta que os nossos craques sumiram

A defesa alvinegra foi muito exigida, mas mostrou força, apesar dos gols sofridos

(Foto: Aldo Carneiro / PE Press)

Os gols da vitória por 2 x 1 foram anotados pelo zagueiro Diego Ivo e pelo meio-campista Nikão

(Foto: Christian Alekson/CearaSC.com)

A respeitada revista inglesa “FourFourTwo” divulgou ontem, como sempre faz em sua edição de dezembro, a lista dos 100 melhores jogadores do mundo. Apenas cinco brasileiros estão nela e Neymar, naturalmente, é o mais bem colocado, na décima quinta colocação. Os outros são Thiago Silva (29º), Oscar (58º), Marcelo (71º), Dante (77º) e Daniel Alves (95º).

Alguma surpresa? Alguma injustiça? Sinceramente, não vejo nada de anormal na relação pois, infelizmente, os craques desapareceram do nosso futebol. Num critério um pouco mais rigoroso, dá pra dizer que fora de série, mesmo, na acepção do termo, podemos classificar apenas Neymar. O resto é bom jogador (alguns poucos, ótimos, vá lá) e ponto final.

Peguemos, por exemplo, o eficiente time do Cruzeiro, com todos os méritos bicampeão brasileiro. Quem é craque no elenco de Marcelo Oliveira? Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart são bons jogadores, em excelente fase, nada além disso. E no São Paulo, vice-campeão, o que se vê são atletas que, atualmente, tem muito mais nome que futebol: Rogério Ceni, Luís Fabiano, Kaká (que acaba de sair) etc. Paulo Henrique Ganso e Alexandre Pato são bem dotados tecnicamente, mas o que vêm jogado justifica o termo craque? Pra mim, não. Ganso, talvez, ainda possa vir a ser um meio-campo excepcional. Por enquanto não passa de promessa, com altos e baixos. E tem a idade de Neymar — 22 anos.

A verdade é que, nas cidades grandes, sumiram os campinhos de pelada e os garotos bom de bola, invariavelmente, acabam procurando as escolinhas dos clubes para desenvolver o talento. E ali o que encontram? Os “professores” a gritar “pega, pega”, “marca, marca” e tome de bronca quando alguém tenta um lance individual e não tem sucesso.

Não é à toa que, exceção feita a Neymar e Oscar, quem são os outros brasileiros da lista? Laterais e zagueiros. Porque a filosofia reinante no nosso futebol agora é “proteger a casinha” e não levar gol. E tal máxima já começa nos fraldinhas, onde o lado lúdico e a diversão deveriam campear, mas o que há são campeonatos e mais campeonatos e cobrança por títulos. E ai do técnico que não os conquiste.

E, para garantir o emprego, tome de garoto fortão e alto. Características que, nessa idade, fazem diferença. Formar craques para o futuro? Ah, deixa pra lá. Isso é coisa de românticos e de poetas que vivem presos ao passado lembrando Pelé, Tostão, Garrincha, Gérson, Zico, Falcão, Rivelino, PC Caju etc.

Não foi outro o motivo dos 7 a 1. Os alemães, quem diria, trocaram a cintura dura pelo talento e acabaram uma vez mais campeões do mundo, goleando impiedosamente, em seu próprio país, a seleção que já foi um dia sinônimo de futebol arte.

Produto em extinção no Brasil, que vive agora das bolas paradas, dos incontáveis centros altos a esmo na área adversária e das “faltas táticas”, que enfeiam e interrompem seguidamente nossos jogos.

Cá entre nós, a “FourFourTwo” está coberta de razão. Acho até que foi generosa, pois incluir o Dante entre os 100, vamos convir…

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 03/12/2014

Zico será apenas mero espectador da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

Zico preferiu ficar na dele. Não fechou compromisso mais sério com emissora nenhuma, optando pela condição de simples espectador nesta Copa do Mundo.
Mas também sujeita a algumas exceções. Hoje, por exemplo, será o convidado especial do programa do Falcão na Fox.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery