Fluminense 2 x 0 Ponte Preta

O JOGO

CAI UM INVICTO

Era o duelo dos invictos. O invicto no Maracanã e o invicto em todo o campeonato. Falou mais alto o fator casa, e o Fluminense venceu a Ponte Preta por 2 a 0 – gol de Wellington Silva e Vinícius. Jogando no seu estádio, o Tricolor conta, agora, com quatro vitórias e dois empates. A Macaca, por sua vez, conhece seu primeiro revés no Brasileirão, na 8ª rodada. Agora, o único que mantém sua invencibilidade na competição é o líder Sport.

DESTAQUE

RENDA E PÚBLICO

O Maracanã recebeu 7.954 torcedores na noite desta quarta-feira, sendo 7.033 pagantes. A renda da partida foi de R$ 201.580,00.

 

DESTAQUE

OS 90 MINUTOS

Não foi um jogo de grandes emoções, é verdade, apesar do grande número de finalizações (foram 30, ao total). A apatia do time da casa chegou a irritar os torcedores tricolores, que vaiaram o Fluminense no intervalo da partida. A Ponte é que era melhor, com mais inteligência e disciplina tática. Mas, no segundo tempo, o panorama se inverteu. As vaias, ao que parece, surtiram efeito. O Flu voltou muito mais ligado e conseguiu marcar aos 9 minutos, com Wellington Silva. Teve ainda mais chances para marcar, com bola parada em Lomba ou passando muito perto do gol. No fim do jogo, ampliou com Vinícius.

DESTAQUE
VISITA AMIGA 

Um velho conhecido do Fluminense marcou presença na noite desta quarta-feira, no Maracanã. Thiago Neves foi ao estádio para torcer com um casado tricolor, e deu sorte: vitória por 2 a 0 sobre a até então invicta Ponte Preta. O meia que assinou há pouco tempo com o Al Jazira, dos Emirados Árabes, passa férias no Brasil e foi ovacionado pelos torcedores ao aparecer no telão.

Figueirense 1 x 2 Internacional

1 x 2

38ª RODADA
INTER VENCE FIGUEIRA COM GOL NO FIM E VAI À FASE DE GRUPOS DA LIBERTADORES
Vitória por 2 a 1 com gol aos 50 minutos do segundo tempo deixa o Colorado na terceira colocação do Brasileiro, à frente do Corinthians.
O discurso do Inter era de que a Libertadores começaria neste sábado, diante do Figueirense, pela última rodada do Brasileirão, uma vez que o Colorado precisava vencer para escapar da fase preliminar do torneio continental. Pelo jeito, começou bem. O time catarinense estava confirmando o rótulo de pedra no sapato dos gaúchos até os 50 minutos, quando Wellington Silva marcou o gol salvador, que tirou a importância da vitória do Corinthians sobre o Criciúma. O dramático 2 a 1 foi iniciado com gol de Pablo, para o Figueira. Depois, Rafael Moura empatou, já aos 41 do segundo tempo.

A vitória suada salvou o Inter sob vários aspectos. Com o terceiro lugar e 69 pontos, o Colorado foge da primeira fase da Libertadores, marcada para a primeira semana de fevereiro, o que implicaria mudança de planejamento na pré-temporada. Além disso, se passasse pelo mata-mata, ingressaria no grupo da morte, com São Paulo, San Lorenzo e Danubio. Agora, o time de Abel irá ao Grupo 4, ao lado de Emelec, do Equador, do Universidade de Chile e do vencedor do Jogo 4, entre Monarcas, do México, e The Strongest, da Bolívia. A derrota deixa o Figueirense em 12º com 57 pontos e em nenhum momento estraga a importante campanha de recuperação de Argel Fucks.

Ao final da partida, o árbitro Marielson Alves da Silva ainda sofreu com as reclamações dos jogadores do Figueirense. A ira dos catarinenses rendeu um lance incomum, em que Rafael Moura precisou correr atrás de Marielson e escoltá-lo dos rivais furiosos.

Paulão zagueiro Inter (Foto: Alexandre Lops / Divugação Inter)
Figueirense e Inter fazem jogo emocionante em Santa Catarina (Foto: Alexandre Lops / Divugação Inter)

Bastante desfalcado, sem o capitão D’Alessandro nem o xodó Nilmar, o Inter entrou em campo com surpresas. Abel Braga retomou o esquema com três zagueiros, usado com relativo sucesso no empate com o São Paulo, no Morumbi. A ideia parecia acertada. Os primeiros minutos foram de pressão vermelha. Substituto de Fabrício, Alan Ruschel atuou como ala-esquerdo e quase abriu o placar logo aos quatro minutos. Aos 15, Rafael Moura, livre, cabeceou para fora. Um ímpeto que aos poucos arrefeceu.

Mesmo sem aspirações concretas na tabela, o Figueirense conseguiu conter o rival e assustar nos contragolpes. O crescimento se deu a partir dos 30 minutos, com duas finalizações de Felipe e uma tentativa frustrada de bicicleta de Marcão. A situação piorou para o Inter, já sem articulação nem inspiração, quando o Corinthians abriu o placar contra o Criciúma. O gol de Elias colocava o Colorado no quarto lugar. O Inter deixou o primeiro tempo reclamando da arbitragem, embora Marielson Alves da Silva pudesse até ter expulsado o colorado Alan Ruschel, por lance levar o braço ao rosto de Yago.

Toda a emoção no final

O Figueirense resolveu jogar futebol na volta do intervalo. A um minuto, Pablo obrigou Alisson a fazer milagre. Aos quatro, não houve santo possível. O atacante completou o cruzamento e anotou o 1 a 0, obrigando o Inter a virar a partida para voltar ao terceiro lugar. A ponto de Abel inverter a tática inicial, indo de três zagueiros a três atacantes, com Taiberson e Wellington Paulista, ao lado de He-Man.

Mesmo assim, Alisson seguiu fazendo milagres. O Criciúma chegou a empatar a partida contra o Corinthians, e França, do Figueira, foi expulso – depois, ainda seriam excluídos Nirley, Alan Ruschel e Wellignton Paulista. Para piorar, o Timão marcou seu segundo gol logo depois. Mas havia tempo. E esperança. Rafael Moura empatou aos 41 minutos, de cabeça. Nove minutos depois, Wellington Silva mudaria a história do Inter, do campeonato. E, quem sabe, da Libertadores 2015.

Figueirense x Internacional, Valdivia (Foto: Eduardo Valente / Agência Estado)
Valdívia não consegue passar pela marcação (Foto: Eduardo Valente / Agência Estado)
GLOBO ESPORTE.COM

Bahia 0 x 1 Internacional

 0 x 1 

COM FALHA INACREDITÁVEL DE LOMBA, INTER BATE O BAHIA NA FONTE NOVA
Goleiro tricolor engole frango em chute de Wellington Silva e deixa o campo vaiado. Internacional faz 1 a 0 no Bahia e vence a primeira como visitante
Uma falha inacreditável decretou a vitória do Internacional sobre o Bahia, em partida realizada na noite deste sábado, na Arena Fonte Nova. O chute despretensioso de Wellington Silva, do meio da rua, parecia ter como destino certo as mãos de Marcelo Lomba. Só que o goleiro tricolor, talvez pelo excesso de confiança, talvez pela bola molhada por causa da chuva, não conseguiu evitar o gol que decretou a vitória Colorada por 1 a 0. Pior do que isso: Lomba praticamente colocou a bola para dentro do gol.

Pior para o Bahia, que cai para a 17ª colocação na tabela e vai dormir na zona do rebaixamento. Pior ainda para Marquinhos Santos, que pediu demissão do cargo de treinador logo após o final do confronto. O Inter, que não tem nada a ver com isso, conquista a primeira vitória como visitante no Campeonato Brasileiro e pula para o 2º lugar.

Bahia e Internacional agora ganham uma semana de preparação antes da próxima rodada do Brasileirão. Enquanto o Tricolor vai até o Pacaembu para duelar contra oPalmeiras, no próximo domingo, às 16h (horário de Brasília), o Colorado recebe o Santos no mesmo dia, só que às 18h30, no estádio Beira-Rio.

Inter tem posse de bola, mas não assusta

Com o cargo do técnico Marquinhos Santos ameaçado, o Bahia iniciou o jogo a todo vapor, como se os jogadores estivessem dispostos a salvar a cabeça do seu comandante. Marcação avançada e chegadas ao ataque em velocidade, sobretudo com Rhayner pela esquerda. Aos poucos, porém, a empolgação dos tricolores foi diminuindo. Foi o suficiente para que a melhor qualidade técnica do Internacional sobressaísse. Os gaúchos impuseram o seu ritmo, dominaram o meio-campo e emplacaram uma posse bola superior à dos donos da casa: 59% a 41%. No entanto, pode-se dizer que foi um domínio inerte, já que o Colorado quase não chegou à meta defendida por Marcelo Lomba. Já Dida levou um susto. Após cobrança de escanteio, Uelliton, volante tricolor, ficou livre na área e mandou para cima. Foi o único lance de perigo da primeira etapa.

Lambança na Fonte Nova

Muitas faltas, muitos passes errados e pouca criatividade deram a tônica da segunda etapa, tudo da mesmo forma como já havia acontecido nos primeiros 45 minutos. O Bahia, um pouco superior, assustou em cobrança de falta de Uelliton. Do outro lado, Marcelo Lomba apareceu bem para evitar gol de Alex em chute de longa distância. O goleiro tricolor só não teve a mesma sorte, ou competência, para evitar o gol de Wellington Silva. Sem encontrar brechas na defesa baiana, o lateral colorado decidiu arriscar de longe. O chute saiu fraco, mas Lomba resolveu presentear o adversário e aceitou. Uma lambança incrível que decretou a vitória dos gaúchos em Salvador.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Renato Maurício Prado ironiza possível saída de Matheus do Flamengo

 

Bagá anda enfurecido com essa história de Matheus, filho de Bebeto, insistir em deixar o Flamengo para se transferir para a Juventus. Com um mau-humor do cão, ele dispara, ao me ver de longe:

— Chefia, Negueba saiu do Fla, teve uma lesão nos ligamentos. Bottinelli saiu do Fla, sofreu uma fratura no tornozelo. Wellington Silva saiu do Fla e fraturou o calcanhar. Sei não…

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 16/03/2013

Presidente do Resende acusa advogado do Flamengo de tentar querer o enganar

Wellington Silva - Flamengo (Foto: Paulo Sérgio)

Wellington Silva tem movimentado os bastidores de Fla, Flu e Resende (Foto: Paulo Sérgio) 

A acirrada disputa entre Flamengo e Fluminense para contratar Wellington Silva tem causado um grande furor de informações nos bastidores dos dois rivais que pretendem contar com o lateral-direito para 2013. A concorrência do Tricolor fez com que o Rubro-Negro se apressasse para exercer a prioridade na compra dos direitos econômicos do atleta – esse acordo foi feito assim que o jogador foi emprestado pelo Resende ao clube da Gávea, depois do Campeonato Carioca deste ano.

Ciente de que o Fluminense ofereceu R$ 50 mil de salário para Wellington Silva, o Rubro-Negro, que se dispôs a pagar R$ 40 mil, enviou o advogado do clube, André Galdeano, para que o presidente do Resende, Ricardo Simão, assinasse um documento que comprovasse a prioridade que o clube da Gávea tem na negociação.

Ricardo Simão, porém, disse que o advogado rubro-negro, ao abordá-lo na rua, fingiu ser um membro da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), tentando intimidá-lo.

– Foi lamentável a maneira que esse advogado do Flamengo veio até mim. Ele tentou me convencer de que era um integrante da Ferj, querendo me induzir a assinar o documento. Eu não sou bobo. Quando percebi que ele estava tentando me enganar, disse que não ia assinar documento algum e fui embora – explicou Ricardo Simão.
Transtornado, o presidente do Resende fez questão de desmentir que teria fugido de André Galdeano.

– Eu não fugi de ninguém. É revoltante você ver seu nome citado em um monte de mentiras. Fui aconselhado a não falar sobre isso, mas tenho de ser verdadeiro com os fatos. Eu tenho família e um nome a zelar. Jamais fugiria de alguém, ele que tentou me ludibriar – disparou o dirigente.

Ainda sobre o encontro com Galdeano, Ricardo Simão lamentou a forma que o clube da Gávea tem tratado o assunto.

– O Flamengo agiu de forma amadora. É uma pena o que a atual diretoria tem feito, o clube é muito maior do que isso tudo – ressaltou.

FUTURO A CARGO DE MACEDO

Enquanto o Flamengo corre atrás do Resende para tentar exercer o direito da compra de Wellington Silva, uma informação parece fugir do conhecimento rubro-negro. O clube do interior fluminense não decidirá o futuro do lateral, mas sim Alberto Macedo, dono do Gol de Placa, escritório de marketing esportivo que detém a maior parte dos direitos econômicos do atleta.

Segundo Ricardo Simão, quem comanda o futebol profissional do Resende é a empresa de Alberto Macedo.

– O Resende não está negociando o jogador. Quem está à frente da negociação é o Gol de Placa, que controla o futebol profissional do nosso clube – disse o mandatário, que garante não saber qual será o destino do lateral:

– Quem pode falar sobre o destino do atleta é o Alberto Macedo. Estou por fora disso

© 1997-2012 Todos os direitos reservados a Areté Editorial S.A Diário LANCE!