Coritiba 4 x 1 Atlético Goainiense

DESTAQUE

PASSEIO COXA-BRANCA

Na estreia do Campeonato Brasileiro, brilho de um novato e noite desastrosa para um goleiro. O Coritiba goleou o Atlético-GO neste segunda-feira por 4 a 1, no estádio Couto Pereira, e contou com a estrela do meia Tomas Bastos, recém-chegado ao clube, para definir o placar. Os atacantes Henrique Almeida e Neto Berola também aproveitaram as falhas do arqueiro Kléver e marcaram para o time da casa. Walter descontou para o Dragão, mas não evitou a o revés rubro-negro.

DESTAQUE

PANORAMA

 

Com a vitória, o Coritiba se une aos times que já têm três pontos na competição e fica, pelo saldo de gols, na quarta colocação. O Atlético-GO, com saldo de três negativos, abre o Z-4, na 17ª posição. Na segunda rodada, o Coxa vai até a Vila Belmiro para enfrentar o Santos, no próximo sábado, às 16h (horário de Brasília). No mesmo dia, o Dragão recebe o Flamengo, no Serra Dourada, às 19h.

 

DESTAQUE

PRIMEIRO TEMPO

A etapa inicial foi marcada por gols do Coxa e lances contraditórios. Depois dos primeiros minutos de velocidade, com superioridade do Coritiba, o mandante se acomodou. Foi a vez de o Atlético-GO agitar a partida, obrigando o goleiro Wilson a fazer boas defesas. Aos 21 minutos, o zagueiro Ricardo Silva cortou a bola com o braço dentro da área, e o árbitro nada marcou. Mas em uma desatenção da defesa, aos 31 minutos, o atacante Henrique Almeida abriu o placar. Aos 34 minutos, em mais uma falha do goleiro Klever, foi a vez de Neto Berola ampliar. O Dragão até reagiu e marcou, com Everaldo, aos 36, mas o bandeira anulou de forma equivocada.

DESTAQUE

ETAPA FINAL

O ritmo do anfitrião se manteve na etapa complementar. O Coritiba foi obrigado a fazer as três substituições por lesão, mas a entrada do meia Tomas Bastos, ainda no primeiro tempo, no lugar de Anderson, é que mudou a partida. Aos 17 minutos, o atacante Walter recebeu a bola dentro da área e diminuiu para os goianos. Depois, só deu Coxa. Tomas cobrou uma falta aos 20 e outra aos 25. Converteu as duas para definir o 4 a 1. A segunda com outra falha gritante de Kléver.

DESTAQUE

PÚBLICO E RENDA

10.631 pagantes
11.173 presentes
R$ 183.330,00

GLOBO ESPORTE.COM

Atlético Paranaense 2 x 1 Avaí

Atlético-PR vence o Avaí por 2 a 1 e volta a comemorar na Baixada

Com gols no primeiro tempo, o Furacão acaba com jejum desde agosto. Avaí foi valente no segundo tempo, fez o seu, mas segue bem perto da zona de rebaixamento

O Atlético-PR venceu o Avaí por 2 a 1 na noite deste sábado, pela 34ª rodada do Brasileirão, e comemorou um bom resultado na Arena da Baixada, que não acontecia desde o dia 30 de agosto. Walter e Sidcley fizeram o placar no primeiro tempo e Anderson Lopes descontou no segundo tempo em meio à tentativa de reação avaiana.

Com o resultado, o Atlético-PR sobe três posições e vai para a 11ª colocação com 46 pontos. O Avaí permanece à beira da zona de rebaixamento na 16ª posição com 35 pontos e pode ser ultrapassado pelo Goiás, que enfrenta o Flamengo neste domingo.

O Brasileirão dá uma pausa de dez dias para as eliminatórias da Copa do Mundo e volta no dia 18 de novembro, quando o Atlético-PR recebe o Palmeiras, quarta-feira, na Arena da Baixada, às 21 horas. No mesmo dia e horário, o Avaí recebe o Joinville na Ressacada.

wellington e andré lima atlético-pr x avaí arena da baixada (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)
Resultado complica a vida do Avaí na briga para evitar a zona de rebaixamento
(Foto: Giuliano Gomes/PR Press)

Furacão domina um Avaí apático

O Atletico-PR dominou todo o primeiro tempo controlando a partida no meio de campo e criando jogadas ofensivas, que deixaram confusa a defesa do Avaí. Na pressão, Vilches quase abriu o placar com a bola que sobrou na área e foi salva na linha por André Lima. O gol do Furacão estava maduro, e Walter marcou aos 34 minutos depois de iniciar jogada. O segundo gol veio de Sidicley, que aproveitou sobra de jogada feia por Eduardo.

Avaí acorda e vai atrás do resultado

Precisando mudar a apatia do Avaí, o técnico Gilson Kleina tirou o atacante Romulo, apostou no lateral Pablo e a equipe passou a funcionar melhor em campo. Quem apareceu foi Anderson Lopes, que concentrava as boas chances até fazer o gol aos 13 minutos. A equipe catarinense seguiu pressionando, que assustou o técnico Cristóvão Borges trocando o meia Sidcley pelo zagueiro Rodrigo e que surtiu resultado para confirmar o placar na Arena da Baixada.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Fluminense 0 x 1 Atlético Paranaense

Weverton atrás, Walter na frente: Furacão segura Flu e vence no Maraca

Com cinco boas defesas, goleiro controla pressão tricolor. Atacante marca no 1 a 0, que dá fim a duplo jejum dos paranaenses. Time carioca é pior do returno e teme Z-4

O Atlético-PR não vencia há nove jogos. Eram dez sem gol de Walter. Pois graças ao atacante o Furacão derrotou o Fluminense, neste sábado, no Maracanã, por 1 a 0 e voltou a respirar no Brasileirão. Abriu nove pontos da zona do rebaixamento, grupo que o Tricolor teima em ficar perto. Com a pior campanha no returno, dez derrotas em 13 partidas, tem sete pontos à frente dos quatro últimos.

Além de Walter, outro ex ganhou do Flu: o treinador Cristóvão Borges. O Atlético-PR, ao menos neste sábado, ganhou duas posições: é o 11º, com 42 pontos. O Tricolor caiu para 13º, com 40 pontos. A Copa do Brasil e a Copa Sul-Americana entram em cena na quarta-feira. Em São Paulo, o Tricolor tenta chegar à final ao encerar o Palmeiras. Mesmo dia em que o Furacão vai a Luque, no Paraguai, encarar o Sportivo Luqueño por classificação à semifinal. Vasco e Chapecoense, respectivamente, no domingo, são os próximos rivais no Brasileiro.

Walter Atlético-PR Fluminense (Foto: Ag Estado)
Walter comemora gol marcado a favor do Furacão: fim de seca de dez jogos e vitória contra o Flu (Foto: Ag Estado)

Mesmo com chances de título em outras competições, Fluminense e Atlético-PR aturam com o que tinham de melhor. A ideia era pontuar para dar fim ao risco de rebaixamento no Brasileirão. Mas só o time carioca atuou, especialmente no primeiro tempo. A posse de bola (60% a 40%) e o números de finalizações (11 a seis) indicaram a superioridade. Que só não se refletiu no placar pela atuação de Weverton, com boas defesas em chutes de Vinícius, Scarpa e Cícero. O paranaense só arriscou em chutes sem direção de Walter. Logo no primeiro minuto da etapa final, o goleiro impediu gol de Magno Alves. A história parecia que iria se repetir… Mas o Furacão equilibrou. Quase marcou com Marcos Guilherme. Mas foi Walter, ao se desmarcar de Gum, que abriu o placar, de cabeça, após cruzamento de Marcos Guilherme. Aí, o Flu se perdeu. Com muitos passes errados (43 a 19), não teve forças para empatar. Ainda viu Marcos Junior finalizar, ao final do jogo, e Weverton fazer mais uma ótima defesa.

Nem a venda de cerveja levou bom público ao Maracanã. Depois de mais de 30 mil na quarta, pela Copa do Brasil, os tricolores não chegaram a 10 mil. Foram 8.995 (7.012 pagantes). Renda: R$ 225.320.

GLOBO ESPORTE.COM

Figueirense 1 x 1 Atlético Paranaense

Figueirense e Atlético-PR empatam e secam rivais para não caírem na tabela

Catarinenses e paranaenses ficam no 1 a 1, e Alvinegro pode entrar na zona de rebaixamento, enquanto Rubro-Negro torce para não perder a quinta colocação

Os resultados na última rodada do Campeonato Brasileiro traziam a Figueirense e Atlético-PR a necessidade de vencer para caminhar rumo aos seus objetivos na competição. Nesta quarta-feira, no estádio Orlando Scarpelli, um empate que não foi de total agrado a nenhum dos dois, ainda que os paranaenses tenham mais motivos para comemorar. Com gols de Walter e Clayton, um 1 a 1 que obriga as equipes a secarem Goiás e Flamengo para não caírem na tabela.

Com o resultado, o Figueira ocupa a agora a 16ª colocação, com 24 pontos e pode entrar na zona de rebaixamento caso o Goiás vença o Sport nesta quinta. O time catarinense volta a campo no sábado, às 21h, diante do Palmeiras, em São Paulo. Os paranaenses seguem em quinto e secam o Flamengo, que na quinta enfrenta o Cruzeiro. Os comandados de Milton Mendes jogam novamente fora de casa na próxima rodada. O adversário desta vez é o Vasco, às 16h de domingo.

Figueirense x Atlético-PR Walter (Foto: Ag Estado)

O JOGO

A arbitragem foi motivo de reclamação no primeiro tempo entre Figueirense e Atlético-PR. As equipes faziam um primeiro tempo equilibrado até que Clayton recebeu lançamento aos 26 minutos e marcou. Contudo, o auxiliar anulou o gol, sinalizando um impedimento que não existiu. O erro desestabilizou os donos da casa, e o time paranaense balançou a rede aos 40. Depois de desvio de Kadu na cobrança de escanteio, Walter completou e parecia levar a vantagem para o intervalo.

Um minuto depois, nova reclamação da arbitragem. Yago foi derrubado na área, e Clayton converteu o pênalti no gol de empate. A bronca do Atlético-PR foi no lance que originou a jogada, com o pedido de um toque de mão de Marquinhos Pedroso. Nada marcado, e igualdade no final dos 45 minutos.

O empate não agradava nem a Figueirense, nem a Atlético-PR. René Simões e Milton Mendes tentaram novas alternativas nas equipes, mas a pontaria não ajudou. Os donos da casa fizeram uma pressão, mas não conseguiram marcar. Do outro lado, Walter e Nikão estiveram à frente de Alex Muralha, mas não superaram o camisa 1 alvinegro. Como no primeiro tempo, os dois times reclamaram da arbitragem e pediram pênaltis não marcados. No fim, valeram os gols da etapa inicial e pontos divididos em Florianópolis.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Atlético Mineiro 0 x 1 Atlético Paranaense

Furacão aproveita expulsão e pênalti duvidoso para bater Galo no Horto

Atlético-MG tem domínio até Marcos Rocha receber o vermelho por reclamação. Na etapa final, Walter entra e marca o gol da vitória, após lance polêmico

Definitivamente, o Atlético-PR não se assusta com o Horto. Em três confrontos no novo Independência, o time chegou ao segundo triunfo, na noite desta quarta-feira,  por 1 a 0, gol de Walter , contra apenas uma derrota, e segurou o Atlético-MG na tabela do Brasileirão. Bom para o Corinthians, que segue líder com certa vantagem. O único gol do triunfo paranaense foi de pênalti, batido pelo camisa 18, num lance duvidoso assinalado por Marcelo de Lima Henrique.

Mas esta não foi a única polêmica da partida, já que o Galo dominava o primeiro tempo até a expulsão de Marcos Rocha, por reclamação. Os auxiliares Elan Viera de Souza e Marlon Rafael também não passaram desapercebidos, marcando uma infinidade de impedimentos contra os donos da casa, alguns também polêmicos. Irados, os torcedores do Galo gritaram até que o árbitro era corintiano, e passaram a aplaudir e ironizar cada marcação contrária ao time. Alguns mais exaltados, arremessaram objetivos em campo: um pé de tênis e alguns copos plásticos foram recolhidos pela equipe de arbitragem.

Sem ter nada com isso, os comandados de Milton Mendes demonstraram muita obediência tática e força para suportar a pressão de dentro e fora do campo. Com o triunfo chegaram aos 36 pontos e assumiram o quarto lugar na tabela. O Atlético-MG, por sua vez, estacionou nos 42 e permanece em segundo. O Alvinegro volta a campo no próximo sábado, às 19h30 (de Brasília), ocasião em que visita o Vasco, no Maracanã. Mais tarde, às 21h, o Furacão recebe o Joinville, na Arena da Baixada, em Curitiba.

Com o apoio da torcida e no ritmo que costuma impor em casa, o Atlético-MG tentou pressionar o xará paranaense nos primeiros minutos. Mas, nem mesmo com o fato de Walter ter ficado apenas no banco de reservas, o Furacão se furtou de ir ao ataque e acabou criando as melhores chances nos primeiros minutos. O tempo foi passando e o Galo melhorou, criou oportunidades com Thiago Ribeiro, Pratto e Giovanni Augusto, mas a bola insistiu em não entrar.

 A impaciência começou a tomar conta dentro e fora de campo, com uma sequência de impedimentos anotados contra o alvinegro. E a insatisfação do torcedor chegou ao gramado, já que Luan recebeu amarelo por reclamação, e em seguida, para piorar, Marcos Rocha recebeu o cartão vermelho pelo mesmo motivo. A ira das arquibancadas quase se transformou em alívio após cabeçada de Pratto, mas Weverton fez verdadeiro milagre e garantiu a igualdade na primeira etapa.

Arbitragem polêmica

Se a expulsão de Marcos Rocha já geraria polêmica, o que viria aos 11 minutos ia definitivamente colocar o árbitro Marcelo de Lima Henrique em evidência no confronto de Atléticos. Walter, que entrara no intervalo, deu passe em profundidade para Ewandro. Ele dominou na área, cortou Victor e caiu. Pênalti duvidoso assinalado e gol de Walter logo em seguida, numa cobrança forte, rasteira.

Walter Atlético-PR Atlético-MG (Foto: Reprodução)
Walter comemora gol, de pênalti, na vitória do Atlético-PR sobre o Atlético-MG, no Independência (Foto: Reprodução)

Se o clima entre torcida e arbitragem já não era bom, tornou-se insustentável. Gritos de “juiz é corintiano”, “Corinthians” e até pedidos para tirar o time de campo foram ouvidos. Pilhados, os comandados de Levir correram e tentaram chegar ao empate de todas as maneiras, mas numa partida consciente taticamente, o Atlético-PR confirmou o triunfo.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Atlético Paranaense 3 x 0 Santos

Com dois de Walter, Atlético-PR bate o Goiás e volta a vencer no Brasileiro

Atacante é decisivo, ajuda o Furacão a derrotar o Goiás por 3 a 0 e quebrar série de quatro jogos sem vitórias. Esmeraldino volta para a zona de rebaixamento

Em noite de Walter, o Atlético-PR derrotou o Goiás, por 3 a 0, na Arena da Baixada, voltou a vencer na competição após quatro jogos e fez o Esmeraldino voltar para a zona de rebaixamento. O atacante do Furacão marcou dois gols, um em cada tempo da partida. Ewandro ampliou no fim. A partida foi válida pela 21ª rodada do Brasileirão.

Com o resultado, o Furacão chega aos 30 pontos, permanecendo na oitava posição, quatro atrás do Palmeiras, quarto colocado. Já o Goiás volta para a zona de rebaixamento, terminando a rodada na 17ª colocação, com 22 pontos.

Walter cobra pênalti para marcar o segundo gol do Atlético-PR na vitória sobre o Goiás (Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS)
Walter cobra pênalti para marcar o segundo gol do Atlético-PR na vitória sobre o Goiás
(Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS)

Na próxima rodada, o Atlético-PR enfrenta o Atlético-MG, quarta-feira, às 21h (horário de Brasília), no estádio Independência. No mesmo dia, às 22h (horário de Brasília), o Goiás recebe o Palmeiras no estádio Serra Dourada.

O jogo

O jogo começou truncado, com o Goiás melhor, mas sem criar algum perigo. O Atlético-PR demorou 20 minutos para entrar na partida. Foi justamente quando Walter apareceu. Primeiro, o atacante deu um bom passe para Marcos Guilherme, que parou no goleiro Renan. Aos 26, foi a vez de Nikão achar Walter na área. Ele dominou e mandou para o gol, abrindo o placar na Baixada.

Os dois times começaram mais ligados no segundo tempo. Tanto o Furacão quanto o Esmeraldino criaram boas oportunidades nos primeiros minutos. O Goiás tentou se lançar ao ataque em busca do empate, mas criou poucas chances claras de gol. Já o Atlético-PR logo conseguiu dominar a partida.

O segundo gol foi amadurecendo. Primeiro, Nikão chutou de fora da área e por pouco não ampliou. Aos 32, não teve jeito. Walter, cobrando pênalti sofrido por Hernani, fez o segundo dele e do Furacão. No fim, Dellatorre chutou, Renan defendeu, mas Ewandro aproveitou o rebote para dar números finais ao placar: 3 a 0 para o Atlético-PR.

GLOBO ESPORTE.COM

Palmeiras 0 x 1 Atlético Paranaense

Na hora do almoço, gordinho Walter decide contra Palmeiras: Atlético 1 a 0

Fora de casa, time paranaense vence o terceiro jogo seguido no Brasileiro e encosta no G-4. Palmeiras cai após boa sequência com Marcelo Oliveira e agora é o sexto

Jogo na hora do almoço? Chama o Walter! Após dois jogos fora por causa de uma lesão na coxa esquerda, o atacante conhecido pelo gols e pela barriguinha foi decisivo na vitória do Atlético-PR sobre o Palmeiras, na arena alviverde, pela 16ª rodada do Brasileirão.

Palmeiras x Atlético PR, Walter (Foto: Marcos Ribolli)
Walter comemora o gol decisivo para o Atlético-PR diante dos jogadores e da torcida do Palmeiras (Foto: Marcos Ribolli)

Walter entrou no jogo deste domingo aos 14 minutos do segundo tempo, pouco depois do meio-dia… Horário propício para comer e, por que não, fazer gol! Aos 30, ele mandou a bola para as redes, deu a terceira vitória seguida para o Furacão e levou sua equipe para a quinta posição, com 28 pontos, um abaixo do Sport. O Palmeiras deixou o G-4 e agora é o sexto.

 

No próximo domingo, pela 17ª rodada do Brasileirão, o Atlético-PR recebe o Sport na Arena da Baixada, às 11h. No mesmo dia, o Palmeiras vai ao Mineirão enfrentar o Cruzeiro, às 16h.

O jogo

Antes do jogo, com a arena lotada, a torcida do Palmeiras parecia nem se lembrar do sufoco que passou no último encontro entre os times no local. Em dezembro do ano passado, sob muita tensão dentro e fora de campo, o Palmeiras empatou com o Atlético-PR em 1 a 1 e escapou do rebaixamento na rodada final do Brasileirão-2014.

Neste domingo, animado pelos sete jogos sem perder na competição deste ano, o Palmeiras entrou sem qualquer preocupação ruim, mas encontrou novamente um adversário complicado. O primeiro tempo foi travado. O Atlético-PR de Milton Mendes fechou-se em duas linhas de quatro jogadores, deu a posse de bola para os donos da casa (que chegou a ter 66% na metade da etapa inicial) e tentou encaixar contra-ataques.

A tática rubro-negra não funcionou na frente, mas manteve o empate sem gols e conteve o ímpeto alviverde. Robinho foi quem mais apareceu, com dois chutes de fora da área e uma cobrança de falta perigosa. Tanto que, no intervalo, Marcelo Oliveira tirou Rafael Marques e colocou Kelvin para tentar dar mais velocidade à transição de bola do meio para o ataque.

Sem muito resultado, os dois técnicos resolveram tomar mais providências ofensivas antes dos 20 minutos do segundo tempo. Marcelo Oliveira e Milton Mendes trocaram seus jogadores mais avançados: Barrios entrou no lugar de Leandro Pereira, Walter substituiu Crysan.

Errando muitos passes, o Palmeiras criou menos chances de gol. E o Atlético-PR deixou de esperar atrás para se aventurar com mais frequência na frente. Aos 30 minutos, Walter aproveitou uma sobra de bola depois de cobrança de escanteio e tocou na saída de Fernando Prass: Furacão 1 a 0.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Atlético Paranaense 2 x 2 Coritiba

Atlético-PR e Coritiba empatam no primeiro Atletiba da nova Arena: 2 a 2

Com recorde de público, Furacão marca com Walter e Edigar Junio e fica no terceiro lugar. Coxa balança as redes com Wellington Paulista e Ruy, mas segue no Z-4

 

Atlético-PR e Coritiba protagonizaram um emocionante empate no primeiro Atletiba da nova Arena da Baixada. Os times ficaram no 2 a 2 na tarde deste domingo, em jogo válido pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Wellington Paulista e Ruy marcaram para o Coxa; Walter e Edigar Junio anotaram os gols rubro-negros. Com o resultado, o Furacão ficou no terceiro lugar, agora com 16 pontos. Já o Coxa segue na zona de rebaixamento, com quatro.

O jogo deste domingo registrou o melhor público do Furacão na nova Arena: 30.120 presentes e 26.773 pagantes, com renda de R$ 964.125,00.

A situação dos dois times antes do jogo poderia colocar o Atlético-PR como favorito ou, pelo menos, com certa vantagem. Ele tinha 12 pontos a mais na classificação (15 a três), jogava diante do seu torcedor e buscava a sétima vitória seguida como mandante. Mas, em clássico, tudo isso é detalhe. Quando a bola rolou, os times protagonizaram uma partida equilibrada. O Coritiba saiu na frente com Wellington Paulista após chute torto de Marcos Aurélio. Mas o Furacão empatou com Walter, também depois de uma finalização “errada” – de Ytalo.

O Atlético-PR voltou com uma postura ainda mais ofensiva. Ele tinha a posse de bola, rondava a área adversária, mas não conseguia criar lances claros de gol. O Coritiba aproveitou desatenção da defesa rubro-negra para, com Ruy, fazer 2 a 1. Mas, logo depois, João Paulo falhou, e Edigar Junio deu números finais à partida: 2 a 2 no primeiro Atletiba da nova Arena.

O Atlético-PR vai tentar reencontrar o caminho das vitórias diante da Ponte Preta, às 16h (horário de Brasília) de domingo, no Moisés Lucarelli. Já o Coritiba vai tentar dar início a uma arrancada para fugir da degola diante do Cruzeiro, também às 16h de domingo, no Couto Pereira.

douglas coutinho atlético-pr atletiba (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)
Times ficam no 2 a 2 no primeiro Atletiba da nova Arena (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)

O jogo

O técnico Milton Mendes, no 11° jogo à frente do Furacão, promoveu apenas uma mudança em relação à derrota para o Grêmio, na rodada passada: o meia Felipe substituiu o suspenso Nikão. Já Ney Franco, que tinha estreado na derrota para o Flamengo, mexeu em meio time. Destaque para João Paulo e Marcos Aurélio, dupla com passagem pelo rival. Apesar dos cenários distintos, os times protagonizaram um jogo equilibrado. Ytalo arriscou de longe, sem direção. Esquerdinha respondeu de cabeça, mas Weverton defendeu. Aos 19, o Coxa teve sorte. Marcos Aurélio pegou mal na bola, mas ela sobrou para Wellington Paulista bater com categoria e abrir o placar.

Mesmo em vantagem, o Coritiba manteve uma postura ofensiva. O Atlético-PR, por sua vez, abriu-se ainda mais em busca do gol. Que não demorou. Hernani cruzou, Ytalo não conseguiu dominar. Mas a bola sobrou para Walter, que finalizou firme, no canto, para deixar tudo igual. O jogo ficou lá e cá. Os mandantes apostavam em jogadas pelos lados, principalmente com Eduardo e Natanael, e em lançamentos longos. Os visitantes depositavam suas fichas na bola parada e nos contra-ataques, com Marcos Aurélio e companhia. Apesar disso, o primeiro tempo ficou mesmo no 1 a 1.

O Atlético-PR voltou com o mesmo time, mas com uma postura mais ofensiva para o segundo tempo. Eduardo e Douglas Coutinho pela direita, Natanael e Ytalo pela esquerda davam trabalho para a marcação adversária. O Furacão rondava a área, mas sofria para criar uma chance clara. O técnico Milton Mendes, então, trocou Felipe – de atuação discreta – por Giovanni. Depois, sacou Ytalo e colocou Edigar Junio. O Rubro-Negro tinha mais posse de bola (era de 55% aos 30 minutos do segundo tempo), mas faltava o algo a mais.

O Coritiba parecia esperar pacientemente um erro do adversário para balançar as redes. E o erro ocorreu aos 31. Marcos Aurélio tocou de calcanhar e deixou Ruy livre para fazer 2 a 1 na Arena da Baixada. O lance, em vez de abalar, acordou o Atlético-PR. Minutos depois, Edigar Junio roubou a bola de João Paulo na grande área e chutou forte para deixar o placar mais uma vez igual. No fim, Wellington Paulista e Norberto ainda foram expulsos. Mas não dava tempo para mais nada.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Atlético Paranaense 3 x 0 Internacional

Atacante faz um gol, sofre pênalti e cruza para o terceiro gol do Furacão na Baixada. Focado na Libertadores, Colorado não evita derrota mesmo com “reservas de luxo”.

O atacante Walter brilhou, e o Atlético-PR venceu o time reserva do Internacional por 3 a 0 na tarde deste domingo, na Arena da Baixada, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro. O camisa 18, ex-Colorado, marcou um e participou dos outros dois gols. O resultado deixa o Furacão no segundo lugar e o time gaúcho em último pelo saldo de gols.

O Atlético-PR buscava, no jogo deste domingo, minimizar a pressão após ter lutado para não cair no estadual e de ter sido eliminado pelo Tupi-MG logo na segunda fase da Copa do Brasil. E o time contou com a estrela de Walter: marcou o primeiro, sofreu o pênalti do segundo (Felipe cobrou) e cruzou para Paulão, contra, fazer o terceiro. O Inter, em meio à disputa por vaga nas quartas de final da Libertadores, poupou os titulares. Mesmo com reservas de luxo, como Léo, Réver e Rafael Moura, a equipe de Diego Aguirre não conseguiu superar a marcação adversária.

Walter Atlético-PR Internacional (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)
Walter comemora o primeiro gol da vitória rubro-negra (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)

Na próxima rodada do Brasileirão, o Atlético-PR pega o Goiás às 18h30 (horário de Brasília) de sábado, no Serra Dourada – o jogo será com portões fechados. Já o Inter recebe o Avaí às 18h30 de domingo, no Beira-Rio. Antes, o Colorado tem o jogo contra o Atlético-MG pelas oitavas de final da Libertadores – o duelo está marcado para quarta-feira, às 22h, no Beira-Rio.

Walter é decisivo na vitória atleticana

Apesar das diferenças, Atlético-PR e Inter protagonizaram primeiro tempo equilibrado. O Furacão apostava nas jogadas pelos lados, principalmente com Eduardo e Marcos Guilherme pela direita. O gol, aliás, saiu por ali. Aos 14, Marcos Guilherme cruzou, e Walter apareceu livre para mandar o fundo da rede. Na comemoração, o jogador – que passou pelo time gaúcho – provocou a torcida rival com sinal de silêncio. O Colorado, por sua vez, levava perigo em chutes de longe, bola parada e bola aérea. Aos 23, por exemplo, Taiberson cruzou, e Kadu quase marcou contra. Talvez pelo desentrosamento, porém, os visitantes não conseguiram o gol ainda na etapa inicial.

O Inter voltou com postura mais ofensiva para o segundo tempo, mas deixou espaços atrás. Sorte dele que Marcos Guilherme e Felipe perderam chances claras, praticamente sem goleiro, nos minutos iniciais. Diego Aguirre, então, colocou Alex e Valdívia. Sem sucesso. A equipe rondava a área, mas não criava chances claras. O Furacão, então, “matou” o jogo. Primeiro, Walter sofreu pênalti – Felipe cobrou com categoria e ampliou. Depois, Walter cruzou, e o zagueiro Paulão errou no corte e marcou contra – 3 a 0. Aí o Atlético-PR valorizou o resultado, trocou passes (inclusive com gritos de olé) e só esperou o apito final para comemorar.

 

GLOBO ESPORTE .COM

Unimed vai notificar jogadores e não pagará mais direitos de imagem

Ao deixar o Flu, empresa quer rescindir com atletas que recebem de 50% a 80% do salário. Presidente Celso Barros, porém, garante que honrará compromissos.

Anunciado na manhã desta quarta-feira, o fim da parceria entre Fluminense e Unimed surpreendeu muitos tricolores, mas vinha sendo costurado pelas partes há pelo menos 40 dias. Durante todo esse tempo, o presidente do clube, Peter Siemsen, e o presidente da cooperativa de médicos, Celso Barros, mantinham conversas para colocar um ponto final na relação e decidiam como fazer, o que ocorreu nesta terça-feira. Há um ponto que promete agitar o ambiente das Laranjeiras: o plano de saúde não pagará mais os direitos de imagens dos atletas que têm contrato em vigor com o clube. A empresa, porém, garante que honrará os contratos.

Fred, Treino do Fluminense nas Laranjeiras (Foto: Nelson Perez / Fluminense FC)
Fred é quem mais recebe da Unimed, mas empresa não deve mais pagar atletas (Foto: Nelson Perez/Fluminense FC)

A nota da Unimed informa que a decisão é fruto de uma revisão da estratégia de marketing da empresa. No entanto, ela é baseada na grave crise financeira que a patrocinadora atravessa. Apesar de dar o vínculo como encerrado, Celso Barros ainda tem contratos a cumprir com vários jogadores: Fred, Conca, Henrique, Rafael Sobis, Walter, Jean, Wagner. Todos eles recebem direitos de imagem da Unimed. São valores que representam de 50% a 80% de seus vencimentos. Cícero passaria a receber a partir de janeiro de 2015.

Conca treino Fluminense (Foto: Fernando Cazaes / Photocamera)
Conca voltou ao Flu em 2014 com ajuda da empresa (Foto: Fernando Cazaes / Photocamera)

Segundo o GloboEsporte.com apurou, a Unimed quer rescindir os contratos unilateralmente e vai notificar os atletas. Ela alega que não tem como cumprir os acordos. Este foi um ponto que embasou o plano de reestruturação da empresa enviado à Agência Nacional de Saúde. Neste caso, os jogadores teriam de ir à Justiça. Celso espera que eles busquem outras equipes, o que o livraria da obrigação de cumprir com os pagamentos. O Fluminense, por sua vez, pretende adotar a postura de honrar a sua parte nos contatos com os atletas que quiserem ficar.

Duas figuras centrais representam a maior preocupação: Fred e Conca. O atacante e o meia são os maiores salários do elenco e juntos custam para a patrocinadora cerca de R$ 1,3 milhão por mês. Valor que chega a cerca de R$ 5 milhões se ampliado aos demais atletas.

Existem variações nos contratos. A rescisão de Darío Conca, por exemplo, é de R$ 12 milhões. Fred recebe R$ 650 mil de direitos de imagem da Unimed – o Fluminense paga mais R$ 300 mil (R$ 100 mil de CLT e R$ 200 mil de imagem). O documento prevê que ele receba o valor até o fim do contrato, em dezembro de 2015, mesmo em caso de ruptura entre clube e patrocinadora. Nos contratos mais recentes, não há esta cláusula.

FUTEBOL - FLUMINENSE - Peter Siemsen e Celso Barros (Foto: Nelson Perez / Fluminense FC)
Celso Barros (E) garante que Unimed honrará compromissos com os jogadores (Foto: Nelson Perez / Fluminense FC)

Em contato com o GloboEsporte.com, Celso Barros apresentou a sua versão sobre o caso. O presidente da Unimed garantiu que honrará os contratos apesar da crise financeira pela qual passa a empresa:

– Eu garanto: a Unimed vai cumprir todos os seus contratos com os jogadores do Fluminense. Os contratos serão honrados. Mesmo que a parceria tenha sido encerrada, mesmo que a marca da Unimed não esteja estampada no uniforme do clube.

Celso também explicou o motivo de encerrar o contrato com o clube do coração.

– Evidentemente que estamos nos reestruturando. Ano que vem será difícil à economia brasileira e, portanto, decidimos investir menos em marketing. A empresa se reestrutura a cada ano. É uma decisão que não é fácil, mas no mundo dos negócios é algo normal. A empresa não vai deixar de investir em esporte, mas o fará em escala menor. Bem menor. Acho que o saldo da parceria é positivo. Com exceção do ano passado, o saldo é ótimo. Começamos em 1999 na Série C. E crescemos. Tanto a empresa quanto o clube. Tivemos muitas conquistas. É extremamente positivo.

Peter Siemsen ainda não se pronunciou sobre o caso. O mandatário concederá entrevista coletiva nesta quinta-feira.

GLOBO ESPORTE.COM