Visitas guiadas ao Centro Cultura recomeçarão em agosto

As visitas guiadas ao Memorial serão suspensas até o fim deste mês

Site do Ceará Sporting Club

Viagem de Dilma satânica deixou muitos deputados cearenses insatisfeitos

 

Por Miguel Martins

As ações anunciadas pela presidente Dilma Rousseff na última terça-feira em visita ao Ceará não agradaram os deputados da Assembleia Legislativa. Na quinta-feira, alguns parlamentares repercutiram a visita da petista e afirmaram que parte dos repasses prometidos por ela para o Nordeste, da ordem de R$ 9 bilhões, já estavam assegurados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Quem puxou o coro das críticas foi o líder do PSB na Casa, Wellington Landim, que disse não ter “nada de novo” no pacote de medidas anunciadas para amenizar os efeitos da seca na região. A distribuição de máquinas retroescavadeiras aos prefeitos de municípios do Ceará e de maquinário pesado para outras obras já constavam no PAC, conforme informou. Ao invés de prorrogar a dívida dos pequenos agricultores em dez anos, o parlamentar defendeu que estas fossem dispensadas, visto que os trabalhadores rurais perderam toda sua produção.

“Quantas vezes os grandes ruralistas neste País tiveram suas dívidas perdoadas? E nós estamos vivenciando a pior seca dos últimos 50 anos”, afirmou. De acordo com ele, o médio agricultor foi quem mais perdeu com a estiagem e merecia uma maior atenção por parte do Governo Federal. “O médio agricultor, que tinha 20 cabeças de gado, agora tem cinco. Vendeu 50 cabeças a preço de banana e o que restou não se sabe se sobrevive até o final do ano”, afirmou, defendendo a necessidade de empréstimos para recuperar a economia rural.

Para o Ceará recuperar sua economia, precisaria de R$ 4,5 bilhões, segundo estudos da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec). O deputado lembrou que o Ceará solicitou da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) 456 toneladas de milho, o que daria aproximadamente 38 toneladas por mês. Mas somente18 mil toneladas foram liberadas.

Wellington Landim lamentou não ter ouvido de Dilma Rousseff que a Transposição do Rio São Francisco era a prioridade do Governo Federal. “Nada foi falado. E os prefeitos recebem uma máquina e ficam calados achando a melhor coisa do mundo. Sinceramente, eu fico em uma decepção”, criticou.

“A presidente veio aqui e pariu um rato”, disse o tucano João Jaime, afirmando que nada foi distribuído por ela, visto que todas as ações prometidas já estavam inseridas no PAC. “Ela deveria ter anunciado uma máquina perfuratriz para cada município do Estado. A prorrogação dos empréstimos era necessidade não só dos agricultores e do banco. Efetivamente, eu não vi nada. 30% do aumento de carro-pipa? Eles precisam é do incremento de cinco vezes desse total”, reclamou João Jaime (PSDB), afirmando ter ficado “estarrecido” com a satisfação de alguns prefeitos que se sentiram contemplados com as ações da presidente Dilma.

O tucano Fernando Hugo disse que Dilma Rousseff só veio “fazer festa” no Estado e não deixou nenhum repórter fazer pergunta sobre a Transposição do Rio São Francisco. “Ela prometeu mundos e fundos que já estavam na cota para o Nordeste. Foi uma visita Rei Momo, carnavalesca”, criticou. Roberto Mesquita também chegou a afirmar que não se sentiu contemplado com a visita da presidente Dilma Rousseff para tratar da seca e afirmou que ela veio enganada para Fortaleza. “Para o nordestino, nada ela disse sobre o que mais interessa”, apontou.

 

Diário do Nordeste – Política – 07 de abril de 2013