Luxemburgo fala carioquês e imprensa pernambucana precisa de intérprete

Resultado de imagem para Vanderlei Luxemburgo Sport

 

Não tá fácil Pessoal da imprensa do Recife, ao receber o “pofessor” Luxemburgo para a sua primeira coletiva como treinador do Sport e depois da sua estreia na equipe, sentiu alguma dificuldade na comunicação. A continuar o problema , irão solicitar o auxílio de um intérprete.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Jornalista diz que conselho da CBF é “piada” e Lazaroni defende grupo

Sérgio Xavier diz que entidade “olha para trás” ao chamar ex-treinadores para debate. Ex-treinador diz que grupo olha para frente, mas defende a preservação da história

O Conselho de Desenvolvimento Estratégico do Futebol Brasileiro, que reúne ex-treinadores da seleção para discutir os rumos do esporte no país, foi tema de debate no “Redação SporTV”desta terça-feira. Convidado do programa, o jornalista Sérgio Xavier, colunista da revista “Placar”, criticou a medida da CBF e tratou a criação do conselho como uma “piada”, especialmente pela demora nas ações. Ex-treinador e membro do grupo, Sebastião Lazaroni também participou do programa e defendeu a iniciativa .

 – Acho uma grande piada. Toda vez que a gente precisa olhar para frente, vira a cabeça e tenta olhar para trás. Quando o mundo está pensando em carro elétrico, a gente volta para a charrete. É mais ou menos essa a ideia ao pegar gente que estava inclusive fora do mercado. Muitos deles (do conselho) estão completamente desatualizados. Vi a imagem do Zagallo ali e temos que prestar mil homenagens pelo que ele fez, mas não vamos pedir para o Zagallo olhar para frente porque ele não está olhando para frente, ele olha para trás. Se a gente continuar olhando para trás, vai seguir recuado. Passou um ano e o que aconteceu? A gente recuou. É uma piada – insistiu.

Ao participar do programa e dar sua opinião sobre o conselho, um dia após ter participado do primeiro encontro, Lazaroni partiu em defesa da medida e da contribuição que os ex-técnicos podem dar para a seleção brasileiro.

Nenhum de nós está olhando para trás. A ideia é olhar para a frente, mas muito passa por preservar uma história
Sebastião Lazaroni, ex-técnico
da Seleção

– Acho que o Sérgio Xavier está um pouco equivocado. Nenhum de nós está olhando para trás, pelo contrário, a ideia é sempre olhar para frente, mas muito passa por preservar uma história e lutar por ela. Muitas dos profissionais que estão ali tem muito a ver com o sucesso brasileiro em todos os momentos. O Zagallo tem que ser ouvido sempre, Carlos Alberto Silva, Falcão, Candinho, Carlos Alberto Parreira, Evaristo e muitos outros. Desculpe, mas tenho muito respeito pela história de muitos que passaram por ali – afirmou.

Sérgio Xavier destacou que a crítica foi direcionada à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e não aos ex-técnicos, convidados pela entidade para participar do debate. Além disso, ele criticou a demora na ação, considerando que o primeiro encontro aconteceu quase um ano depois da frustrante eliminação na Copa do Mundo, para a Alemanha, com uma goleada por 7 a 1.

– A minha crítica não foi a quem foi chamado na reunião, pelo contrário. Minha crítica é à CBF, que um ano depois chama vocês para conversar. Por que esperou perder o Paraguai na Copa América, dar mais um vexame, para repensar o futebol brasileiro? (…) Faz um ano (nesta quarta) que a gente perdeu por 7 a 1 e agora, um ano depois, a CBF chama ex-treinadores que tiveram papel importante lá para trás. Acho que não seriam as pessoas certas para dar essa contribuição agora. A gente tem que olhar os exemplos que estão funcionando lá fora e parar um pouco com essa ideia de que tudo de bom no futebol sai do Brasil. Se nos outros esportes a gente busca informação, conhecimento, treinadores, porque no futebol não pode fazer isso? Falta um pouco de humildade – justificou Sergio Xavier.

O ex-treinador lembrou de outras etapas que incluem a nova medida da CBF, incluindo a participação de técnicos estrangeiros e jornalistas, e voltou a defender o valor da opinião de quem integrou a seleção brasileira no passado – Lazaroni comandou o Brasil na Copa América de 1989 e no Mundial de 1990.

– Acho que temos que estar abertos a tudo. Você fazer consulta àqueles que fizeram história não quer dizer que você não vá fazer também reunião em que todos os segmentos. Profissionais que estão atuando, brasileiros e estrangeiros, vão ter oportunidade de dar suas sugestões e sua visão.

Na segunda-feira, participaram do encontro Carlos Alberto Parreira, Mário Jorge Lobo Zagallo, Paulo Roberto Falcão, Carlos Alberto Silva, Sebastião Lazaroni, Candinho e Ernesto Paulo, além do coordenador de seleções da CBF, Gilmar Rinaldi, e do técnico atual, Dunga. Cinco convidados não compareceram: Mano Menezes, Luiz Felipe Scolari, Vanderlei Luxemburgo, Émerson Leão e Edu.

 

SPORTV.COM

Renato Maurício Prado comenta a dança das cadeiras no futebol brasileiro

 

Ciranda

A alucinada ciranda dos treinadores mostra com clareza como nossos cartolas continuam os mesmos. Vanderlei, demitido no Fla, ocupou o cargo de Marcelo Oliveira que, por sua vez, está indo para o lugar de Oswaldo de Oliveira que, como contei na nota acima, é sonho de consumo do Fla…

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 12/06/2015

 

Renato Maurício Prado comenta demissão de Vanderlei Luxemburgo

Flamengo escudo.svg

Vanderlei Luxemburgo começou a sair do Flamengo, quando foi sondado pelo São Paulo para substituir Muricy Ramalho. Evidentemente interessado, o técnico rubro-negro disse, no “Bem, Amigos” que não achava nada demais ouvir a proposta de outro clube, mesmo estando empregado. Foi, então, chamado pela diretoria rubro-negra e, constrangido, garantiu que não pretendia sair, decisão que, em princípio, deveria ter encerrado o assunto.

Mas não encerrou. A perspectiva de disputar a Libertadores (título que ainda não tem) com um time que conta em seu elenco jogadores famosos como Ganso, Alexandre Pato, Rogério Ceni, Luís Fabiano etc. definitivamente, mexeu com a cabeça de Luxemburgo. E, pode ter sido até inconsciente (não creio), mas o fato é que ele começou a dar várias alfinetadas nos dirigentes, durante as suas entrevistas.

Criticou o atraso nas obras do Ninho do Urubu, a decisão de fazer jogos fora, mesmo como mandante (para faturar mais) e a demora em contratar reforços de peso. O clima, que até então era de satisfação com o seu trabalho começou, então, a azedar.

Na verdade, Vanderlei nunca se conformou de não fazer parte do chamado grupo gestor, que toma todas as decisões mais importantes no Flamengo. Depois de tirar o time da lanterna do campeonato, no ano passado, se sentia cheio de razão para agir como um verdadeiro manager do clube (seu velho sonho). Os membros do chamado Conselho Gestor nunca concordaram com isso e a partir do início das críticas públicas do treinador, começaram a perder a paciência com ele.

Fato que só se agravou com o fracasso do Fla, no Carioquinha e a péssima campanha no início do Brasileiro. Daí para a demissão foi um passo. Ironia das ironias, Luxemburgo foi demitido exatamente na véspera do anúncio feito pelo São Paulo da contratação do colombiano Osório, para ser o novo técnico.

Mas há ainda um possível interesse do Palmeiras, que anda insatisfeito com Oswaldo de Oliveira. Nem tudo, portanto, está perdido para o “profexô”.

Quem será seu substituto? Por enquanto nem o chamado Conselho Gestor sabe. Têm sido especulados candidatos como Cristóvão Borges e Petkovic – este, um nome, naturalmente, de muito maior apelo junto à torcida, que já anda sem paciência com a má campanha e a falta de reforços. Abel Braga era considerado o ideal, mas já avisou que está com contrato firmado com um clube do Qatar.

Petkovic, depois de se aposentar, fez vários cursos na Europa e já treinou o sub-23 do Atlético Paranaense, num campeonato estadual. Daria certo? Impossível dizer. Mas que seria uma boa aposta, seria. Inteligente e preparado como é, e tendo sido o craque que foi, são boas as possibilidades de que se torne um ótimo treinador. Não custa lembrar, o Flamengo de Zico foi campeão mundial sob o comando de outro treinador completamente inexperiente: Paulo César Carpegianni.

Cristóvão, sinceramente, eu não contrataria. Tem o mesmo perfil de Jayme de Almeida (que a diretoria já descartou) e nem sequer conquistou títulos como o atual interino do Fla (Copa do Brasil e Estadual).

O nome de Petkovic, na verdade, sempre esteve na pauta dos atuais dirigentes. Chegaram a pensar seriamente em contrata-lo no início da gestão, como executivo do futebol (cargo que acabou sendo entregue desastrosamente a Paulo Pelaipe). Agora, pode ser que chegue a sua hora.

A conferir.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 26/05/2015

Renato Maurício Prado comenta o fato de Vanderlei Luxemburgo ter recebido uma proposta do São Paulo

O técnico rubro-negro Vanderlei Luxemburgo durante o clássico no Maracanã
O técnico rubro-negro Vanderlei Luxemburgo durante o clássico no Maracanã

Hmmmm….

Há alguns dias, a divergência foi sobre reforçar o time. Vanderlei não abre mão de ter pelo menos dois reforços para o Brasileiro, para “poder brigar na parte de cima”. Agora, Luxemburgo diz que, por ele, não jogaria fora, quando o Fla tivesse o mando de campo – plano da diretoria para faturar mais. Acho que o técnico tem razão nos dois pontos. Mas tais divergências viriam a público, não houvesse o tal interesse do São Paulo?

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 08/05/2015

Renato Mauricio Prado comenta o fato de Vanderlei Luxemburgo ter escalado o Flamengo de maneira errada contra o Vasco

O tal medo de perder

E Vanderlei Luxemburgo, que tantas vezes repetiu que o medo de perder tira a vontade de vencer, mas jogou na retranca, tentando garantir a vaga com dois empates. A escalação de um meio-campo com Jonas, Luiz Antônio e Márcio Araújo, foi de lascar. Aliás, o Márcio Araújo… Que passe perfeito para armar o contra-ataque que acabou decidindo a partida, hein?

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 21/04/2015

Renato Maurício Prado comenta o fato de Vanderlei Luxemburgo ter recusado proposta do São Paulo

Vanderlei Luxemburgo

Melhor para todos
No final de contas, Vanderlei acabou não indo para o São Paulo e honrará o contrato atual, permanecendo na Gávea. Nas diversas entrevistas que deram nos últimos dias, tanto o presidente Eduardo Bandeira de Melo, quanto o vice de futebol. Alexandre Wrobel, já se mostravam tranquilos e convencidos de que o treinador cumpriria o seu compromisso até o final do ano e, se tudo der certo (leia-se a conquista de uma vaga para a Libertadores), o renovará por pelo menos mais uma temporada.
Um telefonema entre os presidentes dos dois clubes, na sexta-feira, encerrou a novela. E acho que o treinador escapou de dar um tiro no pé, o que poderia acontecer se tivesse pegado a ponte aérea para substituir Muricy Ramalho.
O São Paulo, nos dias de hoje, é uma granada sem pino. A começar pelo seu presidente Aidar, que sofre de incontinência verbal e já criou uma série de problemas desde que assumiu. E o time tem vários medalhões e portanto, teoricamente, grande potencial, mas são exatamente estes jogadores de maior fama que não estão jogando bulhufas.
Que o argentino Sabella descasque esse abacaxi…

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 12/04/2015

Renato Maurício Prado comenta a frase de Vanderlei Luxemburgo sobre a reação negativa da torcida do Flamengo, durante a vitória sobre o Bonsucesso

 

A melhor frase do final de semana foi de Vanderlei Luxemburgo, analisando a reação negativa da torcida do Flamengo, durante a vitória sobre o Bonsucesso: “Se eu estivesse na arquibancada, como torcedor, também ia vaiar pra caramba!” A sinceridade do técnico demonstra bem o nível do Carioquinha, o “Me engana que eu gosto”, do Rubinho. Está feia a coisa…

Afinal de contas, estava falando o treinador da equipe que, exatamente naquela partida, acabara de conquistar a liderança do campeonato — ratificada, no dia seguinte, com o empate entre Vasco e Botafogo. E, é bom que se deixe bem claro, ele estava coberto de razão…

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 31/03/2015

Renato Maurício Prado repudia a suspensão absurda de Vanderlei Luxemburgo

 

Circo

Se faltava algo para desmoralizar de vez o Carioquinha, essa suspensão absurda de Vanderlei Luxemburgo fechou a tampo do caixão. Por que os auditores do TJD não julgaram Rubinho no dia em que ele falou uma série de impropérios para o presidente do Flamengo, numa reunião do Conselho Arbitral? Está mais do que na hora de a dupla Fla-Flu soltar o seu grito de independência e pôr as coisas em seus devidos lugares. Que tal reviver o time de aspirantes e colocá-lo em campo no Estadual do ano que vem? Se estiverem classificados para a Libertadores, então, nem se fala…

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 31/03/015

Vanderlei Luxemburgo e Mano Menezes fazem retrospectiva do Facebook e só aparecem gols do Galo

Mano fazendo a dança da eliminação. (FOTO: Gil)

Mano fazendo a dança da eliminação.
(FOTO: Gil)

O Facebook liberou o seu recurso de retrospectiva para os usuários. A ferramenta mostra os momentos mais marcantes da pessoa em 2014 por meio de fotos e status publicados na linha do tempo.

No caso de Mano Menezes e Luxemburgo, os fatos marcantes foram marcados pelo Galo. Nas retrospectivas realizadas pelos dois treinadores, apareceram apenas gols do Atlético marcados na Copa do Brasil. O fato decepcionou os comandantes, que reclamaram.

“Algum hacker invadiu o Facebook e colocou apenas gols do Atlético na minha retrospectiva. Já acionei as autoridades para resolver o problema”, escreveu Luxemburgo em seu blog.

O Facebook se pronunciou e explicou que “nenhum hacker invadiu o site e que a retrospectiva retrata a realidade do que se passa, enquanto você lia, mais um gol do Galão da Massa”.