Se era o preço do ingresso que impedia o torcedor de fazer o sócio, agora tudo está resolvido

classico-rei-2014

De maneira quase que simultânea, Ceará e Fortaleza anunciaram nessa quinta-feira, o aumento nos valores dos preços dos ingressos em seus respectivos jogos para a atual temporada.

Agora, o torcedor do Ceará que quiser ir acompanhar uma partida do time vai ter de desembolsar R$ 50. O do Fortaleza paga no mínimo R$ 40, no Castelão, e R$ 50, no PV.

Foi uma das formas que os dois clubes encontraram para os programas de sócio-torcedor de ambos crescerem. Atualmente, o Ceará conta com quase 10 mil e o Fortaleza com mais de 5 mil.

A meta de alvinegros e tricolores é justamente dobrar esses números até o fim de 2015.

Eu nem sequer vou questionar essa fórmula. É muito simples e financeiramente inigualável. Os dois clubes possuem programas de sócios em que o valor mensal custa exatamente o preço do ingresso.

O Fortaleza, por exemplo, tem o plano Leão Fiel (R$ 39,99) e dá direito a um ingresso de cadeira superior ou inferior por trás do gol. Enquanto o Ceará tem o plano Bronze (R$ 50) e também concede acesso na cadeira superior do Castelão.

Há muitos outros, você pode conferir nos sites oficiais dos dois clubes.

Eu só me pergunto uma coisa: o motivo de um torcedor não virar sócio é apenas a questão financeira? Se for, ainda bem, tudo resolvido. Ceará e Fortaleza, que colocam 60 mil pessoas em jogos decisivos, deverão ter por baixo 30 mil sócios.

É uma estratégia ousada e torço para que dê certo. Em São Paulo, Corinthians e Palmeirasutilizaram esta mesma fórmula, e hoje ambos possuem mais de 100 mil sócios, cada.

Creio que vale a tentativa, até porque com o minguado dinheiro de patrocínios e da TV, Ceará e Fortaleza precisam de uma alternativa, segura e rentável para conseguirem se equiparar a clubes como Sport, Bahia e Vitória (só para ficar no Nordeste) que abocanham cota de TV de R$ 30 milhões.

Tomara, contudo, que as duas diretorias tenham paciência e saibam superar as tempestades que irão aparecer. Até porque, o sucesso dos programas de sócios terá como parâmetro o desempenho dos times em campo. Ou seja, haverá turbulências.

Com isso, é preciso saber contornar os problemas, continuar com o planejamento e não recuar na primeira porrada.

A plantação é gigantesca, Ceará e Fortaleza vão ter de contar com muitas pessoas (honestas e competentes) para semear e só depois, enfim, começar uma enorme colheita (com pessoas ainda mais honestas).

 

Mário Kempes – Diário do Nordeste – 15/05/2015

Dívida do Fortaleza foi feita em 2010 por Renan Vieira e valor era de R$ 235 mil

Renan Vieira foi o presidente do Tetracampeonato cearense (Foto: Arquivo/Diário do Nordeste)

A dívida de empréstimo superior a R$ 4 milhões confirmada pelo presidente do Fortaleza, Osmar Baquit, não foi feita em 2009 e o valor solicitado não foi de R$ 500 mil.

De acordo com o processo, obtido pelo Blog, o empréstimo foi realizado em 09 de fevereiro de 2010 no valor de R$ 235.905,60 e assinado por Renan Vieira, então presidente do Fortaleza, e com a anuência de Jorge Mota, então presidente do Conselho Deliberativo.

O débito foi pago pelo avalista em cinco parcelas de R$ 52.025,37 de 09 de março a 09 de julho de 2010.

Clique nos links abaixo para ver os documentos sobre o empréstimo tricolor.

http://svmar.es/1wepIBV

PS: Os documentos tiveram o nome do avalista apagado para preservar a imagem da pessoa.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 11/12/2014

Fortaleza termina a Série C com quase R$ 4 milhões arrecadados em bilheteria

2062a-fortaleza_esporte_clube_de_fortaleza-ce

Não foi do jeito que a torcida, muito menos o time e nem a diretoria esperavam, mas a Série C do Brasileiro já é coisa do passado para o Fortaleza. A eliminação precoce e a não conquista do acesso foram um duro golpe nos tricolores.

Por outro lado, as finanças durante o Campeonato Nacional não foram de todo ruim. Em 10 partidas como mandante, o Fortaleza arrecadou um total de R$ 3.743.631,20. De acordo com os borderôs dos jogos.

Enquanto o valor liquido, já descontados as despesas das partidas, tributos obrigatórios e as causas trabalhistas, o Fortaleza levou para os cofres R$ R$ 1.977.705,89.

O clube tricolor disputou a Série C de 28 de abril a 25 de outubro, com esse montante é possível afirmar que a Competição trouxe aproximadamente R$ 325.000,00 por mês de receita livre.

Lembrando que no Campeonato Cearense deste ano, o valor mensal líquido arrecadado pelo Tricolor foi de mais de R$ 250 mil.

Confira os valores arrecadados nas 10 partidas disputadas pelo Fortaleza na Série C:

Renda liquida:
Fortaleza 2×1 Cuiabá – R$ – 6.697,80 (portões fechados)
Fortaleza 1×0 Águia – R$ 97.163,19
Fortaleza 0×0 CRB – R$ 33.057,99
Fortaleza 0×0 Botafogo – R$ 195.232,51
Fortaleza 2×0 Salgueiro – R$ 143.561,33
Fortaleza 1×1 Crac – R$ 124.100,82
Fortaleza 0×0 Paysandu – R$ 217.452,14
Fortaleza 4×0 Treze – R$ 90.175,72
Fortaleza 3×2 ASA – R$ 44.832,19
Fortaleza 1×1 Macaé – R$ 1.038.827,80
Total: R$ 1.977.705,89

 

Renda bruta:
Fortaleza 2×1 Cuiabá – R$ – 6.697,80 (portões fechados)
Fortaleza 1×0 Águia – R$ 175.529,00
Fortaleza 0×0 CRB – R$ 72.913,00
Fortaleza 0×0 Botafogo – R$ 324.649,00
Fortaleza 2×0 Salgueiro – R$ 263.492,00
Fortaleza 1×1 Crac – R$ 217.656,00
Fortaleza 0×0 Paysandu – R$ 408.857,00
Fortaleza 4×0 Treze – R$ 186.480,00
Fortaleza 3×2 ASA – R$ 119.636,00
Fortaleza 1×1 Macaé – R$ 1.981.117,00
Total: R$ 3.743.631,20

 

Blog do Mário Kempes

Zagueiro Genilson também rescinde contrato com o Fortaleza

Genilson foi um destaques da zaga tricolor na Série C (Foto:  Kid Júnior/Diário do Nordeste)

Genilson foi um destaques da zaga tricolor na Série C (Foto: Kid Júnior/Diário do Nordeste)

Um dos pontos fortes da sólida defesa do Fortaleza na Série C do Campeonato Brasileiro, o zagueiro Genilson é mais uma deixar o Pici. O jogador acertou sua rescisão de contrato nesta segunda-feira.

O ex-camisa 3 tricolor é o quarto atleta do elenco, que participou da Terceira Divisão nacional, a rescindir seu vínculo com o clube. Na semana passada, o Fortaleza já havia acertado os distratos com o goleiro André Zuba, o zagueiro Eduardo Luiz e o meia Erick Flores.

Dos 30 jogadores, que estiveram no grupo da Série C, apenas seis têm contrato em vigência até 2015: os goleiros Erivélton e Max Wallef; o zagueiro Max Oliveira; o volante Walfrido; os atacantes Uilliam e Romarinho.

Ainda nesta segunda-feira e durante toda esta semana, outros atletas também devem encerrar seus contratos com o Fortaleza.

 

Blog do Mário Kempes