Vasco 0 x 3 Ponte Preta

3 a 0 e cabia mais: Ponte vence, sobe ao 2º lugar e mantém Vasco no Z-4

Diego Oliveira, Tiago Alves e Borges marcam em grande vitória. Jordi e Gilberto, este ainda perdeu pênalti, são expulsos em noite de vaias e gritos de olé em São Januário

As vaias e os gritos de olé da torcida resumiram a noite desta quarta-feira em São Januário. A Ponte Preta fez os vascaínos ficarem irritados com o próprio time. E foi merecedora do reconhecimento. Com grande atuação, comandada por Renato Cajá, o time paulista mostrou por qual motivo é um dos destaques do Brasileirão. venceu por 3 a 0. E cabia mais: teve bola no travessão, gol perdido sem goleiro… Se manteve no G-4 – é o segundo colocado agora. E o Cruz-Maltino, com Jordi e Gilberto expulsos, se afundou na crise: continua na zona do rebaixamento e como uma das decepções do nacional .

Embora a má e a boa campanha, respectivamente, de Vasco e Ponte Preta tenham se intensificado, a situação na tabela pouco mudou. O Cruz-Mantino continua no Z-4: é o 18º colocado, com três pontos. A Macaca, no G-4, subiu para o segundo lugar ao somar a 11 pontos. A tentativa de recuperação vascaína será, sábado, em Curitiba, às 22h (de Brasília), diante do Atlético-PR, o líder da competição. Mesmo dia, na Vila Belmiro, que, a partir das 18h30 (de Brasília), a Ponte desafia o Santos.

A Ponte Preta marcou dois gols, foi melhor e praticamente venceu o jogo no primeiro tempo. A superioridade começou logo aos 51 segundos: Diguinho perdeu a bola no meio, Biro Biro lançou Renato Cajá, que cruzou fechado. A bola sobrou a Diego Oliveira, que chutou rasteiro, 1 a 0. Teve mais: Diego Oliveira perdeu a chance do segundo, após rebote de Jordi, sem goleiro. Só então o Vasco cresceu. O árbitro Heber Roberto Lopes deu pênalti duvidoso de Pablo em Gilberto. O atacante bateu, Marcelo Lomba defendeu. Rafael Silva, de cabeça, na pequena área, obrigou o goleiro rival a ótima defesa. Jordi derrubou Felipe Azevedo e foi expulso. Cajá bateu a falta no travessão. Mesmo em inferioridade, o time carioca tentou. Christiano acertou a trave. Mas Tiago Alves teve melhor pontaria e, após escanteio, venceu Charles. O segundo tempo foi morno: Vasco sem força, Ponte administrando. De resgistro um golaço: Cajá, em lindo passe, serviu Borges que, de primeira, acertou o ângulo. 3 a 0 e cabia mais. Gilberto ainda seria expulso por reclamação.

Vasco x Ponte Tiago Alves Biro Biro Diego Oliveira (Foto: Agência Estado)
Tiago Alves comemora segundo gol da Ponte Preta sobre o Vasco em São Januário
(Foto: Agência Estado)
GLOBO ESPORTE.COM

Ponte Preta 3 x 1 Chapecoense

Ponte passa pela Chape com gol de placa de Cajá e mantém série invicta

Meia marca por cobertura, quase do meio-campo, e define vitória por 3 a 1 sobre os catarinenses, no Moisés Lucarelli. Apodi é expulso e prejudica reação dos visitantes

Biro Biro se acostumou a marcar gols em 2015. Cajá faz uma pintura atrás da outra. E a Ponte continua sem perder no Brasileirão. Embalado pelos dois principais nomes da temporada, a Macaca sufocou a Chapecoense e fez 3 a 1 neste sábado à noite, no Moisés Lucarelli. É mais um jogo do time catarinense sem pontuar fora de casa. Só uma coisa fugiu do normal: o descontrole de Apodi, que xingou o árbitro e deixou os catarinenses com um a menos.

Com oito pontos, a Veterana de Campinas assume provisoriamente a segunda colocação do Campeonato Brasileiro, um ponto abaixo do Atlético-PR. Já a Chapecoense continua com sua sina: 100% na Arena Condá e zerado longe da torcida, o time catarinense fica com seis pontos e fatalmente perderá posições na tabela.

Ponte Preta x Chapecoense (Foto: Fábio Leone / PontePress)
Tiago Alves comemora o gol logo no início da partida com Rildo, Josimar e Biro Biro
(Foto: Fábio Leone / PontePress)

O destaque da partida, para o bem e para o mal, foi novamente Renato Cajá. O meia saiu com saldo negativo no primeiro tempo – uma assistência para o gol de Tiago Alves, mas dois gols perdidos frente a frente com o goleiro –, mas se recuperou em grande estilo na etapa final. Nos acréscimos, viu Danilo adiantado e bateu por cobertura, pouco à frente do meio-campo. Mais um gol de placa do camisa 10, principal nome deste início de Brasileirão.

A partida começou positiva para a Macaca, que saiu na frente logo a seis minutos, em cabeceio de Tiago Alves. A Chapecoense aos poucos se soltou ofensivamente, mas se mostrou limitada no aspecto criativo. A melhor chance foi com Roger, que, ao receber passe de Apodi dentro da área, bateu forte, mas em cima de Marcelo Lomba. A Ponte ainda atacou duas vezes com Cajá, mas o armador perdeu ambas as chances.

O resultado ficou mais favorável aos paulistas na virada do intervalo, quando Biro Biro cobrou falta na gaveta e ampliou. A reação catarinense, que já era complicada, ficou ainda mais após Apodi reclamar com veemência do árbitro e ser punido com o cartão vermelho. A Chape, que havia perdido gol incrível com Hyoran, chegou a diminuir com Gil, em bela trama com Roger, mas se abriu espaço para Cajá. E isso foi mortal, como bem viu Danilo.

Os dois times mal têm tempo de descansar a vão a campo pela quinta rodada na próxima quarta-feira, só com mandos invertidos. No Rio de Janeiro, a Ponte Preta visita o Vasco às 19h30, em São Januário. A Chapecoense, por sua vez, recebe o Joinville no duelo de catarinenses, também às 19h30, na Arena Condá.

Ponte Preta x Chapecoense (Foto: Fábio Leone / PontePress)
Biro Biro é cercado pela marcação da Chape: atacante marcou belo gol de falta
(Foto: Fábio Leone / PontePress)
GLOBO ESPORTE.COM

Vila Nova 0 x 3 Ponte Preta

 0 x 3 

25ª RODADA
PONTE PASSEIA NO SERRA, AFUNDA O VILA E PULA PARA A VICE-LIDERANÇA DA SÉRIE B

Quando a fase é boa, até um chute desprentesioso vira gol na Ponte Preta. Quando a fase é ruim, nem pênalti ajuda o Vila Nova. Esses dois lances exemplificam o duelo entre as equipes no Serra Dourada, na noite desta terça-feira, pela 25ª rodada da Série B. Diante de um adversário em crise, a Macaca passeou em campo e fez 3 a 0 sem forçar muito para assumir a vice-liderança da competição com a quarta vitória seguida. Já o Tigre se afundou ainda mais na degola. Enquanto um caminha a passos largos para a elite nacional em 2015, o outro desce ladeira abaixo rumo à terceira divisão.

O resultado, construído com gols de Renato Cajá, no primeiro tempo, Tiago Alves e Roni, na etapa final, comprova a fragilidade do Vila em casa. Foi a quinta derrota do Tigre no Serra, onde ganhou apenas uma vez. O desempenho como mandante explica a vice-lanterna, com 17 pontos, cada vez mais distante do primeiro time fora do Z-4.

Por outro lado, a Ponte parece não fazer diferente entre jogar em casa ou fora. Independentemente do local, adota a mesma postura agressiva. E colhe os frutos da ousadia. Foi a terceira vitória consecutiva longe de Campinas. Sob o comando de Guto Ferreira, a Macaca soma cinco triunfos em sete partidas. Por essas e outras, a equipe campineira já aparece na segunda posição, com 46 pontos. O Avaí tem a mesma pontuação, mas a Ponte leva vantagem no número de gols marcados: 40 a 37.

Na próxima rodada, os times têm confrontos diretos nos extremos da tabela. Na sexta, o Vila tem pela frente o América-RN, fora de casa, às 19h30. Já a Ponte recebe o Ceará, no sábado, com expectativa de casa cheia no Majestoso.

Renato Cajá comemora gol da Ponte preta contra o Vila nova (Foto: Carlos Costa/Futura Press)
Renato Cajá comemora o primeiro gol da Ponte no Serra Dourada (Foto: Carlos Costa/Futura Press)

Cirúrgica, Ponte liquida fragilizado Vila

Cada técnico precisou fazer uma mudança forçada no primeiro tempo. Logo aos sete minutos, Felipe Macena sentiu e deu lugar a Leonardo no Vila Nova. Aos 43 minutos, foi a vez de Renato Cajá acusar uma dor muscular e sair para a entrada de Adrianinho. A diferença é que, com mais tempo em campo, Cajá ainda conseguiu dar a sua contribuição para a Ponte ao abrir o placar, aos 25, em um chute de direita, que não é o seu forte e parecia sem perigo, mas que contou com a contribuição de Cléber Alves para acabar nas redes. O goleiro do Vila quis antecipar o lance e se deu mal. Até o gol, a partida era morna. O Vila arrisca mais, principalmente em chutes de longe, mas Roberto estava em noite inspirada. A partir do 1 a 0, a Ponte se soltou mais em campo, e os goianos, diante da pressão pelo resultado, sentiram o golpe.

Em vantagem, a Ponte não quis saber apenas de administrar o tempo. A intenção era matar o jogo para não correr riscos no fim. Aos quatro minutos, Tiago Alves ampliou em jogada de Cafu pela direita. Foi a segunda assistência do atacante na partida – foi dele o passe para Cajá no primeiro tempo. A partir daí, o Vila se lançou ao ataque e deixou espaços para os contra-ataques da Ponte. Radamés, em cobrança de pênalti, ainda teve a chance de renovar as esperanças do Tigre, mas mandou na trave. Já Roni, quando teve a oportunidade, não desperdiçou. Após lindo passe de Bob, ele tocou com categoria no contrapé de Cléber Alves para fechar o marcador. Com 3 a 0 no placar, a Macaca passou a rodar a bola e colocou o Vila na roda. A torcida goiana, ironicamente, acompanhava os toques aos gritos de “olé, olé”. Era a Ponte cada vez mais imponente. E o Vila, cada vez mais sem rumo.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Paraná 3 x 2 Santa Cruz

 3 x 2 

22ª RODADA
EM JOGO MOVIMENTADO E CHEIO DE GOLS, PARANÁ VENCE O SANTA DE VIRADA
Com o placar de 3 a 2, o tricolor venceu em casa na Vila Capanema. Partida teve falhas dos dois lados, mas não faltou vontade em campo

No retorno de Ricardinho como técnico, o Paraná venceu o Santa Cruz por 3 a 2, pela 22ª rodada da Série B do Brasileiro, neste sábado. Os 4.844 mil torcedores que pagaram (renda de R$ 86.655 mil) e foram à Vila Capanema viram um típico jogo de segunda divisão com muita vontade dos dois lados, aberto e corrido, bastante desorganização em campo, muitos erros e, para fechar, um golaço do volante Jean, que definiu o placar e a virada tricolor no final do jogo.

A movimentação da partida e o número de gols não foram tanto resultado de boas jogadas ofensivas, mas de apagões de defesa dos dois lados, a começar pelo gol aos dois minutos de Wescley, do Santa. Adailton para o Paraná, ainda no primeiro tempo, Léo Gamalho e Tiago Alves fizeram o empate no segundo tempo até Jean chegar para determinar o resultado em grande estilo. O Santa ainda teve um gol impedido aos 44 minutos do segundo tempo com Pingo.

O resultado colocou o Paraná na 12ª posição com 29 pontos e uma posição abaixo do Santa Cruz, que fica no 11º lugar com 30 pontos.

O Paraná volta a campo na próxima terça-feira, pela 23ª rodada, contra o Ceará, na Vila Capanema, às 19h30. No mesmo dia, às 21h50, o Santa Cruz enfrenta o Luverdense, no Passo das Emas.

Paraná x Santa Cruz - Adaílton comemora gol (Foto: Futura Press)
Adaílton comemora gol do Paraná que empatou ainda no primeiro tempo, na Vila (Foto: Futura Press)

Fragilizado sem Giancarlo e Gustavo, o Paraná entrou em campo perdido e pagou o preço da desorganização. O Santa Cruz, que jogava de forma simples e eficiente, abriu o placar aos dois minutos com Wescley depois de receber o cruzamento na área após a bola ter passado por todo mundo na área. O ritmo prosseguiu com o Santa dominando o jogo e parando somente no goleiro Marcos que, antes dos 10 minutos, já havia feito dois milagres nos chutes de Julinho e Keno.

Mas o Santa não estava muito afim de continuar mandando no jogo e, ainda no primeiro tempo, recuou toda a equipe. O Paraná passou a ter mais posse de bola e Adailton, que ainda não havia se entendido com a bola, marcou depois de construir toda a jogada sozinho até entrar na área e colocar nas redes.

Jogo recomeça complicado, mas Jean faz bonito

O segundo tempo começou como terminou com o Paraná com maior posse de bola, mas pouco efetivo a não ser por algumas descidas de Adaílton. Já o Santa Cruz aparecia pouco, mas aproveitou mais um cochilo da defesa tricolor, quando Léo Gamalho recebeu na área e chutou tranquilamente para o gol.

Os apagões não eram característica somente do tricolor. Menos de um minuto depois do gol, Tiago Alves empatou após receber belo levantamento de Julio César. A zaga do Santa assistiu o jogador paranista subir sozinho e marcar o gol.

Com o empate pouco interessante para os dois lados, o jogo ficou aberto a partir dos 30 minutos. Aos chutões, ligações diretas e no tranco e barranco, os times encontravam espaço, mas foi o volante Jean que resolveu fechar o jogo com chave de ouro. Ele recebeu sozinho fora da área, escolheu o canto e mandou a bola curva, que foi morrer nas redes. Ainda aos 44 minutos, Pingo recebeu a bola e chutou para o gol, mas o árbitro marcou impedimento do jogador, que causou revolta dos jogadores do Santa Cruz.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Luverdense 0 x 1 Ponte Preta

0 x 1 

22ª RODADA
PONTE SE REABILITA FORA DE CASA, BATE O LUVERDENSE E VOLTA A ENCOSTAR NO G-4
Gol solitário do zagueiro Tiago Alves garante o placar de 1 a 0 em Lucas do Rio Verde. Macaca está a um ponto do Ceará, que perdeu nesta noite
O apagão sofrido contra o Atlético-GO – quando vencia por 3 a 1 e levou a virada por 4 a 3 – no jogo passado serviu de lição para a Ponte Preta. Na noite desta sexta-feira, a Macaca contou com um gol solitário do zagueiro Tiago Alves para fazer 1 a 0 diante do Luverdense, mesmo fora de casa no Estádio Passo das Emas, para se reabilitar e continuar sua perseguição por uma vaga no G-4 da Série B do Brasileiro.
A vitória fora de casa leva a Macaca aos 37 pontos e o time fica a um ponto do Vasco, que joga no sábado contra o Atlético-GO, no Mané Garrincha, e do Ceará, que foi derrotado nesta sexta-feira pelo Náutico, por 1 a 0. Já o Luverdense permanece com 31 pontos e mais longe da zona de acesso à elite. Os times voltam a campo na terça-feira, às 21h50. O LEC vai tentar a reabilitação contra o Santa Cruz, mais uma vez no Passo das Emas. Já a Macaca enfrenta o ABC, na Arena das Dunas, em Natal.

O estilo de jogo da Ponte fora de casa foi a tônica do primeiro tempo em Lucas do Rio Verde. Marcação eficiente aliada a bola parada fizeram a Macaca ir para o intervalo na frente do placar. Depois de um início de estudo dos dois lados, os visitantes chegaram ao gol em uma jogada típica. Adrianinho cobrou escanteio na medida e Tiago Alves testou para o fundo do gol. O Luverdense não conseguiu criar devido a falta de espaços e sequer ameaçou a meta adversária.

Do outro lado, os campineiros  ainda tiveram outras duas boas chances, uma com Adrianinho em cobrança de escanteio fechada e outra em cabeçada de Gilvan. A vantagem, porém, também apareceu em relação ao número de atletas, já que o zagueiro Zé Roberto, do LEC, foi expulso após duas faltas em Roni que resultaram em dois cartões amarelos.

Apesar de ter um jogador a menos, o Luverdense se reorganizou no intervalo. A entrada de Júlio Terceiro no lugar de Samuel, forçou a improvisação do volante Carlão ao lado Motoya na zaga. A troca melhorou o time. Com mais calma do que na primeira etapa, o LEC conseguiu ganhar espaço e trabalhar melhor a posse de bola, porém, criou poucas chances para empatar.

A tática da Ponte de explorar a velocidade de Roni e Cafu também falhou. Os jogadores estavam mais preocupados em ajudar a marcação e isso impediu que os visitantes chegasse ao segundo gol. Mesmo chamando os mandantes para cima, os donos da casa ameaçaram somente com Reinaldo em um chute de fora da área, mas que Daniel – Roberto teve que ser substituído no intervalo – fez a defesa com facilidade.

GLOBO ESPORTE.COM

Ponte Preta 3 x 4 Atlético Goianiense

 3 x 4 

21ª RODADA
COM TRÊS GOLS EM 5 MINUTOS, DRAGÃO CONQUISTA VIRADA HEROICA E FREIA PONTE
Macaca vencia por 3 a 1 até os 37 minutos do segundo tempo, mas Atlético-GO deslancha no fim e se reabilita com vitória histórica: 4 a 3

A torcida da Ponte Preta já fazia as contas para entrar no G-4 pela primeira vez na Série B do Campeonato Brasileiro. Eram 37 minutos do segundo tempo, com o jogo controlado e o placar favorável de 3 a 1. Mas ninguém contava com a reação heroica do Atlético-GO. Com três gols em cinco minutos, o Dragão conquistou uma virada histórica ao fazer 4 a 3 no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, na noite desta terça-feira, pela 21ª rodada. Josimar saiu do banco para fazer os dois últimos gols e liderar a arrancada goiana no fim.

A partida estava desenhada a favor da Ponte. Apesar de o Atlético-GO sair na frente com André Luis, a Macaca controlou as ações na maioria do tempo, passou à frente ainda no primeiro tempo, com Lino, contra, e Tiago Alves, de cabeça, e ampliou a vantagem no segundo tempo, com Thomas. A festa ficaria completa com a entrada de Adrianinho para atuar ao lado de Renato Cajá pela primeira vez, mas foi justamente essa substituição (Adrianinho no lugar de Roni) que acabou com a supremacia alvinegra em campo. Enquanto a Macaca parou, o Dragão encontrou forças para diminuir com Lino e empatar e virar com Josimar. O gol decisivo saiu aos 42 minutos, quando a Ponte já não esboçava mais nenhum sinal de reação.

O resultado é ainda mais surpreendente pelo momento que os times viviam até então na Série B. A Ponte acumulava cinco vitórias em seis partidas e estava invicta no Majestoso no campeonato, enquanto o Dragão tinha quatro derrotas consecutivas. O revés em casa freia a ascensão alvinegra na competição, e a Macaca perde a chance de se consolidar entre os primeiros, com 34 pontos. Por outro lado, o Atlético-GO se reabilita e ganha moral para a sequência, com 28 pontos, na parte intermediária da tabela.

O próximo desafio da Ponte está marcado para sexta-feira, contra o Luverdense, às 21h50, em Lucas do Rio Verde. Já o Atlético-GO, de fôlego renovado, volta a campo sábado, quando tem pela frente o Vasco, às 16h10, no Mané Garrincha.

Comemoração do Atlético-GO contra a ponte preta (Foto: Rodrigo Villalba / Futura Press)
Jogadores do Atlético-GO não acreditam na virada (Foto: Rodrigo Villalba / Futura Press)

Quem ri por último…

Uma triangulação entre Renato Cajá, Thomas e Rafael Costa animou a torcida da Ponte. Mas foi um alarme falso. O início de jogo da Macaca foi abaixo da expectativa. Muito pela dificuldade de Renato Cajá em se achar em campo. O Atlético-GO se aproveitou e saiu na frente com uma cabeçada precisa de André Luis, aos nove minutos. O Dragão seguiu melhor até a metade da etapa, mas quando a Ponte acordou, não conseguiu segurar.

A ligação direta, até então principal defeito da Ponte, iniciou a reação. De um chutão do campo de defesa, Rafael Costa ganhou pelo alto e permitiu Roni cruzar para Lino marcar contra. A saída de Rafael Costa, com dores musculares, logo na sequência não abalou a equipe. Em cobrança de falta, Cajá, apático com a bola rolando, colocou na medida para Tiago Alves virar de cabeça. Entre um gol e outro, foram 13 minutos. A vantagem alvinegra antes do intervalo era para ser maior, porém, Douglas Tanque perdeu chance incrível mesmo depois de driblar o goleiro.

O começo do segundo tempo dava sinais de que a Ponte construiria o resultado com facilidade e até com condições de golear. Logo aos oito minutos, Thomas, em linda jogada individual, fez 3 a 1. A Macaca seguiu em cima, mandando nas ações ofensivas. Cajá, da intermediária, quase fez um golaço por cobertura da intermediária. O cenário começou a mudar quando Guto Ferreira colocou Adrianinho no lugar de Roni. O desejo da torcida de ver Cajá e Adrianinho juntos em campo foi a senha para a reação do Atlético-GO.

A Ponte perdeu pegada e sobrecarregou o sistema defensivo. Lino, de cabeça, diminui, aos 37 minutos, e deu esperanças. Com facilidade para tocar a bola, duas chegadas pela esquerda foram suficientes para o Dragão chegar à vitória. Iluminado, Josimar mandou as duas bolas para as redes e consolidou o que parecia improvável no Majestoso: vitória do Dragão. A torcida, que até os 37 minutos aplaudia cada toque na bola, trocou o apoio pelas vaias ao apito final. A festa era goiana.

 

GLOBO ESPORTE.COM

América de Natal 2 x 3 Paraná

 2 x 3 

Com uma virada impressionante em apenas três minutos e um golaço do atacante Adaílton, o Paraná venceu o América-RN por 3 a 2 e conseguiu a sua segunda vitória fora de casa nesta Série B do Campeonato Brasileiro. Tiago Alves comandou a virada Tricolor no primeiro tempo, e Adaílton fechou o placar, depois do time paranaense ter um jogador expulso – Jean levou o vermelho aos 31 do segundo tempo.

O primeiro gol da partida foi para os donos da casa. O lateral-direito Walber aproveitou a bobeira da zaga paranaense e abriu o placar para o América-RN. Ainda no primeiro tempo, Gustavo empatou de cabeça na cobrança de escanteio e Tiago Alves acertou um belo chute de fora da área para virar o jogo. O gol mais bonito veio dos pés de Adaílton no segundo tempo, com direito a arrancada do campo de defesa. No rebote do goleiro Marcos, Rodrigo Pimpão marcou para o Alvirrubro e diminuiu.

Com a vitória, o Paraná ganha três posições na tabela e agora ocupa a 12ª colocação. Já o América-RN não consegue repetir a boa fase da Copa do Brasil. Segue com 23 pontos e cai para a 15ª posição, quatro pontos à frente do Icasa, clube que abre o Z-4. No próximo sábado, o time potiguar enfrenta o Avaí, que assumiu a liderança, pela 20ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. A partida será na Ressacada, às 16h10.

Antes disso, o Alvirrubro faz o jogo da volta na quarta-feira com o Atlético-PR, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Após vencer por 3 a 0 no jogo de ida, o Mecão está tranquilo no confronto contra o Furacão. Na terça-feira, o Paraná recebe o Sampaio Corrêa, às 19h30, no Estádio Durival Brito.

américa natal x parana (Foto: FRANKIE MARCONE/Futura Press/Agência Estado)
Paraná vence América-RN por 3 a 2 em Natal (Foto: FRANKIE MARCONE/Futura Press/Agência Estado)

Virada em três minutos

O jogo começou com o Paraná tomando a iniciativa e cadenciando as jogadas pelo meio com Lúcio Flávio. Mas foi o América-RN que abriu o placar na Arena das Dunas. Aos 17 minutos, Walber aproveitou o vacilo do zagueiro Henrique Santos na saída de bola, tabelou com Morais e invadiu a área. O lateral-direito bateu cruzado e fez: Mecão 1 a 0. Poucos minutos depois, o Alvirrubro cochilou e tomou uma virada impressionante em apenas três minutos. O primeiro do Paraná saiu na cobrança de escanteio de Tiago Alves. O goleiro Andrey não saiu, e Giancarlo escorou a bola para Gustavo mandar de cabeça para o fundo das redes. O Mecão não teve nem tempo de se organizar depois do empate e tomou o segundo em belo chute de fora da área do meia-atacante Tiago Alves. Rodrigo Pimpão ainda teve duas ótimas chances de marcar para o time de Natal, de frente para o goleiro, mas Marcos salvou nas duas oportunidades.

Expulsão, golaço e reação americana

O Paraná voltou para o segundo tempo pressionando o América-RN e dando trabalho para a zaga alvirrubra. Edson Sitta não dominou a bola após cruzamento de Tiago Alves e perdeu boa chance de ampliar. O técnico Oliveira Canindé mexeu no meio de campo e colocou o atacante Alfredo no lugar de Morais para tentar chegar ao empate. Aos 30 minutos, Jean deu um carrinho por trás em Wanderson e tomou o cartão vermelho direto. Com um jogador a menos, o Paraná ainda conseguiu ampliar o placar com Adaílton. O atacante pegou a bola no campo de defesa e arrancou, deixando quatro marcadores para trás. Com categoria, invadiu a área e bateu na saída do goleiro Andrey: 3 a 1 para os visitantes. Aos 38 minutos, Rodrigo Pimpão aproveitou o rebote do chute de Daniel Costa, empurrou para as redes e diminuiu para a equipe da casa. O atacante chega a 10 gols e agora divide a artilharia da Série B, ao lado de Jael, do Joinville.

 

GLOBO ESPORTE.COM

 

Paraná 1 x 0 Icasa

1 x 0 

17ª RODADA
PARANÁ VENCE EM CASA, ULTRAPASSA O ICASA E RESPIRA NA LUTA CONTRA A DEGOLA
Em duelo de clubes assombrados por crises financeiras e pelo Z-4 da Série B, Tricolor leva a melhor e ganha por 1 a 0 na Vila Capanema

O Paraná esqueceu a crise financeira que assombra o clube – com até sete meses de salários atrasados – durante os 90 minutos de jogo na noite desta terça-feira e venceu o Icasa por 1 a 0 na Vila Capanema pela 17ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Eficiente, o Tricolor marcou o único gol do jogo com o atacante Tiago Alves, ainda na etapa inicial, e conseguiu conter a pressão do time cearense no final. Com o resultado, chegou aos 19 pontos, ultrapassou o próprio Icasa e abriu três pontos de vantagem para a zona de rebaixamento – o Oeste, 17° colocado, tem 16. Já o Verdão do Cariri vê o fantasma da degola ainda mais próximo. Caiu para o 16° lugar, com 18 pontos.

Apesar da vitória, o assunto no Tricolor, agora, volta a ser a situação financeira. Na quarta-feira, os jogadores terão uma reunião com a diretoria. Com atraso que vai de três a sete meses no pagamento dos salários, o grupo pode até paralisar as atividades se o clube não apresentar uma solução e quitar pelo menos parte da dívida. O próximo compromisso será contra o Bragantino, às 16h10 (horário de Brasília) de sábado, mais uma vez na Vila Capanema.

Assim como no Paraná, a crise financeira atormenta o time cearense. Os jogadores, inclusive, entraram em campo com uma faixa com os dizeres “Viemos a campo em respeito ao torcedor. Mais que calendário, nós precisamos de salário em dia”. Há três meses sem receber, o elenco do Verdão pode nem entrar em campo no próximo compromisso pela Série B – contra o Vasco, às 21h50 de sexta-feira, no Romeirão.

O jogo

Os comandados de Claudinei Oliveira tinham uma estratégia clara para chegar ao gol: a bola aérea. Gustavo até balançou as redes após cobrança de falta, mas a arbitragem assinalou impedimento. Depois, Giancarlo cabeceou rente à trave. De tanto tentar, o Paraná conseguiu furar o bloqueio adversário. Aos 21, Lucas Otávio cruzou, e o atacante Tiago Alves subiu mais alto para fazer o quarto gol dele na Série B. Apesar da vantagem, o Tricolor manteve a postura ofensiva. Voltou a assustar o goleiro Edson com um chute de longe de Lucas Otávio e com uma finalização cruzada de Giancarlo. O Icasa só ameaçou em um chute de Dodó, aos 43 minutos, que Marcos espalmou.

Com as mesmas escalações, os times mudaram o comportamento na etapa final. O Paraná recuou à espera de contra-ataques. O Icasa avançou e passou a rondar a área rival. O problema da equipe cearense era que ela não conseguia converter o domínio em gol. Essa pressão durou 20 minutos. Depois, os mandantes equilibraram a partida – que esfriou, com raros lances de perigo. No fim, no duelo entre dois times assombrados por crises e pela zona de rebaixamento na Série B, melhor para o Tricolor paranaense.

Tiago Alves comemora gol do Parana contra o Icasa (Foto: Vagner Rosário / Agência estado)
Tiago Alves comemora o gol do Parana contra o Icasa (Foto: Vagner Rosário/Agência estado)
GLOBO ESPORTE.COM

Paraná 3 x 1 Vila Nova

3x1
15ª RODADA
NA LUTA CONTRA O Z-4, PARANÁ VENCE O VILA NOVA E ABRE VANTAGEM PARA RIVAIS
Em jogo disputado, Tricolor vence o Tigre por 3 a 1 com gols de Thiago Alves (2) e Arthur. Vila Nova se afunda na Z-4, com apenas cinco pontos

Em confronto direto na luta contra o rebaixamento, o Paraná venceu o Vila Nova por 3 a 1, na tarde deste sábado, na Vila Capanema, em partida válida pela 15ª rodada da Série B do Brasileirão. Em jogo bastante disputado e importante para o futuro das duas equipes na competição, o time da casa mostrou superioridade no momento certo e somou três pontos com gols de Thiago Alves (2) e Arthur.

Apesar da pressão inicial do Vila Nova, o Paraná abriu o placar com chute de fora da área de Thiago Alves. Os goianos foram atrás do empate e conseguiram pouco antes do fim do primeiro tempo, com Léo Rodrigues. Na etapa final, o time da casa se impôs. Ampliou logo aos três minutos, com Thiago Alves pegando rebote de cobrança de falta, e fechou a tampa aos 21, com Arthur, que tinha substituído Giancarlo no ataque.

Com o resultado, o time comandado por Claudinei Oliveira está momentaneamente fora do Z-4, na 16ª colocação, com 16 pontos. O time de Goiás segue na lanterna da competição, com apenas cinco pontos somados. O Paraná volta a campo na próxima sexta-feira, diante do Atlético-GO, às 19h30 (horário de Brasília), no Serra Dourada. O Vila Nova também joga longe dos seus domínios, mas contra o Oeste, no próximo sábado, às 21h.

Arthur comemora gol do Parana contra o Villa Nova (Foto: Heuler Andrey / Agência estado)
Arthur substitui Giancarlo e marca o terceiro gol diante do Vila Nova (Foto: Heuler Andrey / Agência estado)

 

O Vila Nova viajou mais 1.200km para chegar a Curitiba, mas parecia jogar em casa diante do Paraná, na Vila Capanema. Desde o primeiro minuto, foi a equipe de Goiânia que impôs o seu ritmo de jogo, dominou o meio-campo e emplacou uma posse de bola superior à dos donos da casa. Superioridade traduzida aos 22 minutos, quando Marcos praticou belíssimas defesas no chute de Paulinho e no rebote de Nenê Bonilha, que acertou o travessão. Após o susto, o Paraná equilibrou a partida e passou a jogar pelas laterais, em lances de velocidade e contra-ataque. E foi assim que o placar foi aberto: boa jogada de Marcos Serrato para Thiago Alves, que chutou de fora da área e marcou aos 33 minutos. Porém, o Vila Nova não se abalou com o gol sofrido e manteve o mesmo ímpeto de jogo, não deixando de atacar, conquistando o empate aos 44 minutos, em belo chute de Léo Rodrigues.

Dispostos a saírem de casa com a vitória, os jogadores do Paraná voltaram para o segundo tempo lutando por todos os metros do campo. Se na técnica não conseguiam sobrepor o adversário, os paranaenses buscaram o resultado na base da insistência. Foi assim que Thiago Alves marcou o segundo. Em cobrança de falta de Lúcio Flávio, Gustavo acertou a trave e, no rebote, Thiago Alves matou no peito e acertou de primeira o canto alto de Cléber. Após o gol, o Vila Nova caiu de rendimento, dando espaço para o time da casa. E não adiantava, a tarde era de vitória tricolor. Aos 21 minutos Arthur substiuiu Giancarlo no ataque e em questão de um minuto em campo, marcou o terceiro e último gol do jogo. Após mais uma cobrança de falta de Lúcio Flávio, o atacante apareceu livre dentro da área e cabeceou para o fundo das redes.

 

GLOBO ESPORTE.COM

América Mineiro 2 x 1 São Caetano

 2 x 1 

No retorno de Rodriguinho ao time, o América-MG também voltou a vencer. Nesta terça-feira, o Coelho bateu o São Caetano, por 2 a 1, e voltou a subir na tabela. O resultado serviu para o que o time mineiro deixasse para trás a péssima atuação diante do ASA, na última rodada, quando perdeu, em Arapiraca, por 2 a 0. Naquela oportunidade, Rodriguinho, suspenso, desfalcou a equipe. Além do gol, assinalado logo no início da partida, o meia americano comandou o time, distribuiu as jogadas e, mais uma vez, fez a diferença. Não espanta o fato de vários clubes da Série A demonstrarem interesse na contratação do atleta. O outro gol do América-MG foi marcado por Tiago Alves, já no segundo tempo. Wagner Carioca descontou para o Azulão.

America-MG x São Caetano (Foto: Rafael Araujo)
Jogadores do América-MG comemoram gol sobre o São Caetano (Foto: Rafael Araujo)

Nem a boa campanha do América-MG empolgou a torcida do Coelho. Mas apesar do baixo público no Independência, os torcedores fizeram a festa.

Com os três pontos, o América-MG, em quinto lugar, voltou a colar no grupo dos quatro primeiros colocados da tabela de classificação da Série B do Campeonato Brasileiro. O time chegou aos 25 pontos, apenas um atrás do Paraná. O São Caetano, no entanto, segue mal na competição, muito perto da zona de rebaixamento para a Série C. Em 16º lugar, com 16 pontos, os paulistas estão apenas uma posição acima do Paysandu, primeiro figurante do Z-4.

O América-MG, na próxima rodada, terá mais uma boa oportunidade de vencer. Afinal, enfrentará outra equipe que figura na parte de baixo da tabela, o América-RN, neste sábado, às 16h20m (de Brasília), novamente no Independência. Antes, na sexta-feira, às 19h30m, o São Caetano encara outro mineiro, o Boa Esporte, no Anacleto Campanella.

Rodriguinho, sempre ele

O América-MG começou bem melhor. Com Marcão, pela primeira vez como titular, o time chegava facilamente ao gol de Rafael Santos. O gol  do time mineiro estava próximo. E gol de Rodriguinho, o camisa 10 do Coelho. O artilheiro do time na Série B, com oito gols marcados, aproveitou a sobra da bola, depois do escanteio, conduziu para o lado esquerdo e, de canhota, mandou para o fundo das redes.

Os donos da casa seguiram dominando a partida. O São Caetano, principalmente com os chutes de fora da área de Pirão, só começou a chegar com certo perigo a partir dos 25 minutos. Mas o goleiro Matheus, sempre que exigido, mostrou o bom momento que vive.

América-MG ainda melhor

Paulo Comelli, técnico do América-MG, à beira do campo, orientava seus jogadores para não saírem tanto para o ataque, sem esquecendo do setor defensivo. Mesmo um pouco mais cauteloso, o Coelho quase chegou ao segundo gol, aos 19 minutos. Rodriguinho, pela esquerda, cruzou na área, e Nikão, de bicicleta, obrigou o goleiro Rafael Santos a fazer grande defesa.

Aos 27, porém, o América-MG chegou ao segundo gol. Rodriguinho aproveitou que a bola sobrou para ele e puxou um rápido contra-ataque. Logo, acionou Tiago Alves, que acabara de entrar no lugar de Nikão. O atacante, sozinho, apenas tocou na saída do goleiro do São Caetano.

O São Caetano ainda descontou, aos 39 minutos. Wagner Carioca cobrou falta da intermediária e soltou uma bomba, no ângulo direito de Matheus. Mas não houve tempo para uma reação ainda maior. Tiago Alves, aos 46 minutos, ainda acertou a trave do São Caetano.