Boa Esporte 2 x 2 Atlético Goianiense

Atlético-GO arranca empate e quase surpreende o Boa Esporte no fim: 2×2

Equipe mineira fica à frente no placar duas vezes, mas Dragão consegue igualar o placar com dois gols do artilheiro Arthur; resultado mantém os clubes na confusão

Boa Esporte e Atlético-GO fizeram um grande jogo, movimentado e no qual a vitória esteve muito próxima de ficar com o time da casa. Porém, a ousadia dos visitantes deu resultado. Atrás no placar por duas vezes, o Dragão não se entregou e arrancou o empate. No fim, até pressionou em busca do terceiro gol, mas prevaleceu o 2 a 2 no estádio do Melão, em Varginha, no sul de Minas Gerais.

No primeiro tempo, Felipe Alves abriu o placar para o Boa, mas logo Arthur empatou. Tadeu voltou a colocar a equipe mineira à frente, e o marcador permaneceu 2 a 1 até os 37 minutos da etapa final, quando o atacante rubro-negro, inspirado, voltou a deixar tudo igual.

O resultado foi ruim para ambos. O Boa foi a 23 pontos, mas caiu para o 17ª lugar e retornou para a zona de rebaixamento. O Atlético-GO foi a 24, mas estacionou na 15ª colocação. Os dois clubes voltam a campo no próximo sábado (29), às 16h30. Os mineiros viajam para enfrentar o Náutico na Arena Pernambuco. Já os goianos recebem o Ceará no estádio Serra Dourada.

 

O Boa Esporte foi melhor quase o jogo inteiro, sobretudo no primeiro tempo. O time mineiro criou várias chances e infernizou a defesa do Atlético-GO. Felipe Alves abriu o placar aos 28 minutos e deu indícios de que seria uma vitória contundente. Contudo, Arthur cobrou falta com veneno e empatou aos 31. Só que a zaga rubro-negra vacilou e Tadeu aproveitou cruzamento para fazer o segundo do Boa, que foi para o intervalo vencendo em casa.

Na etapa final, o Atlético-GO se lançou ao ataque com as mudanças feitas pelo técnico Gilberto Pereira. Deu certo quando Geraldo, atacante angolano, entrou e colocou fogo na partida. Ele foi bem e, apesar de perder algumas boas chances, deu a assistência para Arthur fazer de cabeça o gol que selou o 2 a 2. As duas equipes ainda tiveram oportunidades, mas desperdiçaram.

Boa Esporte e Atlético-GO empatam em 2 a 2 em Varginha (Foto: Régis Melo)
Boa Esporte e Atlético-GO empatam por 2 a 2 no estádio do Melão, na cidade de Varginha
(Foto: Régis Melo)
GLOBO ESPORTE.COM

Bahia 4 x 1 Boa Esporte

Em tons de aço, Bahia vence o Boa na Fonte e dorme na ponta da Série B

Partida realizada na Arena Fonte Nova marca a estreia do terceiro uniforme tricolor, inspirado no apelido “Esquadrão de Aço”. Time mineiro segue no Z-4 da 2ª Divisão

Aço. Material composto basicamente de ferro e carbono. Pela resistência, tornou-se apelido do Super-Homem, mascote do Bahia, que também herdou a referência e virou Esquadrão de Aço. Nesta sexta-feira, o time baiano estreou o terceiro uniforme na cor da liga metálica, e mostrou que o cinza realmente lhe cai bem. Com um primeiro tempo fulminante, o Tricolor venceu o Boa Esporte por 4 a 1 na Arena Fonte Nova, em Salvador, pela 17ª rodada da Série B.

A partida teve atuação destacada do meia Eduardo, com duas assistências e um gol. Jailton, Kieza e Souza completaram o placar pelo Bahia, que desponta como um dos mandantes de melhor aproveitamento da Série B – sete triunfos e um empate em oito jogos. Tadeu descontou para o Boa Esporte.

O resultado coloca a equipe baiana na liderança provisória da Série B, com 31 pontos. O Bahia pode cair para a terceira posição no complemento da rodada. Para tanto, basta que Botafogo e Vitória vençam seus jogos, que serão realizados neste sábado. O Boa, por sua vez, permanece na 18ª posição, com 16 pontos, e pode ser ultrapassado pelo Mogi Mirim.

Na próxima rodada da Série B, o Bahia enfrenta o Náutico na Arena Fonte Nova, na terça-feira, às 19h (horário de Brasília). No mesmo dia, às 21h30, o Boa Esporte recebe o Macaé, em Varginha.

Kieza; Bahia; comemoração; Jailton; Fonte Nova (Foto: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia)
Com uniforme novo, Bahia vence Boa Esporte com facilidade na Fonte Nova
(Foto: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia)

Placar em tons de aço

O Bahia não precisou de muito tempo para mostrar ao Boa o motivo pelo qual é um dos melhores mandantes da Série B. A equipe mineira ainda se ajustava em campo quando, com três minutos, Eduardo cobrou escanteio da esquerda e Jailton apareceu no meio da área para abrir o placar na Arena Fonte Nova. O gol no início da partida deu a impressão de que o time baiano passearia em campo. O Boa, contudo, conseguiu equilibrar o jogo e criar boas chances. Desperdiçou todas e mostrou também a razão pela qual é um dos piores ataques da Segundona.

Enquanto o Boa perdia chances, o Bahia mostrava eficiência. Eduardo, mais uma vez, acertou linda assistência para Kieza, que passou entre os zagueiros do time mineiro e tocou na saída de Andrey.  No terceiro ataque, mais um gol. Yuri achou Vitor na grande área. O lateral cruzou rasteiro, Tiago Real deixou a bola passar e Eduardo tocou no canto da meta mineira. A partida se desenhava bastante tranquila para os baianos, até que, em lance de descuido da defesa, Tadeu completou de primeira e venceu Douglas Pires.

Pelo placar, era de se esperar um Bahia acomodado no segundo tempo. Mas o time de Sérgio Soares contrariou as expectativas e se manteve no ataque. Nem a saída de Eduardo, substituído por Rômulo, diminuiu o ímpeto tricolor, que ampliou o placar. Yuri costurou a zaga do Boa, teve o short rasgado por um adversário, e passou para Souza, na grande área, marcar o quarto gol. Com a goleada construída, o Bahia passou a cadenciar mais a partida. O Boa quase não conseguia chegar ao ataque com a bola trabalhada. Parecia não ter potência para superar uma equipe composta de aço.

GLOBO ESPORTE.COM

Avaí 0 x 2 Náutico

0 x 2

27ª RODADA
NÁUTICO ACABA COM SÉRIE INVICTA DE 12 JOGOS DO AVAÍ E MANTÉM SONHO DO G-4
Timbu demonstra eficiência nas finalizações, marca duas vezes e derruba Leão, que desperdiça a oportunidade de assumir a liderança da Série B
O Náutico entrou em campo contra o Avaí neste sábado em busca de algo que o permitisse seguir com o sonho de voltar ao G-4, posto que ocupou em apenas duas rodadas da Série B. E alcançou seu objetivo. Em Florianópolis, bateu os catarinenses por 2 a 0, com gols de Tadeu e Bruno Furlan, e diminuiu para seis pontos a diferença para o Joinville, quarto colocado – que entra em campo às 21h, diante do América-RN.

O Avaí, ainda vice-líder, mas também à espera do jogo do JEC, sentiu falta de sua figura mais importante: Geninho. Ausente em função do casamento do filho, o treinador não esteve à beira do gramado, mas assistiu  pela televisão à equipe, que errou muitos passes (47 no total) e perdeu a invencibilidade de 12 jogos na competição. O Leão permanece com 49 pontos, um a menos que a líder Ponte Preta. Com o sonho ainda vivo de um acesso, o Timbu chegou aos 41 potnos e subiu para a sétima colocação.

Depois de duas partidas em casa, o Avaí volta a jogar longe da torcida. Na terça-feira, às 21h50, encara o ABC, no Fraqueirão. No mesmo dia, mas às 19h30, o Náutico recebe o América-MG, na Arena Pernambuco.

Diego Felipe Avaí x Náutico (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)
Diego Felipe Avaí x Náutico (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)

O jogo

Diante de rivais diretos, manda o bom senso que não se cometa erros. O Avaí não seguiu a lição, começou o primeiro tempo instável, com passes errados, e cedeu espaço para o Náutico. Com três homens na frente, o Timbu aproveitou a oportunidade. O primeiro gol surgiu aos 17 minutos. Vinícius cobrou escanteio, e, depois do bate e rebate e um pedido de falta dos catarinenses, Tadeu empurrou para o fundo das redes. Com a desvantagem no placar, o Avaí acordou, embalado pela torcida. Volume de jogo e oportunidades foram criadas, mas a falta de pontaria impediu o empate na etapa inicial.

Em busca da vitória para reassumir a liderança, o Avaí voltou para o segundo tempo em cima do Náutico, mas, como nos primeiros 45 minutos, abriu espaços para os contragolpes. Os visitantes, entretanto, não souberam aproveitar. Quando a bola caiu nos pés de Paulinho, logo aos três, o volante, de frente para o gol, perdeu ótima oportunidade. O erro animou as arquibancadas, e o jogo ficou franco enquanto houve fôlego. Apesar da posse de bola, o Leão não conseguiu transformar as oportunidades em bola na rede. No final da partida, aos 41 minutos, Bruno Furlan aproveitou cruzamento de Raí, aumentou o placar para os pernambucanos e decretou o fim da invencibilidade catarinense.

Avaí x Náutico Tadeu (Foto: Diego Madruga)
Tadeu comemora o primeiro gol do Náutico (Foto: Diego Madruga)
GLOBO ESPORTE.COM

Náutico 3 x 1 Paraná

3 x 1

26ª RODADA
MEXIDAS DE DADO FUNCIONAM, E NÁUTICO BATE O PARANÁ NA ARENA PE
Alvirrubro quebra sequência sem vitória e amplia série negativa do Paraná

A vitória sobre o Paraná é o primeiro passo de Dado Cavalcanti para recolocar o Náutico nos trilhos. Os tropeços nas últimas rodadas – foram três seguidos – frearam a arrancada iniciada desde a estreia do técnico – três vitórias que fizeram o torcedor alvirrubro sonhar com o acesso. Tadeu, Bruno Furlan e Vinícius construíram o placar de 3 a 1, nesta sexta-feira, na Arena Pernambuco. Já aos 47 do segundo tempo, Henrique descontou para os paranaenses.

O resultado leva o Timbu aos 38 pontos, a seis do G-4. Já o time paranaense amargou o quarto jogo de jejum. Com o resultado, os alvirrubros, momentaneamente, subiram para a sétima colocação. Os paranistas estacionaram na 14ª, com 31.

Náutico x Paraná  Tadeu (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)
Titular outra vez após seis rodadas, Tadeu abriu caminho da vitória (Foto: Aldo Carneiro/PE Press)

Agora, as duas equipes têm compromissos fora de casa. O Paraná joga já na próxima terça-feira, às 20h30, contra a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli. Já o Náutico só entra em campo no próximo sábado, às 16h20, quando vai até Florianópolis enfrentar o Avaí-SC.

O jogo começou a ser resolvido muito cedo. Graças à aposta bem sucedida do técnico Dado Cavalcanti. Tadeu não demorou para “agradecer” pela titularidade: aos 3 minutos, abriu o caminho da vitória em cobrança de pênalti que ele mesmo sofreu. O atacante, que já vinha sendo elogiado pelo treinador nas últimas rodadas, ganhou a vaga do meia Cañete e reapareceu no time titulares após seis rodadas.

Depois disso, a postura alvirrubra era atrair o Paraná até o campo de defesa e explorar os contra-ataques. Deu certo. O time paranaense só assustou uma vez, em uma cobrança de falta de Lúcio Flávio. Já o Timbu acertou uma bola na trave com Paulinho e manteve mais volume de jogo. A estrela de Dado Cavalcanti voltou a brilhar já na reta final da primeira etapa. Bruno Furlan – que substituiu Crislan, machucado – recebeu de Tadeu e fez o segundo gol alvirrubro.

O Paraná voltou com uma alteração: o atacante Júlio César saiu para a entrada de Arthur. Isso fez com que os paranistas começassem o segundo tempo com mais presença no campo de ataque. Mas, com o passar do tempo, o Náutico igualou as ações e acertou a trave outra vez – agora, em um chute de Vinícius. Foi um prenúncio: perto do fim, o camisa 10 arriscou de fora da área e marcou contra o ex-clube. Henrique ainda teve tempo de descontar, aos 47.

 

GLOBO ESPORTE.COM