Artur tem 42%, Marcelo Ramos, 20%, e Serafim 10% em Manaus, diz Ibope

Serafim Corrêa aparece com 10%, e José Ricardo, com 6%.
Instituto ouviu 805 eleitores entre os dias 10 e 15 de setembro.

Resultado de imagem para Artur Neto 45

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (16) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto na corrida para a Prefeitura de Manaus:

– Artur Neto (PSDB) – 42%
– Marcelo Ramos (PR) – 20%
– Serafim Corrêa (PSB) – 10%
– José Ricardo (PT) – 6%
– Hissa Abrahão (PDT) – 5%
– Silas Câmara (PRB) – 5%
– Henrique Oliveira (SD) – 3%
– Luiz Castro (REDE) – 1%
– Queiroz (PSOL) – 1%
– Branco / nulo – 4%
– Não sabe / não respondeu – 3%

A pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica.

No levantamento anterior, realizado pelo instituto, entre os dias 20 e 23 de agosto, Artur Neto tinha 32%, seguido por Marcelo Ramos, com 16%, Serafim Corrêa, com 10% cada, Henrique Oliveira, Hissa Abrahão e Silas Câmara, José Ricardo, com 5%, Luiz Castro e Queiroz, com 1% cada. Brancos e nulos eram 8%, e indecisos somavam 3%.

O Ibope  ouviu 805 eleitores entre os dias 10 e 15 de setembro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas sob o protocolo Nº AM-07879/2016.

Rejeição
O Ibope também apontou a rejeição dos candidatos. A maior rejeição é a Serafim Corrêa (26%). Na sequência, aparecem Queiroz (23%), Silas Câmara (22%), Artur Neto (19%), Henrique Oliveira (19%), Hissa Abrahão (15%), José Ricardo (15%), Luiz Castro (14%), Marcelo Ramos(8%).

Avaliação da administração Artur Neto
Na mesma pesquisa, os eleitores também responderam sobre a avaliação da administração do prefeito Artur Neto (PSDB). Veja os números:
– Ótima / boa – 41%
– Regular – 35%
– Ruim / péssima – 23%
– Não sabe – 2%

Segundo o Ibope, 54% aprovam a forma como Artur vem administrando o município; 38% declaram que a reprovam. Aqueles que não sabem ou preferem não responder somam 8%.

G1.COM.BR

Artur Neto lidera disputa para prefeito de Manaus com 32%, diz Ibope

Marcelo Ramos tem 16%, Serafim, 10%, Henrique, Hissa, e Silas, 8%.
Instituto ouviu 805 eleitores entre os dias 20 e 23 de agosto.

Resultado de imagem para Artur Neto senado

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto na corrida para a Prefeitura de Manaus:
– Artur Neto (PSDB) – 32%
– Marcelo Ramos (PR) – 16%
– Serafim Corrêa (PSB) – 10%
– Henrique Oliveira (SD) – 8%
– Hissa Abrahão (PDT) – 8%
– Silas Câmara (PRB) – 8%
– José Ricardo (PT) – 5%
– Luiz Castro (REDE) – 1%
– Queiroz (PSOL) – 1%
– Branco / nulo – 8%
– Não sabe / não respondeu – 3%

A pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica.

O Ibope ouviu 805 eleitores entre os dias 20 e 23 de agosto. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) sob o protocolo Nº AM-00754/2016.

Rejeição
O Ibope também apontou a rejeição dos candidatos. A maior rejeição é a Serafim Corrêa (37%). Na sequência, aparecem Artur Neto (29%), Silas Câmara  (24%), Henrique Oliveira (17%), Queiroz (13%), Hissa Abrahão (11%), José Ricardo (11%), Luiz Castro (10%), Marcelo Ramos(10%).

Avaliação da administração Artur Neto
Na mesma pesquisa, os eleitores também responderam sobre a avaliação da administração do prefeito Artur Neto (PSDB). Veja os números:
– Ótima / boa – 36%
– Regular – 39%
– Ruim / péssima – 24%
– Não sabe – 2%

Segundo o Ibope, 49% aprovam a forma como Artur vem administrando o município; 44% declaram que a reprovam. Aqueles que não sabem ou preferem não responder somam 6%.

Principais problemas de Manaus
O Ibope também perguntou aos eleitores quais são, na opinião deles, os principais problemas enfrentados hoje na capital amazonense. A saúde foi escolhida por 46% dos eleitores, o transporte coletivo (12%), a segurança (9%), a educação (6%), o abastecimento de água (5%), a geração de empregos e calçamento de ruas e avenidas (4%), o trânsito (3%), a corrupção (2%), iluminação pública, limpeza pública, administração pública, impostos e taxas, e rede de esgoto (1%).

Nível de interesse
Os eleitores também foram perguntados pelo Ibope sobre o nível de interesse nas eleições deste ano. Os que revelaram ter muito interesse são 20% dos eleitores, interesse médio (27%), pouco interesse (29%) e nenhum interesse (22%).

 

G1.COM.BR

TRE julga ação contra governador do Amazonas por abuso de poder

Ação pede cassação do diploma de José Melo e vice.
Em janeiro, Melo já teve mandato cassado; ele recorreu da decisão.

Bandeira do estado do Amazonas

Julgamento de ação contra Melo teve início na tarde desta terça (Foto: Indiara Bessa/G1 AM)
Julgamento de ação contra Melo teve início na tarde desta terça (Foto: Indiara Bessa/G1 AM)

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TRE-AM) deu início, na tarde desta terça-feira (28), ao julgamento de ação de investigação judicial eleitoral que pede a cassação do diploma do Governador do Amazonas, José Melo (PROS), e do vice, Henrique Oliveira (SD). Ele é acusado de abuso de poder econômico e político. Em janeiro, Melo já teve mandato cassado por compras de votos e recorreu da decisão.

A acusação alega prática de abuso de poder em atos praticados durante o período eleitoral de 2014, como distribuição de tablets para alunos da rede pública, reajuste do salário de servidores públicos, entrega de equipamentos de saúde no interior do estado, uso de imagens institucionais em propaganda eleitoral obrigatória, dentre outros fatos citados nos autos do processo.

Se condenado, José Melo perde o mandato e fica inelegível por 8 anos. A ação, que não cabe multa, foi ingressada na Corte Eleitoral pela Coligação “Renovação e Experiência”. O relator é desembargador João de Jesus Abdala Simões.

O caso também envolve Nair Blair, suspeita em esquema de compra de votos nas eleições de 2014. No dia 23 deste mês, o Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) denunciou à Justiça Federal a empresária pelos crimes de peculato e falsidade ideológica. Caso seja condenada, ela deverá reparar os danos causados ao erário no valor mínimo de R$ 2.535.160.

Cassação
Em janeiro deste ano, José Melo e Henrique Oliveira tiveram mandatos cassados em julgamento no TRE com cinco votos foram a favor.

Mesmo após cassados, o governador e o vice permaneceram nos cargos por decisão do próprio Tribunal Regional Eleitoral. O TRE negou, no dia 28 de março, o recurso da Coligação “Renovação e Experiência” e manteve nos cargos Melo e Henrique. A coligação pedia a posse imediata de Eduardo Braga como governador e de Rebecca Garcia como vice. Os dois ficaram em segundo lugar nas eleições de 2014.

José Melo foi acusado de participar de um esquema de compra de votos e de uso irregular da Polícia Militar na campanha eleitoral de 2014. A ação foi proposta pela coligação adversária “Renovação e Experiência”, que tinha como candidato o senador Eduardo Braga (PMDB).

O governador recorreu da decisão. O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) manteve a sentença em julgamento de embargos de declaração no início de março.
Na tentativa de reverter a condenação, a defesa de Melo e Henrique ingressou com recurso ordinário no TRE-AM, que enviou o documento ao TSE no início de abril.

 

G1.COM.BR

Cassação do governador José Melo e do vice é mantida pelo TRE-AM

Julgamento foi realizado nesta quarta-feira (9); votação foi unânime.
Melo e Henrique Oliveira são suspeitos de compra de votos.

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) decidiu manter a cassação dos mandatos do governador José Melo (Pros), e do vice, Henrique Oliveira (SD), que recorreram após a decisão votada em janeiro. O julgamento de embargos de declaração da defesa foi realizado nesta quarta-feira (9). Todos os seis magistrados presentes votaram pela continuidade da cassação. A defesa disse que vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com o TRE-AM, o acórdão com a íntegra da decisão deve ser publicado na próxima terça-feira (15). O documento vai indicar se deverá ocorrer o afastamento imediato do governador e do vice. Se a decisão pelo afastamento não estiver especificada no acórdão, a acusação deve entrar com uma solicitação para o afastamento.

“[Caso a coligação adversária peça o afastamento] a presidente do TRE pode executar a decisão e comunicar a Assembleia Legislativa do Amazonas”, disse Leland Barroso, assessor da presidência do tribunal.

A defesa do governador e do vice informou que deve recorrer da decisão. “Caberá à defesa propor um recurso ordinário para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”, afirma o advogado Yuri Dantas.

O advogado de acusação, Daniel Jacob Nogueira, informou que deve aguardar a publicação do acórdão para tomar alguma nova medida. “Com a publicação, poderemos analisar qual opasso concreto que vai ser tomado. Nesse momento os representantes não têm informação completa. Entendemos que a execução do acórdão tem que ser imediata”, frisou.

Votaram contra os embargos de declaração: o relator do processo, juiz  Francisco Marques; a juíza  Marília Gurgel; o desembargador Mauro Bessa; juiz Dídimo Santana; juiz Henrique Veiga; juiz Marcio Rys.

Melo e Oliveira são acusados de compra de votos na eleição de 2014. Os mandatos de ambos foram cassados em 25 de janeiro deste ano. Para tentar reverter a decisão, a defesa entrou com embargos de declaração, que apontavam possíveis falhas no processo.

Sessão anterior
O julgamento desta terça ocorreu após a A juíza Marília Gurgel pediu vistas do processo na sessão da segunda-feira (7).

Na segunda, a defesa apontou que o início da investigação se deu a partir de denúncia anônima. Os embargos também alegavam que ocorreu busca e apreensão de provas sem ordem judicial. Os recursos da defesa tentavam mostrar possíveis omissões, obscuridade ou contradições no processo.

José Melo defendeu fim da 'guerra fiscal' (Foto: Herick Pereira/Secom)
Governador José Melo  (Foto: Herick Pereira/Secom)

Caso
José Melo foi acusado de participar de um esquema de compra de votos e de uso irregular da Polícia Militar na campanha eleitoral de 2014. A ação foi proposta pela coligação adversária “Renovação e Experiência”, que tinha como candidato o agora ministro de Minas e Energia e senador licenciado, Eduardo Braga (PMDB).

Na ocasião da votação do TRE-AM que decidiu pela cassação de Melo, o juiz Márcio Rys Meirelles de Miranda foi o único que votou contra a ação. Cinco votos foram a favor.

O governador, José Melo, e o vice, Henrique Oliveira, também  são denunciados por conta de um contrato de R$ 1 milhão firmado para monitoramento de delegações que participaram da Copa do Mundo 2014 em Manaus. Irregularidades nesse acordo foram denunciadas em uma reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo.

 

G1.COM.BR