Tom Barros transcreve em sua coluna opinião de médico sobre a Serie B 2013

Série B 2013: Dá pra encarar?

 

Curiosidades

Do médico Russen Conrado: “Na Série B 2013, nos 370 jogos, 74,6 % terminaram com empate ou vitória do mandante, 25,4 % com vitória dos visitantes. No futebol, o primeiro e o segundo gols são os mais importantes. Antes do jogo contra o Ceará, o Palmeiras tinha vencido oito jogos com goleadas. A média de tempo entre o primeiro e o segundo gol, nesses jogos, foi de 28 minutos. Contra o Ceará esse intervalo foi de 29 minutos. Se o Figueirense subir, pela primeira vez, em todas as séries, três rebaixados voltarão à elite logo no ano seguinte”.

 

Tom Barros-Diário do Nordeste-Jogada-27/11/2013

James Akel comenta o que impede a Rede TV! ficar com os direitos de transmissão da Serie B do Brasileiro

 

Ainda não tem nada assinado entre a RedeTV e os donos dos direitos da Série B do futebol.

Nenhuma rede de emissoras se interessou no negócio que foi oferecido à TV Record e SBT que consideraram o custo alto e desinteressante.

A RedeTV tem todo interesse mas precisa antes de assinar garantir os patrocinadores que ao menos cubram os custos dos direitos de transmissão.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h24 no dia 12/11/2013

Tom Barros analisa o desempenho do Ceará e do Icasa na primeira metade da Serie B 2013

Bandeiras dos Estados do Brasil

 

Terminada a primeira volta, não há como se vislumbrar a subida do futebol cearense para a elite nacional (Série A). O Icasa, que está mais próximo do G-4, padece não raro de recaída que dificulta seu progresso. Foi assim  na derrota em casa para o Paraná. O Ceará, nos dois recentes empates, deu mais a demonstração de que tem futebol para permanecer na Série B do que para ascender à categoria maior. Mas, neste recomeçar, tudo pode ainda acontecer. No alvinegro somente será possível sonhar com o G-4 se o time passar a ganhar jogos fora. Portanto, ainda é possível subir, sim, mas somente mediante radical mudança de postura. Com a produção atual ficará no que está.

 

Tom Barros

Tom Barros comenta o nível de competitividade da Serie B do Campeonato Brasileiro

 

Investir e acreditar
O nível da Série B não me agrada. O jogo Sport 2 x 1 Ceará foi horrível. O número de passes errados dos dois lados irritou. Passes até mandados para as laterais em erros crassos de atletas que se dizem profissionais. Qual a diferença técnica entre o Sport (3º), que está no G-4, e o Ceará (13º), que está a dois pontos da zona maldita? Resposta simples: nenhuma. O Ceará até foi melhor na fase final, apesar da derrota. A rigor, nem o líder Palmeiras está com esta bola toda, se usarmos critério mais exigente de avaliação para um time que, pela história, é “A”, mesmo estando na “B”. Assim, quem estiver na faixa intermediária, se investir e acreditar, ainda terá condições de chegar ao G-4.

 

Coluna redigida pelo jornalista Tom Barros para o jornal cearense Diário do Nordeste no dia 15/08/2013

Coluna do Tom Barros 07 de junho de 2013

Escudo do Ceará Sporting Club

Em busca do padrão ideal

Recordando. No famoso Beco do Cotovelo, na querida cidade de Sobral, Luiz Torquato posa defronte o Cafe de sua propriedade. Luiz foi presidente do Guarany durante décadas, tendo conquistado o mais importante título do clube: campeão brasileiro da Série D em 2010. Esta foto está no livro “Na Boca do Becco”, de César Barreto Lima e Marcelo Barreto Alves.

O time do Ceará, pelo que vem mostrando, não tem a confiança do torcedor. Para sonhar com a Série A nacional em 2014, ano de seu centenário e ano da Copa do Mundo, o alvinegro terá de ralar muito. Em nenhuma das quatro partidas que realizou (São Caetano, Paysandu, ABC e Oeste) o alvinegro deu sinais de um padrão ajustado, coerente, pronto para superar os desafios. Numa avaliação parcial, é possível dizer que, com o atual nível de produção, o time tem futebol para não cair, mas jamais para chegar entre os quatro primeiros. Há tempo, porém, para as devidas correções. A chegada de um novo técnico é o momento ideal. Mas, estancado como está, não pode demorar muito.

Intercâmbio

No Fortaleza, há jogadores que estão em franca ascensão, desde a goleada sobre o Confiança, passando pela goleada sobre Baraúnas. Cito, por exemplo, Guaru e Esley. Quanto a Assisinho não é preciso dizer muita coisa, pois há muito vem dando provas de seu talento. O jogo de amanhã contra o Águia será divisor de águas. Se o Leão acabar de vez com o fantasma paraense, abrirá o caminho rumo à ascensão para a Série B em 2014. Tem futebol para isso.

Salários

O repórter José Maria Melo, numa conversa com o presidente do Ceará, Evandro Leitão, ficou espantado com os valores pedidos pelos técnicos Silas (R$ 220 mil) e Jorginho (R$ 180 mil), quando consultados pela diretoria do Ceará. Fico a pensar até que ponto vale a pena pagar salários tão elevados. Já está na hora de uma revisão nos valores para torná-los compatíveis com a capacidade de pagamento dos nossos clubes. Está demais, gente.

Homenagem Coral

Hoje, às 19h30, na Câmara Municipal de Fortaleza, Sessão Solene em homenagem aos 80 anos de fundação do Ferroviário Atlético Clube. Por iniciativa do vereador Wellington Sabóia, o requerimento foi subscrito pelos vereadores José do Carmo, Benigno Júnior, Toinha Rocha, Carlos Mesquita e Fábio Braga. Mesquita, além de torcedor coral, foi presidente do clube. O Ferroviário tem nove títulos de campeão cearense, tendo sido vice-campeão estadual dezenove vezes. Uma força que merece apoio para retomar seu destino de conquistas.

Dimas, outra vez

Perdi as contas. Mas quem não as perdeu. Dimas Filgueiras, técnico do Ceará. Interino, outra vez. Recordista absoluto. Duvido que no Brasil alguém tenha assumido tantas vezes o comando técnico de um mesmo clube. Vai para o Guinness Book of World Records. E mais importante: sempre que assume, Dimas deixa a marca de sua competência, tal como fez recentemente ao assumir o Ceará justo num clássico diante do Fortaleza. Dimas ganhou.

Novo momento

Saindo das turbulências (duas derrotas seguidas no Romeirão e desistência do técnico Diá), o Icasa busca em Arapiraca a recuperação. Já faz tempo o Asa tem sido um calo na trajetória do futebol cearense. Icasa e Ceará que o digam. O atacante Léo Gamalho, do Asa, tem sido o tormento quando enfrenta os clubes daqui. O Icasa tem surpreendido pela capacidade de superar momentos adversos. Resta saber se sem Diá terá a mesma força de retomada.

Gosto de jogar de volante, minha posição de origem. Às vezes, jogo de terceiro zagueiro. E dou tudo de mim. Mas me especializei mesmo como volante em toda a minha carreira”.

Coluna redigida pelo jornalista Tom Barros para o jornal cearense Diário do Nordeste no dia 07 de junho de 2013

Classificação da Serie B após a TERCEIRA RODADA

CLASSIFICAÇÃO P J V E D GP GC SG %
1
Figueirense
9
3
3
0
0
10
6
4
100
2
Chapecoense
7
3
2
1
0
6
2
4
77.8
3
Avaí
7
3
2
1
0
7
5
2
77.8
4
Joinville
6
3
2
0
1
6
2
4
66.7
5
Palmeiras
6
3
2
0
1
4
1
3
66.7
6
Oeste
5
3
1
2
0
3
2
1
55.6
7
Ceará
5
3
1
2
0
2
1
1
55.6
8
Paraná
4
3
1
1
1
2
1
1
44.4
9
Icasa
4
3
1
1
1
6
6
0
44.4
10
Atlético-GO
4
3
1
1
1
2
2
0
44.4
11
Boa Esporte
4
3
1
1
1
2
4
-2
44.4
12
Sport
3
3
1
0
2
4
5
-1
33.3
13
América-MG
3
3
1
0
2
3
5
-2
33.3
14
Bragantino
3
3
1
0
2
2
4
-2
33.3
14
Guaratinguetá
3
3
1
0
2
2
4
-2
33.3
16
América-RN
2
3
0
2
1
4
5
-1
22.2
17
Paysandu
2
3
0
2
1
2
3
-1
22.2
18
São Caetano
2
3
0
2
1
0
1
-1
22.2
19
ABC
1
3
0
1
2
1
4
-3
11.1
20
ASA
1
3
0
1
2
1
6
-5
11.1

Atlético Goianiense 2×1 Joinville

O tamanho do gramado do Serra Dourada, com medidas de 110 metros de comprimento por 75 metros de largura, o maior em extensão do Brasil, pode tanto beneficiar, quanto prejudicar. Aos times não acostumados, como o Joinville, o começo pode ser difícil. Para os times da casa, no caso o Atlético-GO, o ‘uso’ não é tão sentido. Aproveitando-se disso, somado ao cansaço dos catarinenses, o Dragão venceu o jogo desta terça-feira por 2 a 1 e se reabilitou da derrota na estreia. No JEC, continua a seca de jogos sem vencer fora de seus domínios.

Após um primeiro tempo com poucas chances de ambos os lados, à etapa final foi reservada para os principais lances da partida. Mais inteiro, o Dragão abriu logo dois gols de frente, com Dodó e Pituca. Ronaldo, que teve a chance de empatar após o primeiro dos donos da casa, colocou para dentro aos 30 minutos da etapa final. O gol do JEC, no entanto, não foi o bastante, já que o próprio Ronaldo acabaria sendo expulso minutos mais tarde, determinando a vitória do Atlético-GO. Agora, são 14 jogos sem vitória catarinense fora de casa.

Para a próxima rodada, as equipes trocam de mando de campo. Em casa, na Arena Joinville, o JEC, na sexta-feira, às 19h30m (de Brasília), recebe o ASA. Já o Atlético-GO pega a estrada. Em Varginha, Minas Gerais, o Dragão encara o Boa Esporte, no sábado, às 21h, no Melão.

Atlético-GO x Joinville - Serra Dourada - Série B (Foto: O Popular)
Atlético-GO levou a melhor nas finalizações, no Serra Dourada, e saiu de campo vitorioso (Foto: O Popular)

Muitos passes e poucas chances

Uma das armas do Joinville foi apresentada ao Dragão logo a seis minutos de jogo. Homem das bolas paradas no JEC, Marcelo Costa jogou na área e achou Lima. O camisa 9 se abaixou para cabecear, mas, sem equilíbrio, mandou por cima. Mesmo jogando fora de casa, num campo grande como o Serra Dourada, difícil para se acostumar, foi o time catarinense que tomou a iniciativa na partida, tocando a bola de pé em pé. Mas o domínio dos visitantes era inofensivo. O Atlético, por sua vez, chegava de vez em quando, mas com vontade, principalmente nos lados.

A partir dos 30 minutos, o time da casa passou a assustar. Primeiro, numa infelicidade do zagueiro Diego Jussani, que, ao tentar cortar, pegou errado na bola e obrigou o goleiro Ivan a sair com os pés para evitar um possível gol contra. Três minutos depois, o Dragão chegou bonito, numa boa tabela de João Paulo e Ricardo Jesus, até o erro de passe do atacante. Vendo o perigo, o JEC voltou a sair mais. Aos 42, a melhor chance da etapa inicial. De pé esquerdo, o destro Marcus Vinícius arriscou de fora da área e acertou o travessão do goleiro Márcio. O goleiro da casa voltou a trabalhar no último lance, numa falta perigosa de Lima.

Dodo comemora gol do Atlético-GO sobre o Joinville (Foto: Carlos Costa/Agência Estado)
Dodó comemora seu gol contra o JEC, o primeiro do
Dragão (Foto: Carlos Costa/Agência Estado)

Gols dos dois lados, mas vitória da casa

A etapa final começou com tudo. Em sete minutos jogados, duas descidas com perigo de cada equipe. Logo em seguida, o primeiro gol dos donos da casa, com oito minutos. Pela esquerda, o meia Ernandes invadiu a área e soltou uma bomba de canhota. A bola parou no travessão, e depois nos pés de Dodó, que ajeitou e chutou cruzado, rasteiro, para abrir o placar. Um minuto depois, Ronaldo fez a torcida do Dragão engolir seco, ao mandar, de esquerda, na trave, após boa jogada individual.

A chance de abrir 2 a 0 no placar chegou aos 15, para os donos da casa. John Lennon fez o serviço pela ponta direita, entrou na área e rolou para Pipico, que, praticamente sem goleiro, mandou pelo lado. Pelo lado também mandou o volante Pituca, dessa vez, para dentro das redes de Ivan, aos 28 minutos. Assim como no começo da etapa, no entanto, Ronaldo respondeu com perigo, mas com gol, após passe de Jaílton. O mesmo Ronaldo seria destaque instantes mais tarde, mas por ser expulso. Mesmo com um a menos, o JEC pressionou muito no final, sem conseguir furar o bloqueio do time goiano, vencedor da noite.

América Mineiro 2 x 4 Figueirense

O Figueirense não tomou conhecimento do América-MG e, em pleno estádio Independência, com apenas 682 pagantes, atropelou o adversário, fazendo 4 a 2, numa partida em que os catarinenses apresentaram futebol veloz e consistente e contaram com um show de trapalhadas dos mineiros. Os gols do Figueira foram marcados por Rafael Costa, Mayslon, Ricardinho e Douglas, contra um de Willians e um de Laércio para o Coelho.

A vitória levou o Figueirense à vice-liderança da Série B do Campeonato Brasileiro, com seis pontos ganhos em dois jogos e saldo de gols inferior ao do Palmeiras, que também tem 100% de aproveitamento. O América-MG está na zona de rebaixamento, em 18º lugar, com duas derrotas e saldo negativo de três gols.

Figueirense comemora gol sobre o América-MG (Foto: Ângelo Pettinati/Futura Press)
Figueirense, em BH, faz 4 a 2 no América-MG (Foto: Ângelo Pettinati/Futura Press)

A terceira rodada começa sexta-feira. O Figueirense recebe o Sport, às 21h50m (de Brasília), no Orlando Scarpelli, em Florianópolis. O América-MG joga sábado. Às 16h20m, encara o Palmeiras, no Novelli Júnior, em Itu.

Baile do Furacão

Os primeiros minutos do jogo foram equilibrados, com os dois times buscando o gol com as mesmas força e intensidade. Mas esta paridade só durou até os dez minutos, quando o Figueirense abriu o placar e tomou as rédeas do jogo para. Rafael Costa foi o autor do primeiro gol. Ele começou a jogada pelo meio, a bola sobrou pra Ricardinho, que bateu para o gol. Neneca rebateu para frente e o camisa 9 catarinense não perdoou.

Três minutos depois foi a vez de Mayslon marcar, contando com uma falha incrível do zagueiro Vitor Hugo, que teve um momento bisonho no Independência, ao escorregar no gramado e perder o tempo de marcação. O volante do Figueira não perdoou, invadiu a área e marcou o segundo gol.

O Figueirense teve mais duas chances claras para ampliar o placar, mas Neneca salvou o Coelho. A esta altura do jogo, porém, nada que o goleiro do América-MG fizesse aliviaria sua barra com a torcida, que já tinha eleito o goleiro como vilão da partida.

O setor ofensivo americano pouco produzia. Fábio Júnior estava isolado no ataque, Nikão, Willians e Rodriguinho não conseguiam se desvencilhar da marcação e os laterais Leandro Silva e Wanderson nada acrescentavam ao time. Os problemas do América-MG não interessavam ao Figueirense, que, senhor absoluto do jogo, seguiu dominando as ações, mas cometeu o grave pecado de não ampliar a vantagem. O que deu ânimo ao Coelho, que acordou em campo e conseguiu marcar seu gol. Fábio Júnior tocou para Willians na área, que bateu duas vezes para vencer o goleiro Ricardo e colocar o time mineiro novamente na partida. As vaias, pelo menos até então, deram lugar a aplausos.

Chuva de gols e vaias

Como era de se prever, o América-MG partiu para cima do Figueirense, logo de cara, no segundo tempo. A postura ofensiva do Coelho contrastou com a do Figueira, que voltou recuado para o jogo. O que parecia covardia do técnico Adílson Batista, porém, se revelou uma brilhante estratégia, pois o time mineiro partiu pra cima e deu espaços para o Figueirense marcar mais dois gols e liquidar o jogo, antes mesmo dos 20 minutos da etapa final.

O terceiro gol foi marcado por Ricardinho, aos 15 minutos. O meia entrou tabelando e da entrada da pequena área soltou a bomba, indefensável para Neneca. O quarto gol veio aos 19, e desta vez com mais uma colaboração do goleiro americano. Neneca saiu mal do gol, após cobrança de escanteio e o zagueiro Douglas Silva só teve o trabalho de empurrar a bola para o fundo das redes, de cabeça.

O torcedor do América-MG se desesperou nas cadeiras do Independência e começou a gritar ‘Terceira Divisão’ para os jogadores. Muitos deixaram o estádio mais cedo e não tiveram tempo de ver Laércio, que entrara no lugar de Nikão, fazer o segundo do Coelho, aos 31 minutos, aproveitando um vacilo da zaga catarinense. Nada, porém, que mudasse o panorama do jogo e a incontestável vitória do Figueirense, numa noite em que nada deu certo para o América-MG.

A guerra vai começar!

Maior Torcida do Estado,

Sabe quando você treina para um objetivo. Dá duro, sua a camisa e percebe que o pior ainda vai começar? Então… isso está acontecendo AGORA.

O Ceará treinou, suou a camisa. Bateu adversários fracos, fregueses e adversários medianos. Vencemos o campeonato local com folga. Um treino de luxo. Conquistamos a taça de TRICAMPEÃO e guardamos na sala com mais troféus nesse estado. Domingo tem até uma carreata para comemorar o feito. Mas antes disso, ainda na sexta-feira, uma guerra se iniciará.

O nível é outro e ao parar para analisar, a situação não é desesperadora, mas requer atenção. Temos de fato, o 6º elenco mais caro da Série B, avaliado em R$ 33,3 milhões segundo pesquisa da Pluri Consultoria. Entre os favoritos ao acesso, ficamos em 5º na pesquisa entre jogadores e técnicos. Até agora nada de G4. Para ocupar esse posto precisaremos melhorar.

É preciso mais. O Vozão tem um bom time, mas precisamos de um bom elenco. Novos nomes devem pintar em Carlos de Alencar Pinto. Alguns estão saindo (Tiago, Cleiton, Gerley, Válber, Anselmo, Régis).

O fato é que precisamos nos reforçar e vou apontar onde, conforme MINHA opinião. Fiquem a vontade para concordar ou discordar.

Gol – Fernando Henrique voltou a se comprometer com o clube, treinando, voltou ao seu antigo reflexo. Pega bolas difíceis e tem uma boa saída de bola ligando o contra golpe de forma rápida. Ponto fraco: cruzamentos e frangos engolidos. Logo, precisamos de outro que realmente dispute essa vaga.

Lateral – O nível do Eric é baixo. Rafael Cruz é bom, mas se quebra muito fácil. Precisamos de DOIS laterais direitos. Ah, de um lateral esquerdo também.

Meio – Vejo um setor carente. Ricardinho alterna partidas boas e ruins. Luiz Henrique é bom, veloz, mas pode sentir o peso da competição. Precisamos de um camisa 10!

Vejo o Ceará bem de zagueiros, volantes e atacantes. Reforçando onde apontei, acredito no Ceará brigando pelo acesso à elite. E você?

 

BORA, VOZÃO!
Conta comigo \o/

***

#CearaEstaremosContigo

SAUDAÇÕES ALVINEGRAS

 

BR’13 – São Caetano x Ceará

É pra valer! O campeonato brasileiro série B vai começar e o peito do alvinegro se enche de esperança. Esperança por ver o quanto o Ceará cresceu nos últimos anos. Agora, nós brigamos de igual para igual contra qualquer time deste campeonato. E com esse sentimento de Fé, acompanharemos de longe a primeira batalha do Alvinegro Mais Querido do Nordeste que encara o São Caetano às 19h30.

A lista de relacionados já saiu e temos três estreantes:

Goleiros: Fernando Henrique e Dionantan
Zagueiros: Douglas, Rafael Vaz e Anderson Marques;
Laterais: Vicente, Eric e Rafael Cuz;
Volantes: João Marcos, Diogo Orlando, Foguinho e Régis;
Meias: Lulinha, Ricardinho e Luiz Henrique;
Atacantes: Mota, Pingo e Raphael Macena.

Leandro Campos testou alguma formação e os reforços estão aptos a ajudar, porém, acredito que o time não deva mudar muito da formação que conquistou o título estadual. Magno Alves que foi vetado com uma lesão, pode ser substituído por Pingo e o Vozão deve ir ao Anacleto Campanella com Fernando Henrique, Eric, Douglas, Rafael Vaz, Vicente, Diogo Orlando, João Marcos, Ricardinho, Lulinha, Pingo (Macena) e Mota.

A não temos mais campeonato local ou copa do Brasil para desviar o foco. A meta é subir? Pois comecemos na ativa, colocando o adversário sob pressão.

Fácil? Não será. O Azulão tem um bom time e jogando em seus domínios cresce.

O que precisamos? Não se amedrontar. Eles virão pra cima, afinal, todos querem iniciar o campeonato com vitória. É preciso crescer e explorar os erros que eles certamente cometerão.

Não só defender, mas também atacar e com inteligência para matar quando for a hora.

Respeitar não é temer… Eu SOU MAIS CEARÁ!

BORA, VOZÃO!

***

#CearaEstaremosContigo

SAUDAÇÕES ALVINEGRAS


BLOG DO TORCEDOR DO CEARÁ