Novela é o que não falta na TV atual

Em cena de "Babilônia", Regina (Camila Pitanga) dá um tapa em Inês (Adriana Esteves) quando a advogada tenta comprar seu depoimento em "Babilônia"

Em cena de “Babilônia”, Regina (Camila Pitanga) dá um tapa em Inês (Adriana Esteves) quando a advogada tenta comprar seu depoimento em “Babilônia”

Mais uma vez na história da televisão brasileira, quatro grandes redes estão com horários reservados em suas grades para exibição de novelas. É um momento curioso.

A Bandeirantes tem a turca “Mil e uma noites”, o SBT uma inédita e cinco reprises, a Record uma inédita e a Globo quatro inéditas e uma reprise.

Só no horário das 8 e meia da noite, três delas, a partir desta segunda-feira, passaram a concorrer diretamente. Isto no que diz respeito à aberta.

Se considerarmos que o Viva é o grande sucesso da TV paga, a Fox tem em exibição “A Escrava Isaura” e “Carrossel” já está no catálogo do Netflix, podemos entender que hoje existe de tudo para todos os gostos.

Mais do que nunca, além da força incontestável do produto e da atenção que se tem destinado a ele, se revela a relação de absoluta dependência do telespectador brasileiro com as telenovelas.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Paloma ataca Félix ao saber que ele foi o mandante do sequestro de Paulinha

https://i2.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/6977d09c72116df2e499bf2094f522c1.jpg

Pilar (Susana Vieira) perdoou Félix (Mateus Solano) após ver que o filho estava se tranformando em um homem melhor. Ela aceitou tê-lo de volta na mansão, mas impôs uma única condição: que ele assuma seus erros diante de todos a quem fez mal. E um nome muito importante nessa lista é o de Paloma (Paolla Oliveira).

Convencido pela mãe a ir falar com a irmã, Félix abre o jogo e surpreende a médica, que nem imaginava que muitos outros sofrimentos que teve na vida, como o sequestro de Paulinha (Klara Castanho), foram provocados por ele. É óbvio que ela não se segura e, assim como fez quando soube que a filha foi jogada no lixo pelo irmão, parte para cima dele mais uma vez.

Depois da confusão, Félix continua abrindo o coração e diz que mudou muito desde que foi desmascarado e expulso da mansão. “Um gesto de generosidade transforma uma vida”, diz o irmão de Paloma, que a deixa chocada logo em seguida com a história de Cristiano.

Félix põe para fora também todo o rancor que sente por César (Antonio Fagundes) por ter sido culpado pela morte do irmão mais velho e, assim que termina tudo, revela o presente deixado por Mariah (Lúcia Veríssimo) e que estava em sua posse. Nele, a mãe biológica da médica conta quem é Aline (Vanessa Giácomo) e mostra que Bruno (Malvino Salvador) nunca a traiu.

A cena vai ao ar no capítulo desta quinta-feira (2) em “Amor à Vida”.

 

NaTelinha

Novela Amor à Vida está sendo repudiada por várias classes de trabalhadores

 

Daqui a pouco, autor de novela nenhum irá conseguir desenvolver o seu trabalho, se as entidades de classe continuarem se sentindo atingidas por este ou aquele personagem. Profissão é uma coisa, caráter é outra. Não existe, por mais que tentem forçar a natureza, qualquer relação de consequência ou dependência. “Amor à Vida”, da Globo, está sendo muito vítima disso.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

“Amor à Vida” terá passagem de tempo para resolver drama de Marina Ruy Barbosa

Marco Antônio de Biaggi publica foto de Marina Ruy Barbosa

Virou novela o caso da Marina Ruy Barbosa, por causa da doença da sua personagem, Nicole, em “Amor à vida”,do Walcyr Carrasco.

Algo que até obrigou o autor a se manifestar, via Twitter, após a exibição do capítulo de quarta-feira. Por fim, tranquilizem-se todos. Aconteça o que acontecer, os cabelos da artista serão preservados.

A verdade é que a Globo e os mais diretamente envolvidos com o assunto têm procurado se cercar de todos os cuidados pela delicadeza que o tema merece.

O que se sabe é que a novela irá observar, muito em breve, uma passagem de tempo, algo em torno de nove meses, período que será possível pular ou dar um tratamento diferente ao problema que envolve a doença.

Nem mesmo a possibilidade de usar efeitos especiais está afastada. Isto, no passado, já aconteceu com a Flávia Alessandra, em “Morde & Assopra”, num trabalho do próprio Walcyr.
 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery