Procon e Inmeq realizam operação de fiscalização em aeroporto da capital

Fiscalização ocorreu hoje (1º) no Aeroporto Marechal Cunha Machado.
Todas as 28 balanças dos guichês de bagagens foram averiguadas.

Bandeira do estado do Maranhão

O Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor do Maranhão (Procon-MA) e o Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial do Maranhão (Inmeq-MA) fizeram durante a manhã desta sexta-feira (1º) uma operação de fiscalização no aeroporto internacional de São Luís, Marechal Hugo da Cunha Machado.

No local, os fiscais do Procon e do Inmeq, órgão que representa o Inmetro no Maranhão, realizaram uma vistoria nas 28 balanças dos guichês de check-in e despacho de bagagens das companhias aéreas. Os testes de pesagem, excentricidade e fidelidade foram feitos nas cargas dos passageiros.

Segundo o presidente do Procon-MA, Duarte Junior, a ideia do teste é não prejudicar o consumidor durante o embarque ou desembarque. “É muito importante que nessa oportunidade o consumidor saiba que nós estamos visando à garantia desse serviço e todo esse relatório vai subsidiar a investigação em prol da melhoria definitiva do nosso aeroporto”, explicou.

Na pesagem, os fiscais utilizaram medidas que vão de 100 gramas a 70 quilos. A fidelidade atesta se os resultados se repetem a cada nova aferição e o exame de excentricidade garante que todos os espaços da balança, e não somente o centro dela, registre o peso correto da carga.

Testes de pesagem, excentricidade e fidelidade foram feitos nas cargas dos passageiros no Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado, na capital (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Testes de pesagem, excentricidade e fidelidade foram feitos nas cargas dos passageiros no Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado, na capital (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Nenhuma balança foi reprovada. Diferente do que ocorreu no mês de maio deste ano, quando os fiscais do Inmeq encontraram seis balanças com irregularidades. As empresas fizeram os reparos dentro do prazo e agora todas estão devidamente certificadas.

O presidente do Inmeq-MA, Geraldo Carvalho Junior, diz que o consumidor pode evitar ser lesado durante a viagem evitando alguns aspectos do funcionamento das balanças. “Eu queria chamar a atenção dos telespectadores sobre quando vierem ao aeroporto em qualquer tipo de balança três coisas são importantes verificar. Primeiro é verificar se o lacre do Inmetro está atualizado; ele vai até o ano seguinte; segundo é verificar se tem o selinho amarelo ou verde e terceiro verificar se o peso aparece visivelmente no display da balança. O display tem que está legível. Não pode ter nenhum segmento apagado. Isso é importante”.

De acordo com Duarte Junior, uma dica importante é pesar a bagagem antes de chegar ao aeroporto, e observar se os resultados batem. Ele acrescenta que caso o consumidor se sinta prejudicado ao pagar indevidamente pelo excesso de bagagem, por exemplo, numa viagem de avião, o passageiro deve exigir a reparação dos danos sofridos.

“Caso seja cobrado ao consumidor um valor a mais daquele que deve. Isso caracteriza uma cobrança e o consumidor tem o direito de receber esse valor atualizado monetariamente, mas é muito importante para evitar qualquer transtorno que o consumidor no momento da pesagem fique atento e exija os seus direitos”, pontuou o presidente do Procon-MA.

 

G1.COM.BR

Pacientes denunciam venda de senhas para consultas em São Luís

Situação ocorre no Centro de Especialidades Médicas do bairro Vila Luizão.
Outra reclamação é que as senhas não garantem a marcação da consulta.

Bandeira do estado do Maranhão

Os pacientes que precisam marcar consultas e exames no Centro de Especialidades Médicas do bairro Vila Luizão, em São Luís, estão passando a noite na fila para conseguir os serviços oferecidos no local. Eles denunciam a venda de senhas que são entregues apenas uma vez por mês.

Pelo menos é o que afirma o servidor público identificado como Mauro. Ele diz que mesmo depois de ter passado a noite esperando o Centro abrir não conseguiu atendimento porque algumas pessoas, ainda não identificadas, venderam senhas para outros pacientes que chegaram no local depois dele.

“Eu cheguei meia-noite e tinha aproximadamente 80 pessoas e às sete e meia da manhã ao distribuírem 250 senhas eu não sou alcançado. O que aconteceu? Quantas pessoas entraram na minha frente? Existe sim. É fato. Pessoas que pegam senhas para vender para outros que chegam mais tarde”, revelou o servidor público.

Outra reclamação dos pacientes que procuram o Centro de Especialidades Médicas é que as senhas não garantem que a consulta ou o exame serão marcados no mesmo dia.

O gerente comercial Girlan Aguiar afirma que não existe prioridade entre os grupos e que todos ocupam uma mesma fila na hora de serem atendidos. “Primeiro que não tem prioridade para ninguém. Nem para idoso, nem para gestante. As pessoas não sabem a sua vez na fila. É uma fila só para todo mundo e até agora a gente está esperando uma senha e não sabe se vai pegar essa senha. Já são oito horas e a gente nem sabe se vai pegar essa fila”, desabafou.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que o Centro de Especialidades Médicas da Vila Luizão, nesta segunda-feira (27) distribuiu 1.200 senhas para agendamento de consultas para marcação entre as 10 especialidades disponíveis na unidade e que todos os que estavam na fila foram atendidos.

Pacientes enfrentam filas para marcar consultas e exames no Centro de Especialidades Médicas, na capital (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Pacientes enfrentam filas para marcar consultas e exames no Centro de Especialidades Médicas, na capital (Foto: Reprodução/TV Mirante)
G1.COM.BR

Funcionários de supermercado em São Luís registram Boletim de Ocorrência por racismo

Ataques racistas já se repetiram em pelo menos três lojas da rede.
Órgãos como o MP e Procuradoria do Trabalho já foram acionados.

Bandeira do estado do Maranhão

Funcionários de uma rede de supermercados em São Luís registraram um boletim de ocorrência (BO) contra uma cliente da empresa, por agressões verbais e também de racismo.

Os ataques racistas já se repetiram em pelo menos três lojas causando muita indignação entre os funcionários da rede. Dentre os funcionários estão duas operadoras de caixa e uma auxiliar de embalagem da mesma rede, que contam que também já sofreram ou já testemunharam agressões racistas no trabalho.

Uma das funcionárias, que prefere não se identificar, afirma que a cliente a chamou de “negrinha” e que a expressão usada na ocasião teve um tom pejorativo, o que a deixou muito constrangida. “Não doeu a mente. Doeu a alma. Foi quando ela disse que não era para eu embalar porque eu era uma ‘negrinha’. Aquilo ali para mim foi constrangedor demais”, desabafou.

Segundo o assessor de imprensa da rede de supermercado, Gabriel Barreto, órgãos como o Ministério Público do Maranhão (MP-MA) e a Procuradoria do Trabalho já foram acionados a fim de resolver o problema.  “Foi registrado um boletim de ocorrência. Já procuramos a Procuradoria, o Ministério Público, a Procuradoria do Trabalho e junto com o jurídico da empresa nós estamos tentando ver a melhor maneira possível para sanar este problema”, revelou.

A promotora de Justiça Lítia Cavalcanti ressalta que esse tipo de crime precisa ser denunciado pelo empregado sempre que ele se sentir discriminado. “Esse tipo de atitude não é de consumidor. Não existe relação de consumo. Não existe relação de trabalho. Existe sim um crime, um crime contra a dignidade da pessoa humana. Isso não pode ocorrer e o empregado tem que denunciar”, finalizou.

Funcionária do supermercado na capital, que prefere não se identificar, diz que a cliente a chamou de 'negrinha' em tom pejorativo (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Funcionária do supermercado na capital, que prefere não se identificar, diz que a cliente a chamou de 'negrinha' em tom pejorativo
(Foto: Reprodução/TV Mirante)
G1.COM.BR

Veículo de passeio capota na Avenida Litorânea em São Luís

Acidente aconteceu nesta tarde (9) e envolveu um carro do estado do Piauí.
Não foi registrado nenhum engarrafamento na Avenida Litorânea, na capital.

Bandeira do estado do Maranhão

Pneus do veículo ficaram para cima após o capotamento ocorrido na Avenida Litorânea em São Luís (Foto: Marcial Lima/TV Mirante)

Pneus do veículo ficaram para cima após o capotamento ocorrido na Avenida Litorânea em São Luís (Foto: Marcial Lima/TV Mirante)

Um veículo de passeio de placas OUA-8288, do estado do Piauí, capotou na tarde desta quinta-feira (9) na Avenida Litorânea, situada na orla marítima de São Luís. Após o capotamento, os quatro pneus do carro ficaram para cima.

Segundo informações de testemunhas, o veículo capotou e parou bem em cima do canteiro central da Avenida Litorânea. Não há registro de feridos, até o momento, no local do acidente.

Uma viatura da Polícia Militar e uma ambulância do Corpo de Bombeiros já estão no local para realizar os primeiros procedimentos.

Apesar da gravidade do acidente desta quinta (9), não foi registrado nenhum engarrafamento na Avenida Litorânea, na capital.

 

G1.COM.BR

Comércio em São Luís Gonzaga fica fechado após ataques de criminosos

Agências bancárias, dos Correios e casa lotérica foram alvo de bandidos.
Município conta atualmente apenas com dois policiais militares.

Bandeira do estado do Maranhão

O comércio no município de São Luís Gonzaga do Maranhão, a 255 quilômetros de São Luís, está completamente fechado após as duas agências bancárias, além da agência dos Correios e uma casa lotérica terem sido alvo de ações criminosas na região.

O aposentado Almir Laurindo da Silva que mora na cidade reclama da situação e diz que está inconformado com a situação de abandono em São Luís Gonzaga do Maranhão. “Eu resolvia tudo aqui. Agora com esse ladrão aí fracassou. Não estou resolvendo nada”, desabafou o aposentado.

A funcionária pública Cleidiane Silva revela que a economia no município está sendo atingida pela a falta de serviços após os últimos assaltos na cidade. “Na semana passada houve um outro assalto no Bradesco e é assim agora. A cidade está completamente sem banco”.

Atualmente em São Luís Gonzaga apenas dois policiais militares realizam o plantão na cidade e a única viatura que deveria ser utilizada em rondas pelas ruas do município está parada após ser atingida por tiros disparados por bandidos em um assalto.

Sobre a falta de segurança na cidade, o tenente-coronel Jurandy Braga, comandante do 15º Batalhão da Polícia Militar de Bacabal, que responde pelo policiamento de São Luís Gonzaga do Maranhão, informou que o município possui um destacamento de 10 policiais que, em regime de plantão, trabalham em grupos de três PM’s. Quanto à viatura, Jurandy Braga disse que o veículo está em manutenção, depois de ter sido atingido por tiros no último assalto, mas que duas motocicletas auxiliam no patrulhamento da cidade.

Economia em São luís Gonzaga do Maranhão está sendo atingida pela a falta de serviços após os últimos assaltos na cidade (Foto: Reprodução/TV Mirante)Economia em São luís Gonzaga do Maranhão está sendo atingida pela a falta de serviços após os últimos assaltos na cidade (Foto: Reprodução/TV Mirante)
G1.COM.BR

Polícia apreende cerca de 25 kg de maconha em São Luís

Apreensão ocorreu na tarde desta segunda-feira (6) no Parque dos Nobres.
Três pessoas suspeitas de tráfico de drogas também foram presas.

Bandeira do estado do Maranhão

José Ribamar Macedo, José Maria  e Edelfran Nunes  foram autuados em flagrante em São Luís (Foto: Divulgação / Polícia Civil)

José Ribamar, José Maria e Edelfran Nunes foram autuados em flagrante
(Foto: Divulgação / Polícia Civil)

A Polícia Civil, por intermédio da Superintendência Estadual de Repressão Narcotráfico (Senarc) apreendeu na tarde desta segunda-feira (6) no bairro Parque dos Nobres, em São Luís, cerca de 25 quilos de maconha.

Segundo informações dos policiais que participaram da ação, também foram presos durante a apreensão do entorpecente José Ribamar Macedo Maximo, de 29 anos, José Maria Alves Rodrigues, 40, e Edelfran Nunes de Moraes, que também é conhecido como “galo cego”.

Ainda conforme os policiais, a prisão dos suspeitos ocorreu no momento em que Edelfran estava pegando a droga na casa de José Ribamar que fica localizada na Rua dos Barões, no Parque dos Nobres.

Ao perceberem presença da equipe policial, os três suspeitos tentaram fugir, mas foram presos e encaminhados a sede da Senarc, na capital. Eles foram autuados em flagrante pelo o crime de tráfico de drogas.

 

G1.COM.BR

Desembargador cassa liminar que obrigava TCE a fazer recadastramento

TJ-MA aceitou pedido do TCE, que alegava interferência do Judiciário.
Nesta segunda-feira (6), servidores do TCE prestaram depoimento ao MP.

Bandeira do estado do Maranhão

Desembargador Cleones Cunha foi o relator (Foto: Divulgação/Ascom)

Desembargador Cleones Cunha suspendeu
liminar (Foto: Divulgação/Ascom)

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, Cleones Cunha, derrubou a liminar concedida pelo juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, que obrigava o Tribunal de Conta do Estado (TCE-MA) a recadastrar seus servidores e disponibilização de informações sobre Thiago Augusto Azevedo Maranhão Cardoso, que recebia salário de R$ 7,5 mil mais R$ 800 referentes ao auxílio alimentação sem trabalhar no órgão.

O desembargador atendeu a um pedido do próprio TCE-MA suspendendo em parte a liminar concedida pelo juiz Douglas Martins. Apesar da decisão favorável, o tribunal de contas afirmou, por nota, que realizará o recadastramento dos seus servidores independentemente da decisão do Tribunal de Justiça, que acolheu os argumentos do recurso impetrado.

Segundo o desembargador, a decisão configura-se como uma lesão à ordem pública, além de ser uma interferência do judiciário no TCE. Nesta segunda-feira (6), servidores do tribunal de contas prestaram depoimento no ministério público.

Ainda em nota, o TCE diz que a decisão de realizar o recadastramento foi tomada por unanimidade entre os conselheiros da corte de contas em sessão do pleno, e, publicada no diário oficial do dia 25 de maio do corrente ano.

O levantamento está previsto para iniciar em até 15 dias, logo que sejam ultimados o cronograma administrativo e os detalhes técnicos para a efetiva realização dos trabalhos. O prazo de conclusão é de até 180 dias.

Apreensão de veículo
O médico Thiago Augusto Azevedo Maranhão Cardoso teve uma Toyota Hilux apreendida na última quinta-feira (2), no bairro Olho D’água, em São Luís. A apreensão foi resultado da ação popular proposta pelos advogados Pedro Leonel Pinto de Carvalho e Aristóteles Duarte Ribeiro que foi deferida pelo juiz titular da Vara de Interesses Difusos, Douglas Martins.

Caminhonete de Thiago Maranhão foi apreendida nesta quinta-feira (Foto: Divulgação / Gilberto Leda)
Caminhonete de Thiago Maranhão foi apreendida nesta quinta-feira
(Foto: Divulgação / Gilberto Leda)

O mandando de busca e apreensão expedido pelo juiz Douglas Martins determinou a busca e apreensão de dois veículos: além da caminhonete já encontrada, existe um mandado em aberto para uma SW4, supostamente sendo usada em São Paulo. De posse do veículo, a Justiça aguarda que Thiago Maranhão deposite o valor bloqueado, ou bem irá a leilão.

Thiago depõe no TCE
O filho do deputado Waldir Maranhão (PP) prestou depoimemto no Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), a fim de esclarecer sobre a suspeita de ter sido um funcionário “fantasma” durante o período em que foi servidor no órgão. No local, ele esclareceu a situação aos membros da sindicância que investiga a conduta do ex-servidor, exonerado no último dia nove de maio.

No TCE, ele falou sobre as acusações sobre ter sido funcionário “fantasma” no TCE e prometeu devolver o salário que recebeu mesmo morando fora do estado. “Eu vou devolver o dinheiro porque eu acho que a sociedade merece. Eu acho que eu tenho muito a prestar a sociedade e é isso”, revelou.

Médico Thiago Maranhão prestou depoimento no TCE em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Médico Thiago Maranhão prestou depoimento no TCE em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)

O depoimento de Thiago Maranhão faz parte do processo administrativo aberto pelo TCE do Maranhão, logo depois que surgiram as denúncias. O processo visa apurar por quanto tempo ele recebeu sem trabalhar e qual é o valor do total dos pagamentos feitos a ele nesse período.

Processo interno
O secretário de administração do TCE, Raimundo Henrique Erre, diz que o processo interno está caminhando e que, depois de concluído, pode ser encaminhado ao Ministério Público, se houver indícios de crime.

Vale lembrar que o somente após o Tribunal de Contas ter começado a ser questionado sobre a suspeita de que o filho de Waldir Maranhão seria um funcionário “fantasma”, a presidência do TCE decidiu exonerar Thiago Maranhão do cargo.

 

G1.COM.BR

Mais de 500 casais se inscrevem para casamento comunitário em São Luís

Procura superou número de vagas abertas inicialmente pela CGJ-MA.
Casais que fizeram pré-inscrição devem fazer, agora, inscrição definitiva.

Bandeira do estado do Maranhão

Inscrições para casamento comunitário durante a 23ª Ação Global em São Luís (MA) (Foto: Biaman Prado/O Estado/Arquivo)

Inscrições para casamento comunitário durante a 23ª Ação Global

(Foto: Biaman Prado/O Estado/Arquivo)

Mais de 500 casais se inscreveram para a próxima cerimônia do casamento comunitário, organizado pela Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão (CGJ-MA), em São Luís (MA). A procura superou o número de vagas abertas inicialmente. Ao todo, 512 casais candidatos se apresentaram.

O prazo para agendamento foi encerrado no último dia 1º de junho. Agora, esses casais que fizeram a pré-inscrição por meio do Telejudiciário devem fazer a inscrição definitiva, entre 13 a 27 de junho, no Fórum Desembargador Sarney Costa, no bairro do Calhau (veja os documentos necessários).

A primeira etapa de agendamento inscreveu 351 casais durante a 23ª edição da Ação Global, no dia 21 de maio, no posto montado pela CGJ-MA.

A cerimônia ainda não tem data marcada. Outras informações sobre o processo de inscrição podem ser obtidas pelo telefone 0800-707-1581 (ligação gratuita).

 

G1.COM.BR

Bebê é levado da Maternidade Marly Sarney, em São Luís

Em ação rápida, PM-MA deteve suspeita e recuperou o bebê.
À polícia, ela recusou-se a falar e estava sem documentos.

Bandeira do estado do Maranhão

Rapto de bebê aconteceu na Maternidade Marly Sarney, em São Luís (MA) (Foto: Flora Dolores/O Estado/Arquivo)
Rapto de bebê aconteceu na Maternidade Marly Sarney, em São Luís
(Foto: Flora Dolores/O Estado/Arquivo)

Um bebê foi raptado na manhã desta quinta-feira (2) da Maternidade Marly Sarney, no bairro da Cohab, em São Luís (MA). A informação foi confirmada por uma equipe da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA), que foi acionada e esteve no local. Minutos depois de confirmado, a suspeita foi detida e o bebê recuperado.

Suspeita foi identificada como Mariluce dos Santos Pinheiro (Foto: Domingos Ribeiro/Mirante AM)
Suspeita foi identificada como Mariluce dos Santos
Pinheiro (Foto: Domingos Ribeiro/Mirante AM)

De acordo com testemunhas, a suspeita é uma mulher que entrou na unidade para acompanhar uma paciente, e saiu levando o bebê da mãe, que já tinha recebido alta hospitalar. Ela foi identificada pela Polícia Civil como Mariluce dos Santos Pinheiro. Vigilantes fizeram busca aos arredores da maternidade, mas não encontraram a suspeita.

Policiais do 8º Batalhão da Polícia Militar (BPM) rapidamente localizaram a suspeita em um shopping center próximo à maternidade, sem documentos de identificação. “Logo que soubemos, entramos em ronda e encontramos ao lado do Pop Center”, informou o cabo Chagas, do 8º BPM.

Na maternidade, a suspeita pelo rapto da criança deixou o nome falso. “Graças a Deus, a Polícia Militar com a Polícia Civil agiram rapidamente e essa criança está nos braços da mãe. Esses tipos de pessoas agem na calada da noite, iludindo e enganando as pessoas. O pior já passou”, afirmou à rádio Mirante AM o diretor da maternidade, André Oliveira

À PM-MA, a suspeita recusou-se a falar. Ela foi encaminhada ao 6º Distrito Policial (DP), da região do Cohab-Anil. À delegada Maria de Jesus a suspeita se limitou a dizer que queria levar a criança para criar. Imagens de câmeras de segurança da maternidade e de estabelecimentos vizinhos podem ajudar na investigação da Polícia Civil.

A criança foi devolvida à família, para realização de procedimentos na maternidade.

Em nota enviada ao G1, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que a maternidade dispõe de segurança privada 24h e monitora ainda a entrada e saída de acompanhantes na recepção, e acrescenta que vai abrir sindicância para apurar as circunstâncias e sanção caso constatada alguma irregularidade nos procedimentos de rotina.

Leia a íntegra da nota enviada pela SES:
A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que o referido bebê nascido na maternidade Marly Sarney já foi resgatado, após sequestro na manhã desta quinta-feira (2) por uma mulher que fingia ser acompanhante de uma paciente da unidade. A mulher, identificada como suspeita pelo crime, já foi presa e está no 6º Distrito Policial (DP) prestando esclarecimentos.

A SES esclarece que a maternidade dispõe de segurança privada 24h. A maternidade monitora ainda a entrada e saída de acompanhantes na recepção e conta com sistema de câmeras de segurança. A Secretaria acrescenta que abrirá sindicância para investigação das circunstâncias do caso e sanção, se constatada irregularidade nos procedimentos de rotina.

G1.COM.BR

Falta de atendimento prejudica consultas em UPAs em São Luís

Pacientes também reclamam do tempo de espera para as consultas.
Atendimento só é prioritário em casos de atendimento emergencial.

Bandeira do estado do Maranhão

Os pacientes que procuram os serviços nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) em São Luís estão reclamando da constante falta de atendimento e também do tempo de espera para a realização das consultas.

Como é o caso da unidade do bairro Vila Luizão, considerada uma das mais procuradas pela a população que reside na capital. Segundo os funcionários do local, o atendimento só é prioritário em casos classificados nas cores amarela e vermelha, onde os pacientes necessitam de atendimento emergencial.

Já os outros casos estão ficando sem atendimento. Isso porque os médicos estão em protesto contra o atraso nos salários que já dura 60 dias. Por conta disso, as pessoas são obrigadas a adiar procedimentos médicos que são realizados nas UPAs.

Como é o caso do carpinteiro Bernardino Silva que tem problemas de hérnia. Ele revela que já passou por uma consulta na unidade e fez todos os exames pedidos, mas até o momento não conseguiu realizar o retorno.

“Levantei cinco horas da manhã e acordei às três horas para sair neste horário. Eu tenho que esperar de qualquer maneira. Não posso estar muito tempo sentado, muito tempo andando porque de hora em hora a dor aperreia em mim e eu fico de maneira que não posso andar”, finalizou o carpinteiro.

Sobre o assunto, por meio de nota, a Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES) informou que o pagamento aos profissionais das Unidades de Pronto Atendimento em atraso por dez dias foi regularizado nesta quarta-feira (1º). Ainda segundo a SES, a oferta de serviços nas UPAs está sendo realizada de maneira regular.

UPA do bairro Vila Luizão é uma das mais procuradas pela a população que reside em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)
UPA do bairro Vila Luizão é uma das mais procuradas pela a população que reside em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)
G1.COM.BR