#Retrospectiva2019 Ituano consegue subir para a Serie C do Campeonato Brasileiro

Resultado de imagem para ituano itabaiana

Dever de casa

ITUANO-SP BATE O ITABAIANA-SE E ABRE VANTAGEM NAS QUARTAS DA SÉRIE D

Pelo jogo de ida das quartas de final da Série D do Brasileirão, Galo de Itu (SP) supera em casa a equipe sergipana por 3 a 1

O Ituano-SP deu um grande passo rumo ao acesso. Na tarde deste sábado (13), o Galo de Itu (SP) recebeu o Itabaiana-SP, no Novelli Junior, e triunfou por 3 a 1, conquistando boa vantagem para o duelo da volta. pelas quartas de final da Série D do Brasileirão. Os gols do time da casa foram marcados por Angelotti (duas vezes) e Marquinho. A equipe sergipana balançou as redes com Luiz Paulo.

De olho em uma vaga nas semifinais – e no acesso à Série C – os times voltam a se enfrentar no próximo sábado (20), em Itabaiana (SE). Quem passar garante naga na terceira divisão em 2020.

O Ituano-SP foi melhor na etapa inicial, indo para o intervalo com a vantagem de um gol. Na marca dos 13 minutos, a equipe de Itu abriu o placar com Angelotti, que deu um lindo giro e bateu de fora da área. A equipe de Sergipe teve de sai para o jogo. Buscando marcar o primeiro, o Itabaiana-SE igualou aos 41: em descida pelo lado direito, Luiz Paulo aproveitou bola cruzada na área e mandou para o fundo do gol. Mas nem deu tempo de comemorar e o Ituano-SP ficou novamente à frente. Dois minutos depois, Marquinho pegou sobra de escanteio e soltou a bomba, de primeira, sem chances para o goleiro Weide.

Com o 2 a 1 no placar, o Ituano-SP fez um segundo tempo mais tranquilo. Teve chances de ampliar, ainda no início. Mas o gol que decretou o triunfo veio somente aos 30 minutos: Angelotti foi lá no alto e mandou de cabeça a bola que veio de escanteio. No fim, triunfo e vantagem da equipe de Itu (SP) para o duelo da volta.

Paulistas na semifinal

ITUANO GARANTE ACESSO À SÉRIE C MESMO COM DERROTA PARA O ITABAIANA

Após vencer o duelo de ida por 3 a 1, time paulista é superado por 1 a 0, neste sábado (20), mas fica com a vaga para a próxima edição da Série C

O Ituano-SP festejou o acesso à Série C do Campeonato Brasileiro na noite deste sábado (20). Mesmo com a derrota por 1 a 0 no duelo de volta das quarta de final, no estádio Etelvino Mendonça, em Itabaiana (SE), o time paulista levou a melhor no placar agregado do confronto (3 a 2) e avançou para a semifinal.

Precisando reverter a derrota de 3 a 1 sofrida na ida, o Itabaiana começou o duelo pressionando o Ituano. A estratégia surtiu efeito e, logo aos sete minutos, os mandantes saíram na frente. Após cobrança de escanteio, Luiz Paulo abriu o placar, 1 a 0. O gol animou os sergipanos, que foram para cima dos paulistas, mas não conseguiram ampliar na etapa inicial.

No segundo tempo, o Ituano diminuiu os espaços e segurou o ímpeto do Itabaiana. Apesar da luta até o fim, o time sergipano esbarrou na forte marcação dos visitantes, que festejaram a classificação.

Os duelos de volta das quartas de final seguem neste domingo (21).

 

Site da CBF

Retrospectiva 2015 – Rodrigo x Juninho Pernambucano

Transcrição das declarações de Rodrigo e Juninho Pernambucano

RODRIGO:

“Agora, ô Juninho, você. Uma pessoa como você, cara. No jogo você falou que eu cobro o tiro de meta. Eu cobrei o tiro de meta porque o nosso goleiro não estava aguentando mais, entendeu? Então eu cobro falta porque o treinador determina. E tudo o que você fala, que ‘fala pro goleiro cair’ porque o Guiñazú estava sangrando no jogo passado e por isso ele caiu. Tá? Um abraço, todo mundo.”

JUNINHO PERNAMBUCANO:

“Agradeço a participação do Rodrigo. Aqui é assim, o que a gente fala ele tem o direito de responder. Eu sou comentarista e vou analisar do jeito que eu quero. Continuo dizendo o que eu acho. Tá empolgado, liderança exagerada no time, mas é um direito dele.”

(Para conhecer as declarações de Juninho, dadas no dia 13/07, que resultaram na resposta de Rodrigo, clique aqui.)

Juninho critica Rodrigo por ironizar torcida e fala sobre situação do Vasco no Brasileiro

O clima no Vasco é o pior possível com a péssima campanha no Campeonato Brasileiro. As críticas não param de chegar e atingem todos os setores da equipe e do clube que parece não esboçar poder de reação diante da difícil situação. Juninho Pernambucano, ídolo da Colina, voltou a criticar pesado a diretoria do Vasco, mas desta vez sobrou também para o zagueiro Rodrigo. Durante o Futebol de Verdade desta segunda (13), o Reizinho da Colina se mostrou revoltado com a atitude do jogador que teria ironizado torcedores do Vasco de dentro do ônibus durante o protesto do último domingo, no desembarque da delegação após a derrota para o Grêmio. Juninho levanta suspeitas sobre o “poder exagerado” que o experiente jogador exerce dentro do grupo e, principalmente, durante os jogos. Para ele, “há algo muito estranho nisso”.

“Fiquei sabendo que o Rodrigo ironizou a torcida do ônibus. O Rodrigo tem que perder a braçadeira de capitão (na verdade o capitão é Guiñazu, mas Rodrigo assume a braçadeira na ausência do argentino), e se desculpar com a torcida do Vasco. O capitão não ironiza sua torcida. Esse poder que ele tem sobre o time no campo me chama a atenção, é um poder exagerado. O Rodrigo bate falta, tiro de meta, manda o goleiro cair, enfim, tem algo por trás disso. E isso não é legal”, esbravejou Juninho.

O ex-jogador voltou a criticar duramente o presidente Eurico Miranda. Juninho afirma que o Vasco está plantando o que plantou, ironiza negociação com Ronaldinho Gaúcho e alerta: se os reforços não entrarem rapidamente em forma, o clube será rebaixado pela terceira vez em sua história.

“É uma das mais vergonhosas da história do Vasco. Levou seis gols e não fez nenhum. Sempre acham uma desculpa para encobrir os erros e a fraqueza do time. Mais uma vez, o presidente anuncia que Ronaldinho é 90% do Vasco, aí agora ele vai ser apresentado pelo Fluminense justamente contra o Vasco. O clube está colhendo tudo o que plantou há anos. O Eurico é o responsável, montou um time para ganhar o Carioca. Poderia ter trazido esses jogadores que chegaram agora, no início do ano. É melhor perder o estadual para ir bem no Brasileiro, que ganhar no estadual e ser rebaixado de novo.Tem que assumir que a luta é contra o rebaixamento. É uma repetição de erros. Esses jogadores foram campões cariocas e comemoram como se fossem um título mundial. Agora, eles perderam a confiança. A direção tem que parar de falar besteira, o Vasco é muito maior que vocês. Se esses jogadores não entrarem em forma rápido, será mais um rebaixamento na história do clube”, concluiu Juninho.

Fonte: Rádio Globo

Renato Maurício Prado comenta São Paulo 2 x 2 Vasco

Por pouco

O Vasco fez bonito, no Morumbi e quase saiu de lá com os três pontos que praticamente lhe garantiriam a realização do milagre de escapar do rebaixamento depois de estar tão encalacrado no Z-4. Sofreu o gol de empate, após virar o jogo para 2 a 1 e ver o rival com um a menos e, por isso, sua torcida terminou a partida com um gosto de derrota na boca.

Mas, matematicamente, o resultado não foi de todo ruim. O Gigante da Colina está  na lanterna, mas agora a apenas quatro pontos do primeiro fora da área da degola (o Avaí) e tem, sim, totais condições de sair do buraco por suas próprias forças. O mais difícil já foi feito. Agora é só não patinar na reta final.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 24 de outubro de 2015

São Paulo 2 x 2 Vasco

O JOGO

RAÇA E EMOÇÃO

Faltou lógica e sobrou emoção no Morumbi. Em um jogo imprevisível do começo ao fim, São Paulo e Vasco empataram por 2 a 2 na tarde deste domingo. Luis Fabiano, Rodrigo Caio, Nenê e Rodrigo marcaram. O resultado não foi bom para nenhum dos lados. Os paulistas perderam uma posição na tabela de classificação e estão a dois pontos do Santos, o quarto colocado. Para os cariocas, pior ainda: com um a mais durante todo o segundo tempo, o Cruz-Maltino se cansou de perder chances, viu a vitória escapar no fim e voltou à lanterna do Campeonato Brasileiro mesmo estando invicto há oito rodadas.

DESTAQUE

PRÓXIMOS JOGOS

O São Paulo volta a campo na próxima quarta-feira para enfrentar o Santos pela semifinal da Copa do Brasil. Pelo Brasileirão, o rival será o Coritiba, no domingo, no Couto Pereira. No mesmo dia, o Vasco recebe o Grêmio no Maracanã.

DESTAQUE

PRIMEIRO TEMPO

Bastaram alguns segundos para a rede balançar no Morumbi. Cruzamento de Matheus Reis, falha de Rodrigo e gol de Luis Fabiano – o 12° dele contra o Vasco. Podia ser um lance capaz de empolgar o São Paulo, que briga pelo G-4, e desanimar o Cruz-Maltino em sua luta contra o rebaixamento. Mas o primeiro tempo não teve muita lógica. Com Ganso e Pato apagados, o time da casa não conseguiu aproveitar o psicológico abalado do rival. Thiago Mendes se destacava, mas não era suficiente para levar perigo ao gol de Martín Silva. Com Madson sempre livre pela direita e Nenê comandando o meio-campo, o Vasco criava. Andrezinho e Jorge Henrique já tinham perdido boas chances quando outro lance mexeu com o psicológico da partida: Madson cruzou e a bola bateu no cotovelo de Matheus Reis. Pênalti e expulsão. Nenê cobrou e marcou seu sexto gol com a camisa cruz-maltina – o quinto de pênalti.

DESTAQUE

SEGUNDO TEMPO

A vantagem numérica mudou o jogo. Ameaçado pelo Z-4, o Vasco passou a dominar. Perto do G-4, o São Paulo se defendia. Doriva tentou anular Madson com a entrada de Reinaldo na lateral-esquerda, mas pouco mudou. E coube a Rodrigo se redimir da falha antes do primeiro minuto com o gol da virada, de cabeça. Com o 2 a 1 no placar e bem postado em campo, o Vasco se cansou de perder gols. Nenê furou na marca do pênalti, Rafael Silva acertou o travessão… O castigo veio no fim: Centurión cruzou da direita e Rodrigo Caio desviou para dar números finais ao jogo. Ruim para os dois lados, pior para o Vasco.

DESTAQUE

RECLAMAÇÃO

O São Paulo reclamou muito do pênalti e da expulsão de Matheus Reis. O lance aconteceu no fim do primeiro tempo. Após cruzamento de Madson, a bola bateu no cotovelo do lateral tricolor.

DESTAQUE

INVICTO E LANTERNA

Coisas do futebol: o Vasco não perde há oito rodadas no Campeonato Brasileiro. São quatro vitórias e quatro empates. Mesmo assim o Cruz-Maltino voltou à lanterna da competição após o empate no Morumbi. Está a quatro pontos do Avaí, primeiro time fora do Z-4. Já são três empates seguidos sofrendo gols nos minutos finais.

DESTAQUE

MAESTRO

Nenê mudou a cara do Vasco no Campeonato Brasileiro. Comandante da reação até aqui, o camisa 10 chegou ao seu sexto gol pelo clube neste domingo, o quinto de pênalti. Ele teve boa atuação no Morumbi, mas perdeu a chance de matar o jogo no segundo tempo ao furar um chute na marca do pênalti.

DESTAQUE

RECLAMAÇÃO 2

O Vasco também reclamou de um segundo pênalti. Logo no início do segundo tempo, a bola bateu na mão do zagueiro Luiz Eduardo após cobrança de escanteio. O juiz mandou o jogo seguir.

DESTAQUE

QUASE VILÃO, QUASE HERÓI

Rodrigo voltou a ser personagem do Vasco. Falhou com menos de um minuto de jogo e deixou Luis Fabiano abrir o placar. Marcou de cabeça o gol da virada. Não foi suficiente para o Vasco vencer. Mas o zagueiro jogou bem e conseguiu seis desarmes.

 

 

DESTAQUE

CARRASCO

O Vasco é a vítima preferida de Luis Fabiano. Neste domingo, o atacante marcou o seu 12º gol sobre o rival. E precisou de menos de um minuto de jogo para isso. Rodrigo falhou e ele não perdoou.

 

GLOBO ESPORTE.COM

 

 

 

 

 

 

 

Vasco 1 x 1 Chapecoense

Vasco empata com a Chapecoense em partida com arbitragem polêmica

Resultado atrapalha ambos na luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Catarinenses têm dois gols anulados, e cariocas reclamam pênalti não marcado

Uma igualdade de lamentações. Vasco e Chapecoense ficaram num empate em 1 a 1 na noite desta quinta-feira, no Maracanã, pela 30ª rodada do Brasileirão. Resultado que atrapalha ambos na luta para escapar do rebaixamento. A Chape, que tem o luxo de comemorar um pouco mais o placar, teve dois gols anulados na partida – Tulio de Melo estava impedido no primeiro lance. Na segunda bola, o árbitro marcou empurrão em Luan. O Vasco, que abriu o placar em bonita cabeçada de Rodrigo, reclamou mais ainda. O gol de empate da Chape veio pênalti polêmico convertido por Bruno Rangel. No fim, nova confusão, em bola na mão de Tiago Luis na área da Chape em que a arbitragem nada assinalou.

O Vasco chegou ao sétimo jogo consecutivo sem derrota no Campeonato Brasileiro. O empate fez o time chegar aos 28 pontos, ainda na 19ª posição. A distância para a saída da zona de rebaixamento agora é de cinco pontos. A Chape, por sua vez, segue estacionada na 14ª colocação, com 34 pontos. Os dois times voltam a campo no próximo domingo. O Vasco visita o São Paulo, no Morumbi, às 16h. Logo em seguida, às 17h, a Chapecoense enfrenta o Grêmio, em Porto Alegre.

Rodrigo - Vasco x Chapecoense (Foto: André Durão)
Vasco e Chapecoense fizeram um jogo de muita briga no Maracanã (Foto: André Durão)

O JOGO

Um duelo entre os dois times mais velhos do Brasileirão poderia até sugerir um jogo mais lento, cadenciado. Mas só poderia. Vasco e Chapecoense fizeram um primeiro tempo em alta velocidade no Maracanã. Faltou mesmo foi capricho nas finalizações. O Cruz-Maltino teve um domínio inicial, mas não conseguiu converter em chances reais, principalmente pela aplicação defensiva da Chape. Na melhor delas, Leandrão, de cabeça, obrigou ao goleiro Danilo fazer boa defesa. Aos poucos, a Chape foi ganhando espaço. Na base do contra-ataque, levou ainda mais perigo. Túlio de Melo teve gol bem anulado por impedimento, e Ananias perdeu chance incrível ao sair cara a cara com Jordi.

A etapa final mostrou uma Chape com sede ofensiva. Nos primeiros minutos, chegou a imprimir uma pressão forte pelo primeiro gol. Quase chegou lá. Túlio de Melo voltou a marcar, desta vez pelo alto. O árbitro, porém, flagrou falta do atacante em cima do zagueiro Luan e invalidou o segundo gol dos catarinenses. O susto serviu para despertar o Vasco, que retomou o controle do jogo. Sob a batuta de Nenê, o time carioca chegou ao gol aos 27 minutos. Bola no alto em escanteio, Rodrigo subiu e estufou a rede do Maracanã: 1 a 0. Mas a Chape não se entregou. Martelou e descolou um pênalti – polêmico – aos 39 em lance com Rodrigo. Bruno Rangel converteu e fechou o placar em pé de igualdade.

ARBITRAGEM POLÊMICA

Os dois times deixaram o gramado insatisfeitos com a arbitragem. A Chapecoense teve dois gols anulados. Ambos com Túlio de Melo. No primeiro, o atacante finalizou em posição de impedimento. No segundo, ficou a reclamação. O atacante se embolou com Luan pelo alto e cabeceou para o fundo do gol. O árbitro viu falta de ataque e invalidou o lance.

O Vasco também teve as suas queixas. Em dois lances de pênalti. Um contra e outro a favor. O árbitro viu bola na mão do zagueiro Rodrigo e apontou a marca da cal. Bruno Rangel converteu e igualou o placar. Entretanto, a maior reclamação foi em um lance que aconteceu em seguida. Tiago Luiz, da Chape, errou o tempo da bola e acabou tocando a bola com a mão dentro da área. Neste, Ricardo Marques Ribeiro nada marcou.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Renato Maurício Prado comenta que o último Flamengo x Vasco de 2015 foi uma pelada

 

Pontapés generalizados
O clássico de domingo passado, assim como já tinham sido os confrontos anteriores entre os dois clubes, foi um autêntico show de pontapés, cotoveladas, empurrões e simulações. Um triste exemplo do que há de pior no futebol brasileiro de hoje em dia. Pouquíssima técnica e violência em abundância. Junte-se a isso uma arbitragem conivente e desastrosa e foi o que se viu. Uma pelada de lascar.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 29/09/2015

Renato Maurício Prado comenta o último Clássico dos Milhões de 2015 : Flamengo 1 x 2 Vasco

É sem sombra de dúvida a maior freguesia entre clubes grandes nos últimos tempos. O Vasco venceu, mais uma vez, o Flamengo, de virada e prosseguiu assim na sua fantástica reação, tentando fugir do terceiro rebaixamento em oito anos. Ainda é difícil, mas a cada rodada fica um pouquinho menos complicado. Os cruz-maltinos estão agora a apenas cinco pontos do primeiro clube fora da zona da degola. E tendo enfileirado nada menos do que quatro vitórias e um empate nos últimos cinco jogos, quem pode dizer que não conseguirão aquilo que até bem pouco tempo parecia só ser possível através de um milagre?

Os rubro-negros, por sua vez, viram o G-4 afastar-se um pouco mais. Após os seis triunfos consecutivos, sob o comando de Oswaldo de Oliveira, sofreram hoje a terceira derrota seguida. Saíram na frente, no placar (1 a 0, gol de Emerson) mas não conseguiram manter o resultado no segundo tempo, permitindo a virada em duas penalidades. A primeira, fora da área, foi cobrada por Rodrigo e Paulo Victor não conseguiu espalmar a bola, embora tivesse chegado a tocar nela. Na segunda, pênalti que Nenê bateu com perfeição, no canto.

As duas marcações do sempre polêmico árbitro Vuaden podem ser contestadas. Na primeira, a impressão que fica, ainda mais quando se vê o lance no replay, é que Andrezinho atirou-se ao chão, quando Emerson chegou para o combate. Na penalidade máxima, evidentemente Jorge não tinha a intenção de colocar a mão na bola, mas dentro da nova (e ridícula) orientação da comissão de arbitragem, como estava com os braços levantados, o juiz apitou e colocou a bola na marca da cal. Detalhe: foi Jorge mesmo quem cabeceou a bola na própria mão. Só um débil mental faria isso de propósito…

Seja como for, é justo dizer que o Vasco foi bem melhor no segundo tempo e soube neutralizar os ataques rubro-negros, após virar o placar. Afobado, o Flamengo limitou-se a alçar bolas altas sobre a área, todas sem o menor efeito prático. Fazer com que as jogadas cheguem ao seu artilheiro Paolo Guerrero parece ser o maior desafio de Oswaldo de Oliveira, daqui pra frente. O peruano não recebeu nem sequer um passe decente dentro da área, a não ser o cruzamento bem feito por Jorge, que ele, de cabeça, tocou para o Sheik marcar.

Não adianta nada ter um centroavante da sua categoria e não municiá-lo decentemente. O estabanado Leandrão, do Vasco, recebeu muito mais bolas perigosas dentro da área. Perdeu todas, é verdade. Exatamente porque se trata de Leandrão e não de Guerrero. Mas o Vasco foi muito mais efetivo na tarefa de servir o seu goleador.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 28/09/2015

Flamengo 1 x 2 Vasco

O JOGO
DEU VASCO DE NOVO

Em mais um encontro entre flamenguistas e vascaínos no ano, melhor para o Gigante da Colina. De virada, o Vasco venceu o Flamengo por 2 a 1, neste domingo, no Maracanã, e segue firme na luta para escapar do rebaixamento do Brasileirão. Os gols de Rodrigo e Nenê (Sheik descontou) garantiram uma sequência de cinco jogos sem derrotas no torneio. De quebra, o time de São Januário chegou à quarta vitória sobre o arquirrival nos oito jogos disputados em 2015. O Fla, por sua vez, amarga sua terceira derrota consecutiva na competição.

DESTAQUE

PANORAMA

Apesar do resultado, o Vasco segue na penúltima colocação do Brasileirão, mas agora com 26 pontos, cinco atrás do Goiás, primeiro clube fora do Z-4. O Flamengo, por sua vez, com 41 pontos, caiu um posto e está na sétima posição, a quatro pontos do G-4. Na próxima rodada, Flamengo e Vasco encaram rivais catarinenses. O clube da Gávea recebe o Joinville às 11h do próximo domingo, no Maracanã. No mesmo dia e horário, o time da Colina visita o Avaí. Antes, porém, na quarta-feira, o Vasco faz o jogo de volta contra o São Paulo pelas quartas de final da Copa do Brasil. Na ida, vitória tricolor por 3 a 0.

DESTAQUE

PÚBLICO E RENDA

O Clássico dos Milhões teve 44.361 torcedores presentes (40.240 pagantes), com renda de R$ 1.986.400.

 

O JOGO

OS 90 MINUTOS

Ambas as equipes entraram em campo com novidades. No Flamengo, o retorno de Emerson Sheik, recuperado de lesão. No Vasco, a formação da equipe. O técnico Jorginho lançou apenas um volante de ofício (Bruno Gallo) e três meias de características mais ofensivas (Julio dos Santos, Nenê e Andrezinho). No entanto, quem mostrou ofensividade foi o Flamengo, que abriu o placar logo aos 11 minutos. Após cruzamento de Jorge pela esquerda, Guerrero escorou para o meio da área, e Sheik, com oportunismo, marcou. No segundo tempo, o Vasco voltou com tudo e conseguiu a virada mesmo depois de Leandrão perder um gol incrível. Aos 12, Rodrigo cobrou falta com violência e empatou. Quatro minutos depois, Nenê, em pênalti marcado após toque de mão do lateral Jorge na área, fez 2 a 1 para o time da Colina. Em desvantagem, o Fla pressionou em busca do empate, mas em vão.

DESTAQUE

EXPERIÊNCIA

O Vasco chegou ao quinto jogo sem derrota no Brasileirão graças à experiência de Rodrigo e Nenê. O primeiro comandou a defesa e empatou a partida em forte cobrança de falta. O segundo fez o da virada mostrando frieza na cobrança de pênalti, além de comandar o time em campo.

DESTAQUE

NOVA AUSÊNCIA

Após quase 20 dias afastado por lesão, Sheik voltou e deixou sua marca no clássico. No entanto, levou amarelo e, como estava pendurado, não enfrenta o Joinville na próxima rodada.

 

GLOBO ESPORTE.COM

 

 

 

 

Criciúma 2 x 1 Bahia

Na bola parada, Criciúma bate o Bahia e mantém invencibilidade de Petkovic

Em jogo muito movimentado e com gols polêmicos para os dois lados, catarinenses vencem em casa e somam três pontos na classificação; baianos seguem no G-4

O Criciúma fez prevalecer o mando de campo, impôs o seu ritmo e bateu o Bahia na tarde deste sábado por 2 a 1. No estádio Heriberto Hülse, diante de 5.108 torcedores, Rodrigo Andrade e Adalberto definiram o duelo em favor do time da casa, com um gol em cada tempo, e o Tigre manteve a invencibilidade sob o comando de Petkovic na Série B. Agora, são seis partidas sem derrotas do sérvio na competição nacional. Tiago Real descontou para os baianos.

O triunfo no Sul de Santa Catarina deixa o Criciúma um pouco mais aliviado no Campeonato Brasileiro. O time catarinense soma agora 18 pontos e pula para a 10ª colocação. O Bahia, por sua vez, mantém os 24 pontos e segue perto com a liderança – a equipe é a quarta na tabela.

Na próxima rodada, a 14ª da disputa, os dois clubes duelam em casa. O Criciúma, de Pet, recebe o Santa Cruz no sábado, dia 25 de julho, às 16h30, no estádio Heriberto Hülse. No mesmo horário, o Bahia, dirigido por Sérgio Soares, duela com o Botafogo, na Fonte Nova.

Gol Criciúma x Bahia (Foto: Fernando Ribeiro/www.criciumaec.com.br)
Criciúma bateu o Bahia por 2 a 1 (Foto: Fernando Ribeiro/www.criciumaec.com.br)

O jogo
Embalados pelos últimos resultados na Série B do Campeonato Brasileiro, Criciúma e Bahia entraram em campo animados e mirando a vitória para subir na tabela de classificação. A meta dos visitantes era chegar à ponta e desbancar Botafogo, América-MG e Vitória, enquanto os catarinenses buscavam o triunfo para ficar mais perto do pelotão do G-4. O Bahia começou um pouco melhor, tentando impor seu ritmo de jogo, mas logo o Tigre se acertou e começou a incomodar. Rodrigo Andrade abriu o placar, em cobrança de pênalti, aos 13 minutos. O lance foi polêmico e cheio de reclamações por parte dos baianos.

Atrás no marcador, foi a vez do Bahia atacar. Maxi Biancucchi e Tiago Real assustaram a defesa do Tigre e o goleiro Edson, substituto de Luiz neste sábado, suspenso, mas não tiveram sucesso na finalização. Até o apito final do árbitro na primeira etapa, o Criciúma ainda voltou a incomodar explorando a velocidade dos lados do campo, mas o placar não foi alterado.

O Bahia voltou do intervalo com a meta de empatar, e o objetivo foi alcançado aos seis minutos. Tiago Real, depois de perder duas chances na primeira etapa, mandou para a rede. Antes da bola entrar, ela bateu na mão de um atleta do time visitante, o que gerou reclamação dos tricolores de Santa Catarina. Porém, a comemoração pelo ponto conquistado não durou muito. Novamente em jogada de bola parada, Adalberto colocou o Criciúma em vantagem. Lucca cobrou escanteio, e o zagueiro pulou alto na área do adversário. O placar se manteve até o fim.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Botafogo 1 x 1 Boa Esporte

O Botafogo lutou e mostrou vontade, mas desta vez a vitória não veio. O time empatou em 1 a 1 com o Boa Esporte, nesta sexta-feira, no Estádio Nilton Santos, chegou a 20 pontos no Campeonato Brasileiro da Série B e manteve a liderança. Rodrigo Pimpão fez o gol alvinegro.

Na próxima rodada, o Botafogo enfrenta o Macaé, no Moacyrzão, no dia 27.

Botafogo x Boa Esporte
Antes do jogo, Nilson Dias, um dos maiores artilheiros da história do Botafogo, entrou em campo e foi reverenciado pelo clube e pela torcida

O JOGO

A distância de 14 pontos na tabela não significava um jogo fácil. Apesar de jogar em casa, o Botafogo foi surpreendido com um gol sofrido logo aos 3 minutos. Em rápida jogada, Bruno Felipe infiltrou na área frente a frente com Renan e marcou.

Líder do Campeonato Brasileiro da Série B não à toa, o Botafogo despertou e foi para cima. Aos 5, em jogada de Gilberto, Willian Arão clareou na entrada da área e bateu, para defesa segura do goleiro. Aos 6, Diego Jardel deu bom passe, Rodrigo Pimpão invaiuem velocidade e finalizou para fora.

Apesar do susto por o Boa Esporte mandar outra bola para a rede aos 8, em lance que já estava parado, o Botafogo havia equilibrado o jogo. Faltava vencer a forte barreira de marcação do adversário. De longe, Elvis mandou por cima. Pelo alto, Renan Fonseca errou o alvo.

Veio, então, uma jogada bem trabalhada para determinar o empate. Gilberto fez belo lance pela direita e cruzou para Rodrigo Pimpão subir bonito e fazer seu quinto gol na Série B, aos 21. Botafogo 1 x 1 Boa Esporte!

Embalado pelo gol, o Botafogo teve oportunidade para virar em cobrança de falta próxima à area, mas Diego Jardel ficou na barreira. Por outro lado, o Boa era perigoso nos contra-ataques. Aos 33, Moacir entrou livre, driblou Luis Ricardo e finalizou para defesa salvadora de Renan.

Refeito do susto, o Botafogo pediu pênalti aos 42, quando Elvis cruzou e Pirão, com os braços bem abertos, cortou. O juiz não marcou. No escanteio, Roger Carvalho subiu muito, mas cabeceou por cima.

Na etapa final, René Simões voltou com Sassá no lugar de Elvis. Com força e velocidade, o atacante protagonizou os primeiros lances de perigo, como uma arrancada aos 12, em que ajeitou para a direita e finalizou para fora.

O gol esteve perto de sair por duas vezes. Aos 18, Diego Jardel tabelou com Pimpão e enfiou para Bill bater na saída do goleiro, para fora. Ao 20, Rodrigo Pimpão cruzou da esquerda, Jardel ajeitou de cabeça e Bill, de virada, finalizou rente à trave.

Já com Daniel Carvalho e Henrique, o Botafogo insistia, mas parava na forte marcação e na cera do Boa Esporte, que gastou parte considerável de tempo. Assim, não conseguiu a vitória, mas se manteve na liderança.

GALERIA DE FOTOS (Vitor Silva / SS Press / BFR)