Inseguro, Ratinho desperdiça viúva de Chaves e fracassa contra Gugu

//

 

A atriz mexicana Florinda Meza, a repórter Magdalena Bonfiglioli e o apresentador Carlos Massa
Por PAULO PACHECO, em 26/02/2015 · Atualizado às 16h13
 

Principal arma do SBT contra a reestreia de Gugu Liberato na Record, na noite de quarta-feira (25), a primeira aparição pública mundial de Florinda Meza após a morte do marido, o comediante Roberto Gómez Bolaños, foi desperdiçada pelo Programa do Ratinho. Apesar de ter divulgado a entrevista como “reveladora”, o apresentador estava inseguro, evitou polêmicas e fracassou contra o concorrente. O Notícias da TV acompanhou a entrevista nos estúdios do SBT, onde predominava a tensão.

Com Dona Florinda, embora tenha crescido no Ibope _consolidou 8,4 pontos na Grande São Paulo, 65% a mais do que na quarta passada_, o Programa do Ratinho teve praticamente a metade da audiência de Gugu (15,6), que em sua reestreia na Record entrevistou a presidiária Suzane von Richthofen.

A atriz mexicana, que antes de ver Ratinho falou com jornalistas brasileiros sobre as polêmicas com Maria Antonieta de las Nieves, a Chiquinha, e Rubén Aguirre, o Professor Girafales, ficou totalmente confortável com o apresentador, que não explorou as brigas do elenco e preferiu exaltar os 37 anos de união dela com Bolaños.

Redundante, o apresentador perguntou pelo menos duas vezes se Florinda Meza sabia o tamanho do sucesso de Chaves no Brasil. Além disso, lotou o programa com material reprisado. A entrevista com ares de histórica e de repercussão internacional foi frustrante.

Ratinho partiu para a polêmica apenas quando leu a pergunta de uma telespectadora no Twitter sobre o relacionamento de Florinda Meza com Carlos Villagrán, o Quico. A atriz driblou o apresentador, “fugiu” do ex-colega e respondeu que vários atores de Chaves a cortejavam, como Rubén Aguirre e Horacio Gómez (Godinez), irmão de Bolaños.

Florinda Meza no cenário inspirado na vila de Chaves montado pelo Programa do Ratinho

 

Tensão nos bastidores

O clima nos bastidores era tenso. Ratinho acompanhava o placar do Ibope contra Gugu e sabia que estava perdendo de goleada. Pressionado, tentou interromper as imagens das casas que Florinda Meza vai colocar à venda no México, mas foi repreendido por ela, que pediu para ele ouvir a música composta por Bolaños que tocava durante as imagens. Desesperado, o apresentador encerrou às pressas um game show entre fãs de Chaves e deu prêmios a todos.

Nem mesmo o choro de Florinda Meza levantou o ibope, o que levou a equipe do programa ao desespero. Em um momento da entrevista, o produtor Murilo Bordoni cochichou uma pergunta no ouvido de Ratinho, porém ele ficou constrangido e relutou a fazê-la para Florinda. Coube à repórter Magdalena Bonfiglioli questioná-la, em espanhol: “O que sente quando vê o barril do Chaves vazio? Perdoe-me”, disse a jornalista.

A entrevista foi trágica para Ratinho e o SBT, porém muito boa para Florinda Meza. Bombardeada em vários países da América Latina após as acusações de Chiquinha e Girafales e por ter supostamente proibido visitas ao túmulo de Bolaños (o que ela nega), a atriz escolheu justamente o Brasil, que não fala espanhol, para se defender. A viúva de Chaves deixa o país da mesma forma como entrou: blindada e imune às críticas.

 

// <![CDATA[
​_(function(){var h=this,m=function(a){var b=typeof a;if("object"==b)if(a){if(a instanceof Array)return"array";if(a instanceof Object)return b;var c=Object.prototype.toString.call(a);if("[object Window]"==c)return"object";if("[object Array]"==c||"number"==typeof a.length&&"undefined"!=typeof a.splice&&"undefined"!=typeof a.propertyIsEnumerable&&!a.propertyIsEnumerable("splice"))return"array";if("[object Function]"==c||"undefined"!=typeof a.call&&"undefined"!=typeof a.propertyIsEnumerable&&!a.propertyIsEnumerable("call"))return"function"}else return"null";else if("function"==b&&"undefined"==typeof a.call)return"object";return b},p=function(a){return"string"==typeof a},aa=function(a,b){var c=Array.prototype.slice.call(arguments,1);return function(){var b=c.slice();b.push.apply(b,arguments);return a.apply(this,b)}},q=Date.now||function(){return+new Date},r=function(a,b){var c=a.split("."),d=h;c[0]in d||!d.execScript||d.execScript("var "+c[0]);for(var e;c.length&&(e=c.shift());)c.length||void 0===b?d=d[e]?d[e]:d[e]={}:d[e]=b};var u=function(a,b,c,d,e){if(e)c=a+("&"+b+"="+c);else{var f="&"+b+"=",g=a.indexOf(f);0>g?c=a+f+c:(g+=f.length,f=a.indexOf("&",g),c=0<=f?a.substring(0,g)+c+a.substring(f):a.substring(0,g)+c)}return 2E3<c.length?void 0!==d?u(a,b,d,void 0,e):a:c};var ba=function(){var a=/[&\?]exk=([^& ]+)/.exec(v.location.href);return a&&2==a.length?a[1]:null};var ca=function(a){var b=a.toString();a.name&&-1==b.indexOf(a.name)&&(b+=": "+a.name);a.message&&-1==b.indexOf(a.message)&&(b+=": "+a.message);if(a.stack){a=a.stack;var c=b;try{-1==a.indexOf(c)&&(a=c+"\n"+a);for(var d;a!=d;)d=a,a=a.replace(/((https?:\/..*\/)[^\/:]*:\d+(?:.|\n)*)\2/,"$1");b=a.replace(/\n */g,"\n")}catch(e){b=c}}return b},x=function(a,b){a.google_image_requests||(a.google_image_requests=[]);var c=a.document.createElement("img");c.src=b;a.google_image_requests.push(c)};var y=document,v=window;var da=String.prototype.trim?function(a){return a.trim()}:function(a){return a.replace(/^[\s\xa0]+|[\s\xa0]+$/g,"")},ea=function(a,b){return ab?1:0};var z=null,fa=function(a,b){for(var c in a)Object.prototype.hasOwnProperty.call(a,c)&&b.call(null,a[c],c,a)};function A(a){return"function"==typeof encodeURIComponent?encodeURIComponent(a):escape(a)}var ga=function(){if(!y.body)return!1;if(!z){var a=y.createElement("iframe");a.style.display="none";a.id="anonIframe";z=a;y.body.appendChild(a)}return!0},ha={};var ia=!0,ja={},ma=function(a,b,c,d){var e=ka,f,g=ia;try{f=b()}catch(k){try{var t=ca(k);b="";k.fileName&&(b=k.fileName);var w=-1;k.lineNumber&&(w=k.lineNumber);g=e(a,t,b,w,c)}catch(n){try{var l=ca(n);a="";n.fileName&&(a=n.fileName);c=-1;n.lineNumber&&(c=n.lineNumber);ka("pAR",l,a,c,void 0,void 0)}catch(wa){la({context:"mRE",msg:wa.toString()+"\n"+(wa.stack||"")},void 0)}}if(!g)throw k;}finally{if(d)try{d()}catch(jb){}}return f},ka=function(a,b,c,d,e,f){var g={};if(e)try{e(g)}catch(k){}g.context=a;g.msg=b.substring(0,512);c&&(g.file=c);0<d&&(g.line=d.toString());g.url=y.URL.substring(0,512);g.ref=y.referrer.substring(0,512);na(g);la(g,f);return ia},la=function(a,b){try{if(Math.random()c?Math.max(0,a.length+c):c;if(p(a))return p(b)&&1==b.length?a.indexOf(b,c):-1;for(;c<a.length;c++)if(c in a&&a[c]===b)return c;return-1},ra=C.map?function(a,b,c){return C.map.call(a,b,c)}:function(a,b,c){for(var d=a.length,e=Array(d),f=p(a)?a.split(""):a,g=0;g<d;g++)g in f&&(e[g]=b.call(c,f[g],g,a));return e};var sa={e:947190538,f:947190541,g:947190542,c:79463068,d:79463069};if(y&&y.URL)var ta=y.URL,ia=!(ta&&(0<ta.indexOf("?google_debug")||0b&&v.setTimeout(pa("osd_listener::ldcl_int",c),100)};c()};var va=function(){try{v.localStorage.setItem("__sak","1");var a=v.localStorage.__sak;v.localStorage.removeItem("__sak");return"1"==a}catch(b){return!1}},xa=function(a,b,c){a.google_image_requests||(a.google_image_requests=[]);var d=a.document.createElement("img");D(d,"load",c,"osd::ls_img::load");d.src=b;a.google_image_requests.push(d)};var ya=function(a,b){for(var c in a)b.call(void 0,a[c],c,a)},E=function(a){var b=arguments.length;if(1==b&&"array"==m(arguments[0]))return E.apply(null,arguments[0]);for(var c={},d=0;dparseFloat(a))?String(b):a}(),Ga={},Ha=function(a){if(!Ga[a]){for(var b=0,c=da(String(Fa)).split("."),d=da(String(a)).split("."),e=Math.max(c.length,d.length),f=0;0==b&&f<e;f++){var g=c[f]||"",k=d[f]||"",t=RegExp("(\\d*)(\\D*)","g"),w=RegExp("(\\d*)(\\D*)","g");do{var n=t.exec(g)||["","",""],l=w.exec(k)||["","",""];if(0==n[0].length&&0==l[0].length)break;b=ea(0==n[1].length?0:parseInt(n[1],10),0==l[1].length?0:parseInt(l[1],10))||ea(0==n[2].length,0==l[2].length)||ea(n[2],l[2])}while(0==b)}Ga[a]=0b;){if(c.google_osd_static_frame)return c;if(c.aswift_0&&(!a||c.aswift_0.google_osd_static_frame))return c.aswift_0;b++;c=c!=c.parent?c.parent:null}}catch(d){}return null},Pa=function(a,b,c,d){if(10<Na)v.clearInterval(J);else if(++Na,v.postMessage&&(b.b||b.a)){var e=Oa(!0);if(e){var f={};Ka(b,f);f[0]="goog_request_monitoring";f[6]=a;f[16]=c;d&&d.length&&(f[17]=d.join(","));try{var g=Ma(f);e.postMessage(g,"*")}catch(k){}}}};E("area base br col command embed hr img input keygen link meta param source track wbr".split(" "));E("action","cite","data","formaction","href","manifest","poster","src");E("embed","iframe","link","object","script","style","template");var Qa;if(!(Qa=!Ca&&!G)){var Ra;if(Ra=G)Ra=G&&9<=Ja;Qa=Ra}Qa||Ca&&Ha("1.9.1");G&&Ha("9");var Sa,K=0,L="",M=!1,N=!1,O=!1,Ta=!0,Ua=!1,Va=[],I=null,P="",Wa=[],Xa=[],Ya=!1,Q="",R="",Za=(new Date).getTime(),$a=["1","0","3"],S=0,T=!1,U="",V=null,W=0,X=0,ab=0,bb=function(a,b,c){M&&(Ta||3!=(c||3))&&Y(a,b,!0);(O||N&&Ua)&&Y(a,b)},Y=function(a,b,c){if((b=b||P)&&!Ya&&(2==X||c)){b=cb(b,c);if(!c&&T){T=!1;V&&(a.clearInterval(V),V=null);var d=U;try{a.localStorage[d]=b+"&timestamp="+q()+"&send"}catch(e){}5!=S&&xa(a,b,function(){a.localStorage.removeItem(d)})}else x(a,b);c?M=!1:Ya=!0}},cb=function(a,b){var c;c=b?"osdim":O?"osd2":"osdtos";var d=["//pagead2.googlesyndication.com/activeview","?id=",c];"osd2"==c&&N&&Ua&&d.push("&ts=1");L&&d.push("&avi=",L);Sa&&d.push("&cid=",Sa);0!=S&&d.push("&lsid=",S);T&&d.push("&cwls=1");d.push("&ti=1");d.push("&",a);d.push("&uc="+ab);c=d.join("");for(d=0;d<Wa.length;d++){try{var e=Wa[d]()}catch(f){}var g="max_length";2<=e.length&&(3==e.length&&(g=e[2]),c=u(c,A(e[0]),A(e[1]),g))}2E3<c.length&&(c=c.substring(0,2E3));return c},Z=function(a,b){if(Q){try{var c=u(Q,"vi",a);ga()&&x(z.contentWindow,c)}catch(d){}0<=qa($a,a)&&(Q="");var c=b||P,e;e=u("//pagead2.googlesyndication.com/pagead/gen_204?id=sldb","avi",L);e=u(e,"vi",a);c&&(e+="&"+c);try{x(v,e)}catch(f){}}},db=function(){Z("-1")},fb=function(a){if(a&&a.data&&p(a.data)){var b;var c=a.data;if(p(c)){b={};for(var c=c.split("\n"),d=0;d=e)){var f=Number(c[d].substr(0,e)),e=c[d].substr(e+1);switch(f){case 5:case 8:case 11:case 15:case 16:e="true"==e;break;case 4:case 7:case 6:case 14:e=Number(e);break;case 3:if("function"==m(decodeURIComponent))try{e=decodeURIComponent(e)}catch(g){throw Error("Error: URI malformed: "+e);}break;case 17:e=ra(decodeURIComponent(e).split(","),Number)}b[f]=e}}b=b[0]?b:null}else b=null;if(b&&(c=new H(b[4],b[12]),I&&I.match(c))){for(c=0;cW&&2==X){var a=v,b="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/gen_204?id=osd2&",c=[];c.push("ovr_value="+K);c.push("avi="+L);I&&(c=c.concat(La()));c.push("tt="+((new Date).getTime()-Za));a.document&&a.document.referrer&&c.push("ref="+A(a.document.referrer));c.push("hs="+W);b+=c.join("&");try{x(a,b)}catch(d){}}},eb=function(a){var b=a.match(/^(.*&timestamp=)\d+$/);return b?b[1]+q():a+"&timestamp="+q()},hb=function(){var a={};Ka(I,a);a[0]="goog_dom_content_loaded";var b=Ma(a);ua(function(){var a=Oa(!1),d=!a;!a&&v&&(a=v.parent);if(a&&a.postMessage)try{a.postMessage(b,"*"),d&&v.postMessage(b,"*")}catch(e){}})},ib=function(a){if(p(a)){a=a.split("&");for(var b=0;b<a.length;b++)"ud=1"==a[b]&&(Ta=!1)}};r("osdlfm",B("osd_listener::init",function(a,b,c,d,e,f,g,k,t,w,n){K=a;Q=b;R=d;M=f;S=w||0;Sa=n;k&&ib(k);N=g&&f;1!=t&&2!=t&&3!=t||Va.push(sa["MRC_TEST_"+t]);I=new H(e,ba());D(v,"load",db,"osd_listener::load");D(v,"message",fb,"osd_listener::message");L=c||"";D(v,"unload",gb,"osd_listener::unload");var l=v.document;!l.readyState||"complete"!=l.readyState&&"loaded"!=l.readyState?("msie"in ha?ha.msie:ha.msie=-1!=navigator.userAgent.toLowerCase().indexOf("msie"))&&!window.opera?D(l,"readystatechange",function(){"complete"!=l.readyState&&"loaded"!=l.readyState||hb()},"osd_listener::rsc"):D(l,"DOMContentLoaded",hb,"osd_listener::dcl"):hb();-1==K?X=f?3:1:-2==K?X=3:0v.localStorage.length&&(U="LSPNGS-"+I.toString()+"-"+(""+Math.random()).split(".")[1]+q(),T=!0,V=v.setInterval(pa("osd_listener::ls_int",function(){var a=v,b=U,c=a.localStorage[b];if(c)try{a.localStorage[b]=eb(c)}catch(d){}}),1E3));I&&(I.b||I.a)&&(W=1,J=v.setInterval(pa("osd_proto::reqm_int",aa(Pa,X,I,N,Va)),500))}));r("osdlac",B("osd_listener::lac_ex",function(a){Wa.push(a)}));r("osdlamrc",B("osd_listener::lamrc_ex",function(a){Xa.push(a)}));r("osdsir",B("osd_listener::sir_ex",bb));})();osdlfm(-1,”,’B2g5cBrnvVKbcKYHU0AHP_YH4CwCwsIDt_QEAABABOAHIAQngAgDIA5DAEeAEAaAGPcITAxCAAQ’,”,4202517696,true,false,”,0,0,”);
// ]]>//

Seu Barriga chora ao recordar Chaves e é consolado por Gentili

Edgar Vivar, o Seu Barriga de Chaves, é consolado por Danilo Gentili ao lembrar morte de Roberto Bolaños
Por PAULO PACHECO, em 05/12/2014 · Atualizado às 17h24

Intérprete do Senhor Barriga em Chaves, Edgar Vivar chorou em gravação do The Noite, do SBT, ao lembrar o último encontro com Roberto Gómez Bolaños, criador e protagonista da série mexicana, morto há uma semana, aos 85 anos. Danilo Gentili teve que parar a entrevista em várias ocasiões para consolar Vivar. O programa vai ao ar hoje (5). A gravação foi ontem.

“Quando eu cheguei à casa dele, ele estava sozinho, Florinda tinha ido fazer compras, e ele estava com a cachorrinha Lola. Esta foto foi a última…”, disse Edgar Vivar no The Noite mostrando a imagem, quando começou a chorar. A plateia lamentou com o ator, e Danilo Gentili colocou a mão nos ombros dele. “Foi a última vez que vocês conversaram”, completou o apresentador.

Edgar Vivar publicou as últimas fotos com Bolaños no último sábado (29), nas redes sociais. Ele havia visitado o ex-colega pela última vez, em fevereiro deste ano, às vésperas do aniversário de 84 anos do comediante, em Cancún, cidade litorânea do México, onde o comediante vivia com a mulher, Florinda Meza, a Dona Florinda da série. Na visita, ele mostrou em um tablet mensagens dos fãs brasileiros colhidas durante seus shows no país, em 2012 e 2013.

Florinda Meza, Edgar Vivar e Roberto Gómez Bolaños na última foto do trio junto

Edgar Vivar mostra a Roberto Gómez Bolaños mensagens de fãs brasileiros 

Apesar da tristeza, Edgar Vivar disse que já está melhor em relação à morte de Bolaños. O ator contou bastidores do velório e ressaltou as qualidades do comediante. Seu Barriga também agradeceu ao carinho dos fãs e disse que ainda se surpreende, pois o elenco de Chaves nunca veio junto ao Brasil, porém mesmo assim os atores são muito amados pelos brasileiros.

“Ele [Bolaños] também foi compositor, diretor, roteirista, produtor, ator. Muito completo. Baixinho (risos). Chespirito, um Shakespeare pequenino”, disse Vivar, em referência ao apelido do criador de Chaves, que remete ao dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616).

A produção do The Noite chamou às pressas Edgar Vivar para ir ao The Noite. O mexicano veio ao Brasil participar da Comic Con Experience, evento sobre cultura nerd, em São Paulo. Além de Vivar, o ator norte-americano Sean Astin, do filme Os Goonies (1985), será entrevistado por Gentili na noite desta sexta.

Vivar se recusou a ir à homenagem ao criador de Chaves no estádio Azteca, na Cidade do México, no último domingo (30), pela grandiosidade do evento. No dia anterior, ele foi ao velório reservado a familiares e ex-colegas do comediante e sentou-se ao lado de Carlos Villagrán, o Quico, que reencontrou Florinda Meza (Dona Florinda), viúva de Bolaños, e a abraçou após mais de 35 anos brigados.

Edgar Vivar relembra morte de Roberto Gómez Bolaños, no dia 28

Edgar Vivar comenta último encontro com Bolaños e mostra foto ao lado do comediante

Edgar Vivar é consolado por Danilo Gentili no The Noite

 

 

Carlos Villagrán lamenta não ter feito as pazes com Roberto Gómez Bolaños

Por PAULO PACHECO, em 03/12/2014 · Atualizado às 14h21

Carlos Villagrán, o Quico da série Chaves, lamentou não ter tido tempo de se reconciliar com Roberto Gómez Bolaños, criador do programa mexicano, morto na última sexta (28). Em sua página no Facebook, o ator publicou um texto de sua mulher, Becky Palacios, relembrando o último encontro com Bolaños, em 2000. “Muitos quiseram que isto acontecesse novamente, mas não deu”, escreveu.

Villagrán reencontrou e beijou Roberto Gómez Bolaños em 1° de abril de 2000, mais de 20 anos após a saída de Quico do programa, durante uma homenagem ao comediante realizada pela rede mexicana Televisa, produtora da série. Apesar da aparente reconciliação, o ator jamais voltou a falar com o criador de Chaves e foi barrado no evento América Celebra a Chespirito, também homenageando Bolaños, em 2012.

Resignado, o ator publicou que Chaves, do Céu, fez com que ele abraçasse Florinda Meza, a Dona Florinda e viúva de Bolaños, no velório do comediante, no último sábado (29), após mais de 35 anos brigados.

Carlos Villagrán deixou Chaves em 1978, após ter recebido uma oferta de um programa solo na Venezuela, e trocou a grafia do nome do personagem (Kiko, com K). Ele chegou a acusar Florinda Meza, com quem namorou no início das gravações da série, de ter influenciado Bolaños a tirar espaço de Quico no programa. A atriz iniciou um romance com o comediante em 1977 e se casaram em 2004.

Eis a mensagem:

“Isto escreveu Becky Palacios, mas resume um pouco dos últimos [anos] que vivi com Chaves. Aqui começa a mensagem: ‘Nestas fotos, há uma história: aquele dia, em 2000, Carlos e Don Roberto puderam dar um abraço e um beijo, com o grande carinho que dois amigos tinham guardado para um momento como este. Apesar de sua presença ter sido barrada, não podiam impedir que o carinho e a emoção de voltarem a se encontrar se tornasse evidente e palpável. Foi um grande momento!'”, publicou Carlos Villagrán.

“Muitos quiseram que isto acontecesse novamente, mas não deu. Apesar disso, sei que Chaves, Chapolin ou Don Roberto fizeram o possível para que seus amigos Kiko e Carlos o estivessem acompanhando em sua despedida, a melhor viagem de sua história, para seguir criando risadas e amor entre os anjos. Assim também, para que através de sua mulher, Florinda, chegasse a Carlos con um grande abraço de amigos. Descanse em paz!”, concluiu.

Quico relembra beijo em Chaves e abraço em Dona Florinda (Reprodução/Facebook)

SBT pode continuar com o “Chaves” por mais 10 anos

"Chaves" é exibido no SBT desde 1984

O SBT continuará exibindo os episódios do “Chaves”, normalmente, apesar da morte de Roberto Bolaños.

Os direitos estão assegurados para os próximos dez anos e a família do falecido artista não tem nada a se opor. Muito ao contrário.
Roberto Gómez Bolaños morreu na última sexta-feira (28), aos 85 anos, em sua casa em Cancún.

“El Chavo del Ocho”, nome original da série “Chaves”, foi exibida pela primeira vez em 20 de junho de 1971 no México. No Brasil, “Chaves” é o seriado infantil de maior longevidade da TV. No ar no SBT desde 1984, o programa conta a história de um menino órfão que vive dentro de um barril, em um cortiço.

 

O personagem e seus amigos Quico, Chiquinha, Nhonho, seu Barriga, seu Madruga, dona Florinda, professor Girafales e dona Clotilde, conhecida como “a bruxa do 71”, conquistaram crianças e adultos de todas as gerações no país com seu humor ingênuo, cheio de bordões e sem qualquer palavrão. As histórias de Chaves e sua turma ganharam adaptações em desenho animado, videogames e peças de teatro.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Consolidados GRANDE SP 29/11/2014

RESUMO: O SBT ficou em primeiro lugar na manhã de sábado (29) com uma maratona de episódios de Chaves e Chapolin. A homenagem ao comediante Roberto Gómez Bolaños durou oito horas e registrou 6,6 pontos na Grande São Paulo, contra 5,7 da Globo e 3,6 da Record. À noite, o Programa da Sabrina, da Record, perdeu para a série Patrulha Salvadora, do SBT (6,8 a 6,4)

Por REDAÇÃO, em 01/12/2014 · Atualizado às 15h48

29 NOVEMBRO 2014

 

Média do dia (6h/5h59): 10,0

 

Como Será?: 3,2

Kung Fu Panda: 3,5

TV Globinho: 5,3

SP TV 1a Edição: 7,9

Globo Esporte: 9,1

Jornal Hoje: 10,4

Estrelas: 10,6

Cine Fã-Clube: 9,6

Caldeirão do Huck: 13,0

Boogie Oogie: 15,4

SP TV 2a Edição: 17,9

Alto Astral: 18,5

Jornal Nacional: 22,2

Império: 29,4

Zorra Total: 19,7

Altas Horas: 10,6

Super Cine: 6,1

 

Média do dia (6h/5h59): 5,3

 

Especial Chaves: 6,6

Programa Raul Gil: 5,8

Cozinha Sob Pressão: 5,1

Chaves: 4,4

SBT Brasil: 7,0

Patrulha Salvadora: 6,8

Esquadrão da Moda: 4,6

Festival Sertanejo: 6,8

Casos de Família: 4,1

Cine Belas Artes: 2,4

 

Média do dia (6h/5h59): 4,5

 

Fala Brasil: 4,6

Esporte Fantástico: 3,8

The Love School: 2,8

Record Kids: 5,5

Cine Aventura: 5,6

Cidade Alerta: 6,8

Jornal da Record: 6,7

Programa da Sabrina: 5,9

A Fazenda: 9,6

Legendários: 7,0

Igreja Universal do Reino de Deus: 1,3

 

Média do dia (6h/5h59): 1,1

 

Band Esporte Clube: 1,5

Sabe ou Não Sabe: 2,0

Brasil Urgente: 2,4

Jornal da Band: 1,9

Show da Fé: 1,0

CQC (reprise): 1,3

Zoo: 1,7

Top Cine: 3,0

 

Média do dia (6h/5h59): 0,8

 

Sábado Total: 1,6

Campeonato Brasileiro – Série B: 1,4

Amaury Jr.: 0,9

Good News: 1,0

Rede TV! News: 0,7

Mega Senha: 1,5

XFC: 1,1

Teste de Fidelidade: 1,2

 

 

Corpo de Roberto Gómez Bolaños, o Chaves, é enterrado na Cidade do México

Corpo de Roberto Gómez Bolaños, o Chaves, é enterrado na Cidade do México

Divulgação

Após várias homenagens no fim de semana, o corpo de Roberto Gómez Bolaños foi enterrado na tarde desta segunda-feira (01) na Cidade do México.

Chaves foi colocado no cemitério Panteón Francés, o mesmo onde foram enterrados outras personalidades mexicanas, como Maria Félix, Joaquín Pardave, Pedro Infante e Javier Solís.

A cerimônia reuniu familiares, amigos e fãs de Chespirito.

Neste domingo (30), mais de 40 mil pessoas foram ao Estádio Azteca prestar homenagens a Bolaños. O corpo do criador de “Chaves e “Chapolin” chegou em cortejo vindo da sede da Televisa San Ángel e recebeu muitos aplausos. Os presentes também depositaram rosas brancas no gramado, antes de começar uma missa.

No sábado (29), um velório fechado para familiares e amigos aconteceu na sede da Televisa, onde estiveram os filhos Roberto Gómez Fernández, Marcela, Paulina, Graciela, Cecília e Teresa, além da viúva Florinda Meza e o presidente da emissora, Azcárraga Jean.

Entre os colegas de “Chaves”, marcaram presença Edgar Vivar, o Senhor Barriga, e Carlos Villagrán, o Quico, este que deu um abraço em Florinda, marcando o reencontro deles após mais de 30 anos.

Extremamente emocionada ao longo de todas as homenagens, a viúva de Chaves agradeceu a todos pelo carinho: “Obrigado por todo o apoio que deram ao meu Roberto. Obrigado, muito obrigado”.

No Brasil, o SBT cobriu toda a cerimônia no Estádio Azteca e também homenageou Bolaños nos programas “Domingo Legal” e “Eliana”, ficando oito horas ao vivo, além de uma exposição com a vila do “Chaves” no Memorial da América Latina, em SP.

A partir desta segunda (01), às 18h30, a emissora retomará as exibições dos chamados episódios perdidos da série.

 

NaTelinha

“Pânico” fará especial em homenagem a criador de “Chaves”

14e24-logo_band_p

O programa “Pânico” deste domingo (30), na Bandeirantes, será dedicado ao humorista Roberto Gómez Bolaños, criador de personagens como Chaves e Chapolin, morto na última sexta-feira (28) aos 85 anos.

Além de exibir matérias produzidas por aqui, o “Pânico” enviou ao México o repórter Vesgo, Rodrigo Scarpa, para realizar entrevistas e acompanhar a repercussão da morte do artista.

No seu Instagram, Vesgo postou algumas imagens e mensagens lamentando a morte do intérprete de Chaves. “Meu grande sonho era entrevistá-lo”, contou.

De acordo com informações da Band, não haverá ninguém do “CQC” no México para acompanhar o funeral de Bolaños, mas, além do “Pânico”, a emissora também vai enviar uma equipe do “Tá na Tela”, de Luiz Bacci.

Como não poderia deixar de ser, o SBT vem dedicando grande espaço na sua programação à morte de Bolaños e, neste domingo, dia do funeral do artista não será diferente. A emissora escalou as jornalistas Yula Rocha e Magdalena Bonfiglioli para a cobertura no México.

O velório acontecerá no estádio Azteca, às 14h (horário de Brasília), com capacidade para mais de 100 mil pessoas e que pertence à rede Televisa

Consultadas, Globo e Record ainda não responderam como será o seu esquema de cobertura.

 

Flávio Ricco com colaboração de JOSÉ CARLOS NERY