Os altos e baixos da Croácia pela vaga na Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

Os altos e baixos da Croácia pela vaga

© Getty Images

Depois de participar em 1998, 2002 e 2006, e de se ausentar em 2010, a Croácia reservou lugar na Copa do Mundo da FIFA 2014. Membro da FIFA apenas desde 1992, o país já vai para o seu quarto Mundial. No entanto, o caminho não foi fácil, e a vaga só veio após dois jogos complicados com a Islândia na repescagem. O FIFA.com analisa os momentos mais marcantes da Croácia no torneio classificatório.

Duelo cheio de história
Em julho de 2011, o sorteio do Grupo A chamou atenção por colocar lado a lado Croácia e Sérvia, dois países assolados por guerras civis durante muitos anos. “É sempre um confronto muito especial, porque todos conhecem a história”, explicou Ivan Perisic ao FIFA.com. “É um jogo importante para o povo de ambos os países.”

“Quero enfatizar que, apesar da nossa rivalidade, a história entre os dois países não tem lugar no campo”, acrescentou o capitão Darijo Srna. “Nós jogamos futebol. Nenhum de nós pode mudar o passado, mas podemos influenciar o presente. Temos de dar um bom exemplo e jogar uma grande partida, sem escândalos.”

E foi exatamente o que eles fizeram. As duas equipes jogaram duas partidas acirradas, mas os croatas se mostraram mais maduros. A vitória em casa por 2 a 0, com gols de Mario Mandzukic e Ivica Olic, e o empate em 1 a 1 (gols de Aleksandar Mitrovic e Mandzukic) acabaram com as esperanças de classificação da Sérvia e mantiveram vivas as chances croatas.

Grupo qualificado
O plantel da Croácia conta com uma série de craques. O artilheiro Mandzukic, que também abriu o marcador na repescagem contra a Islândia, está em um momento de muito sucesso. Na última temporada, ele não só contribuiu significativamente para a tríplice coroa do Bayern de Munique, como também ficou entre os melhores jogadores das eliminatórias para a Copa do Mundo.

Também em grande forma está Luka Modric, que subiu de patamar desde a transferência para o Real Madrid em 2012 e tem sido o cérebro do meio-campo da Croácia. Mas a liderança dentro de campo vem há muitos anos do capitão Srna, que tem 31 anos e atua no ucraniano Shakhtar Donetsk.

Mesmo com tantos destaques, o técnico Niko Kovac sabe que o sucesso não se baseia apenas na habilidade individual, como explicou ao FIFA.com pouco depois de ser contratado para a disputa da repescagem. “Está nos faltando aquilo que fez a Croácia ter tanto sucesso: antes éramos um só em campo, e agora não parece mais ser assim”, disse. Em função do sucesso contra a Islândia, Kovac parece ter conseguido transmitir a mensagem à sua equipe.

Derrotas sem impacto
A tabela final do Grupo A é bastante clara, com nove pontos separando a líder Bélgica da Croácia. Só o Grupo D mostrou uma grande diferença como essa, entre a Holanda e a Romênia. No entanto, as posições nem sempre foram tão óbvias. Depois de seis de dez partidas classificatórias, com cinco vitórias e um empate, a Croácia estava em direção à liderança do grupo. No entanto, em seguida só obteve um empate e três derrotas, duas delas em casa, contra Escócia (1 a 0) e Bélgica (2 a 1). A Croácia só conseguiu terminar em segundo, três pontos à frente da Sérvia, graças ao ótimo início.

Mudança na hora certa
Um dia depois do fim da fase de grupos, Igor Stimac renunciou ao cargo de técnico da seleção croata. Quem o substituiu foi Kovac, que já tinha comandado o selecionado sub-21. O treinador assumiu juntamente com o irmão Robert, que é assistente.

“É claro que é um ótimo desafio, mas é muito difícil”, comentou o técnico de 42 anos após a contratação. “Esperam muito de nós na Croácia. A minha equipe e eu estamos cientes disso, e acho que estamos razoavelmente confiantes.” Tanta confiança provou ser bem fundamentada.

Islândia é páreo duro
Os croatas receberam com bons olhos o sorteio que os colocou em um confronto na repescagem com a Islândia, 46ª colocada no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola. No entanto, o país nórdico acabou sendo um adversário difícil, algo que já tinha insinuado ao derrotar a Eslovênia e a Noruega na fase de grupos, perdendo apenas da Suíça.

As equipes ficaram em um empate sem gols em Reykjavik, apesar de os anfitriões terem disputado a maior parte do jogo com dez homens. No duelo de volta, em Zagreb, brilhou a maior experiência internacional dos jogadores croatas. Srna e Mandzukic fizeram os gols da vitória e da classificação. Este último, porém, levou um cartão vermelho que o tirará da estreia na Copa do Mundo.

Após a festa da vitória, agora a Croácia pode fazer planos para a viagem ao Brasil. “Vai ser um grande espetáculo”, prevê Kovac. “A Copa do Mundo é sempre um espetáculo de qualquer maneira, mas vamos jogar em um país que é louco por futebol. Provavelmente todo mundo vai viver futebol 24 horas por dia.”

“É bem longe da Europa, e certamente vamos precisar viajar bastante depois de chegar, mas não vejo a hora. Já passei por isso como jogador, mas muitos dos meus atletas ainda não participaram de uma Copa do Mundo, e ela será certamente um marco para a carreira deles.”

 

FIFA.com