James Akel comenta a incompetência do ministro da defesa , Raul Jungmann

Resultado de imagem para Raul Jungmann

A IGNORÂNCIA DO MINISTRO DA DEFESA

É o máximo da ignorância o ministro da Defesa dar entrevista contando sobre a estratégia do Exército.
Em ação não se dá entrevista, não se diz o que vai fazer e nem quantos homens estão sendo agilizados ali.
Mas o ministro comunista e o secretário de Segurança do Rio podem andar de mãos dadas na praia.

 

James Akel no dia 26/09/2017

‘Comércio de armas é atentado à segurança da população’, diz ministro

Raul Jungmann, da Defesa, se referiu à morte de narcotraficante na fronteira.
Em Foz do Iguaçu (PR), falou sobre ações de reforço e de cooperação.

Bandeira do estado do Paraná

Ministro da Defesa, Raul Jungmann, defende que reforço da segurança nas fronteiras deve ser feita de forma conjunta e cooperada com países vizinhos (Foto: Reprodução / RPC)
Ministro da Defesa, Raul Jungmann, defende que reforço da segurança nas fronteiras deve ser feita de forma conjunta e cooperada com países vizinhos (Foto: Reprodução / RPC)

Para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, o confronto que resultou na morte do narcotraficante paraguaio Jorge Rafaat em Pedro Juan Cabalero, na região de fronteira com Ponta Porã (MS), a organização e o poder de fogo dos dois grupos rivais são preocupantes para a segurança do país e da população. A caminhonete onde o chefe do tráfico de drogas foi assassinado na quarta-feira (15) era adaptada com uma metralhadora de calibre ponto 50, capaz de derrubar aviões e helicópteros.

“Este tipo de armamento demonstra que estas quadrilhas estão, além de organizadas, utilizando um tipo de armamento que nos preocupa muitíssimo. Por isso, o Brasil precisa em cooperação com outros países inibir este tipo de comércio de comércio de armas, que é um atentado à segurança das nossas populações”, declarou o ministro em visita a Foz do Iguaçu, no oeste doParaná, onde acompanhou algumas das ações da 11ª edição da Operação Ágata.

A operação deflagrada na segunda-feira (13) em pontos estratégicos dos quase 17 mil km de fronteira e encabeçada pelas Forças Armadas conta com o apoio de outras 20 corporações federais, estaduais e municipais e tem como objetivo reforçar o combate aos crimes de fronteira como o contrabando e o tráfico de armas e de drogas. A ação que envolve cerca de 13 mil pessoas não tem prazo para ser encerrada e deve custar o equivalente a R$ 9 milhões.

“Rei da Fronteira”
Rafaat foi condenado pela Justiça brasileira por tráfico internacional de drogas em 2014, mas vivia no Paraguai como um empresário de sucesso. Ele era conhecido como o “rei da fronteira”. A polícia apreendeu muitas armas e munição, deteve sete suspeitos e acredita que o motivo de crime tenha sido uma disputa pelo controle do tráfico de drogas na região.

O processo que levou à condenação do narcotraficante foi presidido pelo juiz federal Odilon de Oliveira. “A população da fronteira, dos dois lados, tem que conviver com essa insegurança. Na fronteira, todo dia, morre gente assassinada, isso é histórico, já faz parte do cotidiano daquela gente”, disse o magistrado.

Moradores da região de fronteira ficaram assustados com o atentado. Uma testemunha paraguaia disse que parecia “filme de terror”. Ela passava pelo local quando viu o carro com a metralhadora atirar contra o carro de Rafaat. “Tive medo de morrer porque os tiros não paravam. Eu só rezava”, fala a jovem.

A jovem afirma que execuções são comuns no município, mas, normalmente, são vítimas pessoas suspeitas de envolvimento em crimes. “A fronteira tem fama de ser perigosa, mas, nunca aconteceu isso assim porque sempre passam e matam quem querem matar e pronto”, diz a paraguaia, que afirma ter ficado com medo depois do episódio de quarta-feira.

Oito pessoas foram presas depois da execução de Rafaat, de acordo com a Polícia Nacional do Paraguai. Um deles é um brasileiro suspeito de manusear a metralhadora ponto 50 que estava em uma caminhonete adaptada. Os outros sete presos são apontados como seguranças pessoais do narcotraficante e ficaram feridos durante a emboscada.

 

G1.COM.BR