Rede Globo compra formato semelhante ao “Qual é a Música?” para o “Domingão”

Globo compra formato semelhante ao

Divulgação/TV Globo

Buscando reforçar o “Domingão do Faustão” após o término da “Dança dos Famosos”, a Globo já foi às compras de formatos estrangeiros para adaptar como quadros.

A emissora carioca acertou com a Banijay International, uma produtora irlandesa, a compra do reality-show “Superstar Ding Dong”, que quer dizer algo como “A Campainha das Estrelas”.

A atração consiste em pessoas anônimas terem que adivinhar qual cantor está atrás de cada porta do palco. Ao tocar a campainha, o concorrente ouve uma música em algumas notas no piano, e tem de dizer quem canta. Se acertar, um cover do artista abre a porta e se apresenta completamente. Quem vencer, ganha um prêmio, que no Brasil deverá ser em dinheiro.

O formato lembra muito uma prova do “Qual é a Música?”, apresentado por Silvio Santos no SBT, onde o maestro Zezinho tocava notas musicais e os participantes tinham que adivinhar qual banda tocava aquela determinada canção.

Segundo o diretor executivo da Banijay Internacional disse ao site Tela Viva, o formato vai agradar no Brasil: “Fechar esta leva de episódios com uma grande emissora de comunicação do Brasil, e uma das maiores do mundo, é um privilégio para nós. Tenho certeza que o programa agradará em cheio ao Brasil”.

A produção deve ter início em novembro, indo ao ar no mesmo mês. O “Domingão do Faustão” marca médias entre 14 e 17 pontos de audiência na Grande São Paulo.

 

NaTelinha

Roda o VT: Qual é o ritmo?

https://i1.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20130226102405.jpg
Reprodução
Lançado em 1976 como a nova atração do “Programa Silvio Santos” que estreava na TV Tupi, após treze anos na Globo, e finalmente em cores, o “Qual é a Música?” foi um quadro de grande sucesso, exibido até 1991 e, depois, relançado no fim da década de 90 e encerrado em 2007. O programa consagrou Nahim, Ronnie Von, Ricardo Coração de Leão e Gretchen como grandes campeões e eternizou o performático Pablo, o dublador das canções do show, e o Maestro Zezinho, que dava as dicas tocando seu piano, só para dizer o mínimo sobre o programa.
Pois esse mesmo formato ganhou nova montagem no palco do “Programa do Gugu”, da Record. O animador comprou os direitos da atração dos produtores americanos e chocou muitos dos ardorosos fãs do Homem do Baú pela “audácia” em “copiar” um dos programas consagrados de seu ex-Patrão.
A rigor, mesmo, Gugu não copiou nada. Embora, de fato, dê essa impressão àquele público que, pouco interessado em direitos, cláusulas e contratos, é bastante atento em verificar quem fez primeiro o quê na história da televisão, e quem veio atrás, navegando na mesma onda. O mesmo público que, seguramente, já havia notado que Gilberto Barros, o Leão, desde os tempos do finado “Sabadaço”, na Band, até o seu atual “Sábado Total”, na RedeTV!, faz um quadro bastante semelhante ao velho “Qual é a Música?”.
Virando o disco, a estreia de Gugu no comando do “Desafio Musical” foi morna. A estranheza de ver um programa tão “a cara” do SBT, com outra caracterização, fez com que se sentisse uma certa falta de ritmo no show musical. Seria o formato antiquado e inapropriado para a televisão do século XXI? Não creio. Gilberto Barros e o próprio Silvio Santos fazem seus games musicais semanalmente e provam o contrário: divertem e agradam.
É claro que a estreia é sempre diferente e, com o tempo o programa vai naturalmente se modificando. Exemplo disso é o “Bozo”. Na coluna da semana passada apontamos alguns detalhes que já foram modificados na segunda edição do infantil. Certamente porque a sua produção e direção já detectaram as falhas, e também porque o programa número um se tratou de um piloto. Como deve ter sido também o caso do novo quadro do Gugu.
Hamilton Kenji é titular dos blogs obaudosilvio.blogspot.com, letrasdotrem.blogspot.com e transcendentes.blogspot.com

Comentando a estreia do Desafio Musical

Nem mesmo a estreia (ou reestreia) do “Desafio Musical” fez o “Programa do Gugu” decolar. A reedição do já consagrado “Qual é a Música” comandado por Silvio Santos por anos a fio amargou o terceiro lugar com 6 pontos. O SBT ficou com 7, enquanto a Globo teve 13.
O que se viu foi até economia de gastos (ou investimentos). O cenário era o mesmo do “Programa do Gugu”, e atrás do apresentador, tínhamos apenas um DJ, enquanto na versão de Silvio Santos, uma banda ao vivo, trio de cantores e dupla de dubladores. Realmente, não tem como comparar as versões.
Converse com o colunista. Envie um e-mail para thiagoforato@natelinha.com.br ou fale pelo Twitter: @Forato_

Camisa polo e gincana da década de 50 são as “novidades” de Gugu para recuperar o público

Maurício Stycer

 

Para combater a queda na audiência, o “Programa do Gugu”, na Record, passou por uma curiosa “renovação” neste domingo. O apresentador surgiu em cena com uma camisa polo vermelha, em vez do tradicional paletó, e estreou um novo quadro, “Desafio Musical”, versão do “Qual é a Música”, nascido na televisão americana em 1952 e exibido por muitos anos no SBT.

Ficando seguidamente em terceiro lugar no Ibope, atrás da programação da Globo (futebol e Faustão) e do SBT (Eliana), Gugu Liberato e equipe se viram obrigados a fazer algo. O resultado mostra que faltou imaginação.

Nada contra o “Desafio Musical”. Gincanas deste tipo são sempre divertidas, mas a Record podia ter investido num elenco melhor para a estreia. A disputa entre mulheres e homens levou ao palco do programa Simony, Babalu (o humorista Amadeu Maya) e Geisy Arruda, de um lado, e Theo Becker, Agnaldo Timoteo e Marcelo Augusto, do outro.

Há uma semana, depois de mais uma derrota no termômetro da audiência, Homero Salles, diretor do programa, escreveu no Twitter: “Como sempre disse … audiência não é o mais importante…temos de pensar primeiro em fazer um bom programa.” Estou com ele. Mas não basta trocar a camisa do Gugu e refazer o “Qual É a Música” para conseguir isso.

Em tempo (atualizado às 20h30): Números preliminares indicam que, apesar das “novidades”,  Gugu perdeu para Eliana por 6,8 a 5,9 pontos. A Globo marcou 12,9.

“Qual é a música?” é um mistério na Record

Antonio Chahestian/TV Record

Gugu Liberato, que pode apresentar o quadro em seu programa

Gugu Liberato, que pode apresentar o quadro em seu programa

Que mal pergunte, alguém tem notícias do “Qual é a Música?”.

A compra do formato foi anunciada pela Record no ano passado, mas até agora persiste absoluto silêncio sobre o seu lançamento no “Programa do Gugu”.

Será que no meio disso aconteceu alguma coisa que a gente não sabe?

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery