Casa alvinegra: Ceará e Arena Castelão firmam parceria até maio de 2017

Em 2016, o CSC ainda fará 70% dos seus jogos no Castelão

"Foi bom porque à medida que o público aumenta, o Ceará ganha mais", disse Robinson de Castro

“Foi bom porque à medida que o público aumenta, o Ceará ganha mais”, disse Robinson de Castro
(Foto: Rafael Barros / cearasc.com)

Na manhã desta terça-feira, 15/03, o torcedor do Mais Querido ganhou mais uma ótima notícia, afinal o Ceará Sporting Club assinou contrato com a Arena Castelão, que a partir de agora está garantida como casa alvinegra até maio de 2017. Nesta temporada, o Alvinegro ainda fará 70% dos seus jogos no Castelão e próximo ano a expectativa é que mais de 50% das partidas também aconteçam na Arena.

O contrato com o estádio foi assinado em entrevista coletiva realizada na própria sala de imprensa do Castelão, onde estiveram o Presidente Alvinegro Robinson de Castro e os diretores Lavor Neto (Marketing), João Studart (Assuntos Comerciais), os representantes da Luarenas (Consórcio responsável pela gestão da Arena Castelão) Aymeric Magne e Flávio Portela e o Secretário de Esportes do Estado Jeová Mota.

“O nosso Diretor de Assuntos Comerciais, que é o João Studart, tem muita habilidade para negociar e desde que o Ceará soube do interesse da Arena Castelão nós delegamos a ele para conduzir esse processo, sendo acompanhado pelos departamentos Jurídico, Marketint, Financeiro e conseguimos chegar a um denominador comum. Foi bom porque à medida que o público aumenta, o Ceará ganha mais e quando o público é menor, o clube ganha menos, mas tendo uma base mínima… Teremos também um camarote personalizado para o Ceará, além de um vestiário customizado, com as cores do clube e muito mais. Estou muito satisfeito com mais essa parceria”, afirmou o Presidente Robinson de Castro.

“Vamos realizar promoções, ativações e muito mais para que esses jogos de futebol não sejam apenas 90 minutos em campo, mas sim mais uma forma de lazer, entretenimento e espetáculo para que as famílias voltem aos estádios para poder se divertir, além de torcer pelo seu time do coração e acompanhar um grande jogo”, avaliou o Diretor de Marketing Lavor Neto.

A parceria foi favorável não só para o Vozão, mas também para os gestores da Arena, que agradeceram. “Todos nós ficamos felizes com a confiança que o Ceará teve na gente. Foi uma negociação tranquila e a nossa expectativa é de que tudo aconteça da melhor forma possível. As duas partes vão ganhar com isso”, afirmou Aymeric Magne.

Responsável direto pela negociação, o Diretor de Assuntos Comerciais João Studart comemorou. “Quero muito agradecer ao Aymeric e ao Flávio, que sempre estiveram com a gente nas negociações e nos ajudaram muito, afinal nós sempre buscamos o melhor para as duas partes. É uma alegria para o Ceará trazer de novo o seu torcedor para a Arena Castelão. Eles comemoram e a gente também, afinal temos novamente a Arena Castelão como nossa casa”.

A expectativa de todos é que a parceria firmada entre Ceará Sporting Club e Arena Castelão seja um sucesso. Vale lembrar que as receitas destinadas ao clube serão variáveis, de acordo com a presença de público nos jogos, além da cota da bilheteria, ou seja, quanto mais alvinegros nas arquibancadas, mais lucro para o maior time do Estado, por isso, torcedor do Vozão, vamos sempre lotar o Castelão, pois o Ceará precisa desse apoio para garantir o cumprimento dos investimentos realizados.

 

Site do Ceará Sporting Club

No Ceará, público e renda caem em 2014

Boa campanha do time alvinegro foi incapaz de motivar a torcida a igualar os números da Série B do ano passado.

1-[22-11] Ceará 2 x 1 Portuguesa - 10  (Foto: Christian Alekson/CearáSC.com)

Ao longo da Série B, o Ceará esteve no G4 por 18 rodadas e liderou a competição por nove delas, chegando a terminar o 1º turno, ou 19 rodadas, na liderança. Mas nem a campanha da equipe foi capaz de motivar a torcida alvinegra a um comparecimento compatível com a colocação.

O Alvinegro já fez seu último jogo em casa na competição – o clube definirá seu acesso ou não no Mato Grosso, diante do Luverdense – e levou ao todo 213.884 torcedores ao estádio, proporcionando uma fraca média de público de 11.257 pessoas por jogo.

Quanto à arrecadação, o Ceará conseguiu o montante de R$ 2.776.490,00. A média de arrecadação girou em torno de 146 mil reais por jogo.

Comparativo

Os números são mais decepcionantes ainda se compararmos com a campanha na Série B de 2013, quando o Vovô não ocupou o G4 por nenhuma rodada, apesar de disputar o acesso até a última rodada.

Naquele ano, a média de público foi maior – 13.837 – e a equipe arrecadou 2 milhões de reais a mais: R$ 4.708.695,00.

O presidente do Ceará, Evandro Leitão, analisou a baixa média de público da equipe na atual Série B, após 19 jogos.

“Pelo lado do torcedor, há uma frustração muito grande de ver o time caindo de produção no returno; estamos no ano do centenário e estivemos bem em boa parte da Série B, criando muita expectativa, então entendo e concorro com o que deixaram de ir ao estádio”, analisou.

Só que o prejuízo no público e renda, comparados ao ano passado, não pode nem ser creditado ao desempenho ruim no returno da Série B, quando a equipe conquistou apenas 22 pontos em 18 jogos, vencendo apenas seis vezes, com um aproveitamento de pontos de apenas 40%.

No 1º turno, quando viveu sua melhor fase na Série B, o Ceará teve uma média de público, em dez jogos disputados em casa, de 9.679 pagantes.

No returno, quando sua campanha de declinou, o clube mandou nove partidas, a média foi até maior: 12.990 torcedores.

Ou seja, o comparecimento da torcida alvinegra não foi influenciado pela campanha da equipe, ela se manteve instável no decorrer da Série B.

Durante a boa fase da equipe na Série B, no 1º turno, o maior publico registrado foi na partida que valia a liderança, contra o Joinville no PV: 17.834

No returno, a média aumentou devido aos dois maiores públicos da equipe na competição: 21.062 pagantes ante o Sampaio Correa, pela 28ª rodada, e na 35ª rodada, este o maior público da equipe, os 30.256 pagante contra o Vasco, que elevaram a média da equipe no returno.

Sobre o prejuízo de 2 milhões de diferença de arrecadação das edições de 2013 para 2014, Evandro afirmou que a diretoria atualmente busca novas formas de angariar recursos.

“Acho que o Ceará vem se fortalecendo e buscando recursos além da arrecadação em dia de jogos. Hoje, o clube tem outros recursos para honrar seus compromissos e não só as rendas das partidas”, finalizou o mandatário alvinegro.

Vladimir Marques
Repórter

 

x

Diário do Nordeste – Jogada – 25/11/2014