Profissão Repórter de hoje , 26/07/2017 , vai falar sobre hospitais estatais brasileiros

O “Profissão Repórter”, comandado por Caco Barcellos, nesta quarta, também coloca o “dedo na ferida” dos hospitais públicos.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Flávio Ricco elogia o Profissão Repórter do dia 19/04/2017

 

Ainda é tempo de reconhecer o bom retorno do “Profissão Repórter”, quarta passada…

… A reportagem sobre o sonho americano e os riscos da travessia ilegal segurou quem assistiu. Do começo ao fim.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Flávio Ricco explica o sucesso do Profissão Repórter às quartas-feiras

 

Tem um aspecto

Fator que deve necessariamente contribuir na conta desses resultados do “Profissão Repórter” é o bom desempenho do futebol nas noites de quarta-feira.

Com a Band fora de jogo, a Globo teve um crescimento importante com as suas transmissões em todas as praças, o que, traduzindo, é uma entrega bem de respeito para o Caco Barcellos e sua equipe.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Profissão Repórter é um sucesso de audiência às quartas-feiras

 

Virou o jogo

Contrariando todos os prognósticos, inclusive deste que vos fala, o “Profissão Repórter” tem apresentado bons índices nas quartas-feiras, seu novo dia de exibições.

As primeiras 11 edições deste ano comparadas com o mesmo número de 2015 registraram, em São Paulo, um crescimento de 27%, com 3 pontos a mais que o ano passado. A média é de 14 pontos.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

“Profissão Repórter” é vítima de um erro de cálculo da Globo

Caco Barcellos, que está há dez anos à frente do "Profissão Repórter"

Caco Barcellos, que está há dez anos à frente do “Profissão Repórter”

Até agora não está sendo possível entender muito bem o que levou a Globo a mudar o “Profissão Repórter” da terça para quarta-feira e qual foi a vantagem que o programa levou nessa.

Nem como de troca de seis por meia dúzia, pelo menos por enquanto, está sendo possível considerar. Ao contrário, se tivesse permanecido no mesmo lugar do passado, o programa teria vantagens e estaria entrando muito mais cedo do que, com o novo desenho da grade, passou a acontecer neste ano.

Uma pena porque é um programa que tem qualidades, sempre oferecendo à notícia ou ao fato em foco um tratamento amplo, muitas vezes movimentando três ou mais repórteres na mesma matéria, além do Caco Barcellos.

Este é um caso que a programação da Globo poderia reavaliar e chamar para ela a responsabilidade de fazer voltar ao que era antes. Inclusive com benefícios ao “Jornal da Globo” e “Programa do Jô”, que nas circunstâncias atuais também ficam com prejuízo ainda maior.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

TV Globo muda o dia de “Profissão Repórter”

O jornalista Caco Barcellos

 

O “Profissão Repórter”, comandado por Caco Barcellos na Globo, nesta temporada de 2016, será apresentado entre 6 de abril a 23 de novembro.

Portanto, passará a ser exibido nas noites de quarta-feira – não mais às terças, na sequência do futebol.

O programa comemora 10 anos no ar.

Originalmente criado como quadro do “Fantástico”, foi graças às qualidades reveladas pelo trabalho do Caco e sua equipe, que o “Profissão Repórter” evoluiu para a condição de programa, tornando-se um produto obrigatório na grade da emissora.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Flávio Ricco elogia o Profissão Repórter da terça-feira sobre presos que esperam julgamento

 

Foi muito bem o “Profissão Repórter”, da Globo, na noite de terça-feira…
Atingiu a sua melhor audiência da temporada em São Paulo e também se destacou no Rio de Janeiro…
… O tema: presos que aguardam julgamento.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Caio Cavechini vai lançar em breve livro sobre os 10 anos do Profissão Repórter

 

Olha que bacana
Vai sair em breve um livro comemorativo aos 10 anos do “Profissão Repórter”, primeiro como quadro do “Fantástico” e depois, desde 2008, em programa semanal. Trabalho organizado pelo Caio Cavechini.

São 27 textos, escritos por pessoas que passaram – como o diretor Marcel Souto Maior e outros que continuam no programa, além de professores da USP. Entre eles, o da jornalista Mônica Pinheiro, que concluiu seu mestrado na Sorbonne na França e defendeu sua tese baseada em um conto do filósofo Voltaire, sobre os jovens repórteres.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery