Santos 0 x 0 Ponte Preta

DESTAQUE

NADA DE GOLS

Depois de 20 vitórias em 20 jogos no Pacaembu, o Santos parou na Ponte Preta, na noite deste sábado, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. O Peixe teve mais posse de bola (59%) e criou muitas chances, mas falhou nas finalizações, e o placar acabou sendo de 0 a 0.

DESTAQUE

POLÊMICA

A Macaca soube se segurar na defesa e ainda volta para Campinas na bronca com a arbitragem, por conta da anulação de um gol contra de David Braz. O lance foi aos 39 do primeiro tempo. Em cobrança de falta, David Braz, de cabeça, marcou contra. O próprio zagueiro santista admitiu que o toque para o gol foi dele. A arbitragem comandada por Igor Benevenuto, porém, assinalou impedimento de Elton. Os pontepretanos reclamaram, argumentando que o toque foi do santista. Os membros do time de arbitragem não dão entrevistas. A versão que chegou ao banco da Ponte foi que o árbitro entendeu que houve falta de ataque do zagueiro Rodrigo, que estava perto de David Braz e, por isso, anulou o gol.

DESTAQUE

DE SAÍDA?

Depois do jogo, Lucas Lima foi questionado sobre seu futuro no Santos. Ele tem vínculo até dezembro e pode assinar pré-contrato com outro clube a partir do dia 30. A resposta dele foi: “Quero ser feliz aonde eu estiver. Fico aqui até o final do ano. Não quero mais falar sobre isso. Quanto menos eu falar e mais jogar, melhor pra mim. Tenho que mostrar serviço para estar na Seleção”

DESTAQUE

MACACA INDIGESTA

Vale lembrar que o Santos já havia parado na Ponte Preta nas quartas de final do Paulistão. Na ocasião, a Macaca venceu por 1 a 0 em Campinas, o Peixe devolveu o placar no Pacaembu, mas, na disputa por pênaltis, o time do interior foi quem avançou.

Adeus de Rodinei e Borges marca treino da Ponte antes de jogo final

Dupla se despede de companheiros nesta sexta-feira; lateral-direito está a caminho do Flamengo, enquanto atacante dificilmente fará parte dos planos do clube para 2016

As atenções no treino da Ponte Preta desta sexta-feira nem estavam voltadas tanto para dentro de campo. O que mais chamou a atenção foi o adeus de Rodinei e Borges. De saída da Macaca, a dupla se despediu dos companheiros ainda com a atividade em andamento. Eles participaram do aquecimento e deixaram o campo na sequência. O lateral-direito está a caminho do Flamengo, enquanto o atacante dificilmente fará parte dos planos do clube para 2016.

Rodinei, lateral-direito da Ponte Preta (Foto: Carlos Velardi/ EPTV)
A caminho do Fla, Rodinei brinca com Diego Ivo na sua despedida da Ponte Preta
(Foto: Carlos Velardi / EPTV)

– É excelente despedir assim. Em outras ocasiões na Ponte, jogador tinha de sair escoltado. Essa despedida é saudável. O pessoal que está indo embora honrou o clube e está saindo pela porta da frente. Tenho certeza absoluta que, se tiver uma nova oportunidade no clube, será bem recebido – afirmou o técnico da Ponte, Felipe Moreira.

Rodinei estava liberado do duelo contra o Sport desde o início da semana, assim como o goleiro Marcelo Lomba, o volante Fernando Bob e o atacante Biro Biro. Ainda assim, continuou trabalhando no clube e fez questão de cumprimentar um por um antes de ir embora nesta sexta, entre jogadores e funcionários do clube. Ao todo, foram 74  jogos e dois gols pela Macaca.

 

Já Borges, como também não seria aproveitado na partida, decidiu antecipar a viagem para Salvador, sua cidade natal. Oficialmente, a Ponte não confirma o futuro de Borges. A lista de quem ficará e quem deixará o clube será divulgada a partir de segunda-feira, mas a tendência é que o clube não renove com o atacante, que fez seis gols (cinco pelo Brasileirão e um pela Copa do Brasil) em 31 partidas com a camisa alvinegra.

A Ponte ainda treina na manhã de sábado antes de entrar em concentração para o duelo de domingo, às 17h, contra o Sport, no Majestoso. Sem pretensão nenhuma na rodada final, o clube usará o jogo para observar jogadores pouco aproveitados ao longo do Brasileirão.

Borges atacante Ponte Preta (Foto: Reprodução / EPTV)
Após temporada discreta, atacante Borges está de saída da Ponte Preta (Foto: Reprodução / EPTV)
GLOBO ESPORTE.COM

Após mais um vice, Ponte Preta aposenta uniforme que remete ao Vasco da Gama

Uniforme amaldiçoado será banido até mesmo de quadros na sede do clube (FOTO: Ronaldão)

Uniforme amaldiçoado será banido até mesmo de quadros na sede do clube
(FOTO: Ronaldão)

É, Macaca, não foi desta vez. A Ponte Preta esteve muito perto do título da Série B em 2014, mas vacilou feio no final. Resultado: deu Joinville, que levou o caneco, de forma merecida.

Apesar de o título estar em boas mãos, o time campineiro não se conforma com mais um vice. Recentemente, a equipe ficou com o segundo lugar do Paulistão após perder a final para o Palmeiras, e levou o vice até em competições internacionais, como na Sul-americana de 2013. Intrigados com o carma, os dirigentes ponte-pretanos decidiram aposentar o uniforme no estilo do Vasco da Gama para 2015.

“Nós somos tão vices, que até o vice do Vasco nós tiramos em 2014. Olha que impressionante. São mais de 100 anos e história e nada de títulos. Por isso, vamos tomar uma atitude polêmica, que pode desagradar boa parte da torcida, mas que fará diferença no final dos campeonatos: vamos abandonar o uniforme com a faixa diagonal, pois é muito essa camisa é muito Vasco e estamos sendo prejudicados pelos Deuses do Futebol”, disse o presidente da Ponte, Donkey Kong.

Com a medida, o Vasco deve recuperar o posto de maior vice do Brasil.

Dica: Felipe Sanchez

 

Série B: nas últimas seis edições, o campeão do 1º turno conseguiu o acesso à elite

03635-1227507792199176

Estar no topo da classificação ao término das 19 primeiras rodadas da Série B do Brasileiro tradicionalmente é sinônimo de acesso garantido.

Desde que a Segunda Divisão Nacional adotou o formato de pontos corridos, em 2006, apenas duas vezes o Campeão do 1º turno não conseguiu o acesso. Justamente nos dois primeiros anos (Coritiba em 2006 e Criciúma em 2007).

De 2008 até o ano passado, quem levou o título simbólico de campeão do turno, terminou entre os quatro primeiros ao término da 38ª Rodada. Foi assim com Corinthians (2008), Vasco (2009), Figueirense (2010), Portuguesa (2011), Vitória (2012) e Palmeiras (2013).

Confira a classificação e a tabela da Série B

Neste ano, o Ceará, atualmente em oitavo lugar, foi o líder da Série B na 19ª Rodada. E para não quebrar o tabu, vai precisar vencer o Luverdense, fora de casa, e ainda torcer por derrota do Boa Esporte e tropeços de Avaí, Atlético/GO e América/MG.

Abaixo, veja como terminaram os campeonatos de 2006 a 2013 e como está atualmente.

2006

19ª Rodada
1º Coritiba – 35 pontos
2º Náutico – 35 pontos
3º Sport – 30 pontos
4º Avaí – 30 pontos

38ª Rodada
1º Atlético/MG – 71 pontos
2º Sport – 64 pontos
3º Náutico – 64 pontos
4º América/RN – 61 pontos

2007

19ª Rodada
1º Criciúma – 37 pontos
2º Coritiba – 35 pontos
3º Marília – 32 pontos
4º Vitória – 30 pontos

 38ª Rodada
1ª Coritiba – 69 pontos
2º Ipatinga – 67 pontos
3º Portuguesa – 63 pontos
4º Vitória – 59 pontos

2008

19ª Rodada
1º Corinthians – 39 pontos
2º Avaí – 35 pontos
3º Santo André – 33 pontos
4º Ponte Preta – 32 pontos

38ª Rodada
1º Corinthians – 85 pontos
2º Santo André – 68 pontos
3º Avaí – 67 pontos
4º Barueri – 63 pontos

2009

19ª Rodada
1º Vasco – 39 pontos
2º Atlético/GO – 36 pontos
3º Guarani – 34 pontos
4º Ceará – 33 pontos

38ª Rodada
1º Vasco – 79 pontos
2º Guarani – 69 pontos
3º Ceará – 68 pontos
4º Atlético/GO – 65 pontos

2010

19ª Rodada
1º Figueirense – 36 pontos
2º Ponte Preta – 35 pontos
3º Coritiba – 33 Pontos
4º Bahia – 31 pontos

38ª Rodada
1º Coritiba – 71 pontos
2º Figueirense – 67 pontos
3º Bahia – 65 pontos
4º América/MG – 63 pontos

2011

19ª Rodada
1º Portuguesa – 38 pontos
2º Ponte Preta – 35 pontos
3º Náutico – 34 pontos
4º Guaratinguetá – 30 pontos

38ª Rodada
1º Portuguesa – 84 pontos
2º Náutico – 64 pontos
3º Ponte Preta – 63 pontos
4º Sport – 61 pontos

2012

19ª Rodada
1º Vitória – 44 pontos
2º Criciúma – 42 pontos
3º Joinville – 36 pontos
4º São Caetano – 34 pontos

 38ª Rodada
1º Goiás – 78 pontos
2º Criciúma – 73 pontos
3º Atlético/PR – 71 pontos
4º Vitória – 71 pontos

2013

19ª Rodada
1º Palmeiras – 42 pontos
2º Chapecoense – 40 pontos
3º Paraná – 36 pontos
4º Sport – 31 pontos

38ª Rodada
1º Palmeiras – 79 pontos
2º Chapecoense – 73 pontos
3º Sport – 63 pontos
4º Figueirense – 60 pontos

2014

19ª Rodada
1º Ceará – 35 pontos
2º Avaí – 34 pontos
3º Joinville – 33 pontos
4º Vasco – 32 pontos

37ª Rodada*
1º Joinville – 70 pontos
2º Ponte Preta – 68 pontos
3º Vasco – 63 pontos
4º Boa Esporte – 59 pontos

 

Fonte: sites da CBF, Futebol Interior e Bola na Área

*Ainda falta uma rodada para terminar

 

Diário do Nordeste – 25/11/2014

O que está acontecendo com o time do Ceará?

Treinador alvinegro vai precisar mostrar novamente seu comando (Foto: Christian Alekson/Cearasc.com)

Treinador alvinegro vai precisar mostrar novamente seu comando (Foto: Christian Alekson/Cearasc.com)

Parece… Eu estou escrevendo, parece que depois da traumática eliminação para o Botafogo, pela Copa do Brasil, o Ceará não conseguiu se recuperar do golpe.

Com algumas raras apresentações, vitória sobre o América/MG, 5×2, por exemplo, a equipe alvinegra caiu de rendimento e viu surgir imperfeições no elenco que até então seriam difíceis de serem contestadas.

Nikão, Eduardo, Sandro, Vicente e até João Marcos e Magno Alves não estão com a mesma áurea do sucesso conquistado no primeiro semestre. Isso sem falar no técnico Sérgio Soares, que começa a ser contestado por substituições e escalações realizadas.

O alento é que a gordura conquistada, principalmente no 1º turno, ainda deixa o Vovô a apenas dois pontos do G4. Os rivais também já passaram por essa caída, o Avaí (4º colocado) é um deles.

Por outro lado, a Ponte Preta, atual líder, deu uma ótima arrancada que já a deixa a sete pontos de distância do 5º lugar. E o exemplo da equipe de Campinas é que faz com que também se questione: Porque o Ceará não está lá no topo, assim como a Ponte? O que foi que aconteceu com o time?

Na próxima rodada, o Ceará enfrenta o Icasa, que está na zona de rebaixamento, no Romeirão.  Uma vitória simples e um derrota (provável) do Avaí para a Ponte Preta, em Campinas, leva o time alvinegro de volta ao G4.

Resta saber se depois da apresentação ruim diante do Joinville, com derrota, falhas terríveis e de alguns jogadores destemperados, o Ceará vai conseguir não só chegar ao tão sonhado grupo de acesso, mas se manter.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 19/10/2014

Tom Barros comenta resultados de Joinville , Avaí , Vasco e Ponte Preta na última rodada da Serie B

Pos Times Pts J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 São Paulo Ponte Preta 53 28 15 8 5 46 28 +18 63 Estável Zona de promoção à Série A de 2015
2 Rio de Janeiro Vasco da Gama 51 28 13 12 3 41 26 +15 61 Aumento1
3 Santa Catarina Avaí 49 28 14 7 7 40 26 +14 58 Baixa1
4 Santa Catarina Joinville 48 28 14 6 8 37 28 +9 57 Estável
5 Ceará Ceará 47 28 13 8 7 51 40 +11 56 Estável

 

Os demais

O que ainda anima é ver Joinville e Avaí, concorrentes diretos do Ceará, também oscilantes. Mas há outra preocupação: Ponte Preta e Vasco da Gama começam a abrir distância. Assim vão ficando apenas duas vagas com melhores possibilidade de alcance do alvinegro. E tomara que Sampaio Corrêa e Boa Esporte não empreendam uma marcha ascensional.

 

Tom Barros – Jogada – Diário do Nordeste – 09.10.2014

Ponte Preta 0 x 0 Portuguesa

 0 x 0 

PONTE PRETA DOMINA O JOGO EM CASA, MAS EMPATA SEM GOLS COM A LUSA
Macaca criou as principais chances do jogo, mas estreante Rafael Santos faz boas defesas e evita a derrota. Lusa segue na zona do rebaixamento
Os torcedores de Campinas, é claro, sabiam que o jogo não teria o brilho de uma Copa do Mundo. No entanto, 42 dias depois da última partida das equipes, esperavam mais do que o 0 a 0 que o placar marcou no confronto entre Ponte Preta e Portuguesa, na noite desta terça-feira, no Moisés Lucarelli.

Principalmente os ponte-pretanos. Com amplo domínio da partida, a Macaca enfileirou chances durante os 90 minutos e finalizou 15 vezes (contra apenas três do adversário), mas viu o goleiro Rafael Santos fazer uma estreia segura na meta rubro-verde. Jussandro, outro estreante, foi expulso nos minutos finais. Mas o 0 a 0 persistiu.

Com o resultado, a Macaca perde a chance de entrar no G-4, ficando com 17 pontos. Já a Lusa, penúltima colocada, termina a 11ª rodada com dez pontos. Na próxima, os dois times jogam na sexta-feira. Às 19h30, a Lusa recebe o Paraná Clube, no Canindé. Já às 21h50, a Ponte Preta visita o Avaí, na Ressacada.

Ponte Preta e Portuguesa  (Foto: (Rodrigo Villalba / Futura Press)

Estreias na Lusa, reestreia na Ponte e um jogo embolado

Os primeiros 45 minutos após o recesso do Mundial foram fracos de emoções. Dona da casa, a Macaca jogou no campo de ataque, mas só assustou em chutes de Cafu e Edno, defendidos por Rafael Santos. Além do goleiro, a Lusa estreou o zagueiro Brinner, o lateral-esquerdo Jussandro e o atacante Weverton. Ligado no jogo aéreo, o time da capital explorou os contra-ataques, mas o jogo ficou embolado. Com a volta do zagueiro Tiago Alves, que substituiu César (negociado com a Europa) na Macaca, o 0 a 0 foi justo.

Ponte domina o jogo e enfileira chances, mas o placar não muda

Melhor no jogo, a Ponte voltou do intervalo ainda mais dominante. Em poucos minutos, exigiu boas defesas de Rafael Santos em chutes de Alexandro e Daniel Borges. O duelo do goleiro com o lateral-direito da Ponte, aliás, persistiu por todo o jogo, já que Daniel era o responsável pela bola parada. Em um desses lances, bateu escanteio com veneno, buscando o gol olímpico. Rafael evitou com perfeição. Léo Cittadini, mais perto do fim do jogo, também assustou. Mas a noite, que ainda teve Jussandro expulso, não era para gols.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Internacional 0 x 0 Ponte Preta

 0 x 0 

38ª RODADA
INTER EMPATA COM A PONTE, SE LIVRA DA QUEDA, MAS SAI DEBAIXO DE VAIAS
Time gaúcho fica no 0 a 0 com a equipe reserva da Macaca em Caxias
O temor esteve presente durante toda a semana. O risco de queda acompanhava o Inter em todos os passos, desde os treinamentos até minutos antes do jogo contra a Ponte Preta, no Centenário, na tarde deste domingo. E se dependesse da atuação do Inter, o medo se faria presente até o último minuto da partida. Porém, além de contar com a ajuda dos resultados paralelos, Inter fez o mínimo necessário e empatou com o time misto da Ponte Preta, que só tem em mente a final da Sul-Americana diante do Lanús, na próxima quarta.

O empate deixou a torcida colorada em fúria, mesmo com o fim da agonia. Ao final do jogo, vaias explodiram nas arquibancadas do estádio em Caxias, na serra gaúcha.

Com o resultado, o Inter escapou do vexame da queda para a segunda divisão, mas não evitou a posição ruim na tabela. Termina o campeonato em 15º lugar, bem distante das pretensões iniciais de um time com craques como D’Alessandro e Forlán. A Ponte, que já estava rebaixada, fecha a competição na vice-lanterna e agora terá de lutar de novo na próxima temporada para voltar à elite.

Pressão sem gols

O Inter veio desde cedo determinado a acabar com qualquer angústia. Pressionou muito nos minutos iniciais e tentou de várias maneiras chegar ao gol. Os números são prova disso. Em menos de  minutos, os donos da casa já haviam conseguido três escanteios. Em um deles, D’Alessandro cobrou, Índio tocou de cabeça e o goleiro Daniel fez um verdadeiro milagre.

A insistência colorada vinha pela bola aérea. Aos 16 minutos, D’Alessandro recebe pela direita, cruzou e zaga cortou mas quase mandou contra o próprio gol. E se não dava por cima, o jeito foi tentar com a bola rolando. Aos 20 minutos, Otávio fez boa jogada e serviu Juan. O zagueiro, livre, bateu na rede pelo lado de fora. Grande chance perdida.

jogo Internacional e Ponte Preta (Foto: Itamar Aguiar / Agência Estado)Jogadores de Inter e Ponte disputam a bola em Caxias (Foto: Itamar Aguiar / Agência Estado)

Mas depois da parada técnica para que os jogadores pudessem se reidratar, a Ponte se renovou. Aos 26 minutos, Adrianinho cobrou escanteio, a zaga se atrapalhou e mandou para a linha de fundo. Por mais dois minutos, a Macaca ficou no campo do Inter, mas não conseguiu criar uma chance incisiva.

Foi só uma pequena blitz. Logo depois, o Inter retomou o controle e criou novas chances. Na melhor delas, Damião deu ótimo toque de calcanhar para D’Alessandro, que bateu cruzado, muito perto do poste esquerdo de Daniel. Mas já no final da primeira etapa, a Ponte mostrou que estava viva. Adrianinho cobrou falta com perfeição e obrigou Muriel a fazer uma grande defesa para evitar o gol.

Inter cai, Ponte cresce

O segundo tempo começou acelerado. Com Forlán o lugar Jorge Henrique, o Inter perdeu uma grande chance no primeiro minuto da etapa final. Depois de um bate-rebate na área, Josimar bateu e Daniel salvou a Ponte. Quatro minutos depois, foi a vez da Macaca aprontar. Ferrugem recebeu pela esquerda, bateu cruzado e Muriel fez uma grande defesa.

O jogo caiu de intensidade, mesmo com o predomínio do Inter. Os donos da casa, porém, mantinham o controle da bola, mas deixaram de criar chances reais de gol. A Ponte se mostrava mais confortável em campo, mas os jovens da Macaca também não tinham força suficiente para pressionar uma zaga experiente com Índio e Juan.

Mas por mais incível que isso possa parecer, a Ponte cresceu e passou a dominar as ações. Esteve mais perto do gol inaugural que o Inter, que parecia já estar acomodado com o empate. E foi o que aconteceu. Empate, fuga do rebaixamento, mas uma péssima impresão deixada pelas duas equipes ao término do Brasileirão.