“Amor à Vida”: Incomodada com críticas, Perséfone se separa de Daniel

Ela desmaia, após regimes forçados.

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/76b970e92bf82157542f57592fd2e7c3.jpg

Créditos: Globo/Raphael Dias

O casamento de Perséfone (Fabiana Karla) e Daniel (Rodrigo Andrade) vai chegar ao fim nos próximos capítulos de “Amor à Vida”. A enfermeira vai desmaiar após fazer um regime forçado.

Após ter alta, ela conversa com o marido. Veja diálogo:

Perséfone – Você casou comigo sendo gorda, e prometeu que seria o meu príncipe encantado. Só que os contos de fadas sempre terminam no casamento, depois a gente nunca sabe se o príncipe tem chulé, se a princesa engorda. Mas no nosso caso, Daniel, você, que era o meu príncipe, já me conheceu gorda.

Daniel – Você está falando isso por quê?

Perséfone – Eu nunca tive vergonha de mim. Sabe, uma pessoa que é gorda, cresce ouvindo piada… sofrendo bullying, como se diz hoje em dia. Mas os meus pais sempre me acharam linda, uma menininha gordinha e fofinha. Então eu nunca liguei pras piadas. Porque dentro de casa eu tinha amor.

Daniel – Você quer chegar onde?

Perséfone – Já vai saber. Eu era virgem e, tá certo, eu pisei na jaca na história de querer arrumar alguém. Eu mesma fazia brincadeira da minha virgindade. Mas as minhas amigas, as minhas amigas de verdade, não faziam brincadeira. Até que eu casei com você. E você começou a dizer que eu era gorda.

Daniel – Eu pedi apenas para você maneirar na comida.

Perséfone – Eu posso até fazer regime por questão de saúde. Mas eu aprendi com os meus pais que eu sou bonita. Que tem gente que pode me achar bonita. E eu tava bem até você começar a me por pra baixo aqui dentro de casa. Eu ia tomar chocolate, você me criticava. Fazia uma comida, você dizia que engordava.

A enfermeira diz que ele deveria ter defendido ela: “Tinha que ter dito, ‘cala a boca, não mexe com a minha mulher!’. Mas não, você ficou com vergonha. Sabe, eu não preciso ter um cara que fica me infernizando pra emagrecer. Eu gosto de mim, Daniel. E eu sei que tem gente que pode gostar de mim assim. Gorda”.

Daniel pergunta se tem alguém interessado na enfermeira e ela diz: “Tem marido que gosta dela. Eu sei que, em algum lugar no mundo, tem alguém capaz de gostar de mim, porque eu sou bonita. E também não é só questão de beleza não, eu sou legal, pelo menos meus amigos dizem que eu sou legal, que eu tenho papo”.

Daniel diz que não sabia que ela tinha ficado magoada e pergunta o que vai acontecer: “Daniel, eu quero que você vá embora, que tome o seu rumo”. Ele fica chocado e fala que não quer se separar. “Então vamos dar um tempo. Mas se um dia a gente voltar, Daniel, você tem que ter orgulho de quem eu sou. É o mínimo que eu espero do meu marido”.

A enfermeira entrega uma mochila com algumas roupas dele e pede: “Se é pra estar casada, eu quero ter alguém que me ame. E que me ache linda. Agora vai”. Ele hesita e sai. Logo depois, Perséfone diz para si mesma, chorando: “Em primeiro lugar eu tenho que gostar de mim”.

“Amor à Vida” vai ao ar logo após o “Jornal Nacional”.

NaTelinha

Quem daria o nome de Perséfone à filha ?

 

A novela é do Walcyr Carrasco e ele pode dar o nome que bem entender aos seus personagens. Um direito que ninguém discute.

E assim, culto como é, Walcyr foi buscar Perséfone na mitologia grega para a personagem da Fabiana Karla. O problema é alguém achar bonitinho e colocar na filha.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery