É vaga ou nada

É vaga ou nada

© AFP

Os jogos de volta de uma repescagem para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 não podem ser mais tensos. Oito seleções europeias vão ter de lidar com toda essa pressão nesta terça-feira, com 90 minutos para decidirem se terão uma vaga na grande competição, ou se vão ter aceitar a derrota, pensando a longo prazo.

França e Romênia se complicaram ao perderem por dois gols de diferença nas respectivas visitas a Ucrânia e Grécia, e agora precisam se tornar os primeiros países da história das eliminatórias a superarem essa desvantagem caso queiram estar no próximo Mundial. Já a Islândia e os seus 320 mil habitantes continuam sonhando em participar da grande festa do futebol pela primeira vez, mas para isso a equipe precisará buscar a classificação na Croácia.

O dono da quarta e última vaga será definido no embate entre Suécia e Portugal. Cristiano Ronaldo garantiu a diferença mínima em Lisboa, e sua equipe agora tem de proteger esse placar nos domínios do atacante do Zlatan Ibrahimovic & Cia.

Em caso de empate no placar agregado, ao final do tempo regulamentar em todas as partidas, o primeiro critério serão os gols marcados fora de casa. Se a igualdade prosseguir, haverá prorrogação em dois tempos de 15 minutos e, havendo necessidade, decisão por pênaltis.

O jogo
França x Ucrânia, Paris, Stade de France, 19 de novembro de 2013, 21h (horário local)

Vinte anos após a surpreendente virada búlgara em Paris na última rodada das eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA EUA 1994, com um gol sofrido nos acréscimos que acabou derrubando a França, o país corre sérios riscos de não estar representado em gramados brasileiros. “É preciso acreditar, e acreditar fundo, para reverter a tendência”, repete o técnico dos Bleus, Didier Deschamps. “Todos precisarão estar unidos.”

O torcedor francês, anfitrião da UEFA Euro 2016,  ainda se pergunta se é necessário revolucionar tudo, mudar os jogadores, o sistema tático ou simplesmente as mentalidades, depois de ver a seleção patinar em Kiev. O atacante Franck Ribéry foi neutralizado com perfeição e o meia Paul Pogba não encontrou muitos espaços no setor ofensivo.

No jogo de ida, os ucranianos deram uma demonstração da solidez da sua defesa, que cedeu apenas quatro gols em todo o torneio classificatório. Por outro lado, o técnico Mikhail Fomenko precisará fazer mudanças expressivas com as suspensões do lateral Artem Fedetskyy e do zagueiro Oleksandr Kucher. Mas a margem de manobra dos franceses será pequena, já que eles não poderão partir em busca dos três gols de que necessitam e, ao mesmo tempo, se expor aos contra-ataques de Yevhen Konoplyanka e Andriy Yarmolenko.

E o que mais?
Suécia x Portugal
Os portugueses dominaram a partida em Lisboa em termos de oportunidades de gol e posse de bola, mas acabaram desperdiçando boas chances. Cristiano Ronaldo, que chegou a carimbar o travessão, foi o primeiro a dizer que que poderiam ter saído mais gols. “Construímos ocasiões para um resultado mais dilatado e agora temos de preparar a equipa para ganhar na Suécia”, disse o técnico de Portugal, Paulo Bento. Antes de se render ao gol de cabeça do atacante do Real Madrid, já aos 37 do segundo tempo, a Suécia se mostrou perigosa nos contra-ataques.

Em casa, porém, os suecos serão forçados a apresentar uma imagem mais ofensiva ou, pelo menos, oferecer bolas melhores para um Ibrahimovic que já marcou dez gols na Friends Arena desde que o estádio foi inaugurado há um ano. Além disso, a nação escandinava sabe que recuperar a desvantagem de um tento é algo perfeitamente possível para uma equipe que perdia de quatro com pouco mais de meia hora por jogar em Berlim antes de empatar com a Alemanha em outubro de 2012.

Romênia x Grécia
A tarefa promete ser delicada para os romenos, derrotados por 3 a 1 na Grécia, com o desfalque do zagueiro Vlad Chiriches, jogador do Tottenham. Agora, o técnico Victor Piturca será obrigado a assumir mais riscos no setor ofensivo. Mas ele sabe que a missão é possível graças ao importante gol marcado em Atenas, e não esqueceu de lembrar os jogadores da vitória bósnia por 3 a 1 contra os gregos na fase de grupos. Contudo, a seleção helênica é especialista em defender resultados e, mais experiente, busca uma terceira participação em Mundiais.

Islândia x Croácia
A Croácia não conseguiu encontrar referências no setor ofensivo desde o começo da campanha nas eliminatórias, apesar de contar com diversos talentos individuais de destaque. De fato, os 12 gols marcados na fase de grupos explicam as dificuldades encontradas na última sexta-feira, diante de uma valente Islândia que manteve o placar zerado com um homem a menos e que não deixou de acreditar.

Nomes como Mario Mandzukic, Danijel Pranjic e o brasileiro naturalizado Eduardo não chegaram a apresentar o seu melhor futebol, apesar das boas jogadas criadas por Luka Modric. Já os islandeses, que buscam a classificação inédita para a Copa do Mundo da FIFA, demonstraram um impressionante espírito de união. “A atuação defensiva no segundo tempo foi absolutamente fabulosa”, avaliou o técnico sueco Lars Lagerbäck, cuja Islândia terminou na segunda colocação do Grupo E atrás da Suíça. “O empate sem gols teve sabor de vitória, considerando as circunstâncias.”

 

 

Fique de olho
Titular da meta da Islândia desde o dia 6 de setembro de 2011, Hannes Thór Halldórsson provou o seu talento no primeiro jogo contra a Croácia fazendo diversas defesas decisivas. Eleito o melhor jogador do seu país pelos colegas de profissão em 2011, o goleiro de 29 anos do Reykjavik disputou uma única partida por clubes do exterior, durante uma curta passagem pela Noruega. Bastante à vontade nas bolas aéreas e seguro nas suas intervenções, o atleta de 1,93 metro de altura sofreu apenas 15 gols nos dez jogos da primeira fase das eliminatórias, e boa parte do destino da Islândia estará nas suas mãos em Zagreb.

O número
60 — A seleção ucraniana não foi vazada em 60% dos 20 jogos que disputou ultimamente. Além disso, a última derrota da Ucrânia por pelo menos três gols de diferença aconteceu no dia 6 de setembro de 2011, por ocasião de um amistoso na República Tcheca perdido por 4 a 0.

O que eles disseram
“Quando recuperávamos a bola, não tínhamos a qualidade de que precisávamos. Se devemos aproveitar mais o Zlatan, precisamos conseguir trabalhar os passes. Houve muitos lançamentos longos”,  Erik Hamren, técnico da Suécia

Dê a sua opinião
Será que franceses e romenos conseguirão tirar a diferença de dois gols aberta por ucranianos e gregos?

 

FIFA.com

Cuatro equipos en busca de una gesta

Cuatro equipos en busca de una gesta

© AFP

Los cuatro partidos de vuelta de la repesca de la competición preliminar de la zona europea para la Copa Mundial de la FIFA 2014™ tienen un denominador común: la necesidad de una gesta para los equipos locales. Así, Francia y Rumania, que cayeron por una diferencia de dos goles en la ida, tendrán que convertirse en las primeras selecciones en la historia de la repesca que remontan esa desventaja. Islandia, por su parte, sueña con representar a sus 320.000 habitantes por primera vez en una fase final mundialista.

Por último, las proezas son prácticamente la especialidad de dos astros como el sueco Zlatan Ibrahimovic y el portugués Cristiano Ronaldo, aunque únicamente uno de ellos viajará a Brasil.

En caso de empate entre dos conjuntos al término del tiempo reglamentado, los goles marcados fuera de casa inclinarán la balanza. Si aun así se mantiene la igualdad, se jugará una prórroga con dos partes de quince minutos, a la que seguiría eventualmente una tanda de penales.

El partido destacado
Francia-Ucrania (2-0 en la ida), Estadio de Francia (París), 19 de noviembre de 2013, 21:00 (hora local)

Veinte años después de la derrota ante Bulgaria (1-2) que les cerró las puertas de la edición de EEUU 1994, los Bleus vuelven a estar entre la espada y la pared, antes de organizar la Eurocopa 2016. “Hay que tener fe, y mucha, para darle la vuelta al marcador. Todo el mundo tendrá que estar unido”, repite sin cesar Didier Deschamps. ¿Hay que revolucionarlo todo, sustituir a los futbolistas y el sistema de juego, o simplemente cambiar la mentalidad? Esas son las principales preguntas que surgen tras un encuentro de ida en el que una Ucrania agresiva y voluntariosa doblegó a los franceses, cuyo 4-2-3-1 parece haber quedado de repente desfasado. Los ucranianos neutralizaron perfectamente a Franck Ribéry, y Paul Pogba, que brilla en el ataque del Juventus, apenas encontró espacios arriba. En la ida, el cuadro local hizo gala de la solidez de su defensa, que solamente ha recibido cuatro goles en toda la competición preliminar. Sin embargo, Mikhail Fomenko deberá reconstruir a la mitad de esa retaguardia, por las sanciones del lateral Artem Fedetskyy y el central Oleksandr Kucher. El margen de maniobra es escaso para Francia, que tendrá que atacar y al mismo tiempo evitar exponerse a los contragolpes de Yevhen Konoplyanka y Andriy Yarmolenko.

La previa 
Suecia-Portugal (1-0 en la ida)

Los portugueses dominaron el duelo de ida en ocasiones y posesión del esférico, aunque fallaron en la definición. Cristiano Ronaldo fue el primero en lamentarlo. También lo reconoció el seleccionador luso, Paulo Bento: “Es evidente que nos faltó eficacia en las situaciones que logramos crear”. Sueciaofreció durante muchos minutos la imagen de una formación perfectamente organizada, bien ubicada y peligrosa en el contraataque, antes de hacer agua ante el ímpetu de CR7. Ahora, en su campo, los escandinavos están obligados a desplegar un fútbol más ofensivo, o al menos proporcionar más balones que pueda aprovechar un Zlatan Ibrahimovic que se siente como pez en el agua en el Friends Arena, donde ha firmado ya diez goles desde su inauguración, hace un año. Y además, en Estocolmo se considera que una desventaja de un solo tanto es perfectamente asequible para un equipo que remontó cuatro en media parte en Alemania (4-4 en Berlín, en octubre de 2012).

Rumania-Grecia (3-1 en la ida)
Rumania afronta un choque complicado, tras ser incapaz de resistir ante su adversario en Grecia, donde echó de menos al zaguero del Tottenham Vlad Chiriches. Victor Piturca está ahora obligado a asumir más riesgos en ataque, procurando no desguarnecer a la vez demasiado su defensa. El técnico sabe que es posible conseguirlo, gracias al gol anotado a domicilio, y no deja de hablar a sus discípulos de la victoria de Bosnia-Herzegovina sobre Grecia (3-1) en la liguilla. Pero el combinado heleno, especialista en conservar un resultado, tiene más experiencia, y buscará con tranquilidad su tercera participación en un Mundial.

Islandia-Croacia (0-0)
Desde el comienzo de la competición preliminar, Croacia no consigue carburar en ataque, a pesar de contar con individualidades de primera categoría. Su balance de doce goles en la fase de grupos explica las dificultades que encontró el viernes 15 de noviembre ante una Islandia valiente y perfectamente organizada, que no bajó los brazos en ningún momento, ni siquiera con un hombre menos. En su estreno como seleccionador, Niko Kovac no pudo más que constatar la parsimonia en el primer tiempo de su equipo, que no aprovecharía luego su superioridad numérica. Figuras de la talla de Mario Mandzukic, Danijel Pranjic o Eduardo no llegaron a asentarse sobre el campo, incluso con los pases de calidad que les suministró Luka Modric. En cambio, los islandeses, que tienen la posibilidad de clasificarse para el primer gran torneo internacional de su historia, exhibieron un asombroso espíritu de equipo. “El rendimiento defensivo en el segundo periodo fue absolutamente fabuloso. Un empate a ceros en estas circunstancias es como una victoria”, analizó Lars Lagerbäck, seleccionador de Islandia, segunda del Grupo E, detrás de Suiza.

Jugador a seguir
Hannes Thór Halldórsson
, de 29 años y 1,93 m de estatura, guardameta de la selección islandesa desde el 6 de septiembre de 2011, se lució en la ida frente a Croacia, al protagonizar varias intervenciones decisivas. El arquero del KR Reikiavik, elegido mejor futbolista de Islandia por sus compañeros en 2011, ha realizado toda su carrera en su país, excepto una pequeña cesión de un partido en Noruega. Se encuentra muy cómodo en las jugadas aéreas y seguro al atrapar el balón, y solo recibió 15 goles en los diez encuentros de la fase de grupos. De sus guantes depende gran parte del destino de Islandia.

Números que hablan
60%:
 el porcentaje de partidos en los que Ucrania no recibió goles en sus 20 últimos compromisos. Además, su última derrota por una diferencia de al menos tres tantos se remonta al 6 de septiembre de 2011, en un amistoso en la República Checa (4-0).

La frase
“Cuando recuperábamos la pelota, no teníamos la calidad que nos hacía falta. Aunque tenemos que utilizar más a Zlatan, hay que conseguir hilvanar pases. Hubo demasiados balones largos”. Erik Hamren, seleccionador de Suecia.

¡Que se oiga tu voz!
¿Pueden remontar Francia y Rumania una desventaja de dos goles?

 

FIFA.com

Paulo Bento: “Conscientes e confiantes”

Paulo Bento: "Conscientes e confiantes"

Paulo Bento encarou com serenidade o sorteio da repescagem europeia para a Copa do Mundo da FIFA O selecionador português reconhece a importância de Zlatan Ibrahimovic na seleção sueca, mas sabe que a equipa das Quinas tem valor para ultrapassar a eliminatória e estar no Brasil em 2014.

Fernando Santos foi o outro treinador português presente no sorteio desta segunda-feira em Zurique, com o selecionador da Grécia a descobrir que a equipa helénica vai ter de medir forças com aRomênia. O FIFA.com resume as reações dos selecionadores antes dos jogos dos dias 15 e 19 de novembro que vão definir as quatro últimas seleções europeias classificadas para a Copa.

Paulo Bento (Portugal)
“Vai ser uma eliminatória equilibrada, competitiva, com uma equipa que tem uma grande referência no seu jogo de ataque, como é Ibrahimovic. Mas a Suécia não vale só por esse jogador e é muito forte coletivamente. A Suécia tem estado em grandes eventos e nós vamos ter de competir da melhor maneira, para estarmos no Brasil 2014. Estamos cientes das dificuldades, mas confiantes que vamos estar no Mundial.”

“Vamos começar a preparar estes dois jogos. Temos algum conhecimento da equipa da Suécia, mas vamos aprofundá-lo. Depois, vamos definir qual a melhor estratégia, sabendo que temos o primeiro jogo em casa. Em função desse resultado, pensar no segundo encontro, já que poderemos ter de optar por estratégias diferentes. Vamos esgotar todas as nossas possibilidades.”

Erik Hamren (Suécia)
“É um desafio complicado, mas teria sido assim contra qualquer adversário, é claro. Portugal é, com certeza, um time muito bom. Vimos isto na Euro. Eles quase se classificaram para a final e têm um nível altíssimo, mas como vimos nas eliminatórias, eles também fazer jogos ruins. Serão duas partidas empolgantes. CR7 e Zlatan? É um extra. São dois astros e são muito importantes para suas equipes. Será um confronto extra dentro do confronto.”

Fernando Santos (Grécia)
“A Romênia vai ditar um Play-off muito aberto, entre duas seleções com as mesmas capacidades. A Roménia está de volta ao bom futebol que já mostrou no passado e julgo que vai ser uma eliminatória muito difícil para os dois. Mas acredito que a Grécia pode seguir em frente. Preferia jogar fora primeiro, mas isso nem é muito significativo. Que os nossos adeptos nos apoiem.”

Victor Piturca (Romênia)
“O adversário é extremamente difícil, e a Romênia será o azarão, isto é muito claro. A Grécia é um time muito experiente, com jogadores que conquistaram vitórias e só perderam uma vez em seu grupo, conquistaram 25 pontos e estão em 15º no ranking mundial. É um time formidável na minha opinião.”

Lars Lagerback (Islândia)
“Qualquer adversário seria difícil para nós, mas não me importo de defrontar a Croácia. Já os defrontei algumas vezes ao serviço da Suécia. Não somos os favoritos, mas já surpreendemos alguns rivais e espero que o possamos fazer outra vez. Confio no carácter dos meus jogadores. Tudo vai depender do primeiro jogo e espero não sofrer gols em casa.”

 
Niko Kovac (Croácia)

“Estou feliz com o resultado do sorteio, mas sabemos que será uma partida cheia de desafios, porque a Islândia também ficou em segundo lugar no seu grupo. Por isso, a nossa expectativa é por uma disputa muito acirrada. Mas felizmente vamos jogar a partida de volta em Zagreb. Já estamos viajando para ver os jogadores e observar o seu estado mental e físico. Obviamente, agora precisamos analisar o adversário e o seu estilo de jogo para aprontar a equipe.”


Didier Deschamps (França)

“Terá sido um bom sorteio se nos classificarmos! Mas é claro que, como não éramos cabeças de chave, tínhamos o risco de enfrentar Portugal ou Croácia, duas equipes com história e experiência. Mas também não será fácil encarar a Ucrânia. Os ucranianos estão invictos há sete jogos, não costumam sofrer muitos gols, e nós teremos que fazer uma longa viagem. Mas disputar o jogo de volta em casa é uma vantagem. O fato de termos derrotado a Ucrânia na Eurocopa não terá muita importância. Toda partida tem que ser analisada dentro de um contexto. Aquele jogo foi na fase de grupos e agora estamos falando de um duelo de mata-mata. Todo o nosso futuro será decidido num intervalo de quatro dias. Precisamos ter confiança, mas também mostrar respeito pela Ucrânia, que certamente vai dar tudo de si.”
FIFA.com

Confira os confrontos da repescagem das eliminatórias da Europa para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

Suécia no caminho de Portugal

© AFP
Portugal – Suécia

Ucrânia – França

Grécia – Romênia

Islândia – Croácia

O sorteio da repescagem europeia para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, realizado na sede da FIFA nesta segunda-feira, definiu o destino dos oito melhores segundos colocados da fase de grupos das eliminatórias.

As seleções ainda vivas na disputa pelas últimas quatro das 13 vagas do continente para o Mundial foram distribuídas nos seguintes confrontos:

Os oito países foram divididos em dois potes de acordo com a posição de cada um no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola divulgado no dia 17 de outubro de 2013. Portugal (14º colocado), Grécia (15ª),Croácia (18ª) e Ucrânia (20ª) entraram no Pote 1, reservado aos cabeças de chave, enquanto França(21ª), Suécia (25ª), Romênia (29ª) e Islândia (46ª) ficaram no Pote 2.

O sorteio foi conduzido por Gordon Savic, diretor da FIFA para as eliminatórias da Copa do Mundo, com a assistência de Alexander Frei, ex-jogador e maior artilheiro da história da Suíça, que participou dos últimos dois Mundiais e marcou 42 gols em 84 jogos com o uniforme nacional.

Todos os treinadores das oito seleções estiveram presentes na cerimônia: Niko Kovac (Croácia), Didier Deschamps (França), Fernando Santos (Grécia), Lars Lagerbäck (Islândia), Paulo Bento (Portugal), Victor Piturca (Romênia), Erik Hamren (Suécia) e Mikhail Fomenko (Ucrânia).

Os confrontos de ida e volta da repescagem serão disputados nos dias 15 e 19 de novembro respectivamente.

A seleção que marcar o maior número de gols nas duas partidas estará classificada. Em caso de empate, vence a equipe que tiver anotado o maior número de gols fora de casa. Se ainda assim não for possível determinar um vencedor, o segundo jogo terá uma prorrogação com dois tempos de 15 minutos cada, valendo a regra do gol qualificado para os visitantes. Caso nenhum gol seja marcado durante a prorrogação, a decisão será feita por cobranças alternadas de pênalti, de acordo com as Regras do Jogo.

FIFA.com

Portugal sem grande margem de erro

Portugal sem grande margem de erro

© AFP

As 17 partidas válidas pela sétima rodada das eliminatórias europeias para a Copa do Mundo da FIFA 2014 dominarão as atenções do planeta bola antes do começo da Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013, no próximo dia 15 de junho.

A grande atração desta sexta-feira será o duelo entre Portugal e Rússia em Lisboa, pelo Grupo F. Vale lembrar que, desta vez, as poderosas AlemanhaInglaterraEspanha e Holanda não entrarão em campo.

A cinco rodadas do encerramento da competição classificatória, 13 equipes continuam invictas, mas somente holandeses e russos venceram todos os seus compromissos.

O jogo
Portugal x Rússia, Grupo F, Estádio da Luz, Lisboa, 20h45 (16h45 de Brasília)

Os portugueses foram derrotados pelo placar mínimo no relvado artificial do Estádio Luzhniki em Moscovo e já empataram (1 a 1) com a Irlanda do Norte na cidade do Porto, portanto não terão direito a desperdiçar pontos caso queiram alcançar os russos, que lideram o grupo com um ponto a mais e dois jogos a menos. Com isso em mente, o técnico Paulo Bento, que não pode contar com o suspenso Pepe, convocu Ricardo Costa, Rúben Amorim, Micael e Nelson Oliveira, que haviam ficado de fora da última convocatória.

O treinador luso conta ainda com Cristiano Ronaldo, embora o jogador do Real Madrid não tenha disputado a última partida do Campeonato Espanhol, mas está pessimista em relação a Nani, que viveu uma temporada complicada a nível de lesões. Para quaisquer eventualidades, Paulo Bentosurpreendeu ao convocar o médio André Martins, do Sporting, e o atacante Vieirinha, do Wolfsburg.

“É um jogo importante, não há que esconde-lo, sabemos que estamos mais pressionados frente a um adversário mais confortável, mas é uma realidade com a qual temos de saber conviver, sempre com a firme convicção de que jogaremos para conquistar três pontos”, afirmou o selecionador português na antevisão do duelo.

O técnico da Rússia, por sua vez, decidiu apostar na experiência. Fabio Capello trouxe de volta à seleção nomes como Roman Pavlyuchenko, Pavel Pogrebnyak e Andrei Arshavin, o antigo capitão russo que havia sido afastado do grupo.

Complementando a chave, Azerbaijão e Luxemburgo se enfrentam para evitar a lanterna.

E o que mais?
Grupo A
Croácia x Escócia
Bélgica x Sérvia

Goleada em casa pelos belgas na ida (3 a 0) e com duas derrotas e um empate acumulados nas últimas três rodadas, a seleção Sérvia não nutre ilusões às vésperas da viagem a Bruxelas para enfrentar uma Bélgica eufórica, que lidera o grupo pelo saldo de gols. Contudo, os donos da casa estarão sem o vice-capitão Thomas Vermaelen, lesionado, enquanto Eden Hazard será dúvida até o último momento. A Croácia, por sua vez, não deve ter maiores dificuldades diante da Escócia, que já está eliminada e poderá testar novos jogadores para o futuro. Afinal, o técnico Gordon Strachan aproveitou a ocasião para convocar seis jogadores que atuam em clubes da primeira divisão escocesa.

Grupo B
Armênia x Malta
República Tcheca x Itália

Os tchecos ocupam a terceira posição, a cinco pontos da líder Itália, e partirão para o tudo ou nada em casa diante dos confiantes italianos. Mas a jovem equipe do técnico Michal Bilek ainda peca nos aspectos ofensivos, tendo marcado apenas seis gols em cinco partidas. Já a Azzurra assimilou ao longo das eliminatórias a vontade do técnico Cesare Prandelli de praticar um futebol vistoso, porém sem abdicar da intratável defesa da Juventus na retaguarda italiana.

Grupo C
Irlanda x Ilhas Faroe
Áustria x Suécia

Bem atrás da líder Alemanha, austríacos e suecos disputarão uma partida importante para a definição das repescagens. Os dois países já se enfrentaram sete vezes em eliminatórias para o Mundial, com três vitórias para cada lado e um empate. A Suécia, que tem um jogo a menos, apostará como sempre no insaciável Zlatan Ibrahimovic, autor do passe para o gol solitário da vitória sobre a Macedônia em amistoso.

Grupo E
Islândia x Eslovênia
Albânia x Noruega
Suíça x Chipre (sábado, 8 de junho)

No topo da chave com dois pontos de vantagem, os suíços dominaram a partida contra os cipriotas no primeiro turno, mas não conseguiram evitar um empate sem gols. Talvez seja por isso que o técnico Ottmar Hitzfeld, que cumprirá o seu segundo jogo de suspensão, convocou os atacantes do FC Zurich Josip Drmic e Mario Gavranovic. Uma vitória é imprescindível para o selecionado helvético, já que as vice-líderes Islândia e Albânia jogarão em casa e terão a chance de encostar na classificação.

Grupo G
Letônia x Bósnia e Herzegovina
Lituânia x Grécia
Liechtenstein x Eslováquia

Os bósnios lideram com três pontos de vantagem sobre os gregos e cinco sobre os eslovacos, mas todos jogarão longe da própria torcida. Com média de 3,5 gols marcados por partida, a seleção bósnia tem tudo para fazer uma visita tranquila aos letões, assim como a Eslováquia, pressionada na terceira colocação. Já a Grécia precisará tomar cuidado na Lituânia, já que os donos da casa ainda não desistiram de lutar por uma vaga na repescagem.

Grupo H
Montenegro x Ucrânia
Moldávia x Polônia

Líder com dois pontos a mais que a InglaterraMontenegro terá a oportunidade de se isolar na ponta visitando a Ucrânia, a quem já venceu por 1 a 0 na ida. Vale lembrar que o English Team terá folga nesta rodada. Mas os comandados de Branko Brnovic, que ainda precisam jogar na Polônia e naInglaterra, não podem mais desperdiçar pontos em casa, como fizeram em março diante dos britânicos (1 a 1). Já a seleção ucraniana do técnico Waldemar Fornalik está tentando se reerguer depois do fracasso na Euro 2012 e, caso vença, poderá voltar a sonhar com a classificação, já que ficaria apenas um ponto atrás do selecionado inglês.

Grupo I
Finlândia x Bielorrússia

Os finlandeses seguem em busca da sua primeira vitória, desta vez enfrentando o penúltimo colocado da chave.

Fique de olho
Quando se fala em seleção sueca, o primeiro nome que vem à cabeça é o de Zlatan Ibrahimovic. No entanto, não se pode esquecer de Anders Svensson. O jogador de 36 anos é figurinha carimbada no meio-campo da Suécia desde 1999, um recorde, totalizando 139 partidas e 19 gols pelo país. E ele pretende se igualar ao também sueco Thomas Ravelli, que é o europeu com o maior número de jogos por uma equipe nacional (143). “Enquanto eu me sentir bem e o corpo continuar fazendo o que a cabeça pede, vou continuar”, explicou Svensson ao FIFA.com. “Fisicamente, provavelmente me sinto melhor do que quando tinha 20 anos.”

O número
18 — O total de clubes de nove países onde jogam os 26 portugueses convocados por Paulo Bento. Seis deles atuam em times portugueses, mas nenhum no Benfica, o vicecampeão português.

O que eles disseram
“Recuperamos jovens jogadores bastante habilidosos tecnicamente, alguns dos quais já atuam em grandes clubes da Europa. Digamos que o fluxo de jovens jogadores de talento não está perto de se esgotar. O futebol islandês tem um futuro radiante pela frente.” Birkir Saevarsson, zagueiro da seleção islandesa

Dê a sua opinião
Será que a Islândia vai conseguir se classificar?

 

FIFA.com