Internacional 0 x 0 Paraná

O JOGO

O Inter recebeu o Paraná nesta terça-feira, no Beira-Rio, pela 9ª rodada da Série B, para abrir uma “maratona” de quatro jogos seguidos em solo gaúcho pela competição. E a proximidade com a torcida, ali mesmo em seu reduto, foi insuficiente para fazer a equipe enfim embalar em sua missão de retornar à elite nacional. Numa noite gelada em Porto Alegre, as duas equipes ficaram no 0 a 0 em meio a pouquíssimo – para não dizer “nada” – futebol. O empate, claro, dói mais aos colorados, que fizeram ressoar uma vaia sonora ao apito final.

DESTAQUE

PRIMEIRO TEMPO

Inter e Paraná travaram uma primeira etapa de apatia pura e pouquíssimo futebol, sem propiciar um momento sequer de emoção para inflamar os torcedores que encararam uma noite gélida em Porto Alegre para ir ao Beira-Rio. Nesta terça-feira, Guto Ferreira surpreendeu ao armar sua equipe no 4-1-4-1, com D’Alessandro aberto pela direita e Ceará na lateral. E a formação passou longe de dar liga. O Colorado até teve mais posse de bola e tentou propor o jogo. Em vão. Após 45 minutos de marasmo, sem um chute capaz de obrigar uma defesa, os colorados rumaram aos vestiários, no intervalo, sob vaias.

DESTAQUE

SEGUNDO TEMPO

O técnico colorado promoveu alterações, com os ingressos de Brenner e Valdemir nas vagas de Nico López e Ceará. Em seguida, Eduardo Sasha sentiu o joelho direito e deu lugar a Marcelo Cirino. Sem alterar a estrutura da equipe, o Inter seguiu com muitas dificuldades para levar perigo ao Paraná, que também teve modificações, com as entradas de Luiz Otávio e Raffhael Lucas nos lugares de Renatinho e Felipe Alves. Aos 25, Brock cabeceou para trás, num lance de muito perigo contra o patrimônio.  E ficou nisso: um 0 a 0 para castigar os 12 mil torcedores que foram ao Beira-Rio.

DESTAQUE

POLÊMICA

Quem balançou as redes, de fato, foi o Paraná, aos 28, numa jogada que acabou anulada por simulação de Robson dentro da área. O atacante partiu para a jogada individual, chuta cruzado e Carlinhos afastou parcialmente. Na sequência, o atacante do Paraná pegou a sobra e tentou o arremate, mas foi derrubado na área. Gabriel Dias ainda chuta para o gol, mas o árbitro deu amarelo para Robson por simulação.

DESTAQUE

COMO FICA?

Após o tropeço em casa, o Inter cai para a sexta colocação na tabela, com 14 pontos somados, e pode encerrar a rodada a dois do último integrante do G-4. O Paraná, por sua vez, ocupa oitava posição, com 13 pontos.

DESTAQUE

PRÓXIMOS JOGOS

O Colorado volta a campo no próximo sábado, às 16h30, para encarar o Brasil de Pelotas no Bento Freitas, pela 10ª rodada Série B, na segunda das quatro partidas que tem em solo gaúcho. O Paraná enfrenta o Criciúma já na sexta-feira, às 19h30, no Heriberto Hülse.

DESTAQUE

PÚBLICO E RENDA

Pagantes: 10.651.
Total:12.137.
Renda: R$ 191.930,00

GLOBO ESPORTE.COM

Paraná 0 x 0 Paysandu

O JOGO

Em uma partida dividida em dois momentos totalmente diferentes, Paraná e Paysandu empataram em 0 a 0 na noite desta sexta-feira, na Vila Capanema, em Curitiba, pela segunda rodada da Série B do Brasileiro. Depois de um primeiro tempo morno, as equipes voltaram do intervalo com uma outra postura, tiveram inúmeras chances de gol, mas não conseguiram tirar o zero do placar.

DESTAQUE

PRIMEIRO TEMPO

Dentro de casa, o Paraná tinha a posse da bola, trocava passes rápidos no meio-campo, mas não conseguia transformar o domínio em jogadas de perigo. O Paysandu tentava frear as investidas do adversário com faltas, se segurando para sair no contra-ataque. Os lances de gol eram poucos. Pelo Tricolor, Leandro Vilela, livre na área, cabeceou desequilibrado para fora. Pelo Papão, em cobrança de falta, Perema testou com certo perigo. A grande jogada do primeiro tempo saiu dos pés de Daniel Morais, que girou em cima da defesa bicolor e chutou para a defesa providencial de Marcos, que desviou para escanteio.

DESTAQUE

SEGUNDO TEMPO

Veio a segunda metade da partida e com ela a pressão do Paysandu pelo primeiro gol. E foram duas grandes chances. Primeiro, Wellington Junior ficou cara a cara com Leo, tocou por cima do goleiro, mas Igor apareceu para cortar. Em seguida, Wesley ganhou no alto e cabeceou para boa defesa do goleiro do Paraná. Com a entrada de Robson, a equipe da casa cresceu. Em um novo chute de Vilela, Marcos defendeu. Depois, Robson encheu o pé e a bola raspou a trave do Papão. O jogo era equilibrado, com paranaenses e paraenses merecendo o gol. Nos minutos finais, a bola foi cruzada para a área Alviceleste, mas ninguém apareceu para finalizar, decretando o resultado de 0 a 0.

DESTAQUE

COMO FICA?

Com o resultado, o Paraná, com um confronto a mais na tabela, tem cinco pontos e está na primeira colocação, enquanto que o Paysandu, que também segue invicto, aparece na segunda posição com quatro pontos. O time paranista, inclusive, segura uma invencibilidade na Vila Capanema em 2017, contabilizando a disputa do Campeonato Paranaense, Copa do Brasil, Primeira Liga e Segundona – com nove vitórias e cinco empates.

DESTAQUE

PRÓXIMOS JOGOS

Na terceira rodada, o Paraná enfrenta o Juventude, às 19h (horário de Brasília) de sábado, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul. Antes, o Tricolor entra em campo pela Copa do Brasil, diante do Atlético-MG, às 21h45 da próxima quarta-feira, no estádio Couto Pereira. O Paysandu, no mesmo dia, recebe o Internacional, às 16h30, no Mangueirão.

DESTAQUE

PÚBLICO E RENDA

Público pagante: 2.790
Público total: 3.296
Renda: R$ 51.425,00

GLOBO ESPORTE.COM

ABC 0 x 0 Paraná

O JOGO

EMPATE SEM GRAÇA

ABC e Paraná empataram sem gols na rodada de estreia da Série B do Campeonato Brasileiro, na tarde deste sábado, no Frasqueirão. Faltaram chances de gol durante todo o jogo, mas sobraram passes errados dos dois lados. As duas equipes começaram o jogo fechado, sem se arriscar para não sair com a derrota na primeira rodada. O primeiro tempo se resumiu em tentativas alvinegras pela bola parada e aérea, sem efeito.

No segundo tempo, o jogo foi paralisado logo aos 2 minutos por causa da falta de ambulância no estádio e só retornou 18 minutos depois. A retomada não melhorou o jogo, que continuou de muitos passes errados. A melhor chance surgiu dos pés do meia Gegê. Sem conseguir criar jogadas, o jogador alvinegro recebeu a bola com espaço no meio-campo e tentou o chute de fora da área. A bola foi na gaveta, mas o goleiro Léo conseguiu defender.

DESTAQUE

PROTESTO

Na partida deste sábado, os jogadores do ABC usaram uma faixa preta no braço em protesto às reformas trabalhistas, que tramitam no Congresso Nacional. A assessoria do clube confirmou. O movimento é organizado pela Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf). Jogadores de Flamengo e Atlético-MG, na abertura da Série A, também participaram do protesto.

Em nota, a Fenapaf destaca que o protesto é contra contra as modificações no texto da Lei Pelé, que podem trazer prejuízo a quase 30 mil profissionais no país. “Modificação na estrutura do direito de arena, parcelamento de férias, repouso semanal remunerado em 02 períodos de 12 horas, fim do recesso coletivo do calendário e insegurança contratual estão nas propostas de mudança que tramitam no Congresso Nacional e causam revolta na categoria”, diz a publicação.

DESTAQUE

TUMULTO PRÉ-JOGO

Uma confusão envolvendo integrantes das torcidas organizadas de ABC e Paraná causou um tumulto na entrada do Frasqueirão. A Polícia Militar precisou intervir na situação e um grupo acabou detido para a delegacia especial instalada nas dependências do estádio.

DESTAQUE

PRÓXIMOS JOGOS

Na segunda rodada da Série B, o ABC vai a Porto Alegre no próximo sábado para enfrentar o Internacional, às 20h. O Paraná joga nesta terça, dia 16, a partir das 19h30, contra o Paysandu, em casa.

GLOBO ESPORTE .COM

Estudante é detido durante visita oficial do governador Beto Richa

Rapaz participava de um protesto dos professores em Londrina.
Governador estava em uma cerimônia na PUC-PR, nesta sexta-feira (1°).

Bandeira do estado do Paraná

Um manifestante foi detido por provocação de tumulto durante a realização de um protesto contra o governador Beto Richa (PSDB) em uma visita oficial a Londrina, no norte do estado, na manhã desta sexta-feira (1°). Richa participava de uma cerimônia de entrega de um terreno doado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) para a construção de um hospital na Zona Oeste da cidade.

O estudante participava de um protesto contra aviolência sofrida pelos professores no dia 29 de abril de 2015  quando o rapaz foi imobilizado pelos seguranças do governador, algemado pela Polícia Militar e levado para o cartório da polícia. Ele assinou um termo circunstanciado e foi liberado.

Uma aluna que gravava a situação, entrou voluntariamente no carro da PM e foi levada junto ao cartório. Ela também assinou o termo circunstanciado por provocação de tumulto e foi liberada.

Em nota, a PUC-PR em Londrina lamentou o ocorrido e disse que vai abrir processo administrativo para apurar o caso. A nota ressalta ainda que a universidade valoriza os direitos democráticos da liberdade de expressão e manifestação, desde que exercidos os limites da ordem e da legalidade.

O Sindicato dos Professores também fez um protesto em frente à universidade. O ato foi contra um projeto do governo de congelar aumentos e progressões nas carreiras dos professores. “As promoções e progressões são diretos adquiridos pelos educadores do Paraná. A reposição inflacionária prevista em janeiro também é direito nosso, porque foi uma lei assinada no acordo feito para o encerramento da greve em 2015. O acordo foi feito inclusive na presença de um juiz”, explicou

O governador Beto Richa (PSDB) lembrou que os professores já receberam um reajuste de pouco mais de 10% e afirma que o estado não tem mais dinheiro em caixa para completar reajuste e bancar as progressões.

“O estado infelizmente não tem Casa da Moeda. Nós não temos maquininha para fabricar dinheiro. A crise, por consequência da redução da atividade econômica, tem derrubado de forma brutal as arrecadações de municípios e estados”, detalhou o governador.

Sobre a crise com o governo, o Sindicato dos Professores já aprovou estado de greve para a categoria, mas informou que mantém em aberto as negociações com o estado.

Construção de novo hospital
O novo hospital será construído ao lado da PUC-PR. O terreno com seis lotes tem 88 mil metros quadrados. O investimento será de R$ 25 milhões e as obras devem começar em 2017.

“As obras começarão no primeiro semestre de 2017 e a previsão de conclusão das obras é 2018”, assegurou o diretor da Secretaria Estadual de Saúde, Sezifredo Paz.

O hospital será administrado pelo estado, mas grande parte do corpo clínico será da universidade particular. Na solenidade, o governador Beto Richa (PSDB) disse que os recursos para a construção da unidade hospitalar já estão garantidos no orçamento.

“Alguns hospitais estão com muita demanda, há longas filas e, por isso, entendemos por bem construir um novo hospital na cidade para atender quase um milhão de habitantes nesta região”, detalha o governador.

O novo hospital da Zona Oeste deve ter 150 leitos e atendimento especializado para idosos.”Vivemos a realidade de um envelhecimento populacional. Mais de 12% da população de Londrina tem mais de 60 anos”, diz o secretario municipal de Saúde, Gilberto Martin.

 

G1.COM.BR

Centro de animais em risco começa a funcionar em Ponta Grossa

Local foi inaugurado na manhã desta segunda-feira (27), no Paraná
Centro de Referência de Animais em Risco recebe até 250 animais.

Bandeira do estado do Paraná

Feira de adoção vai ser realizada na Mercadoteca, das 10h às 16h de domingo (15) (Foto: Divulgação / P+G Comunicação Integrada)

Centro de Referência de Animais em Risco foi inaugurado nesta segunda-feira (27) em Ponta Grossa
(Foto: Divulgação / P+G Comunicação Integrada)

O Centro de Referência de Animais em Risco de Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, foi entregue à população na manhã desta segunda-feira (27). O lugar é uma reivindicação antiga de Organizações Não-Governamentais (ONGs) de proteção aos animais e, também, dos moradores.

O local tem capacidade para receber 250 animais e foi construído no mesmo terreno do antigo Canil Municipal, atrás da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

A estrutura tem um espaço separado para abrigar os cavalos recolhidos das ruas e outro ambiente exclusivo para cachorros. Em breve, deve haver um local especial para gatos.

“Os cães serão coletados, castrados, retornam ao canil municipal e ficam por um período pós-operatório, de sete a 10 dias. Nesse tempo, ficam para adoção. Não sendo adotados, conforme a lei, eles retornam para as ruas, onde foram coletados”, explica o médico veterinário do Departamento de Zoonoses, Leandro Inglês.

Assim, o Centro de Tratamento Animal do Shangrilá, que era um local provisório mantido pela prefeitura, foi desativado. No novo espaço, só são levados os animais recolhidos pela prefeitura ou entregue pelas ONGs.

 

G1.COM.BR