Gustavo Villani narrará a final da Copa do Mundo pelo Fox Sports

Com o Brasil decidindo o terceiro lugar da Copa do Mundo contra a Holanda neste sábado (12), muitas pessoas se perguntam quem fará tanto estejogo quanto a final Argentina x Alemanha no domingo (13).

Sabemos, por exemplo, que Luiz Carlos Jr. é o locutor confirmado há muitos meses pelo SporTV na decisão fossem quais fossem os finalistas e que Téo José fará a finalíssima na Band, assim ouvi do Neto em “Os Donos da Bola“.

Globo teria Galvão Bueno somente no jogo do título, mas no decorrer da tarde desta quinta (10) mudou de ideia e tirou Luís Roberto de Brasil x Holanda para colocar seu titular de esportes também no terceiro lugar.

Fox Sports adotou o caminho de manter o titular da Seleção Brasileira junto dela até o fim e diferenciar os locutores das duas últimas partidas deste Mundial. João Guilherme fará Brasil x Holanda em Brasília. A voz de Alemanha x Argentina no Rio de Janeiro será a de Gustavo Villani (foto/abaixo), o “Guga Gol”, que chegou ao canal no início do ano passado, egresso da ESPN Brasil.

Narrar uma decisão de Copa é um privilégio para poucos e um prêmio que merece ser guardado com muito carinho, que dá um status diferente à carreira de quem a transmite. Gustavo já é um profissional de carreira com boa rodagem, estreado em 1999 no saudoso diário A Gazeta Esportiva.

Mas não é narrador a vida inteira. Seus primeiros anos no rádio de São Paulo foram como repórter, começando em 2002 na Transamérica, com a equipe de Éder Luiz. Depois, passou dois anos na Rádio Globo. Mudou para a Rádio Record em 2005, ano de um grande “sacode” no mercado radiofônico paulista, com mudanças em diversas emissoras justamente a partir da reformulação causada pela Record AM 1000. Foi neste grupo que passou a aparecer na telinha, reportando vários jogos do Campeonato Brasileiro de 2006, o último transmitido pela TV Record antes do fim da parceria para sublicenciamento das competições de futebol da Rede Globo.

Entre 2007 e 2008, Guga fez uma pós-graduação em Madrid e participava especialmente de alguns trabalhos para veículos nossos a partir lá da Espanha. Seu regresso à latinha foi no comecinho de 2009, pela Rádio Globo.

A partir da Copa São Paulo de Juniores, graças à equipe de Oscar Ulisses e Osmar Santos, saiu oGustavo Villani repórter e chegou o “Guga Gol”. Início difícil, críticas, restrições. Mas ele persistiu, evoluiu e venceu. Se mudou para a ESPN em 2011, fazendo rádio e, a partir daí, também narração de televisão. Trajetória que resulta na locução da final da Copa do Mundo aqui no Brasil.

Não nego que fiquei bem contente ao saber disso. Dá-lhe, Guga!

A imagem do dia

Mais Gustavo Villani, nesta imagem presente no Beira-Rio, em Porto Alegre, quando fez Alemanha x Argélia.

Ranking da Copa do Mundo na TV: atualização pós-semis

A enorme diferença de bolas na rede de uma semifinal para a outra, com oito no vareio da Alemanha sobre o Brasil e nenhuma em Argentina x Holanda, não apenas fez os locutores do Mineirão subirem demais no levantamento que venho publicando nestes últimos dias, como também digo, afirmo e reafirmo: pode cantar “We Are The Champions” para Paulo Bonfá, Freddie Mercury. Ninguém terá narrado mais gols no Mundial de 2014 pela televisão do que ele.

Com isso, vamos ao penúltimo balanço, já corrigido o engano sobre os dados de Everaldo Marques e Rogério Vaughan, ambos da ESPN Brasil, conforme esclareci no artigo de terça-feira (08).

64 gols em 20 jogos (3,20 de média) – Paulo Bonfá (Fox Sports 2)
50 gols em 16 jogos (3,12 de média) – Nivaldo Prieto (Bandeirantes)
43 gols em 12 jogos (3,58 de média) – Héverton Guimarães (BandSports)
43 gols em 17 jogos (2,52 de média) – Paulinho Arapuan (Fox Sports 2)
41 gols em 15 jogos (2,73 de média) – José Luiz Datena (Bandeirantes / BandSports)
39 gols em 13 jogos (3,00 de média) – Téo José (Bandeirantes)
38 gols em 13 jogos (2,92 de média) – Ivan Zimmermann (BandSports)
38 gols em 15 jogos (2,53 de média) – Luís Roberto (Globo)
38 gols em 16 jogos (2,37 de média) – Cléber Machado (Globo)
38 gols em 17 jogos (2,23 de média) – Cadu Cortez (Fox Sports 2)
37 gols em 12 jogos (3,08 de média) – João Guilherme (Fox Sports)
36 gols em 12 jogos (3,00 de média) – Luiz Carlos Jr. (SporTV)
35 gols em 12 jogos (2,91 de média) – Paulo Andrade (ESPN Brasil)
32 gols em 9 jogos (3,55 de média) – Cledi Oliveira (ESPN Brasil)
30 gols em 11 jogos (2,72 de média) – Ulisses Costa (Bandeirantes)
29 gols em 11 jogos (2,63 de média) – Hamilton Rodrigues (Fox Sports)
29 gols em 12 jogos (2,41 de média) – Everaldo Marques (ESPN Brasil)
29 gols em 14 jogos (2,07 de média) – Oliveira Andrade (Bandeirantes / BandSports)
28 gols em 8 jogos (3,50 de média) – Galvão Bueno (Globo)
28 gols em 10 jogos (2,80 de média) – Éder Reis (Fox Sports)
28 gols em 12 jogos (2,33 de média) – Ivan Bruno (BandSports)
27 gols em 9 jogos (3,00 de média) – Marco de Vargas (Fox Sports)
26 gols em 9 jogos (2,88 de média) – Paulo Soares (ESPN Brasil)
26 gols em 11 jogos (2,36 de média) – Gustavo Villani (Fox Sports)
26 gols em 12 jogos (2,16 de média) – Milton Leite (SporTV)
24 gols em 7 jogos (3,42 de média) – Alex Escobar (Globo)
23 gols em 7 jogos (3,28 de média) – Eduardo Moreno (SporTV)
23 gols em 10 jogos (2,30 de média) – Rogério Corrêa (Globo)
23 gols em 12 jogos (1,91 de média) – Carlos Fernando (BandSports)
21 gols em 7 jogos (3,00 de média) – Jader Rocha (SporTV)
19 gols em 8 jogos (2,37 de média) – Jota Júnior (SporTV)
19 gols em 9 jogos (2,11 de média) – Rogério Vaughan (ESPN Brasil)
17 gols em 6 jogos (2,83 de média) – Júlio Oliveira (SporTV)
17 gols em 7 jogos (2,42 de média) – Luiz Carlos Largo (ESPN Brasil)
16 gols em 5 jogos (3,20 de média) – Silva Jr. (Fox Sports)
16 gols em 6 jogos (2,66 de média) – Rembrandt Jr. (Globo)
15 gols em 5 jogos (3,00 de média) – Linhares Jr. (SporTV)
13 gols em 5 jogos (2,60 de média) – Alex Muller (BandSports)
8 gols em 3 jogos (2,66 de média) – Eduardo Monsanto (ESPN Brasil)
7 gols em 6 jogos (1,16 de média) – Odinei Ribeiro (SporTV)
4 gols em 4 jogos (1 de média) – Rodrigo Cascino (Fox Sports)
3 gols em 1 jogo (3 de média) – Roby Porto (SporTV)
1 gol em 1 jogo (1 de média) – João Palomino (ESPN Brasil)

Jogos por narrador em cada emissora

Globo – Cléber Machado, 16; Luís Roberto, 15; Rogério Corrêa, 10; Galvão Bueno, 8; Alex Escobar, 7; e Rembrandt Jr., 6

Bandeirantes – Nivaldo Prieto, 16; Oliveira Andrade e Téo José, 13; Ulisses Costa, 11; e José Luiz Datena, 9

SporTV – Luiz Carlos Jr. e Milton Leite, 12; Jota Júnior, 8; Eduardo Moreno e Jader Rocha, 7; Júlio Oliveira e Odinei Ribeiro, 6; Linhares Jr., 5; e Roby Porto, 1

ESPN Brasil – Everaldo Marques e Paulo Andrade, 12; Cledi Oliveira, Paulo Soares e Rogério Vaughan, 9; Luiz Carlos Largo, 7; Eduardo Monsanto, 3; e João Palomino, 1

BandSports – Ivan Zimmermann, 13; Carlos Fernando, Héverton Guimarães e Ivan Bruno, 12; José Luiz Datena, 6; Alex Muller, 5; e Oliveira Andrade, 1

Fox Sports – João Guilherme, 12; Gustavo Villani e Hamilton Rodrigues, 11; Éder Reis, 10; Marco de Vargas, 9; Silva Jr., 5; e Rodrigo Cascino, 4

Fox Sports 2 – Paulo Bonfá, 20; e Cadu Cortez e Paulinho Arapuan, 17

Todos os narradores das semifinais

Brasil 1 x 7 Alemanha (8 de julho, 17h, Belo Horizonte) – Globo com Galvão Bueno, Band com Téo José, SporTV com Luiz Carlos Jr., ESPN Brasil com Paulo Andrade, BandSports com José Luiz Datena, Fox Sports com João Guilherme e Fox Sports 2 com Paulo Bonfá.

Argentina 0 x 0 Holanda + 4 x 2 nos pênaltis (9 de julho, 17h, São Paulo) – Globo com Cléber Machado, Band com Nivaldo Prieto, SporTV com Milton Leite, ESPN Brasil com Everaldo Marques, BandSports com Oliveira Andrade, Fox Sports com Gustavo Villani e Fox Sports 2 com Paulinho Arapuan.
Edu César é titular do site http://www.papodebola.com.br e está de volta ao NaTelinha para falar sobre a cobertura da Copa do Mundo pelas TVs.

 

 

A Copa do Mundo de 2014 nos canais por assinatura

Confira análise da coluna “Papo de Bola”

A Copa do Mundo de 2014 nos canais por assinatura

De volta para o segundo tempo do que as TVs que transmitirão a Copa do Mundo mostrarão. No artigo anterior, a dama e o cavalheiro leram o que será de Globo e Bandeirantes. Hoje, abordo os quatro exibidores fechados.

A maior cobertura promete ser a do SporTV, um trabalho que seu diretor Raul Costa Jr. promete ser algo jamais feito na televisão esportiva. Não é apenas a exibição dos 64 jogos ao vivo, mas todo um trabalho de programas e reportagens especiais, mobilizando sua equipe própria, os recrutados do “Passaporte SporTV”, gente que chega para este trabalho e vários repórteres e profissionais de diversas afiliadas da Rede Globo. Milton Leite vai narrar a abertura com Brasil x Croácia e Luiz Carlos Jr. transmitirá a finalíssima no Maracanã.

Muitos ex-jogadores foram chamados para formar trios com narradores e jornalistas comentaristas. Um deles seria Fernandão, que morreu em acidente aéreo com apenas 36 anos e que fez três jogos do Campeonato Brasileiro pelo canal. As atrações mundialistas incluirão programas como “Extra-Ordinários” (com Xico Sá, Eduardo Bueno, Paulo Miklos e Maitê Proença) e o debate “É Campeão”, com capitães campeões mundiais, a partir do mata-mata.

A ESPN Brasil também terá alguns ex-jogadores como convidados especiais a partir da cobertura da matriz, mas prioriza a presença dos jornalistas no segmento opinativo, além de ressaltar seu acompanhamento constante do futebol internacional para colocá-la como equipe mais experiente para analisar os selecionados e seus atletas. Os jogos do Brasil terão o que eu chamaria de “Three Paulos”: Paulo Andrade, Paulo Calçade e Paulo Vinícius Coelho, trio que fez recentemente a decisão da Liga dos Campeões da UEFA.


ESPN também vem forte com sua equipe para a Copa

O BandSports estará no clima de integração de mídias com outros veículos do Grupo Bandeirantes. As partidas do Brasil terão comentários de Branco e narrações de José Luiz Datena, que também fará jornadas pela Band aberta. Além do time próprio de vozes, outro locutor que estará na cobertura é Héverton Guimarães, participante mineiro do debate misto SP & BH & POA do “Jogo Aberto” e narrador da BandNews FM de Belo Horizonte até o começo deste ano. Na equipe de apresentadores, a novidade que mais chama atenção é a presença de Adriana Reid, que volta ao grupo após ser âncora do BandNews TV, mas que o povo lembra mais é da Rede Record.

O estreante em Copas do Mundo é o Fox Sports, que fará duas coberturas distintas quando a bola rolar: uma com João Guilherme e Mário Sérgio na linha de frente nas partidas da Seleção Brasileira pelo canal 1, e outra mais bem-humorada, com Paulo Bonfá e Marília Ruiz estrelando no canal 2 – é nesse trabalho do segundo canal que se tentou a aquisição do Sílvio Luiz, não liberado pela RedeTV!. Paulo Roberto Falcão volta à TV através da Fox e algumas musas chegaram ao canal nesta Copa, entre elas Delisiée Marinho e Letícia Wiermann.
Edu César é titular do site http://www.papodebola.com.br e está de volta ao NaTelinha para falar sobre a cobertura da Copa do Mundo pelas TVs.

 

NaTelinha

A Copa do Mundo de 2014 na Globo e na Band

Confira novo artigo da coluna “Papo de Bola”

A Copa do Mundo de 2014 na Globo e na Band

Agora já falta bem pouco para começar a Copa do Mundo aqui no Brasil. O telespectador já pode começar a se programar para assistir às 64 partidas – ou a quase todas elas, seja por possibilidade ou por vontade. Para não perder nenhum lance, serão seis emissoras na transmissão em 2014, com duas abertas e quatro fechadas.

Detentora máxima da competição no Brasil, a Globo armou aquela que divulga ser a maiorcobertura esportiva que já terá feito. Seis narradores transmitirão os jogos. Cinco deles já são bem conhecidos: Galvão Bueno (nona Copa na emissora), Cléber Machado (sétima), Luís Roberto (quinta), Rogério Corrêa (terceira) e Rembrandt Jr. (quarta). A novidade será Alex Escobar, que esteve na edição de 2010 como apresentador, mas que nos últimos dois anos começou a narrar, inicialmente com a Liga dos Campeões da UEFA pela internet e depois em eventos de outras modalidades no “Esporte Espetacular”, passando ao futebol brasileiro de clubes neste ano.

Além de narrar, Escobar também será um dos apresentadores da “Central da Copa”, que Tiago Leifert liderou com sucesso pela primeira vez em 2010. O programa será transmitido no fim da noite do dia que tiver o Brasil em campo, então, sua primeira exibição será à meia-noite da virada de quinta (12) para sexta (13), quando já saberemos o que terá rolado contra a Croácia na Arena Corinthians. Todos os comentaristas serão ex-atletas: Casagrande, Júnior, Caio Ribeiro, Roger Flores e os convidados especiais Ronaldo Nazário e Roberto Carlos.

Para viabilizar a transmissão ao vivo de 56 partidas, modificações acontecerão na programação, entre elas a suspensão de “Malhação” e a exibição na forma de pequeninas pílulas de “Geração Brasil”.

Sem o falecido Luciano do Valle, a Bandeirantes terá Téo José formando o trio principal dos jogosdo Brasil com Neto e Edmundo. Narrações também serão feitas por Nivaldo Prieto, Oliveira Andrade, José Luiz Datena, Ulisses Costa e, assim que receber alta do hospital, Osmar de Oliveira. A grande curiosidade fica pela participação do Datena, que volta a um grande evento esportivo depois de muito tempo e que se dividirá entre Band aberta em algumas partidas e BandSports nas da Seleção Brasileira, sendo um “coringa” a partir do mata-mata.

A exemplo da Globo, também a Band contará somente com ex-jogadores nos comentários. Além dos já citados Neto e Edmundo, também estarão nessa os habituais Denílson e Ronaldo Giovaneli, todos reforçados pelos dois comentaristas do “Jogo Aberto” do Rio de Janeiro. Djalminha estreará como analista de jogos e Pedrinho já tem rodagem desde o começo deste ano por trabalhar nas jornadas da Rádio BandNews Fluminense FM.

O “Band na Copa” interligará as transmissões dos jogos e terá uma edição principal noturna, com Milton Neves, o humorista Robson Nunes e os ex-jogadores Bobô e Éder Aleixo para comentar as partidas.

Mas e os quatro canais por assinatura na Copa? Fica para o próximo artigo. O árbitro apitou. Hora do intervalo.

 
Edu César é titular do site http://www.papodebola.com.br e está de volta ao NaTelinha para falar sobre a cobertura da Copa do Mundo pelas TVs.

 

NaTelinha

 

A história das Copas do Mundo na TV brasileira – parte 1

Confira novo artigo da coluna “Papo de Bola”

A história das Copas do Mundo na TV brasileira - parte 1

Copa do Mundo de 2014 será a décima segunda que o telespectador brasileiro assistirá ao vivo.

Tudo começou em 1970, o histórico tricampeonato do escrete canarinho no México. Um pool de emissoras foi formado por Globo, Tupi, Bandeirantes e Record. Locutores como Geraldo José de Almeida, Walter Abrahão, Fernando Solera e Oduvaldo Cozzi documentaram todos os passos de Pelé, Rivelino, Tostão, Gérson e cia. Até então, somente o rádio salvava. Desta vez, tínhamos imagens ao vivo desde o estrangeiro. Ainda imagens em preto e branco, mas eram ao vivo. Todos puderam festejar com as grandes atuações da equipe do Zagallo.


Anúncio original para a grande final da Copa de 1970

A primeira Copa transmitida a cores foi a de 1974. Desta vez a Globo fez uma cobertura própria, novamente com Geraldo José na titularidade, além de Luciano do Valle também narrar. Houve um novo pool, que era chamado de Sibratel (Sistema Brasileiro de Televisão). As componentes foram Bandeirantes, Record e Gazeta de São Paulo. Fernando Solera e Peirão de Castro eram os locutores. Sílvio Luiz fez seu último trabalho de repórter esportivo. Daqui do Brasil, Galvão Bueno estreava como comentarista. A Tupi também esteve na Alemanha Ocidental.

Em 1978, a América do Sul recebeu a competição, mais especificamente a Argentina. Foi a primeira Copa tanto de Luciano do Valle como titular, isso na Globo, quanto de Sílvio Luiz como narrador, aí pela Record.


Anúncio de 1978 da Bandeirantes

Também foi o último Mundial transmitido pela Tupi, com Walter Abrahão como seu titular. Pela Bandeirantes, que ainda tinha como principal Fernando Solera, pela primeira vez Galvão Bueno contou um Mundial diretamente do local.

A Copa de 1982 foi exclusiva da Globo pois só poderia adquiri-la as emissoras que transmitissem a Olimpíada de 1980. Como só ela mostrou aqueles Jogos de Moscou, apenas ela exibiu o futebol de dois anos depois direto da Espanha. Luciano do Valle se despediu da emissora ao narrar os jogos do Brasil e sua última jornada foi na final Itália x Alemanha. Galvão Bueno era o segundo narrador.


Record chamando o público para ouvir Silvio Luiz no rádio, em 1982

A Cultura de São Paulo, a TVE do Rio de Janeiro e suas afiliadas ajudaram a propagar o sinal da Globo para todo o território nacional através de parceria. Em São Paulo, a Record usou uma tática bolada por Rui Viotti para não deixar de fora Sílvio Luiz, que fazia grande sucesso nas transmissões de campeonatos paulistas e brasileiros: comprou os direitos em rádio e colocou Sílvio para narrar os jogos pelo AM 1000 e FM 89,7, mas como se transmitisse na televisão. A campanha foi um sucesso.

Em 1986, no México, foram cinco emissoras mostrando os jogos: Globo, com Osmar Santos como titular; Bandeirantes, pela primeira vez com Luciano do Valle; Manchete, estreando em Copas com Paulo Stein e Walter Abrahão em destaque; e o pool “Unidos Venceremos” de SBT e Record, liderado por Sílvio Luiz.


Em 1986, Silvio Santos era dono do SBT e da Record, e fez um pool entre
as duas para transmitir a Copa daquele ano

E da década de 90 em diante? Fica para depois do intervalo, o árbitro terminou o primeiro tempo. Nos vemos no artigo de amanhã.
Edu César é titular do site http://www.papodebola.com.br e está de volta ao NaTelinha para falar sobre a cobertura da Copa do Mundo pelas TVs.

 

NaTelinha

Flávio Ricco comenta atitude do jornalista Edu César

 

 

O “Papo de Bola”, do Edu Cesar, é um conceituado site esportivo, seguido e respeitado por muita gente. No sábado, indignado, Edu postou uma nota, sobre novo conflito do treinador Dunga com a imprensa, desta vez com Rodrigo Oliveira da rádio Gaúcha.

Insatisfeito com uma pergunta, ele insinuou que o jornalista estava a serviço de alguém. Que coisa triste. Nem o tempo ou as derrubadas da vida ensinam algumas pessoas.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery