Guarani 0 x 0 Oeste

O JOGO

DISPUTA FRANCA

Provavelmente os quase 2,5 mil torcedores presentes ao Brinco de Ouro nunca viram um 0 a 0 tão bom quanto este Guarani x Oeste. Empolgados com seus próprios objetivos, os times buscaram o gol a todo custo nesta terça-feira à noite, em Campinas, mas não encontraram o caminho das redes. O resultado é frustrante para ambos: o Bugre perde os 100% de aproveitamento em casa e desperdiça a chance de ser líder, enquanto o Rubrão não encerra a sequência de empates na Série B do Campeonato Brasileiro. Agora, são cinco seguidos.

DESTAQUE

NA TABELA

O Guarani chega a 16 pontos, ainda dois atrás do Juventude, que nesta noite perdeu a invencibilidade para o Brasil de Pelotas. Se vencesse, o Bugre assumiria a liderança, mas agora continua em segundo lugar. Já o Oeste cai para o 14º lugar, com 12 pontos, dois abaixo do G-4 e dois acima da zona de rebaixamento.

DESTAQUE

ESTREANTE DA NOITE

Richarlyson iniciou nesta terça sua trajetória como jogador do Guarani. Um dia depois de ser inscrito, o volante ficou no banco de reservas e entrou aos 40 minutos do segundo tempo, no lugar de Evandro. Foram nove minutos em campo, suficiente para mostrar muita vontade (cometeu duas faltas, dividiu outras tantas bolas). A torcida o recebeu com aplausos, uma prova de que sua presença no elenco é mais uma atração para os bugrinos.

DESTAQUE

PRÓXIMOS JOGOS

As equipes voltam a campo pela Série B neste sábado. O Oeste joga primeiro, às 16h30, contra o Ceará, no Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza. Já o Guarani fecha a décima rodada às 19h, contra o Náutico, no Brinco de Ouro, em Campinas.

DESTAQUE

O JOGO

As equipes criaram muitas chances de gol. Só Fumagalli, por exemplo, finalizou cinco vezes com perigo contra a meta de Rodolfo. O goleiro levou a melhor em todas. O Bugre chegou a ter um gol anulado, de forma acertada, após finalização de Eliandro. Do outro lado, o Oeste atacou sempre quando teve espaços e ficou próximo de marcar em jogada do volante Betinho, que chutou sobre o travessão. O jogo franco foi resultado também de falhas individuais dos sistemas defensivos, que concederam alguns espaços, mas que foram mal aproveitados.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Oeste 0 x 0 América Mineiro

O JOGO

MORNO

O pequeno público que desafiou o frio e compareceu à Arena Barueri viu um confronto entre Oeste e América-MG com pouquíssimas emoções e nenhum gol. O resultado de 0 a 0 foi justo pelo que apresentaram as duas equipes. Ao fim da oitava rodada, o time paulista ocupa a 13ª posição, com 11 pontos. O Coelho, por sua vez, vem logo abaixo, na 14ª colocação, com 10.

DESTAQUE

1º TEMPO

O primeiro tempo, assim como o clima no estádio, foi bastante frio. De modo geral, o América-MG buscou mais o gol, mas sem levar muito perigo ao gol de Rodolfo. Ocupou o campo de ataque, mas quase não finalizou. Aliás, os dois goleiros foram praticamente espectadores na primeira etapa – João Ricardo também pouco trabalhou. O Oeste levou perigo apenas na bola aérea, principalmente aos 36, quando Erick subiu livre de marcação e cabeceou, mas a bola foi direto para fora. O empate sem gols foi justíssimo.

DESTAQUE

2º TEMPO

O jogo ganhou um pouco mais de ânimo na segunda etapa, mas nada que ameaçasse muito o duplo zero no placar. A principal chance do jogo foi aos 23 minutos, quando Erick – quem mais teve oportunidades no jogo – chutou dentro da área, e a bola só não entrou porque Bill, atacante do Coelho, tirou em cima da linha.
Os dois treinadores tentaram mexer em suas equipes e buscaram alternativas para a vitória. João Ricardo e Rodolfo, nas poucas vezes que foram exigidos, apareceram bem e seguraram o 0 a 0, que se manteve até o fim.

DESTAQUE

PRÓXIMA RODADA

Na nona rodada, o Oeste viaja até Campinas para enfrentar o Guarani, terça-feira, às 21h30 (de Brasília). Mais cedo, às 19h30, o América-MG encara o Santa Cruz, no Independência, em Belo Horizonte.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Oeste 0 x 0 Luverdense

O JOGO

A baixa temperatura na Arena Barueri parece ter atrapalhado Oeste e Luverdense, que empataram por 0 a 0, em jogo válido pela sexta rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Os pouco mais de 900 pagantes que acompanharam a partida não viram um bom futebol das duas equipes, que seguem sem conseguir deslanchar na competição.

DESTAQUE

PRIMEIRO TEMPO

Com mais posse de bola, o Luverdense conseguiu controlar a partida e segurar o Oeste no primeiro tempo. Porém, foi o time de Barueri que quase abriu o placar primeiro: após cruzamento que virou finalização, o goleiro Diogo Silva viu a bola bater na trave e sair pela linha de fundo.

O time do Mato Grosso teve sua melhor chance com o volante Gustavo, que soltou uma bomba da intermediária e viu Rodolfo espalmar antes da bola explodir no travessão.

DESTAQUE

SEGUNDO TEMPO

Na volta para o segundo tempo, o técnico Junior Rocha pediu para seus jogadores capircharem nas finalizações. Foi exatamente isso que faltou para Cléo Silva, que recebeu cruzamento rasteiro na grande área e isolou a bola, desperdiçando a melhor chance do time de Mato Grosso na partida.

Sem grandes emoções, o segundo tempo se arrastou com o Oeste buscando mais o jogo e esbarrando na falta de criatividade e de acerto no último passe. Nitidamente contente com o empate fora de casa, o Luverdense se segurou no campo de defesa e garantiu mais um ponto.

DESTAQUE

COMO FICA?

Com o resultado, o Oeste chega aos nove pontos em seis jogos e ocupando a nona colocação. Com quatro pontos, o Luverdense segue na penúltima colocação da Série B.

DESTAQUE

E AGORA?

Na próxima rodada, o Oeste visita o Londrina, na terça-feira, às 19h15, no estádio do Café, no Paraná. O Luverdense, mais tarde, às 21h30, recebe o Brasil de Pelotas, na Arena Pantanal.

DESTAQUE

FALA, MOACIR

Tínhamos uma proposta de jogo que foi bem imposta aqui. Ganhamos um ponto importante, que lá na frente pode fazer diferença.

DESTAQUE

FALA, GUILHERME ROMÃO

Não vencemos dentro de casa, mas o importante é que não perdemos ponto. Faltou mais tranquilidade com a bola no pé.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Oeste 0 x o Paysandu

Oeste e Papão empatam e Rubrão
se mantém na Série B do Brasileiro

Na despedida de Yago Pikachu do Paysandu, times não saem do
0 a 0 e resultado garante time paulista na Série B do Brasileiro de 2016

Oeste x Paysandu, Série B (Foto: Reprodução / Premiere)

Oeste e Paysandu fizeram um duelo de poucas emoções na rodada final da Série B

(Foto: Reprodução / Premiere)

Com o Paysandu apenas se despedindo da Série B, a missão do Oeste para se manter na competição no ano que vem era só uma: sair de campo com o empate na última rodada. E foi justamente isso o que aconteceu. Em um jogo de poucas emoções, o Rubrão segurou o empate contra o Papão em 0 a 0, e conseguiu escapar do tão temido rebaixamento à Série C, que acabou sobrando para o Macaé.

A partida também marcou a despedida de Yago Pikachu do Paysandu. O lateral direito está com contrato encerrando e não irá renovar com o clube paraense, deixando a equipe que o revelou após quatro temporadas, com 221 jogos e 62 gols. O destino do lateral está entre Flamengo e Vasco.

O resultado deixou o Oeste com 44 pontos, ocupando a 16ª colocação, com um ponto a mais do que o Macaé, rebaixado juntamente com ABC, Boa Esporte e Mogi Mirim. Já o Paysandu termina a competição com 60 pontos, ficando na sétima posição.

Com um time precisando apenas empatar e outro se despedindo da Série B, o jogo no estádio José Liberatti começou tranquilo, com as duas equipes se resguardando bastante. Tanto que o primeiro lance de perigo aconteceu somente aos 23 minutos, quando, após o goleiro Emerson sair da área para cortar lançamento de cabeça, Renan Mota tentou de cobertura, com a bola quicando no gramado e quase enganando o número 1 do Papão. Sete minutos depois, o meia Mazinho fez excelente jogada pela direita e forçou Emerson a trabalhar novamente. Aos 32, Jhonnatan lançou Yago Pikachu, que dominou sozinho na área e tocou na saída do goleiro Leandro Santos, mas a bola foi pra fora.

No segundo tempo, com a notícia de que o Ceará vencia o Macaé por 1 a 0, o Rubrão voltou mais tranquilo para o jogo. Ainda assim, a partida seguiu sem grandes emoções para o torcedor. Aliás, aos 8 minutos, o confronto teve o lance mais importante e inusitado dos 90 minutos. O goleiro Emerson foi tentar chutar uma bola atrasada e deu uma furada incrível. A bola sobrou para Mazinho, que bateu forte, certo do gol, mas Emerson, de forma brilhante, salvou o que seria o primeiro gol da partida. Com a permanência garantida, as equipes esperaram apenas o apito final.

GLOBO ESPORTE.COM

Resultado foi ruim, poderia ser pior, mas o Fortaleza tem tudo para garantir o acesso

Marcelinho Paraíba é um dos líderes do Tricolor (Foto: Nodge Nogueira/Fortalezaec.net)

Marcelinho Paraíba é um dos líderes do Tricolor (Foto: Nodge Nogueira/Fortalezaec.net)

Dizer que o empate sem gols com o Macaé, fora de casa, no primeiro jogo do mata-mata não foi ruim para o Fortaleza é exagero. Claro que foi ruim. Até porque, qualquer empate com gols, elimina o time tricolor.

Um vacilo, um erro da zaga ou uma falha da arbitragem, podem atrapalhar tudo. Isso sem contar naquele velho clichê: “Tem dia que a bola não quer entrar”.

O técnico do Macaé, Josué Teixeira, já avisou que vai jogar lá atrás, esperar o erro do time tricolor e o apoio da torcida virar impaciência.

Por outro lado, da mesma forma, acho exagero acreditar que o Fortaleza não pode ganhar no Castelão. Marcelinho Paraíba, ao final da partida desse sábado, foi muito feliz em sua declaração: “Vamos jogar em casa, no campo que a gente conhece e com 60 mil torcedores a nosso favor. Só depende da gente”.

O Fortaleza só precisa de uma vitória simples. Por isso, a zaga fluminense pode errar, vacilar e o árbitro falhar. Se não bastasse, vejo o time leonino superior. Se estiver num dia comum, não precisa nem estar inspirado, creio num triunfo tricolor sem maiores problemas.

O grande entrave é saber se o gol não sair no 1º tempo, a ansiedade e a pressão pelo resultado positivo vão afetar Marcelinho, Corrêa, Robert e cia.

Assim como em 2012, contra o Oeste, e ano passado, ante o Sampaio Corrêa, o Fortaleza tinha tudo para garantir a vitória e conquistar seu objetivo, no próximo sábado, a projeção é a mesma.

Sem querer desmerecer, mas se o Fortaleza não conseguir ganhar do esforçado time do Macaé, mas que tecnicamente deixa muito a desejar, realmente, não merece o tão sonhado acesso.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 19/10/2014

Oeste 3 x 1 Ceará

(Foto: Christian Alekson/CearaSC.com)

O Ceará teve uma noite para ser esquecida. O Mais Querido foi até o estádio dos Amaros, em Itápolis/SP, e encarou o Oeste, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B 2014, saindo de campo com a derrota por 3 x 1. Os cearenses tiveram muitas chances de balançar as redes e recuperar a liderança da competição, mas erraram de forma excessiva não conseguiram reverter o placar favorável aos paulistas.

Logo aos quatro minutos da etapa inicial, Fábio Santos recebeu cruzamento e desviou de cabeça. A bola sobrou para Serginho, livre, empurrar para o fundo das redes e colocar o Oeste na frente. O Mais Querido tentou reagir com Eduardo, que foi travado no momento da finalização.

O empate alvinegro veio aos 15 minutos, quando Vicente recebeu de Lima e chutou forte. A bola bateu na trave, mas sobrou para Nikão, que cabeceou por cobertura e mandou para o gol: 1 x 1. A virada quase aconteceu aos 20 minutos, quando Ricardinho cobrou falta e obrigou o goleiro Anderson a fazer grande defesa. O camisa 1 do Oeste voltou a salvar três minutos depois, quando Lima cabeceou colocado, mas parou no arqueiro paulista.

Melhor em campo e mais perigoso no ataque, o Vozão seguiu pressionando. Samuel Xavier parou no goleiro Anderson aos 31 minutos. Depois disso, o Ceará passou a apostar nas bolas paradas, mas não conseguiu balançar as redes e o placar ficou na igualdade.

Para o segundo tempo, o Vovô voltou tomando um susto. Logo aos três minutos, Fábio Santos recebeu na área e cabeceou colocado, no entanto, o goleiro Jailson fez boa defesa. Na sequência, Lulinha recebeu de Vicente e desviou de cabeça, porém, a bola saiu pela linha de fundo.

Aos dez minutos, Ricardinho cobrou falta com muita força, mas Anderson conseguiu a defesa e viu a bola ainda bater no travessão. Dois minutos depois, Nikão puxou contra-ataque e tentou passar pelo goleiro, que saiu bem do gol e conseguiu evitar a virada. Depois deste lance, Sérgio Soares colocou Souza na vaga de Lulinha.

A grande chance de fazer 2 x 1 foi desperdiçada por Ricardinho, aos 19 minutos. O camisa 8 recebeu cruzamento de Samuel Xavier e, sem marcação, mandou por cima do gol. Dois minutos depois, Souza recebeu cruzamento de Eduardo e cabeceou para grande defesa de Anderson. No rebote, Vicente fez o gol, mas a arbitragem marcou impedimento em mais um lance polêmico.

Se o Vozão criou inúmeras chances e desperdiçou , o Oeste fez diferente. Aos 22 minutos, Halisson recebeu cruzamento e cabeceou no canto direito de Jailson, fazendo 2 x 1 para os paulistas. Quatro minutos depois, Roger Gaúcho recebeu na área e chutou cruzado, ampliando para os donos da casa: 3 x 1.

O Ceará tentou responder com Lima, aos 27 minutos, mas a cabeçada do camisa 9 parou nas mãos do goleiro Anderson. Depois disso, o técnico Sérgio Soares colocou Felipe Amorim e Assisinho nas vagas de Eduardo e Ricardinho, respectivamente. Aos 38 minutos, Felipe Amorim chutou de fora da área e quase diminui.

Com 39 minutos, a situação do Mais Querido ficou ainda mais difícil, quando Nikão recebeu cartão vermelho direto e deixou o Ceará com um homem a menos. Nos minutos finais, o Oeste passou a administrar a vantagem e segurou a vitória até o apito final. O resultado deixou o Ceará com 35 pontos, ocupando a terceira colocação.

A delegação alvinegra retorna para casa na tarde deste domingo, 07/09, quando parte do grupo já inicia a preparação para o jogo diante do América/MG. A reapresentação geral será na segunda-feira, 08/09, às 15h30min.

 

Site do Ceará Sporting Club

Tom Barros comenta que o Ceará precisa derrotar o Oeste hoje às 21h00

No último compromisso entre os cearenses e os paulistas, o Mais Querido venceu por 1 x 0

No último compromisso entre os cearenses e os paulistas, o Mais Querido venceu por 1 x 0
(Foto: Divulgação/CearaSC.com)

De mais ninguém

Hoje, em Itápolis, o compromisso do Ceará com a liderança. Bater no Oeste é a missão. Primeiro, superar a dor da frustração. E depois cantar um pouco o trecho da música sucesso de Marisa Monte: “Se ela me deixou a dor, é minha só, não é de mais ninguém. Aos outros eu devolvo a dor”. Hora, pois, de devolver a dor. Curar, sarar, com vitória sobre o Oeste. E liderança.

 

Tom Barros – Jogada – Diário do Nordeste – 06.09.2014

Oeste 0 x 0 Icasa

 0 x 0 

11ª RODADA
OESTE E ICASA FICAM NO ZERO E SE MANTÊM PRÓXIMOS DO Z-4 DA SÉRIE B
Após folga da Copa do Mundo, e com elencos renovados, times apenas empatam em Itápolis. Goleiro do Rubrão pega pênalti e é o destaque do jogo .
Com certeza os poucos mais de 250 torcedores que foram ao Estádio dos Amaros, em Itápolis, nesta terça-feira, para ver o confronto entre Oeste e Icasa após a paralisação por conta da Copa do Mundo esperavam ver algo diferente do que vinha sendo apresentado por estas equipes antes da parada. Mas o duelo, válido pela 11ª rodada da Série B, terminou em 0 a 0, graças principalmente ao goleiro do Rubrão de Itápolis, que defendeu um pênalti no 2º tempo.

Oeste e Icasa retomaram a disputa na segundona nacional com muitas novidades após a parada para a Copa do Mundo, com elencos amplamente renovados – os paulistas anunciaram cinco reforços, enquanto os cearenses contrataram nada menos que 16 jogadores, em substituição a 13 dispensas. Mas o futebol apresentado  foi muito parecido com o que deixou ambas as equipes muito próximas da zona do rebaixamento.

Com o resultado, o Icasa foi a 12 pontos e ocupa a 13ª posição, enquanto o o Oeste está na 15ª colocação, com 11 pontos, ou seja, muito próximos do primeiro time dentro do Z-4, oBragantino, que tem 10 pontos. A vantagem é que Icasa e Oeste, assim como Vasco e Atlético-GO, possuem um jogo a menos que as demais equipes.

Oeste e Icasa (Foto: José Luis Silva / Agência estado)
João Denoni, do Oeste, tenta escapar da marcação de Vanger, do Icasa (Foto: José Luis Silva/Ag. Estado)

Pela 12ª rodada, o Oeste volta a campo na próxima sexta-feira, às 19h30, quando enfrenta o América-MG, no estádio Independência. Já o Icasa faz o clássico cearense diante do Ceará, no sábado, às 16h, na Arena Castelão

Renovação, só nos elencos

Oeste e Icasa iniciaram a partida com propostas bem distintas. Com o Icasa claramente preocupado apenas em se defender e sem criar uma chance sequer, coube ao Oeste tentar o gol. Mas sem um atacante de ofício, sobrou para o meia Wagninho perder as principais oportunidades em dois cabeceios para fora. O também meia Lelê arriscou de longe e deu trabalho ao goleiro Fábio. Mas foi tudo o que aconteceu no primeiro tempo.

“Começa” o jogo

Para a segunda etapa o técnico Tarcísio Pugliese colocou o Icasa mais à frente, mas não o suficiente para dar muito trabalho ao goleiro Paes, pelo menos até os 27 minutos, quando o árbitro Igor Junio Benevenuto vê como faltosa a entrada de Lucas Bahia em Núbio Flávio e anota pênalti para os cearenses. Dodó cobra à meia altura e o goleiro Paes defende. Animado, o técnico Francisco Diá mandou o Rubrão todo ao ataque, promoveu as estreias de Fininho e Ramires, que não fizeram jus à expectativa, e o jogo terminou mesmo como começou: 0 a 0.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Paraná 0 x 0 Oeste

 0 x 0 

5ª RODADA
SEM

 PONTARIA E COM ‘SÃO MARCOS’, PARANÁ E BOA EMPATAM EM 0 A 0

Paraná ainda não sabe o que é vencer na Série B ao lado do seu torcedor. Já o Boa, não consegue quebrar tabu de vencer o Paraná em Curitiba . 
O Paraná ainda não sabe o que é vencer na Vila Capanema na Série B de 2014. O Boa Esporte também não conseguiu quebrar o tabu de nunca ter superado o Tricolor em solo paranaense. Na noite fria desta sexta-feira, Paraná e Boa Esporte empataram em 0 a 0 e o destaque da partida foi o goleiro Marcos, que salvou os paranistas com belas defesas.

No primeiro tempo, o Paraná sobrou em campo. Teve maior posse de bola e quase abriu o placar com Gabriel Barcos e Keno. O Boa Esporte jogou no contra-ataque e conseguiu finalizar apenas uma vez com Thiago Carvalho. Na segunda etapa, o time de Varginha voltou superior e exigiu boas defesas do camisa um do Paraná. Entretanto, sem pontaria do setor ofensivo, o placar terminou fechado. O empate deixa o Tricolor Paranaense com cinco pontos e na nona colocação. O Boa subiu para a 12ª colocação, com os mesmos pontos. A posição dos times pode mudar com a sequência da quinta rodada, que acontece neste sábado.

O Paraná volta à campo na próxima terça-feira, diante do Avaí, às 19h30, no Estádio da Ressacada. O Boa Esporte também joga longe do seu torcedor, mas diante do Luverdense, terça-feira, às 21h50, no Estádio Municipal Passo das Emas.

Henrique no jogo Paraná e Boa Esporte (Foto: Geraldo Bubniak / Agência Estado)
Paraná e Boa Esporte não saem do 0 a 0, na Vila Capanema (Foto: Geraldo Bubniak / Agência Estado)

Com a bola rolando, o jogo começou com vantagem para o time da casa, que perdeu grande oportunidade de abrir o placar aos 16 minutos com Gabriel Barcos, que acertou a trave. Mais organizado taticamente, o Paraná era superior e tinha maior posse de bola, mas pecava no último passe. A partir dos 36 minutos, o jogo ganhou ritmo e por falta de pontaria das duas equipes, o placar terminou fechado no primeiro tempo.

As duas equipes mantiveram a postura na segunda etapa. O time de Varginha, porém, encontrou o equilíbrio entre ataque e defesa e passou a assustar nos contragolpes com a entrada do atacante Fernando Karanga. Com a maior ofensividade do time mineiro, o goleiro Marcos precisou trabalhar bastante nas finalizações de Malaquias e Fábio Junior e foi o principal responsável pela manutenção do empate sem gols, que desagradou os paranistas.

GLOBO ESPORTE .COM