O Brasil é, sem erro e pelos números, o país das novelas

Estevam Avellar/Globo

Como se isso ainda fosse necessário, os números demonstram e comprovam, sem deixar qualquer dúvida, que o Brasil é o país das novelas. Para todos os públicos e todos os gostos. Senão, vejamos: o SBT tem, além da inédita todas as noites, duas mexicanas e uma reprise na faixa da tarde; Globo, uma reprise, “Malhação” e outras quatro depois das 18 horas, e a Record, uma inédita e três reprises. Sem considerar Band e TV Aparecida, que são apenas exibidoras, é incalculável o número de profissionais envolvidos nessas produções. Não existem levantamentos a respeito, mas as novelas e o jornalismo são os que mais empregam na televisão brasileira. Difícil imaginar também que, comparativamente, qualquer outro país do mundo consiga somar números tão expressivos.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Emissoras de televisão da América Latina ainda recorrem ao ponto eletrônico em novelas

Resultado de imagem para Televisa TV Azteca

Parada no ponto
O grande problema da Televisa e de outras TVs latinas, naquilo que diz respeito à teledramaturgia, é que as suas produções são feitas na base do tirar da frente.

Fábrica de macarrão perde. É tudo feito no estúdio, sem ninguém decorar coisa nenhuma e interpretando com fone no ouvido. Foi-se o tempo.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Televisão brasileira terá 16 novelas diariamente no ar

"Caminho das Índias" volta à TV Globo na segunda-feira

“Caminho das Índias” volta à TV Globo na segunda-feira

Vamos fazer uma conta? A partir da próxima segunda-feira (27), juntando as quatro principais redes de televisão, teremos 16 novelas diariamente no ar.

A Globo com cinco inéditas e duas reprises – durante duas semanas, o “Vale a Pena Ver de Novo” terá dobradinha de “Caminho das Índias” e “O Rei do Gado”; SBT, uma inédita e quatro reprises; Record, duas reprises – “Prova de Amor” e “Dona Xepa” também voltam nesta segunda – e uma inédita; e Band, uma inédita.
Ainda que todos os donos de emissora considerem a teledramaturgia como um produto essencial em qualquer grade do Brasil, não é um pouco demais? Será que existe público para tudo isso?
Por enquanto, os números têm demonstrado que sim, mas é preciso avaliar ou procurar calcular quais serão os desdobramentos deste cenário na continuidade. Não poderá haver um esgotamento ou todo esse volume será perfeitamente assimilado pelo telespectador, provocando uma relação àquilo que é oferecido na TV fechada?
São questões que precisam ser colocadas e que, muito provavelmente, ainda não existem respostas precisas para elas. O tempo é que vai dizer.
Loteando
A iniciativa das grandes redes em se socorrer das novelas para salvaguardar as suas grades vai montar um panorama, no mínimo, curioso.
A partir de segunda-feira, praticamente teremos uma ou mais novela em cartaz da hora do almoço até o fim da noite.
Mas é o caminho
Pode ser que a dose não seja exatamente esta, mas o caminho da televisão aberta está traçado e, por enquanto, se entende como um risco sair dele.
Jornalismo, esporte, teledramaturgia e doses homeopáticas de entretenimento. E só.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Renovação nas novelas e seriados da Rede Globo é uma velha discussão

 

Eterna discussão

Sobre essa questão de renovação nas novelas e séries, o que se observa na Globo e está sempre na pauta de discussão dos atores, é que os produtores de elenco são os mesmos há mais de 20 anos.

E muitos só trabalham com a turma deles. Há muito se fala também numa renovação por aí, mas que até agora não passou de promessa.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Confira as audiências das novelas entre os dias 09/03/2015 e 14/03/2015

Império iguala recode; Alto Astral tem o melhor público; Sete Vidas conquista bons índices de audiência.