São Paulo 4 x 2 Atlético Mineiro

São Paulo mantém sonho vivo no G-4 e bate o Galo, que vê Timão campeão

Tricolor sai atrás e busca a virada com boa atuação no segundo tempo. Das cadeiras, Juan Carlos Osorio vê os gols de Alan Kardec (2), Michel Bastos e Luís Fabiano

São Paulo x Atlético-MG Luis Fabiano Rogério Alan Kardec (Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Jogadores comemoram gol do São Paulo (Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Noite de sonhos no Morumbi. Acabado, para o lado atleticano, vivo para o são-paulino. O Tricolor arrancou uma vitória suada e importante ao bater o Galo, por 4 a 2, de virada – com todos os gols marcados no segundo tempo – e viu a chance de disputar a Taça Libertadores no ano que vem crescer ainda mais. Já ao Atlético-MG, que mesmo com a derrota se garantiu na fase de grupos da próxima Libertadores, resta brigar agora pelo vice-campeonato, já que o resultado confirmou o título para o líder Corinthians.

Os mineiros bem que tentaram adiar a decisão do campeonato ao ficar duas vezes na frente no placar, com Luan e Dátolo. Mas o São Paulo buscou o triunfo até o final e foi recompensado com os gols de Alan Kardec (2), Michel Bastos, com um belo gol de fora da área, e Luis Fabiano, e chegou aos 56 pontos, entrando no G-4.

Na próxima rodada, o São Paulo será coadjuvante na festa do arquirrival Corinthians, domingo, às 17h (de Brasília), na Arena Corinthians. No mesmo horário, o Atlético-MG encara o Goiás, no Independência.

Poucas chances

As duas equipes demonstravam posturas diferentes em campo desde o início da partida. O Galo, que já havia assumido a condição de iminente vice-campeão, após a derrota para o Corinthians, jogava tranquilo, leve, solto em campo. Já o Tricolor, por travar acirrada luta por uma das vagas pela Libertadores, atuava de maneira afobada, e não conseguia tramar um contra-ataque de qualidade.

Morumbi, São Paulo x Atlético-MG  (Foto:  MARCOS BEZERRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)
Marcos Rocha disputa bola com Carlinhos
(Foto: MARCOS BEZERRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

O primeiro tempo, pode-se dizer, foi sonolento para os torcedores que foram ao Morumbi, sob chuva. Enquanto o time são-paulino levou perigo apenas em uma cabeçada de Luís Fabiano, que Victor defendeu sem sustos, a equipe mineira, apesar de ter tido mais posse de bola, assustou o goleiro Dênis em um chute torto de Luan, de fora da área. A bola saiu perto da trave direita.

Outra história

Já o segundo tempo, a história foi outra. O técnico Juan Carlos Osorio, ex-treinador do São Paulo, que assistia a partida das cadeiras, ao lado da esposa, viu o zagueiro atleticano Tiago, que substituía o suspenso capitão Leonardo Silva, colocou Luan cara a cara com Dênis para abrir o placar.

Mas o treinador colombiano também viu Alan Kardec empatar, depois de boa jogada de Thiago Mendes.E viu a felicidade de outro treinador, dois minutos depois. Levir Culpi tirou o centroavante Lucas Pratto, logo após o gol sofrido, e colocou Thiago Ribeiro que, no primeiro lance, fez grande lance e deixou Dátolo livre para recolocar o Galo na frente.

E, para brindar a visita do o ex-treinador, o meia Michel Bastos, que chegou a reclamar de Osorio por ser sacado do time, marcou um golaço. Ele dominou a bola e sem deixar cair, acertou na gaveta de Victor.

São Paulo x Atlético-MG Osorio  (Foto: Marcelo Prado)
Juan Carlos Osorio, ex-técnico do São Paulo, esteve no Morumbi para assistir à partida
(Foto: Marcelo Prado)

O jogo ganhou contornos de drama, após o sistema de som do Morumbi anunciar o gol do Vasco contra o Corinthians, em São Januário. A chama de esperança levava o Galo para frente. Já o São Paulo, mesmo desorganizado, chegou à virada, com Alan Kardec, para delírio dos tricolores no estádio, que sentem a vaga para a Libertadores 2016 mais perto. Luis Fabiano ainda teve tempo de ampliar, de pênalti.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Flávio Ricco comenta as agressões racistas contra Taís Araújo e Michel Bastos nas redes sociais

Só uma pessoa sem noção completa é capaz de cometer agressões como as que foram cometidas contra a atriz Taís Araújo e o jogador Michel Bastos nos últimos dias…
… Gente que se esconde nas redes sociais, mas são covardes e nunca usam seus próprios nomes…
… Atacam sem se identificar. Dignas do pior desprezo.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

São Paulo 3 x 0 Sport

São Paulo bate o Sport, mas vitória do Santos sobre Verdão tira vaga no G-4

Time do técnico Doriva faz 3 a 0 no Sport, no Morumbi, mas vê rival ficar à frente por ter melhor saldo de gols após vencer clássico neste domingo, na Vila Belmiro

A vitória por 3 a 0 sobre o Sport levou o São Paulo provisoriamente ao G-4 do Campeonato Brasileiro no sábado. Mas de nada adiantou a torcida neste domingo. O triunfo do Santos por 2 a 1 sobre o Palmeiras levou o Peixe de volta ao grupo dos melhores times do torneio e recolocou a equipe do Morumbi na quinta colocação.

Na partida realizada no Morumbi, os gols que levaram o time paulista aos 53 pontos foram marcados por Ganso e Luis Fabiano, no primeiro tempo, e Michel Bastos, no segundo. Foi o segundo triunfo seguido na competição nacional. A equipe pernambucana, que vinha de três resultados positivos, continua com 49 pontos.

Na próxima rodada, no domingo que vem, o São Paulo vai ao Mineirão enfrentar o Cruzeiro, às 17h. Às 19h30, o Sport recebe o Grêmio na Ilha do Retiro.

São Paulo x Sport Luis Fabiano (Foto: Marcos Ribolli)
Jogadores do São Paulo comemora o segundo gol contra o Sport, de Luis Fabiano, no Morumbi (Foto: Marcos Ribolli)

O jogo

O primeiro tempo foi de domínio total do São Paulo, que criou a primeira chance de perigo aos oito minutos, quando Pato cabeceou uma bola na trave. Aos 18, Ganso abriu o placar após cruzamento de Wesley. Aos 42, Luis Fabiano recebeu passe de Pato e fez o segundo.

O Sport teve apenas uma oportunidade clara de gol, aos 33, quando Matheus Ferraz, de dentro da pequena área, chutou uma sobra de bola em cima de Denis. Falcão montou o Leão com três atacantes – Maikon Leite, Élber e André –, mas não deu resultado.

Nada mudou no segundo tempo. Aos 18, Michel Bastos chutou de fora da área para fazer o terceiro gol, mas, em vez de comemorar, fez um sinal de silêncio para a torcida tricolor – minutos antes, ele tinha tomado algumas vaias após errar um cruzamento. Havia 14.002 pagantes do Morumbi, com renda de R$ 374.430,00.

O entrevero não manchou o jogo, até porque o jogador foi substituído em seguida. Doriva, mesmo com o futuro indefinido para 2016, levou o Tricolor à segunda vitória sob seu comando. A vaga na Libertadores pode fazer com ele continue até lá.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Copa do Brasil 2015 – Santos 3 x 1 São Paulo

Santos passeia, vence o São Paulo de novo, e enfrentará o Palmeiras na final

Com massacre no início, três gols em 23 minutos e um adversário completamente perdido, Peixe mantém sequência na Vila e chega à mais uma decisão na temporada

Como se enfrentasse um time de crianças, o Santos passeou na Vila Belmiro. Venceu o São Paulo com a maior facilidade por 3 a 1 e confirmou o que já se sabia desde a quarta-feira passada, quando fez o mesmo placar no Morumbi: está na final da Copa do Brasil. O adversário será o Palmeiras, que eliminou o Fluminense nos pênaltis. O confronto dos dias 25 de novembro e 2 de dezembro repetirá a decisão do último Paulistão, que teve o Peixe campeão.

Em 23 minutos, o placar agregado apontava 6 a 1 para o Santos. Uma vantagem que talvez ainda seja pequena para retratar a diferença de intensidade, concentração, disposição e capacidade de decisão entre os dois times, sem falar na escalação suicida do São Paulo, com Michel Bastos, Ganso, Alexandre Pato, Alan Kardec, Luis Fabiano e nenhuma organização.

Em vez de optar pela acomodação da primeira vitória, a equipe treinada por Dorival Júnior pressionou desde o início no campo de ataque. Em 40 segundos, criou uma chance. Os gols, dois de Ricardo Oliveira e um de Marquinhos Gabriel, saíram sempre em saídas rápidas para o campo de ataque e finalizações precisas. Registre-se: houve falta de Lucas Lima em Ganso no início do lance que terminou num golaço de Marquinhos Gabriel.

Com seu erro escancarado, Doriva tirou Luis Fabiano, com cartão amarelo, e preencheu espaço no meio com Wesley. A única coisa a ganhar, àquela altura, era o mínimo de dignidade.

O São Paulo voltou para o segundo tempo com Denis no lugar de Rogério Ceni, que, logo no início, em dividida com Lucas Lima, chutou o chão e sentiu o tornozelo direito. O Santos voltou com a ordem de Dorival Júnior para não relaxar.

A ordem não foi cumprida. Tanto que Michel Bastos diminuiu em chute de pé esquerdo, de longe, pouco depois de acertar a trave em lance idêntico. O jogo se encaminhou até a 14ª vitória consecutiva do Santos na Vila Belmiro: 100% de aproveitamento com Dorival.

 

GLOBO ESPORTE.COM

São Paulo 2 x 0 Internacional

Com estreia eletrizante de Rogério, São Paulo vence Inter e volta ao G-4

Atacante de 24 anos abre o placar um dia depois de ser apresentado e sai aplaudido do Morumbi. Inter não aproveita os desfalques do adversário e empaca no Brasileirão

Conhece Rogério? Não Ceni… Só Rogério! Apresentado na sexta-feira, o atacante de 24 anos foi o responsável por recolocar neste sábado o São Paulo no G-4 do Campeonato Brasileiro. Revelado pelo Porto de Caruaru, vinculado ao Náutico e vindo do Vitória, o Neymar do Nordeste – apelido de que não gosta – fez o primeiro gol da vitória por 2 a 0 sobre o Internacional, no Morumbi, pela 23ª rodada da competição nacional.

São Paulo x Internacional Rogério Michel Bastos (Foto: Marcos Ribolli)
Rogério (à esq.) festeja seu gol com Michel Bastos, autor do segundo do São Paulo contra o Inter (Foto: Marcos Ribolli)

Antes do jogo, diante de 20.935 pagantes (com renda de R$ 569.709,00), o goleiro-artilheiro tricolor, um dos 11 desfalques de Juan Carlos Osorio contra o time colorado, foi homenageado pelos 25 anos de clube, que serão completados na segunda-feira.

Na quarta-feira, pela 24ª rodada do Brasileirão, o Inter, que continua na parte intermediária da tabela, recebe o Palmeiras no Beira-Rio, às 19h30. O São Paulo faz clássico contra o Santos, às 22h, na Vila Belmiro.

O jogo

O primeiro tempo foi um jogo de ataques contra defesas. Com lançamentos ou passes rápidos das duas equipes, a bola praticamente não parava no meio de campo. Com a posse de bola dividida pela metade, foram 11 finalizações, sete do São Paulo e quatro do Internacional.

O Tricolor foi mais perigoso, principalmente por causa do estreante Rogério, atacante que veio do Vitória. Aos 4 minutos, ele quase fez um golaço, mas Muriel espalmou a bola para escanteio. Aos 18, sem o goleiro na jogada, ele finalizou mal um cruzamento de dentro da área.

A chance mais clara do Colorado aconteceu aos 38, quando Valdivia invadiu a área, mas chutou no meio do gol para defesa de Renan Ribeiro.

A volta para o segundo tempo pareceu continuação da etapa inicial. Logo aos 3 minutos, Rogério abriu o placar. Ganso fez grande jogada pelo meio e tocou para Wilder na ponta direita, que cruzou para o estreante marcar de cabeça seu primeiro gol pelo São Paulo.

E o jogo passou a ter um time só. Animado, Rogério gastou a bola pela ponta esquerda. Driblou, sentiu, quase saiu machucado… Mas continuou em campo para ser o que mais finalizou (três vezes) e o que mais sofreu faltas (também três). No Inter, Argel Fucks tentou reequilibrar as ações com Anderson no lugar de Sacha, mas não deu certo.

Aos 26, Michel Bastos fez o segundo gol dos donos da casa, após passe de Ganso, de dentro da área. Foi a deixa para, um minuto depois, o nome do jogo ser substituído: Rogério saiu aplaudido do gramado do Morumbi.

 

GLOBO ESPORTE.COM

São Paulo 3 x 0 Ponte Preta

Com grande atuação do sistema ofensivo, Tricolor confirma reação e dorme no G-4

Embalado pela vaga na Copa do Brasil, São Paulo goleia a Ponte Preta em noite inspirada de GansoAlexandre Pato São Paulo x Ponte Preta (Foto: Marcos Ribolli)

O Tricolor retornou – mesmo que momentaneamente – ao G-4 do Campeonato Brasileiro. Na noite deste sábado (29), embalado pela heroica classificação na Copa do Brasil – nunca havia revertido um mata-mata após perder a primeira partida no Morumbi -, o São Paulo goleou a Ponte Preta por 3 a 0 com grande atuação do sistema ofensivo. Com o Maestro Paulo Henrique Ganso inspirado, a equipe são-paulina conseguiu envolver o adversário e dormirá entre os líderes enquanto aguarda o encerramento da 21ª rodada.

Nos últimos dias, para tentar equilibrar o time e retornar ao caminho das vitórias, o técnico Juan Carlos Osorio afirmou que o Tricolor precisava ser mais efetivo no sistema ofensivo. E foi exatamente isso que aconteceu neste final de semana. Sem desperdiçar as oportunidades, o São Paulo balançou as redes com Michel Bastos, Ganso e Wilder – o seu primeiro pelo clube – e assumiu a quarta colocação, agora com34 pontos. Na próxima rodada, para tentar manter o embalo, o Tricolor visitará o Joinville na quarta-feira (2), em Santa Catarina.

Para encarar os campineiros, assim como nas últimas partidas, o time teve uma série de desfalques. Carlinhos (tendinite no músculo posterior da coxa direita), foi baixa de última hora. Além do camisa 6, Luis Fabiano (lesão no joelho direito), Bruno (suspenso), Breno (estiramento muscular na coxa esquerda), Alan Kardec (cirurgia no joelho direito), Daniel (aprimora a forma física após operar o joelho direito), Centurión (aprimora a forma física após se recuperar de mialgia no músculo adutor direito) e Denis (aprimora a forma física após operar o ombro direito) não reuniram condições de jogo.

A lista de desfalques da equipe ainda contou com o goleiro Rogério Ceni, que voltou a sentir dores musculares na região do adutor direito durante a semana e, dessa forma, foi substituído por Renan Ribeiro. Então, sem nenhum retorno em relação ao último compromisso, o São Paulo foi escalado com Renan Ribeiro; Hudson, Rodrigo Caio, Luiz Eduardo e Reinaldo; Thiago Mendes, Wesley e Paulo Henrique Ganso; Michel Bastos, Alexandre Pato e Wilder. Com este esquema tático, o Tricolor começou o duelo num 4-3-3 convencional, com Ganso armando, Michel na direita e Pato na esquerda.

Quando a bola rolou, apesar de fragilizado, o anfitrião logo levou perigo aos visitantes. Aos 12 minutos, após batida de escanteio e defesa de Marcelo Lomba, Wilder carimbou a trave direita. No rebote, Pato chutou, mas parou nas mãos do arqueiro pontepretano. Quase o primeiro gol! Se as redes não balançaram nos instantes iniciais, a investida deu ânimo ao time, que seguiu pressionando. Aos 17, Reinaldo arriscou de longe e exigiu bastante de Lomba, que se esticou todo para praticar a defesa e conter o ímpeto tricolor.

Apesar de começar o jogo explorando o campo de ataque, o São Paulo não conseguiu impedir que a Macaca também chegasse ao gol de Renan Ribeiro. Assim, somente aos 33 minutos os donos da casa assustaram novamente. Reinaldo cruzou bonito para a área, Michel Bastos cabeceou e mais uma vez Marcelo Lomba fez grande intervenção, de mão trocada. O lance levantou a torcida nas arquibancadas, que trataram de contagiar a equipe de novo em campo.

E foi dessa forma, motivados, que os comandados do técnico Juan Carlos Osorio tiraram o zero do placar. Aos 34 minutos, Ganso fez jogada individual pela direita e bateu cruzado. Marcelo Lomba espalmou e a bola voltou para o camisa 10. Na sequência, com maestria, o armador deixou os defensores para trás e rolou para Michel Bastos, que encheu o pé para estufar as redes: 1 a 0! Ainda antes do intervalo, aos 44, o Tricolor quase anotou mais um: Pato dividiu de carrinho no meio, roubou a bola, arrancou pela esquerda e bateu por cima na saída de Lomba. A bola, porém, foi para fora.

Na volta para a segunda etapa, sem deixar o ritmo cair, o São Paulo logo ampliou a vantagem para ter mais tranquilidade na partida. Aos 4, em contra-ataque, Ganso tocou para Pato, que fez fila e exigiu defesa de Lomba. No rebote, o Maestro tocou para o fundo das redes e arrancou mais um grito de gol da torcida. Na comemoração, Ganso chamou todos os jogadores para abraçar Osorio. Muita festa no campo e nas arquibancadas do Morumbi.

Com a mesma pegada e encurralando a Ponte Preta no campo de defesa, os anfitriões marcaram o terceiro gol e fecharam a grande vitória na capital paulista. Aos 8 minutos, após cruzamento de Pato da esquerda, o colombiano Wilder mergulhou para cabecear e anotar o seu primeiro tento pelo clube: 3 a 0 e a certeza de que a equipe despertou novamente na temporada. Os gols na segunda etapa também permitiram que Osorio pudesse ‘rodar’ o elenco e promover algumas mudanças.

Os jovens Matheus Reis, Auro e Lyanco tiveram mais uma oportunidade com o treinador e ocuparam as vagas de Reinaldo, Wesley e Hudson. Daí em diante, para administrar o importante triunfo, o Tricolor tratou de trocar passes e apostar nos contragolpes para surpreender o adversário, que ainda escapou de sofrer o quarto gol: Pato recebeu bela assistência de Ganso, mas foi travado. O resultado, que reaproximou o clube dos líderes, mostrou que o São Paulo reagiu!

 

Site do São Paulo Futebol Clube

São Paulo 3 x 2 Santos

São Paulo bate o Santos no Morumbi em clássico recheado de emoção

Com gols de Michel Bastos, Paulo Miranda e Rogério Ceni, Tricolor vence por 3 a 2. Goleiros falharam, teve polêmica com o árbitro, pênaltis para os dois lados…

Cinco gols, dois pênaltis, polêmicas, expulsão, falhas de goleiros…São Paulo e Santos fizeram um clássico interessante nesta quarta-feira, no Morumbi, pela quinta rodada do Brasileirão. Levou a melhor o Tricolor, que com gols de Michel Bastos, Paulo Miranda e Rogério Ceni venceu por 3 a 2 – Ricardo Oliveira fez os dois do Peixe. O novo técnico do Tricolor, Juan Carlos Osorio, deve ter gostado do que viu. Ele assistiu ao jogo do camarote por ainda não ter visto de trabalho.

Com essa vitória, o São Paulo chegou a 10 pontos em cinco jogos e continua brigando pelas primeiras colocações do campeonato. O Santos, com cinco, segue em zona intermediária.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo joga novamente no Morumbi. Dessa vez pega o Grêmio, às 22h de sábado. No mesmo dia, só que às 18h30, o Santos recebe a Ponte Preta na Vila Belmiro. Os dois jogos são válidos pela sexta rodada da competição.

São Paulo x Santos Rogério Ceni (Foto: Marcos Ribolli)
Rogério Ceni comemora o gol da vitória do São Paulo no clássico contra o Santos
(Foto: Marcos Ribolli)

O jogo

Logo no primeiro lance de ataque do São Paulo, Paulo Miranda trombou com o goleiro Vladimir. O santista levou a pior, chegou a quase vomitar em campo, mas seguiu no jogo – foi substituído apenas no intervalo, por Vanderlei. Melhor em campo, o Tricolor teve inúmeras chances na etapa inicial. Faltou, porém, capricho no arremate final.

O primeiro gol do São Paulo, depois de tentativas com Dória e Alexandre Pato, saiu dos pés do meia Michel Bastos. Aos 33 minutos, ele bateu falta de longa distância e contou com ajuda do goleiro Vladimir, que falhou no lance: 1 a 0. Mesmo com o domínio do jogo, o Tricolor deixou o Santos empatar. Ricardo Oliveira, aos 45, viu Ceni defender seu pênalti, mas igualou no rebote.

São Paulo x Santos Comemoração (Foto: Marcos Ribolli)
Ricardo Oliveira vibra com os companheiros um dos gols do Santos na partida no Morumbi
(Foto: Marcos Ribolli)

No final do primeiro tempo, o árbitro Thiago Duarte Peixoto deu cartão amarelo para o goleiro reserva do São Paulo, Renan Ribeiro, e em seguida para Rogério Ceni. Ambos por reclamação. Na saída para o intervalo, o capitão do Tricolor disparou contra o juiz, que na volta para a etapa final não quis entrar em confronto com o jogador.

Ceni continuou em evidência no começo do segundo tempo, assim como Ricardo Oliveira. Após lançamento de Lucas Lima, o atacante chutou cruzado, e o goleiro tricolor falhou. Era a virada do Peixe no Morumbi. Só que o São Paulo conseguiu reagir rapidamente. Aos 4 minutos, Thiago Mendes bateu escanteio para área, e Paulo Miranda, de cabeça, empatou.

Nenhum dos dois times se acomodou com o empate. São Paulo e Santos tentaram, cada um à sua maneira, chegar à vitória. Mas o Tricolor levou a melhor. Aos 39 minutos, de pênalti, Rogério Ceni virou a partida para os donos da casa. O goleiro chegou a 128 gols com a camisa tricolor, igualou Raí e se tornou o 10º maior artilheiro da história do Tricolor.

O Peixe ainda tentou correr atrás de uma reação, mas Marquinhos Gabriel foi expulso e as coisas ficaram mais difíceis com um a menos. Melhor em campo na soma dos dois tempos, o São Paulo mereceu a vitória.

São Paulo x Santos Thiago Mendes Victor Ferraz (Foto: Marcos Ribolli)
Thiago Mendes e Victor Ferraz disputam bola durante o clássico no Morumbi
(Foto: Marcos Ribolli)
GLOBO ESPORTE.COM

São Paulo 3 x 0 Joinville

Pressionado por protestos, São Paulo vence o Joinville no Morumbi

Dória, Michel Bastos e Alexandre Pato fizeram os gols da vitória por 3 a 0 do Tricolor. Recém-promovido à elite, time catarinense está na zona do rebaixamento

Protesto da torcida na chegada ao estádio, vaias direcionadas antes, durante e depois do jogo, boa atuação diante de um adversário fraco… A vitória do São Paulo sobre o Joinville, por 3 a 0, neste sábado, no Morumbi, pela terceira rodada do Brasileirão, teve os ingredientes comuns a um momento pós eliminação na Libertadores e início oscilante de competição nacional.

Os gols de Dória, Michel Bastos e Alexandre Pato ajudaram a acalmar os ânimos do torcedor, que dentro do Morumbi se dividiu entre vaias e aplausos. Ao menos passou o clima pesado após a eliminação para o Cruzeiro, na Libertadores, e a derrota para a Ponte Preta, no Brasileirão.

Agora com duas vitórias e uma derrota na competição, o São Paulo chega a seis pontos. O time catarinense, com apenas um ponto em três rodadas, está na zona de rebaixamento.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo joga fora de casa. No domingo, às 16h, o Tricolor visita o Internacional, no Beira-Rio, em Porto Alegre. O Joinville, por sua vez, faz o jogo das 21h no sábado, contra o Atlético-PR, em casa.

Michel Bastos São Paulo x Joinville (Foto: Marcos Ribolli)
Michel Bastos comemora o segundo gol do São Paulo contra o Joinville, no Morumbi
(Foto: Marcos Ribolli)

O jogo

Os protestos da torcida, dentro e fora do Morumbi, mexeram com o São Paulo. Pelo menos nos primeiros 20 minutos do primeiro tempo. Sem dar qualquer espaço ao Joinville, o Tricolor foi ao ataque e levo perigo aos catarinenses. É verdade que Luis Fabiano e Michel Bastos deram duas furadas na grande área, mas Thiago Mendes obrigou Oliveira a grande defesa aos 10 minutos.

No minuto seguinte, após cruzamento de Bruno da direita, Dória não deu chance ao goleiro do Joinville. Com cabeçada certeira, o zagueiro abriu o placar para o São Paulo. Aos poucos, no entanto, os donos da casa diminuíram o ritmo. A diferença técnica entre as equipes, porém, dez com que o Joinville não conseguisse aproveitar e levar perigo. Ceni apenas observou.

São Paulo x Joinville (Foto: Marcos Ribolli)

Na saída para o intervalo, Luis Fabiano, que saiu para a entrada de Alexandre Pato, desabafou sobre os protestos e o momento com o time. Pato ficou alheio a isso e deu mais velocidade ao ataque tricolor. Mais do que isso. O camisa 11 deu belo passe para Michel Bastos acertar lindo chute cruzado de esquerda, aos 13 minutos, e ampliar para o São Paulo.

Sem força para reagir, o Joinville obrigou Ceni a importante defesa em chute de Jael. E só. Já o Tricolor teve outras inúmeras chances de ampliar, mas parou na falta de pontaria. Até que Pato, depois de algumas tentativas, acertou o alvo. Aos 40, depois de passe de Thiago Mendes, ele acertou belo chute rasteiro: 3 a 0. Vitória que ameniza a cobrança do torcedor são-paulino.

São Paulo x Joinville (Foto: Marcos Ribolli)
Dória, de cabeça, fez o primeiro gol do São Paulo na vitória deste sábado, no Morumbi
(Foto: Marcos Ribolli)
GLOBO ESPORTE.COM

Sport 1 x 0 São Paulo

1 x 0

38ª RODADA
GAROTO JOELINTON MARCA, E SPORT BATE O SÃO PAULO NA ARENA PERNAMBUCO
Em jogo morno, gol no início da partida garante vitória que faz o Leão terminar o Brasileirão na 11ª colocação. Tricolor fica com o vice-campeão.

Se Eduardo Baptista e Muricy Ramalho queriam usar a última rodada do Campeonato Brasileiro para fazer observações nos elencos para 2015, só o técnico do Sport deve tirar algum proveito. Em um jogo em ritmo de férias, quem apareceu foi o garoto Joelinton, de apenas 18 anos. O centroavante de 1,90m e certa semelhança com Adriano Imperador fez o gol da vitória do Leão por 1 a 0 sobre o São Paulo, neste domingo, na Arena Pernambuco.

Joelinton Sport x São Paulo (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)

Joelinton comemora o gol marcado sobre o São Paulo (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)

O jogo foi decidido em três minutos. Começou pela arrancada de um incansável Renê, escalado nas 38 rodadas do torneio, até a finalização certeira da maior aposta das categorias de base do Sport nos últimos anos – ele ainda mandou uma bola no travessão no segundo tempo. O São Paulo, mesmo com Souza, Alan Kardec, Pato e Michel Bastos, fez pouco.

O Leão termina o torneio com 52 pontos em 11º lugar. A equipe dirigida pelo técnico Eduardo Baptista chegou a flertar com os primeiros lugares nas rodadas iniciais, mas não conseguiu se segurar em alta e acabou caindo na classificação. Por outro lado, passou longe da luta contra o rebaixamento para a Série B.

O São Paulo dá adeus com 70 pontos conquistados e a segunda posição. Faltou fôlego para buscar o campeão Cruzeiro, mas o sentimento no clube é de dever cumprido. No ano passado, o Tricolor escapou do rebaixamento nas rodadas finais e usou 2014 para reformular o elenco. Muricy quer reforços para subir um degrau e conquistar títulos, sobretudo a Taça Libertadores, grande alvo para 2015.

Gol relâmpago

Antes da partida, os técnicos Eduardo Baptista e Muricy Ramalho destacaram a importância da partida para fazer observações visando 2015. No que depender do início de jogo, o Sport tem as vagas de lateral-esquerdo e centroavante preenchidas. Logo aos três minutos, Renê fez grande jogada em velocidade e abriu espaço para o garoto Joelinton, aposta vinda da base, soltar a bomba para abrir o placar.

E foi só. O Sport recuou à espera de um contra-ataque que não apareceu. O São Paulo também não se esforçou muito para reagir. O time concentrou boa parte de suas jogadas pelo lado esquerdo, com Osvaldo e Reinaldo nas costas de Patric, mas não levou perigo. Michel Bastos, Alexandre Pato e Alan Kardec também pouco fizeram. Susto mesmo só com Rafael Toloi, que ficou caído no gramado após um choque de cabeça com Mike. Ele recebeu atendimento e voltou normalmente ao jogo.

sport x são paulo (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
Denilson tenta levar o São Paulo ao ataque: Tricolor jogou mal (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)

 

 

 

De dar sono
O São Paulo voltou para o segundo tempo com Boschilia na vaga de Alexandre Pato para tentar melhorar. O Tricolor passou a ter mais mobilidade e, enfim, criou uma boa chance que Magrão segurou após desvio de primeira de Osvaldo na área. O Sport também cresceu e quase fez o segundo, com o zagueiro Ewerton Páscoa arrancando de trás e chutando perto do ângulo esquerdo de Denis. Em seguida, Danilo errou cara a cara.

Muricy aproveitou para dar oportunidade a mais um garoto vindo do CT de Cotia. Ewandro foi a campo em substituição a Osvaldo para dar ainda mais velocidade ao Tricolor. Nada, porém, que mudasse o rendimento do time. Chutes fortes de Michel Bastos e Ademilson foram o máximo que o time conseguiu. O Sport se defendeu bem. Joelinton ainda colocou uma bola no travessão e termina 2014 como a grande esperança do Leão para 2015.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Confira a audiência de São Paulo 4 x 2 Emelec

O canal pago Fox Sports ficou em primeiro lugar no ranking da TV por assinatura durante a transmissão de São Paulo x Emelec (EQU), em 30 de outubro, pela Copa Sul-Americana. O jogo alcançou 0,74 de audiência entre homens de 18 a 49 anos, 68% a mais do que o Sportv (0,44), vice-líder. A ESPN Brasil, em terceiro, marcou 0,16.