Real Madrid 3 x 4 Barcelona

No duelo das duplas, Messi fez a diferença. O argentino brilhou mais do que Neymar, Cristiano Ronaldo e Bale, marcou três vezes e garantiu a vitória do Barcelona por 4 a 3 sobre o Real Madrid, neste domingo, no Santiago Bernabéu, pela 29ª rodada do Campeonato Espanhol.

Iniesta abriu o placar logo aos seis minutos, em passe do argentino. Benzema chegou a balançar a rede duas vezes e virar para os merengues, mas Messi garantiu o 2 a 2 antes do intervalo. No começo do segundo tempo, CR7 deixou o Real em vantagem novamente, cobrando pênalti, em falta de Daniel Alves sofrida fora da área, aos nove. Mas outras duas penalidades máximas, uma em Neymar, aos 19, quando Sergio Ramos acabou expulso, e outra em Iniesta, aos 38, foram convertidas pelo camisa 10 do time catalão e garantiram os três pontos para os catalães.

Messi barcelona cristiano Ronaldo real madrid (Foto: Agência AP)
Messi comemora gol do Barcelona diante de Cristiano Ronaldo: argentino brilha mais do que rival (Foto: Agência AP)

 

Além de desequilibrar o clássico, Messi alcançou mais duas marcas históricas. Com os gols, chegou a 21 no clássico, assumindo a artilharia isolada do histórico do confronto e deixando para trás seu compatriota Di Stéfano, ídolo merengue, com 18. Também se tornou o segundo de todos os tempos na estatística do Campeonato Espanhol. Chegou a 236, superou o mexicano Hugo Sánchez, outro ex-jogador do Real, e também do Atlético de Madrid e Rayo Vallecano, autor de 234, e ficou a 15 do recordista no quesito, Telmo Zarra, ex-Athletic Bilbao, de 1940 e 1955. De quebra, transformou o rival em sua principal vítima. Contra o adversário deste domingo, balançou a rede 21 vezes, uma a mais do que no Atlético de Madrid.

Na classificação, o Barcelona foi a 69 pontos, encostou no Real Madrid e ajudou a tirar o rival da liderança. Com os mesmos 70 pontos que os merengues, estão o Atlético de Madrid, também vitorioso neste domingo, diante do Bétis, e à frente por causa do primeiro critério de desempate, o confronto direto – venceu no Santiago Bernabéu e empatou no Vicente Calderón.

As duas equipes voltam a campo na quarta-feira. O Barcelona recebe o Celta de Vigo, às 16h (de Brasília), e o Real enfrenta o Sevilla, fora de casa, às 18h (de Brasília). O GloboEsporte.com transmite ambas as partidas em Tempo Real. No dia 15 de abril, os rivais têm outro confronto marcado, na final da Copa do Rei, no estádio Mestalla, em Valência.

DI MARÍA DÁ BAILE EM DANIEL ALVES

 

iniesta barcelona x real madrid  (Foto: Getty Images)
Iniesta comemora primeiro gol do clássico depois de passe de Messi (Foto: Getty Images)

Desde os primeiros minutos, o jogo foi disputado com intensidade proporcional à expectativa. O Real Madrid deixou claro logo em suas investidas iniciais no ataque que forçaria as jogadas pela esquerda, em cima de Daniel Alves. O Barcelona tratou de aproveitar a liberdade de Messi pelo meio e, assim, armou o primeiro lance de perigo e fez seus dois gols. Logo aos três, o argentino disparou e deu um ótimo toque rasteiro para Neymar entrar na área e concluir, mas o chute do brasileiro foi em cima do goleiro. Pouco depois, o camisa 10 voltou a acertar um lançamento, para a esquerda, descobrindo Iniesta livre. O espanhol entrou na área e soltou a bomba no ângulo oposto, abrindo o placar.

O Real manteve sua estratégia de forçar as jogadas pela esquerda e virou o placar em pouco tempo. Depois de perder duas chances dentro da área, aos 11 e 12, Benzema acertou, empatando aos 19 e fazendo 2 a 1 aos 23. Em ambos os lances, Di María fez jogada pela esquerda em cima da marcação de falha de Daniel Alves e cruzou. Mascherano perdeu pelo alto nas duas e deixou o atacante francês em boas condições para marcar, primeiro de cabeça e depois dominando com a coxa e chutando forte.

benzema  barcelona x real madrid  (Foto: AP)
Benzema enche o pé e faz o gol da virada do Real Madrid sobre o Barcelona depois de falha de Mascherano (Foto: AP)

 

A virada abateu o Barcelona, e o Real quase ampliou a vantagem. Aos 25, Di María superou de novo a marcação de Daniel Alves e cruzou, e mais uma vez foi Benzema que concluiu, depois de Jordi Alba e Fábregas trombarem pelo alto, confusos na marcação. Sorte catalã é que Piqué salvou em cima da linha.

Apesar do domínio merengue, o Barça conseguiu empatar antes do intervalo, graças de novo a Messi. Aos 41, o argentino tabelou na entrada da área e descobriu Neymar na marca do pênalti. Mal o brasileiro dominou a bola, foi desarmado por Carvajal, antes de concluir. Mas o camisa 10 pegou o rebote, superou a marcação de Sergio Ramos e chutou no canto. Na comemoração, a primeira confusão da partida. Fábregas trombou com Pepe quando ia buscar a bola na rede, o brasileiro naturalizado português foi tirar satisfações, os dois trocaram testadas e acabaram caindo. Na sequência, ambos foram punidos com cartão amarelo.

busquets pisa em pepe barcelona x real madrid (Foto: Reuters)
Fábregas caído para um lado, Pepe no outro, e Busquets pisando no rosto do português, enquanto Daniel Alves se estranha com Sergio Ramos diante de Jordi Alba e Marcelo: clássico quente no Santiago Bernabéu (Foto: Reuters)

 

PÊNALTIS E EXPULSÃO

 

cristiano ronaldo barcelona x real madrid (Foto: AP)
Cristiano Ronaldo comemora gol de pênalti depois de falta sofrida por ele mesmo ao ser calçado por Daniel Alves fora da área (Foto: AP)

Apesar do castigo antes do intervalo, o Real voltou com a mesma intensidade no segundo tempo. Quase marcou aos seis, em disparada de Bale pelo meio concluída por Benzema na área, mas bem defendida por Valdés. E balançou a rede aos nove. Discreto até então, Cristiano Ronaldo pedalou para cima de Daniel Alves e, quando entrava na área, foi calçado por trás. O pé do brasileiro tocou no português fora, mas o árbitro marcou pênalti. O melhor do mundo cobrou bem, Valdés pulou certo, no canto direito, mas a bola entrou no canto.

A resposta do Barcelona saiu dez minutos depois, do mesmo jeito, em pênalti que pode ser considerado polêmico. Messi fez ótimo lançamento pelo meio, Neymar entrou na área e caiu ao ser tocado pelo braço de Sergio Ramos, por trás. O zagueiro foi expulso, e o argentino cobrou bem também, no canto.

messi neymar barcelona (Foto: Agência EFE)
Neymar comemora gol com Messi: brasileiro cava expulsão e pênalti para argentino empatar (Foto: Agência EFE)

 

Em seguida, Ancelotti recompôs a sua defesa, trocando Benzema, autor de dois gols, por Varane. Do outro lado, Tata Martino adiou um pouco mais a substituição de Neymar, mas acabou tirando mesmo o brasileiro, aos 23, para a entrada de Pedro.

O ritmo do jogo diminuiu, com o Real segurando um pouco o ímpeto por ter um a menos em campo, e o Barça ‘cozinhando’ o adversário. Aos 28, Daniel Alves apareceu bem pela primeira vez na partida, acertando a trave em chute com categoria de fora da área.

Aos 38, o lance decisivo. Iniesta recebeu pela esquerda na área e, quando ia se livrar da marcação de Xabi Alonso e Carvajal, foi puxado pelo lateral. Pênalti bem marcado e convertido com precisão novamente por Messi, desta vez no ângulo de Diego López.

messi gol cristiano ronaldo barcelona x real madrid (Foto: Getty Images)
Daniel Alves e Busquets abraçam Messi, com Di María e Cristiano Ronaldo cabisbaixos à frente (Foto: Getty Images)

 

Só deu tempo mais para Cristiano Ronaldo tomar um cartão amarelo, por deixar o cotovelo em disputa de bola pelo alto com Mascherano na intermediária, e o Barcelona administrar a vitória até o apito final.

 

Globo Esporte . com

TV aberta não vai mostrar o campeonato espanhol

Neymar em amistoso preparatório do Barcelona para o Campeonato Espanhol

 

 

É complicado entender. O campeonato espanhol, com Neymar, Messi, Kaká e companhia bela, será transmitido pela Espn na TV fechada.
Na aberta por nenhuma, porque a Sky não permite. Aí entra a questão: a Sky é produtora ou distribuidora?

Outro problema

O Esporte Interativo, para todos os efeitos, é uma televisão aberta. Para o mercado, pelo menos, é apresentada assim.
Mas como explicar a presença dele na ABTA, congresso de televisão por assinatura?

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

El Barça causa sensación en Bangkok

El Barça causa sensación en Bangkok

 

 

Cerca de 15.000 personas han asistido al entrenamiento que el Barcelona ha hecho en el Estadio Nacional de Rajamangala, en Bangkok, donde el miércoles se medirá a un combinado de jugadores de Tailandia en lo que será el cuarto amistoso de pretemporada.

El de este martes ha sido el primer entrenamiento abierto al público desde que el equipo llegó el lunes a Asia. Algunos de los asistentes han comprado las entradas para el entrenamiento, mientras que había otros que estaban invitados por el promotor del partido y las empresas patrocinadoras. Además, también había espectadores que con la entrada del partido recibían una invitación para asistir a la sesión.

El argentino Leo Messi, el último en salir al terreno de juego, ha sido nuevamente el jugador más aclamado por los aficionados locales, muchos de los cuales iban vestidos con las camisetas del Barça y con alguna pancarta singular: “Te amo Tello” o “Fàbregas eres el mejor papa”.

Colorido y expectativa
En el exterior del estadio, con capacidad para cerca de 50.000 espectadores, había numerosos espacios de encuentro personalizados con la imagen de los jugadores. Hinchables, zona de juegos y puntos de restauración daban color a una ciudad que ya vive con intensidad el partido del miércoles.

En lo que respecta al aspecto puramente deportivo, Jonathan Dos Santos y Cristian Tello han continuado haciendo trabajo específico de recuperación. El resto de la plantilla ha comenzado con unos rondos y posteriormente se han repartido en tres equipos y han hecho partidos en un tercio del campo.

Ha sido el momento más agradecido por el público, que ha celebrado todos los goles como si se tratara de un encuentro oficial.

La lluvia que ha caído en el tramo final no ha enfriado la pasión de las gradas. Y, al final de la sesión, los jugadores han repartido camisetas y balones entre el público.

FIFA.com

Barcelona 8 x 0 Santos

Ex-santista começa no banco, entra no intervalo e joga apenas 16 minutos ao lado do argentino em nova goleada histórica do Barcelona sobre o Peixe.

 

Show. Espetáculo. Brincadeira. Aula. Dê o nome que quiser ao reencontro de Neymar com o Santos. Todos eles definem perfeitamente o que foi a goleada do Barcelona por 8 a 0 em cima do Peixe, nesta sexta-feira, no Camp Nou, na disputa do Troféu Joan Gamper. Pareciam profissionais contra amadores. Não à toa, foi a maior goleada da história do torneio.

Reforçado por Neymar apenas no segundo tempo, o time catalão dominou completamente a partida do início ao fim. O craque brasileiro e o gênio Messi atuaram somente 16 minutos juntos. As chances do Santos foram raras, quase inexistentes. O time do Peixe parecia completamente perdido na festa catalã, com 81 mil pessoas no estádio para a apresentação oficial do elenco do Barça para a temporada 2013/2014.

Desta vez, o time catalão precisou de apenas 28 minutos para repetir o placar que lhe deu o título do Mundial de Clubes da Fifa de 2011, contra o mesmo Santos. À época, após o jogo, Neymar declarou que o Peixe teve uma aula e que o Barcelona tinha ensinado como se joga futebol. Sorte dele estar agora do lado dos que ensinam.

Neymar comemoração jogo Barcelona e Santos (Foto: AFP)
Neymar, Messi & Cia comemoram um dos oito gols do Barcelona (Foto: AFP)

Do banco de reservas, no primeiro tempo, o atacante aplaudiu. No segundo, esteve em ação. Mas não deixou a sua marca contra o seu criador. Deu uma assistência para um dos gols de Fábregas e tentou algumas jogadas de efeito pelas pontas, com dribles e arrancadas. Sua melhor chance veio no fim – um chute no travessão.

4 a 0 com menos de 30 minutos

Sentado no banco de reservas do Camp Nou, Neymar viu mais um show do Barcelona contra o Santos. Só que desta vez o atacante pôde aplaudir e comemorar. Principal reforço do time catalão para a temporada, o ex-santista viu seus novos companheiros brincarem com o Peixe.

A goleada do Barça começou a ser construída aos sete minutos, com a assinatura de Messi. O argentino recebeu a bola de Pedro, deixou Aranha no chão e tocou para o fundo do gol. Aos 11 minutos, o Peixe fez um gol… contra! Depois de cruzamento de Daniel Alves, o lateral Léo desviou e encobriu o goleiro santista.

Iniesta jogo Barcelona e Santos (Foto: AFP)
Iniesta passa por vários santistas (Foto: AFP)

De gol em gol, a transmissão da televisão mostrava as reações de Neymar. O garoto aplaudia o Barcelona. O atacante voltou a comemorar aos 21 minutos, quando Alexis Sánchez trocou passes com Messi e ampliou. Aos 28, em linda jogada, Sánchez tocou para Alba, que cruzou para Pedro fazer o quarto.

Em pé, aplaudindo, Neymar balançou a cabeça em sinal de aprovação. Para o Barcelona, é claro. Porque o Santos era uma pura decepção. Presa fácil para o time catalão, o Peixe não reagiu. Parecia uma partida de adultos contra crianças. Sem exagero.

Messi gol Barcelona jogo Santos (Foto: Reuters)
Messi comemora o primeiro gol do Barcelona (Foto: Reuters)

A única tentativa do Santos foi em chute de Galhardo, aos 32 minutos. Mas a bola passou longe, bem longe do gol. Com o passar do tempo, o Barcelona fez a partida parecer cada vez mais brincadeira. Os jogadores do time catalão trocavam passes com certa displicência, como se pudessem fazer gol a qualquer hora. E podiam.

A principal novidade de Tata Martino para o segundo tempo foi justamente Neymar. Depois de aplaudir a atuação do Barcelona no primeiro tempo do banco de reservas, o atacante tinha, então, a oportunidade de fazer parte do show. Bem contra o time que o projetou nacional e internacionalmente no futebol.

Neymar jogo Barcelona e Santos (Foto: AFP)
Neymar passa pela marcação de Arouca (Foto: AFP)

Neymar entra, e o baile continua

Buscando o jogo e partindo para cima dos zagueiros santistas, Neymar procurou ser participativo. No quinto gol do Barcelona, aos sete minutos, ele não teve colaboração, mas correu para abraçar Fábregas, que chutou sem chance para Vladimir, substituto do goleiro Aranha no gol do Peixe.

Com os times bem modificados em relação ao primeiro tempo, o Barcelona continuou superior em campo. Mas não tanto quanto antes. O problema é que o Santos não encontrou forças para ir adiante. E receoso, também, preferiu não se arriscar e levar uma goleada ainda maior.

Não teve jeito. E Neymar ajudou a afundar o Santos. Aos 22, o atacante deu ótima assistência para Fábregas marcar o sexto do Barça. Com o Santos entregue ao show do Barça, o sétimo gol era apenas questão de tempo. E saiu aos 29 minutos, em chute do brasileiro Adriano, de fora da área. Um golaço no ângulo.

Deu tempo ainda de o Barça fazer o oitavo, com Dongou, aos 37, e de Neymar chegar bem perto de deixar o seu contra o ex-time. O chute do atacante brasileiro, aos 43 minutos da etapa final, no entanto, acertou o travessão de Vladimir. Ele, portanto, não teve que comemorar um gol seu contra seu criador.

Menos mal para o Santos…

BARCELONA 8 X 0 SANTOS
Victor Valdés (Pinto); Daniel Alves (Montoya), Piqué (Bartra), Mascherano (Bagnack) e Jordi Alba (Adriano);  Busquets (Song), Xavi (Sergi Roberto) e Iniesta (Fábregas); Alexis Sánchez, Pedro (Neymar) e Messi (Dongou). Aranha (Vladimir); Rafael Galhardo (Cicinho), Edu Dracena, Durval (Gustavo Henrique) e Léo (Mena); Arouca (Alan Santos), Cícero, Leandrinho (Léo Cittadini) e Montillo (Pedro Castro); Neilton (Giva, depois Victor Andrade) e Thiago Ribeiro (Willian José, depois Gabriel).
Técnico: Gerardo Martino Técnico: Claudinei Oliveira
Gols: Messi, aos sete, Léo, contra, aos 11, Alexis Sánchez, aos 21, e Pedro, aos 28 minutos do primeiro tempo; Fábregas aos sete, e aos 22, Adriano, aos 29, Dongou, aos 37 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Victor Andrade
Local: Camp Nou, Barcelona (Espanha)

Giovanni, ex-Barcelona e Santos, diz que Neymar é compatível com Messi

Destaque do Peixe e do time catalão na década de 90 afirma que adaptação do craque será facilitada pelos brasileiros Daniel Alves e Adriano

Neymar Messi 2011 (Foto: Site Oficial)

Messi cumprimenta Neymar após a vitória do Barça
sobre o Santos na final do Mundial de Clubes de
2011, no Japão (Foto: Site Oficial)

De trajetória semelhante a Neymar, por ter saído do Santos diretamente para o Barcelona na década de 90, o ex-jogador brasileiro Giovanni disse à emissora de televisão catalã “La Xarxa” que o craque fez uma escolha acertada pelo clube catalão e que não terá problemas para se relacionar com o argentino Messi.

– Sem dúvida, a melhor opção para o Neymar foi ter acertado com o Barcelona. É muito melhor para ele como o Barça joga. Neymar é uma pessoa muito simples, faz amizade rapidamente. Ele se sentirá bem no vestiário e gostará muito do Barcelona. Não é um jogador que quer ser uma estrela. Sem dúvida, Messi e Neymar são compatíveis – disse Giovanni.

O ex-jogador disse também que Neymar não deve ter problemas de adaptação ao clube. Para ele, a presença de outros brasileiros, como os laterais Daniel Alves e Adriano, ajudará o craque a se integrar rapidamente ao Barcelona.

– Neymar é muito maduro, jogou bastante com a seleção brasileira, desde bem jovem. Fará a pré-temporada com a equipe e sua adaptação será muito rápida. O Barcelona fez um contratação muito boa. Ter na equipe jogadores brasileiros é muito importante. Estar com Daniel Alves e Adriano o ajudará a facilitar a adaptação.

‘Super Bayern’ humilha o Barcelona de novo e confirma finalíssima alemã

Sem Messi, que surpreendentemente não deixou o banco de reservas, catalães viram presa fácil para os bávaros também no Camp Nou: 3 a 0

 

Não bastou superar mais uma vez o time apontado como o melhor do mundo nos últimos anos. Não bastou não sofrer gols em 180 minutos de uma equipe tão poderosa, famosa por sua escola moderna e sem medo de atacar. LionelMessi não entrou em campo, é bem verdade, mas o Bayern de Munique nada teve a ver com isso. O “Super Bayern”, como entoavam os alemães eufóricos nas arquibancadas do Camp Nou, humilhou o Barcelona diante de sua torcida. Depois dos 4 a 0 no jogo de ida, há uma semana, os bávaros aplicaram um 3 a 0 sem dó nem piedade, nesta quarta-feira, para confirmar a óbvia e inédita decisão germânica na Liga dos Campeões.

A goleada foi construída com o talento do francês Franck Ribéry. Ele ditou o ritmo para o holandês Arjen Robben e o alemão Thomas Müller, héroi na partida de ida, deixarem os seus nomes no placar. Ironicamente, Piqué, um dos únicos a se salvar do vexame do outro lado, marcou contra. Todos os gols saíram no segundo tempo.

O próximo adversário do time de Jupp Heynckes também será o último: o Borussia Dortmund, rival no sábado pelo Campeonato Alemão e também no dia 25 de maio, na finalíssima em Wembley, após garantir sua classificação diante do Real Madrid na última terça. Na atual temporada, o retrospecto é positivo para os bávaros, que já superaram os aurinegros nas quartas de final da Copa da Alemanha.

Mosaico jogo Barcelona Bayern Liga 2 (Foto: Editoria de Arte)

Em Londres, a tendência é que os dois contem com força máxima, já que nenhum atleta foi suspenso pelo acúmulo de cartões amarelos. Apenas Mario Götze, jovem craque do Borussia e já negociado com o Bayern, é dúvida por conta de uma lesão muscular sofrida na derrota para o Real, por 2 a 0, no Santiago Bernabéu.

Esta será a quarta final da Champions com equipes do mesmo país. Na temporada 1999/2000, o Real Madrid derrotou o Valencia por 3 a 0, no Stade de France. Na edição de 2002/03, o Milan superou o Juventus nos pênaltis, por 3 a 2, após empate por 0 a 0 em 120 minutos de partida no Old Trafford, na Inglaterra. Mais recentemente, em 2007/08, o Manchester United também precisou da disputa da penalidades máximas para ser campeão diante do Chelsea, ganhando por 6 a 5 após o placar de 1 a 1 ao fim da prorrogação, em Moscou.

Messi no banco até o fim

A ausência de Lionel Messi certamente ainda repercutirá no Barcelona. Para a surpresa de todos, o craque argentino iniciou o jogo no banco de reservas e de lá não saiu. A assessoria de imprensa do clube divulgou que o camisa 10, o técnico Tito Vilanova e o staff médico decidiram que seria melhor repousá-lo por ainda ter resquícios de uma microrruptura na coxa direita, lesão sofrida ainda na ida das quartas de final, contra o Paris Saint-Germain. O que deixa um clima de desconfiança no ar é a presença do jogador no último sábado, no empate com o Athletic Bilbao, pelo Espanhol, que inclusive contou com um golaço de Messi.

Se o Barcelona perseguia a inédita virada antes do apito inicial, foi o Bayern que ficou com o recorde da noite: o 7 a 0 no placar agregado é o maior em uma semifinal de Liga dos Campeões em toda a sua existência. Campeão alemão com cinco rodadas de antecedência e também finalista da Copa, o time mantém vivas as chances de conquistar a tríplice coroa antes da chegada do técnico Pep Guardiola.

Messi banco Barcelona jogo Bayern Liga dos Campeões (Foto: AP)Lionel Messi não saiu do banco de reservas nem quando o Barcelona sofreu um gol (Foto: AP)

Sem Messi, sem gol

O Barcelona mostrava vontade enquanto a TV exibia Lionel Messi no banco de reservas. A surpreendente ausência de seu grande craque tornou a missão dos catalães ainda mais árdua na tentativa de uma virada inédita na Liga dos Campeões. Como conseguir marcar quatro gols sem justamente quem representava o sinônimo de bola na rede?

Iniesta jogo Barcelona Bayern de Munique Liga dos Campeões (Foto: AP)
Iniesta lamenta: craque teve má atuação (Foto: AP)

O Barça não conseguiu. E só chegou perto, na verdade, em duas oportunidades durante todos os primeiros 45 minutos. Pouco para quem precisava vencer, quase nada para quem necessitava inflamar a sua torcida e criar um ambiente contagiante. Melhor para os visitantes.

O Bayern pode não ter fuzilado a meta de Valdés, afinal, a vantagem era mais do que confortável. Rodear a área rival e não concluir era um luxo que os alemães poderiam se dar. Ainda que pudesse ter marcado não fosse a grande participação de Piqué, praticamente a única nota positiva dos donos da casa. Por outro lado, o brasileiro Daniel Alves acumulava uma de suas piores atuações com a camisa azul-grená.

O time de Tito Vilanova só ameaçou de fato num pequeno intervalo de três minutos. Aos 24, Pedro resolveu sair do marasmo com um chute de fora da área. Teve endereço, mas faltou força. Neuer espalmou para fora. Aos 26, Dani Alves cruzou da direita, Fàbregas resolveu dominar, e a bola acabou sobrando para Xavi concluir por cima. Os catalães pediram pênalti, mas o árbitro esloveno Damir Skomina mandou seguir.

Ribery Daniel Alves jogo Barcelona Bayern de Munique Liga (Foto: AFP)Daniel Alves teve trabalho com Ribéry: atuação do lateral foi uma de suas piores no Barça (Foto: AFP)

‘Super Bayern’ consolida show na etapa final

Uma pilha de nervos, o Barcelona encontrava dificuldades até para trocar passes, um ato banal em seu vasto histórico de sucesso nos últimos anos. Iniesta, que por muitas vezes servia o companheiro quando deveria finalizar, se enrolava ao fazer o oposto. Para complicar, Messi permanecia sentado no banco de reservas, sem poder dar o sopro de esperança aos catalães.

Tito Vilanova técnico jogo Barcelona Bayern de Munique (Foto: Reuters)
Tito Vilanova deixou Messi no banco (Foto: Reuters)

E assim o Bayern aproveitou para dar o bote necessário e matar o confronto. Logo aos três, Robben recebeu pela direita e, em sua jogada clássica, cortou para o meio até emendar com classe, no ângulo direito de Valdés: 1 a 0.

Àquela altura apenas seis gols salvariam o Barça. Ninguém mais acreditava, inclusive o técnico Tito Vilanova, que segurou Messi e substituiu Xavi e Iniesta. Ou mesmo Piqué, um dos únicos que mantinham a dignidade no lado catalão. Aos 27, quando parecia se aproximar do empate, veio nova ducha gelada: Ribéry aproveitou espaço pela esquerda e cruzou. O zagueiro se atrapalhou e cortou contra o próprio patrimônio.

A festa já estava mais do que garantida, mas faltava o golpe final de quem foi o principal responsável pelos 4 a 0. Ribéry – sempre ele – disparou pela ponta esquerda, passou pela marcação de Song e cruzou com a categoria que lhe é peculiar. Thomas Müller só teve o trabalho de subir entre Bartra e Adriano e encerrar mais um show do “Super Bayern”.

Bayern comemoração Barcelona final Liga (Foto: Reuters)Thomas Müller comemora a classificação do Bayern ao lado dos companheiros (Foto: Reuters)

Ficha técnica:

Barcelona: Victor Valdés, Daniel Alves, Piqué, Bartra (Montoya) e Adriano; Song, Xavi (Sánchez) e Iniesta (Thiago Alcântara); David Villa, Fàbregas e Pedro. Técnico: Tito Vilanova.

Bayern de Munique: Neuer, Lahm (Rafinha), Boateng, Van Buyten e Alaba; Javi Martínez (Tymoshchuk) e Schweinsteiger (Luiz Gustavo); Robben, Müller e Ribéry; Mandzukic. Técnico: Jupp Heynckes.

Gols: Robben, aos quatro, Piqué, aos 27, e Müller, aos 31 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Robben (Bayern); Daniel Alves e Piqué (Barcelona)

Estádio: Camp Nou. Data: 01/05/2013. Árbitro: Damir Skomina (ESL).

Barcelona está ELIMINADO da Liga Dos Campeões da Europa

GERESP

Müller decide, Bayern engole o Barça
e dá grande passo rumo a Wembley

Meia-atacante marca duas vezes e participa de outros dois nos 4 a 0 dos bávaros na Allianz Arena. Catalães, com Messi, precisam agora de milagre.

 

Um caminhão chamado Bayern de Munique atropelou o time de maior sucesso na Europa nos últimos anos. Se ainda é cedo para falar numa nova era no continente, ao menos os bávaros têm a convicção de que estão muito mais próximos de sua terceira final da Liga dos Campeões nos últimos quatro anos. Em grande noite de Thomas Müller, autor de dois gols e decisivo nos outros dois, a equipe treinada por Jupp Heynckes engoliu o Barcelona na Allianz Arena e, com vitória por 4 a 0, praticamente garantiu presença no lendário Wembley no próximo dia 25 de maio. Fora o baile.

Apesar da apagada atuação mesmo com maior posse de bola (63%), o Barça tem motivos para reclamar da arbitragem, já que Mario Gómez estava impedido no segundo gol. No terceiro, os jogadores também contestaram a não marcação de uma falta de Müller em Jordi Alba – Robben completou cara a cara com Valdés. O comentarista da TV Globo, Leonardo Gaciba, porém, não considerou irregularidade no lance. De quebra, o Bayern poderia ter obtido vantagem ainda maior se o árbitro húngaro Viktor Kassai tivesse assinalado pênalti de Piqué ainda no primeiro tempo.

Com o reforço ao menos do lateral Adriano para a partida de volta, na próxima quarta-feira, no Camp Nou, o Barcelona precisará de basicamente um milagre para reverter a vantagem dos alemães. Se repetirem o placar, os comandados de Tito Vilanova levarão o confronto para a prorrogação, enquanto um gol do Bayern os obrigará a marcarem ao menos seis vezes por conta do saldo. Na memória recente há uma motivação: em março, pelas oitavas de final, Lionel Messi e companhia conseguiram os 4 a 0 contra o Milan, embora num outro contexto.

Mueller comemora, Bayern de Munique x Barcelona (Foto: AP)Thomas Müller comemora o seu primeiro gol no jogo: meia foi decisivo no atropelo do Bayern (Foto: AP)

Bayern domina. Sem a bola

A expectativa era por uma batalha pela bola. O Bayern, segundo maior dono de posse da Champions, desafiava o Barcelona, líder no quesito em seus últimos 301 jogos (isso mesmo). A motivação de uma Allianz Arena repleta poderia ainda incentivar os bávaros a saírem para o jogo e tentarem colocar o modelo catalão à prova. Mas o fato é que nada disso foi necessário ao time de Schweinsteiger, Javi Martínez, Ribéry, Müller… A estratégia já estava muito bem definida.

Com 38% do tempo com a bola nos pés, o Bayern soube desafiar o Barça como poucos no mundo. Messi, liberado pelos médicos, poderia não estar 100% fisicamente, mas a impressão é de que não faria tanta diferença no primeiro tempo. Incansáveis na marcação, os bávaros não deixavam o craque argentino tocar na bola com mais de um segundo de liberdade, assim como funcionava – e bem – a vigia sobre Xavi, Iniesta e Busquets.

Chances de perigo? Apenas para os donos da casa. Aos 15, os alemães cobraram do árbitro Viktor Kassai um possível pênalti de Piqué, que colocou a mão na bola após chute de Lahm. O húngaro preferiu ignorar. Mas o gol não demoraria a sair. Aos 24, na maior fraqueza do Barcelona, o Bayern abriu o placar: Robben cruzou da direita, Dante escorou no segundo andar e Müller completou para o fundo das redes.

O Barcelona tentou responder na sequência no que acabou sendo o seu único grande lance de perigo na etapa inicial. Aos 28, Pedro cruzou da direita na direção de Messi, mas Dante se esticou e salvou gol certo dos visitantes com um carrinho. O susto basicamente foi o último suspiro de um primeiro tempo claramente a favor do Bayern, que ainda reclamou de uma outra penalidade quando Dante tocou de cabeça e a bola resvalou no braço de Sánchez.

Müller e companhia engolem o Barça

Tito Vilanova preferiu não mexer na volta do intervalo. Dominado mesmo aparentemente tendo o controle do jogo, o Barcelona acabou punido logo aos três minutos. E de novo na bola aérea. Com média de 1,75m de altura, o Bayern fez prevalecer a sua superioridade no céu com 1,83m e ampliou. Robben cobrou escanteio da direita, Müller, sempre decisivo, cabeceou para o meio e Mario Gómez, adiantado, emendou.

Não adiantou aos catalães reclamarem com a arbitragem. Era preciso também jogar, fazer valer de toda a fama conquistada nos últimos anos. Mas só dava Bayern. Aos cinco, Müller arriscou de fora da área, a bola passou perto. Quatro minutos depois foi a vez da dupla “Robbéry” entrar em ação, mas o francês acabou concluindo para fora após boa jogada do holandês.

Curiosamente nas bolas paradas, o Barcelona encontrou uma maneira de levar perigo. Aos 23, Bartra apareceu livre na frente de Neuer, mas rateou no momento da finalização. Do chute fraco, ele resolveu emendar com força aos 31, quando recebeu em lance semelhante. Àquela altura, porém, o desespero já tomava conta dos catalães: o Bayern havia marcado o terceiro, com Robben.

E em outro lance polêmico. Aos 27, Robben tirou Jordi Alba para dançar, Müller, como numa jogada de basquete, encostou no espanhol, que desabou. O caminho ficou livre para o holandês tocar na saída de Valdés. O comentarista da TV Globo, Leonardo Gaciba, não considerou irregularidade.

O que já parecia ótimo para os alemães se tornou excelente. Todo aberto, o Barça sofreu um golpe que praticamente sepultou suas chances na Liga dos Campeões. Agora pela esquerda, Alaba tabelou com Ribéry e cruzou para Müller, que exercia papel de centroavante, fechar a conta e inaugurar uma festa sem fim em Munique. Ao menos por uma semana.

 

GLOBO ESPORTE .COM

Band e Globo vão transmitir Paris Saint Germain x Barcelona

uefa champions league logo Barcelona x Manchester United ao vivo   Champions League

 

Bandeirantes e Globo irão transmitir os dois jogos entre Paris Saint Germain e Barcelona, pela Liga dos Campeões, nos dias 2 e 10 de abril, com início às 16h45. Entre outras atrações, o brasileiro Lucas, de um lado, e o argentino Messi, do outro.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

GIANCARLO Melhor que Messi?

Em 2013, atacante do Ferroviário possui mais gols e média superior à da estrela maior do futebol mundial

Do alto dos seus 1,94m, o atacante Giancarlo, 23, não parece deslumbrado com o seu grande momento no Ferroviário. Grande, não. Pode-se chamar a fase de estupenda. Autor de cinco gols na última quarta, em goleada coral sobre o São Benedito, o atacante chegou aos 16 gols no ano em 14 partidas. A marca supera a do argentino Lionel Messi. O melhor jogador do mundo marcou 14 vezes em 13 jogos pelo Barcelona e um pela seleção argentina em 2013.

Com 16 gols no Estadual 2013, Giancarlo já igualou o desempenho dos dois últimos artilheiros da competição: Marcelo Nicácio e Felipe Azevedo FOTO: KIKO SILVA

Na média de gols por jogo, o camisa 10 do clube espanhol também perde. Enquanto o centroavante do time cearense ostenta uma média de 1,14 gols por partida, o camisa 10 do Barça possui a marca de 1 por jogo.

“Não sabia desses dados do Messi. Fico muito satisfeito de estar na frente de um cara que é várias vezes melhor do mundo”, afirma o jovem, sem conseguir esconder a satisfação.

Giancarlo, no entanto, prefere não fazer comparações e, sim, exaltar o argentino. “Messi é extraordinário e o futebol dele é impressionante. No meu caso, ainda tenho que trabalhar bastante para conseguir dar sequência a esse momento”.

Lionel Messi, quatro vezes escolhido melhor jogador do mundo pela Fifa, anotou 91 gols em 2012, batendo recorde de tentos em um único ano.

Mesmo em grande fase, que se traduz em feitos como os cinco tentos diante do São Benedito, na última quarta, ele não aceita assumir os méritos sozinho. “Estou nessa boa fase porque o time está me ajudando”, garante o sul-mato-grossense, o jogador com o maior número de gols na atual temporada brasileira.

No mundo, só perde para o luso Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, que tem 17 em 2013.

Recordes

Com 16 gols, Giancarlo já igualou os números de Marcelo Nicácio e Felipe Azevedo, artilheiros do Estadual em 2011 e 2012, respectivamente.

O camisa 9 também já superou o último artilheiro do Ferrão em Cearenses. Márcio Pantera, que em 2004 marcou 12 vezes.

Porém, o atacante ainda está relativamente longe de alcançar o maior artilheiro coral, Paulo César, que foi responsável por 29 gols, em 1978. No ano anterior, PC também alcançou a marca de cinco gols em uma único jogo, contra o Calouros do Ar.

Na artilharia coral da história dos Estaduais, entre Giancarlo e PC, ainda existem outros goleadores, como Pacoti e Luizinho, com 24 gols em 1957 e 1985, respectivamente; Zé Melo, com 21, em 1958; Cacau, com 21, em 1985; Batistinha, com 20, em 1994, e Robério, com 26 em 1995. Giancarlo, por sua vez, acha que é possível bater alguns desses recordes: “ainda temos muitos jogos pela frente”.

Mesmo em uma fase não tão boa, o craque argentino do Barça já marcou 14 vezes em 2013 FOTO: REUTERS

Assédio

Antes do início da temporada, com quatro gols em amistosos, Giancarlo já demonstrava que poderia se destacar no Cearense. Agora, com a primeira fase do Estadual quase concluída, o atacante admite: “nunca imaginei que ia ser o artilheiro do Brasil e muito menos receber tanto assédio assim”, explica o jovem.

Mas a atenção que o centro-avante está recebendo não vem apenas da imprensa. No jogo ante o São Benedito, um olheiro do Inter/RS foi visto no PV.

Giancarlo, por sua vez, garante que prefere não saber das sondagens de outros clubes e que gostaria de permanecer na Barra após o fim do seu contrato, que acaba no dia 31 de maio.

“Vamos analisar a situação. Vou sentar com o meu empresário e decidir. Se for do agrado dele, e já é do meu, ficarei no Ferroviário”, explica.

Entretanto, o craque explica que pode seguir um desejo antigo, “Um sonho meu é participar da Série A do Brasileiro, mas, por enquanto, meu foco é o Cearense. Depois disso, vamos sentar e conversar”, completa.

Giancarlo

Nome: Giancarlo Lopes Rodrigues
Idade: 23 anos
Naturalidade: Iguatemi (MS)
Clubes anteriores: Toledo (PR), Barueri (SP), Itaporã (MS), Ferroviária (SP), Espigão (RO) e Mineiros (GO)
Clube atual: Ferroviário
Número de jogos*: 14
Número de gols*: 16
Média de gols por jogo*: 1,14
Maior número de gols em apenas um jogo*: Cinco (contra o São Benedito no dia 27/02/2013, em goleada por 7 a 2)

*No ano de 2013

Messi

Nome: Lionel Andrés Messi
Idade: 25
Naturalidade: Rosário (ARG)
Clubes anteriores: Newell´s Old Boys (categoria de base)
Clube atual: Barcelona
Número de jogos*: 14
Número de gols*: 14
Média de gols por jogo*: 1
Maior número de gols em apenas uma partida*: Quatro (contra o Osasuna, no dia 27/01, em goleada por 5 a 1)

*No ano de 2013

 

Diário do Nordeste-Jogada- 01/03/2013