Captura de animais silvestres triplica no Pantanal de MS, dizem bombeiros

Recomendação é ligar para 193 quando encontrar animal de grande porte.
Última captura foi um tuiuiú em um terreno baldio em Ladário, MS.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Tuiuiú foi capturado ferido em um terreno baldio em Ladário, MS (Foto: Reprodução/TV Morena)

Tuiuiú foi capturado ferido em um terreno baldio em Ladário, MS (Foto: Reprodução/TV Morena)

A captura de animais silvestres dentro da cidade em Mato Grosso do Sul triplicou em 2016, segundo o Corpo de Bombeiros. A recomendação quando encontrar um animal de grande porte é ligar para 193. A última captura foi um tuiuiú em um terreno baldio em Ladário, município distante 410 quilômetros da capital.

O animal com mais de dois metros de envergadura, nem parece com o símbolo do Pantanal. A ave foi capturada pelos bombeiros na tarde de quinta-feira (30). De acordo com o subtenente da Polícia Militar Ambiental (PMA), José Borges, o animal não está se alimentando porque está machucado.

Esse tuiuiú foi a primeira ave de grande a ser encontrada no perímetro urbano de Corumbá e Ladário, mas não foi o primeiro animal neste ano. Ao todo, foram resgatados 121 animais silvestres.

Depois de passar por avaliação de um veterinário, a PMA vai enviar a ave para o Centro de Recuperação de Animais Silvestre (Cras) em Campo Grande.

 

G1.COM.BR

Dupla é presa em BR de MS após render mulher com filha de dois anos

Assalto foi em bairro de Campo Grande perto de rodovia.
Carro da vítima, cartões de créditos e cheque foram recuperados.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Casa onde vítima foi abordada e roubada pelos suspeitos no Coophavila
(Foto: Osvaldo Nóbrega/ TV Morena)
Casa onde vítima foi abordada e roubada pelos suspeitos no Coophavila (Foto: Osvaldo Nóbrega/ TV Morena)

Dois suspeitos de assalto foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-060, entre Sidrolândia e Campo Grande, na noite dessa segunda-feira (27). Eles foram localizados uma hora após terem assaltado uma mulher no bairro Cophavilla, na capital.

Segundo a polícia, os suspeitos abordaram a vítima quando ela chegava em casa com a filha de dois anos. A dupla fugiu levando o carro, cartões de créditos e talão de cheque dela.

Eles foram presos na rodovia com o carro da vítima, cartões de crédito e talões de cheque e encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil de Sidrolândia.

Suspeitos foram presos na BR-060 após roubarem a vítima (Foto: Osvaldo Nóbrega/ TV Morena)

Suspeitos foram presos na BR-060 após roubarem a vítima (Foto: Reprodução/ TV Morena)

G1.COM.BR

‘Comércio de armas é atentado à segurança da população’, diz ministro

Raul Jungmann, da Defesa, se referiu à morte de narcotraficante na fronteira.
Em Foz do Iguaçu (PR), falou sobre ações de reforço e de cooperação.

Bandeira do estado do Paraná

Ministro da Defesa, Raul Jungmann, defende que reforço da segurança nas fronteiras deve ser feita de forma conjunta e cooperada com países vizinhos (Foto: Reprodução / RPC)
Ministro da Defesa, Raul Jungmann, defende que reforço da segurança nas fronteiras deve ser feita de forma conjunta e cooperada com países vizinhos (Foto: Reprodução / RPC)

Para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, o confronto que resultou na morte do narcotraficante paraguaio Jorge Rafaat em Pedro Juan Cabalero, na região de fronteira com Ponta Porã (MS), a organização e o poder de fogo dos dois grupos rivais são preocupantes para a segurança do país e da população. A caminhonete onde o chefe do tráfico de drogas foi assassinado na quarta-feira (15) era adaptada com uma metralhadora de calibre ponto 50, capaz de derrubar aviões e helicópteros.

“Este tipo de armamento demonstra que estas quadrilhas estão, além de organizadas, utilizando um tipo de armamento que nos preocupa muitíssimo. Por isso, o Brasil precisa em cooperação com outros países inibir este tipo de comércio de comércio de armas, que é um atentado à segurança das nossas populações”, declarou o ministro em visita a Foz do Iguaçu, no oeste doParaná, onde acompanhou algumas das ações da 11ª edição da Operação Ágata.

A operação deflagrada na segunda-feira (13) em pontos estratégicos dos quase 17 mil km de fronteira e encabeçada pelas Forças Armadas conta com o apoio de outras 20 corporações federais, estaduais e municipais e tem como objetivo reforçar o combate aos crimes de fronteira como o contrabando e o tráfico de armas e de drogas. A ação que envolve cerca de 13 mil pessoas não tem prazo para ser encerrada e deve custar o equivalente a R$ 9 milhões.

“Rei da Fronteira”
Rafaat foi condenado pela Justiça brasileira por tráfico internacional de drogas em 2014, mas vivia no Paraguai como um empresário de sucesso. Ele era conhecido como o “rei da fronteira”. A polícia apreendeu muitas armas e munição, deteve sete suspeitos e acredita que o motivo de crime tenha sido uma disputa pelo controle do tráfico de drogas na região.

O processo que levou à condenação do narcotraficante foi presidido pelo juiz federal Odilon de Oliveira. “A população da fronteira, dos dois lados, tem que conviver com essa insegurança. Na fronteira, todo dia, morre gente assassinada, isso é histórico, já faz parte do cotidiano daquela gente”, disse o magistrado.

Moradores da região de fronteira ficaram assustados com o atentado. Uma testemunha paraguaia disse que parecia “filme de terror”. Ela passava pelo local quando viu o carro com a metralhadora atirar contra o carro de Rafaat. “Tive medo de morrer porque os tiros não paravam. Eu só rezava”, fala a jovem.

A jovem afirma que execuções são comuns no município, mas, normalmente, são vítimas pessoas suspeitas de envolvimento em crimes. “A fronteira tem fama de ser perigosa, mas, nunca aconteceu isso assim porque sempre passam e matam quem querem matar e pronto”, diz a paraguaia, que afirma ter ficado com medo depois do episódio de quarta-feira.

Oito pessoas foram presas depois da execução de Rafaat, de acordo com a Polícia Nacional do Paraguai. Um deles é um brasileiro suspeito de manusear a metralhadora ponto 50 que estava em uma caminhonete adaptada. Os outros sete presos são apontados como seguranças pessoais do narcotraficante e ficaram feridos durante a emboscada.

 

G1.COM.BR

Ponte de madeira em estrada vicinal de MS não suporta e caminhão cai

Acidente aconteceu em Nioaque, a 200 km de Campo Grande, de manhã.
Segundo o motorista, o caminhão continua caído no local até esta noite.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Segundo produtor rural, prefeitura foi avisada do perigo da estrada e da ponte (Foto: Reprodução/TV Morena)

Segundo produtor rural, prefeitura foi avisada do perigo da estrada e da ponte
(Foto: Reprodução/TV Morena)

Uma ponte de madeira na estrada de Caroba, em Nioaque, distante 165 quilômetros da capital de Mato Grosso do Sul, não suportou o peso de um caminhão e cedeu na manhã desta quarta-feira (8). O veículo caiu e, segundo o produtor rural Pedro Stradiotti, continua tombado no mesmo local.

Stradiotti disse que os produtores da região já haviam alertado a prefeitura sobre a situação dessa estrada e da ponte. A produção da TV Morena não conseguiu contato com o prefeito de Nioaque para falar sobre esse problema.

 

G1.COM.BR

PT vai presidir CPI das Vacinas em MS e PSDB fica com relatoria

Comissão vai apurar sumiço de 30 mil doses de vacinas contra H1N1.
Primeira reunião da CPI será com delegado do 1º DP que abriu inquérito.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Vacinas terá como presidente o vereador Alex do PT e o relator será Dr. Lívio (PSDB). Os cargos foram definidos em reunião na tarde desta quarta-feira (8). A comissão vai apurar suposto sumiço de 30 mil doses de vacinas contra H1N1 de Campo Grande.

Além do petista e do tucano, a comissão é composta dos vereadores Chiquinho Telles (PSD), Vanderlei Cabeludo (PMDB) e Edson Shimabukuro (PTB).

A primeira reunião será realizada na próxima sexta-feira (10), às 9h (de MS), com o delegado do 1º Distrito Policial, Fabiano Nagata. A polícia abriu inquérito para investigar suposto sumiço de lote de vacinas que teriam sido aplicadas em servidores e familiares no gabinete do prefeito Alcides Bernal (PP).

A comissão também criou um canal de denúncia para a população denunciar desaparecimento de vacinas ou privilégios de pessoas fora do grupo de risco.

A segunda reunião da CPI foi marcada para a próxima quarta-feira (15) quando será apresentado o plano de trabalho da comissão, que vai se reunir oficialmente toda segunda e quarta-feira, sempre às 9h.

Pedido
O Requerimento foi assinado por 15 vereadores e aprovado em plenário no dia 31 de maio. Assinaram o pedido de abertura de CPI os vereadores Alex do PT, Chocolate (PTB), Roberto Durães (PSC), Carlão (PSB), José Chadid (PSDB), Dr. Cury (SD), Edil Albuquerque (PTB), Airton Saraiva (DEM), Shimabukuro (PTB), Ayrton Araújo (PT), Betinho (PRB), Chiquinho Telles (PSD), Eduardo Romero (Rede), Coringa (PSD) e Dr. Lívio.

O Ministério da Saúde encaminhou para a capital de Mato Grosso do Sul 195 mil doses da vacina contra gripe para a campanha de 2016. Desse total, 32.381 aplicações faltaram. O município atingiu a meta de 80% do público-alvo, mas o grupo das crianças e gestantes não chegaram ao percentual de imunização desejado.

 

G1.COM.BR

MS ocupa 10º lugar no ranking da transparência e Campo Grande último

Em comparação à primeira avaliação do MPF, estado melhorou 650%.
Ao contrário, a capital piorou entre os critérios observados e marcou 4,10.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Portal de trnaparência do governo do estado de MS melhorou 650%, diz MPF (Foto: Reprodução/TV Morena)

Portal de transparência do governo do estado de MS melhorou 650%, diz MPF
(Foto: Reprodução/TV Morena)

Mato Grosso do Sul ainda não é o estado com maior transparência, mas está em 10º lugar com 9,10 pontos, segundo o ranking da transparência do Ministério Público Federal (MPF), divulgado nesta quarta-feira (8). Entre as capitais, Campo Grande ocupa o último lugar com 4,10 pontos.

Ao G1, a assessoria da prefeitura de Campo Grande informou que o município está reestruturando todo o portal da transparência e, apesar de não ter concluído, mantém as informações atualizadas. Ainda de acordo com a assessoria, há servidores de todas as secretarias participando da reestruturação e serão treinados para alimentar o portal.

Em comparação à 1ª avaliação, o estado apresentou uma melhora de 650%. Saiu de 1,40 e foi para 9,10. Está atrás de CE, ES, RO, GO, TO, SC, SP, MG e RN. Entre os estados da região centro-oeste, está na frente de MT que marcou 8,10 pontos e atrás de GO que atingiu 9,80.

A capital sul-mato-grosso que havia conseguido 5,20 na primeira avaliação, apresentou 4,10 na segunda. A pontuação a deixa de fora dos 20 melhores portais da transparência no estado, assim como as três maiores cidades como Dourados, Corumbá, Três Lagoas.

O ranking de Mato Grosso do Sul apresentou evolução nas notas alcançadas pelos municípios. Em 2015, os primeiros colocados no ranking alcançaram nota 7. Este ano, os melhores tiveram nota acima de 9.

O município do estado com melhor desempenho é Paraíso das Águas – o filho caçula de Mato Grosso do Sul com população de 5.047 – que passou de 5,4 para 9,2. Em seguida aparece Rochedo que tem 5.205 habitantes e atingiu 8,9 na última avaliação. Eldorado e Inocência empataram em quarto lugar com 8,6 pontos. Para ver a lista completa, clique aqui.

Critérios
A avaliação se baseou em questionário desenvolvido pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro (Enccla), que selecionou as principais exigências legais e os itens considerados “boas práticas de transparência”.

O projeto fiscaliza o cumprimento das leis complementares nº 101/2000 e nº 131/2009 e da lei ordinária nº 12.527/2011 pelos gestores municipais e estaduais. A legislação obriga prefeitos, governadores e a própria Presidência da República a disponibilizar informações sobre quanto arrecadam e gastam.

Na relação dos itens avaliados figuram receita e despesa nos últimos seis meses; ferramenta de pesquisa de conteúdo; endereços e telefones das respectivas unidades e horários de atendimento; íntegra dos editais de licitação e dos contratos firmados; relatório de gestão do ano anterior e possibilidade de pedidos de informação por meio eletrônico, assim como de acompanhamento da solicitação.

Ministério Público
O portal da transparência do Ministério Público do Estado (MP-MS) lidera o ranking do “transparentômetro”, segundo o levantamento do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A lista é composta pelo CNMP e 26 unidades dos MPs e pelos quatro ramos do Ministério Público da União (MPU) – Federal, Militar, Distrito Federal e Territórios e do Trabalho.

 

G1.COM.BR

Fui chamada de corna até a hora do tiro, diz suspeita de matar manicure

Jovem disse que vítima tinha relacionamento com marido dela há 4 anos.
Crime aconteceu no dia 16 de janeiro de 2016 em Campo Grande.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Gabriela é a principal suspeita de matar a manicure Jenifer em janeiro de 2016 (Foto: Graziela Rezende/G1 MS)
Gabriela é a principal suspeita de matar a manicure Jenifer em janeiro de 2016 (Foto: Graziela Rezende/G1 MS)

Acusada de matar a manicure Jennifer Nayara Guilhermete de Morais, de 22 anos, Gabriela Antunes Santos, de 20 anos, chorou durante depoimento na tarde desta quinta-feira (2). Ela alegou ter sido chamada de “corna” até o momento de atirar na vítima. Segundo a jovem, a intenção era de somente raspar a cabeça da vítima com uma máquina de cortar cabelo, após descobrir um relacionamento de 4 anos entre Jennifer e o seu companheiro. A audiência foi no Fórum, em Campo Grande.

manicure foi encontrada morta em cachoeira de Campo Grande (Foto: Reprodução/ TV Morena)
Manicure foi encontrada morta em cachoeira de
Campo Grande (Foto: Reprodução/ TV Morena)

“Estava na minha conveniência quando uma pessoa chegou e disse que estava a caminho do motel com um amigo do Alisson, que é o meu marido. Ele, por sua vez, iria com a Jennifer para o mesmo local. Foi quando descobri o relacionamento entre eles e comecei a trocar mensagens com a Jennifer”, disse Gabriela.

Em seguida, Gabriela comentou que teve uma discussão com o marido e até a sogra dela propôs uma viagem de reconciliação. “Eu estava cansada de amigas falsas que mantém amizade só pra dar em cima do nosso marido. Nesse dia, 14 de janeiro deste ano, fiz uma postagem no Facebook e ela (Jennifer) se sentiu diretamente ofendida”, comentou.

Na mesma data, Gabriela diz que ambas tiveram uma conversa por telefone e optaram por marcar um encontro pessoal para “resolver a situação”. “Ela aceitou conversar comigo, mas disse que se eu fosse na casa dela iria inverter toda a situação e ainda dizer que era o meu marido quem estava rondando a porta da casa dela. O marido dela, conhecido como Pedrão, está preso por tráfico de drogas e ela falou que ele nos mataria”, relembrou no depoimento.

Após combinar o encontro, no dia 16 de janeiro de 2016, Gabriela diz que estava a caminho da academia, quando deixou uma adolescente trocando mensagens com a vítima e foi buscar um carro no lava-jato do marido, que também tinha comércio de carros usados. “Eu peguei um dos carros, voltei em casa e fui com a menor e mais a Emily ao encontro da Jennifer. Ela estava fazendo uma sobrancelha em uma casa no bairro Vida Nova, quando eu fui ao encontro dela”, explicou.

Assim que a vítima saiu da casa, conforme o depoimento da Gabriela, ambas ficaram circulando por um período, até chegarem a avenida Euler de Azevedo, próximo a um supermercado. “Ela foi a todo momento falando que realmente estava com o meu marido. Nós fumamos maconha dentro do carro e ela falava corna mãe, corna filha, pelo fato dela também ter ficado com o meu padrasto uma vez”, afirmou.

O percurso continuou até elas entrarem na estrada que dava acesso a cachoeira, conhecida como Inferninho. “Eu havia pego a máquina de cortar cabelo da Emily emprestada, apenas para raspar a cabeça dela e dar um susto. Mas, em nenhum momento, ela me pediu desculpas e ainda ficava dizendo que era gostoso ficar com o meu marido. No calor da emoção, eu levei uma arma na cintura, atirei nela e saí correndo, assim como as minhas amigas”, falou.

Ex-marido de acusada negou participação na morte de manicure (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)
Ex-marido de acusada negou participação na morte
de manicure (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)

Ao todo, os depoimentos das testemunhas de defesa, autora e coautora do crime duraram cerca de 4 horas. “A Jennifer era minha amiga desde os 11 anos, de dormir uma na casa da outra. Eu não desconfiava do envolvimento deles, mesmo porque eles não deram nenhum sinal e ela frequentava minha casa e a conveniência para tomar cerveja e jogar sinuca”, garantiu.

Sobre o fato de atear o corpo da jovem em um precípio, ela diz que o fato ocorreu ali porque foi onde Gabriela estacionou o carro. “Eu coloquei 3 balas no revólver e cheguei a atirar para o alto, falando para ela pedir desculpas, mas isso não aconteceu. Eu então atirei nela e sai correndo”, disse.

Entenda o caso
Jeniffer foi encontrada morta no dia 16 de janeiro, com marcas de tiro em uma cachoeira do córrego Céuzinho, em Campo Grande.

De acordo com as investigações, Gabriela, que era amiga de infância da manicure, teria ligado para vítima dizendo que as duas precisavam conversar. Segundo a polícia, Gabriela já estava com a adolescente de 16 anos no carro, pegou Emilly em casa e só depois buscou a vítima.

Todas foram até o local do crime. Lá, a manicure foi executada. O tiro teria partido de uma arma de Gabriela, Emilly teria ajudado e a adolescente ficado no carro. Ainda de acordo com a polícia, durante o trajeto do local de trabalho de Jeniffer até a cachoeira, todas as mulheres fumaram maconha, inclusive a vítima.

 

G1;COM.BR

Homem perde R$ 1 mil ao cair em golpe do falso promotor de Justiça

Vítima compareceu a lotérica em MS e depositou dinheiro para golpista.
Caso foi registrado em delegacia de Campo Grande.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Um homem de 34 anos teve o prejuízo de R$ 1 mil ao cair em um golpe na tarde desta quarta-feira (1°), em Campo Grande. A vítima, de acordo com o registro policial, recebeu uma ligação de um estelionatário que se identificou como “promotor de Justiça”. A pessoa dizia a ele que deveria depositar o dinheiro ou então o filho dele permaneceria preso.

Em seguida, a vítima foi até uma casa lotérica e fez o depósito, em nome de Cleiton Lopes do Nascimento. Ao constatar que tinha caído em um golpe, o homem compareceu à 2ª Delegacia de Polícia e registrou a ocorrência. O caso foi registrado como estelionato. A pena varia de 1 a 4 anos de prisão, além da multa.

G1.COM.BR

Ladrões furtam R$ 15 mil em mercadorias de loja de Campo Grande

Comércio vende cosméticos e fica no Parque Novos Estados.
Comerciante suspeita de uma jovem que frequenta a região.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Uma loja localizada no Parque Novos Estados, região norte de Campo Grande, foi alvo da ação da ladrões na madrugada desta quarta-feira (1º). O dono do comércio, de 21 anos, disse à polícia que foram furtadas diversas mercadorias que somam pelo menos R$ 15 mil.

O comerciante soube do furto através de um funcionário de outra loja dele, um pet shop vizinho à loja alvo. Quando o rapaz chegou ao local, o comércio estava arrombado e todos os produtos furtados.

Segundo informações do boletim de ocorrência, o comerciante suspeita que o crime tenha sido cometido por uma jovem que frequenta a região junto com amigos dela. Esta já teria até sido presa em outro momento por furtos na região.

O caso foi registrado como furto e até a publicação desta reportagem ninguém havia sido preso.

G1.COM.BR

Detran rompe contrato de R$ 73 mi com consórcio investigado pela Lama

Segundo DOE desta terça-feira, empresa paralisou obra e subcontratou.
Consórcio era responsável pelo sistema de registro de documentos.

Bandeira do estado deMato Grosso do Sul

Vistoria veicular MS (Foto: Suelen Buzinaro/Detran-MS)

Detran informou que usuários não serão afetados
(Foto: Suelen Buzinaro/Detran-MS)

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de Mato Grosso do Sul rescindiu o contrato de R$ 73 milhões com o consórcio Reg-Dog, conforme publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (31). O consórcio contratado na gestão do governador André Puccinelli (PMDB), em abril de 2014, é investigado pela operação Lama Asfáltica.

O G1 não conseguiu contato com os responsáveis do consórcio.

Segundo o extrato do Detran, a razão da quebra de contrato foi em razão ao descumprimento de duas cláusulas do contrato que diz respeito a proibição de subcontratar e execução fora do prazo estabelecido. O documento foi assinado no dia 13 de maio com vigor desde o dia 1º de abril de 2016.

O contrato tinha validade até abril de 2019. As empresas foram contratadas para fazerem os registros de contratos de financiamentos junto a bancos. O Detran informou que os usuários não serão prejudicados pela rescisão. O novo responsável deve ser definido em 60 dias.

O consórcio foi criado pela AAC Serviços e Consultoria e a Itel Informática, do empresário João Baird. Essa última é alvo da operação Lama Asfáltica e a segunda fase, batizada de Fazenda de Lama, que investiga uma série de crimes, incluindo um suposto esquema de desvio de recursos públicos.

O advogado do empresário, Vanderlei Rossi Lourenço, informou que vai analisar o caso.

João Baird, é investigado por supostamente fazer parte de um esquema para fraudar processos licitatórios. Segundo o relatório da operação, a sociedade teria sido desfeita, entrando no contrato a Mil Tec Tecnologia, que substituiu a Itel Informática. Apesar da mudança, investigadores apuram se a troca das empresas seria de fachada.

Documentos apreendidos pela operação Lama Asfáltica (Foto: Maria Caroline Palieraqui/ G1 MS)
Documentos apreendidos pela operação da PF
(Foto: Maria Caroline Palieraqui/G1 MS/Arquivo)

Investigação
As investigações sobre o suposto esquema de corrupção tiveram início em 2013. Na primeira fase da apuração, foi verificada a existência de um grupo que, por meio de empresas em nome próprio e de terceiros, superfaturaram obras contratadas com a administração pública, mediante corrupção de servidores públicos e fraudes a licitações, ocasionando desvios de recursos públicos.

Em análise a material apreendido na primeira fase da operação, a CGU e a Receita Federal verificaram indícios de lavagem de dinheiro, inclusive decorrentes de desvio de recursos públicos federais e provenientes de corrupção passiva, com a utilização de mecanismos para ocultação de tais valores, como aquisição de bens em nome de terceiros e saques em espécie.

Contrato para arrumar Estrada Parque motivou pedido de prisão (Foto: Reprodução TV Morena)
Contrato para arrumar Estrada Parque motivou
prisões (Foto: Reprodução/TV Morena)

Primeira fase
Em fevereiro, o Ministério Público do Estado (MP-MS), denunciou 40 pessoas por envolvimento em corrupção em obras públicas de Mato Grosso do Sul. Esses denunciados tinham sido investigados pela PF. Na época, R$ 84 milhões em bens foram bloqueados.

A operação foi deflagrada em 9 de julho de 2015, cumprindo 19 mandados de busca e apreensão em residências de investigados e em empresas que tinham contratos com o poder público. A PF e a Receita Federal também foram à Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra). De acordo com o secretário estadual de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, quatro servidores foram afastados na época.

Na lista de obras investigadas na primeira fase estão o Aquário do Pantanal e as rodovias MS-171, MS-228 e MS-187. Todas foram executadas na administração de André Puccinelli (PMDB). Na época, a assessoria do ex-governador informou que “todas as contratações seguiram rigorosamente a legislação vigente e aplicável ao caso” e “os pagamentos efetuados foram feitos após verificação dos fiscais de cada uma das obras.

Outra acusação
Baird também foi acusado de associação criminosa, corrupção ativa, pois ofereceu vantagens aos vereadores para votarem pela cassação do prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP), em março de 2014. Além dele, outros 23 também estão na denúncia apresentada à Justiça nesta terça-feira.

 

G1.COM.BR