“Dona Xepa” termina com média superior a de “Balacobaco” e “Máscaras”

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/a4fece64ecc205071c32f12422b9c7a3.jpg

Angela Leal é a protagonista de “Dona Xepa”: novela eleva audiência de “Balacobaco” e “Máscaras” – Divulgação/Record

Com o último capítulo exibido nesta terça-feira (24), “Dona Xepa” chegou ao fim com bons resultados.
Ainda que a novela de Gustavo Reiz não tenha feito com que a Record retomasse à casa dos dois dígitos com sua dramaturgia, o folhetim termina com média geral de 6,9 pontos, a qual é superior aos 6,7 da antecessora “Balacobaco” e aos 6,0 de “Máscaras”.
A recuperação, ainda que lenta, chama atenção levando em conta alguns outros fatores. “Dona Xepa” ganhou audiência em seu decorrer e os índices da reta final são o dobro dos registrados nos capítulos iniciais.
A perfomance da trama também se torna positiva levando em conta o orçamento investido pela Record. Com um terço da verba gasta em “Balacobaco”, “Dona Xepa” entregou resultados mais satisfatórios. Além disso, a história protagonizada por Angela Leal movimentou um elenco muito mais enxuto, com menos frentes de gravações e com menos cenários – os quais, em alguns casos, foram reaproveitados de “Rebelde”.
“Dona Xepa” foi a primeira novela do autor Gustavo Reiz e teve direção-geral de Ivan Zettel (“Rebelde” e “Luz do Sol”). Ao todo foram 91 capítulos exibidos, fazendo com que esta fosse a menor novela já produzida no RecNov e uma das menores novelas da dramaturgia brasileira.
Considerando os últimos 15 anos, “Xepa” só foi maior que “Estrela Guia”, que teve 83 capítulos na Globo em 2001 e um pouco menor que “Pícara Sonhadora”, do SBT no mesmo ano e que fechou com 95 capítulos.
A partir desta quarta (25), a Record lança “Pecado Mortal”. Escrita por Carlos Lombardi e de direção-geral de Alexandre Avancini, o folhetim tem como objetivo ampliar ainda mais os índices de audiência do horário.
Diferente de “Dona Xepa”, “Pecado Mortal” deverá ter pelo menos o dobro da quantidade de capítulos.
NaTelinha

Atriz Miriam Freeland deixa a Record após oito anos

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/6acf96e6ef8000ed0ca79018ceba58d6.jpg

Uma das primeiras atrizes contratadas pela Record, Miriam Freeland é a mais nova baixa do casting de dramaturgia da emissora.
Miriam, que foi contratada em 2005 e que teve como primeiro trabalho “Essas Mulheres”, não renovou seu contrato com a casa e está de saída. No decorrer de sua passagem, ela acumulou vários papéis de importância, como a vilã Ruth de “Bicho do Mato” (2006) e as protagonistas Lígia, de “Poder Paralelo” (2009), e Maria, de “Máscaras” (2012).
Casada com Roberto Bomtempo, Miriam Freeland não atuava desde o fim da novela de Lauro César Muniz, em outubro do ano passado. Bomtempo, por sua vez, perdeu função após a extinção da oficina de atores da Record, a qual foi responsável por revelar nomes como Bruno Gissoni, destaque em “Avenida Brasil” e que recém finalizou “Flor do Caribe”.
A Record tem perdido vários nomes de peso em sua dramaturgia. Bianca Rinaldi e Vanessa Gerbelli, por exemplo, foram duas das outras grandes perdas destes últimos meses. Ambas estarão no elenco de “Em Família”, a próxima novela das nove da Globo.
Marcelo Serrado, Tuca Andrada, Karen Junqueira, Maria Ribeiro, Gabriel Braga Nunes e Maria Carolina Ribeiro, que contracenaram com Freeland em “Poder Paralelo”, são outros dos exemplos de baixas do fim da trama para cá.
Com informações da coluna Controle Remoto.
NaTelinha

Nilson Xavier comenta BALACOBACO

Juliana Silveira e Bruno Ferrari em “Balacobaco” (Foto: Divulgação/TV Record)

Se a intenção da Record com “Balacobaco” era afastar o fantasma de “Máscaras”, pode-se dizer que a meta foi atingida. “Máscaras” ficou no passado e é um projeto que a Record não faz questão de lembrar. Mas isso não quer dizer que “Balacobaco” teve vida fácil.

A novela causou estranhamento quando estreou. Era uma proposta completamente diferente da de sua antecessora. Colorida, espalhafatosa, num tom farsesco, metida a engraçada, com trilha popularíssima e personagens caricatos. Ficou claro que a inspiração da autora, Gisele Joras, foram dois sucessos recentes da Globo: a também colorida e alegre “Cheias de Charme” com a pegada “nova classe C” de “Avenida Brasil”. Pode-se dizer que foi uma aposta corajosa jogar às 22h30 uma novela com forte apelo de comédia e características comuns às novelas do horário das sete da Globo.

Alguns ajustes na trama foram feitos logo no início, mas, passados sete meses da estreia, percebe-se que a sua proposta permaneceu fiel até o fim, o que é bastante louvável. Outro ponto positivo foi a Record ter mantido “Balacobaco” em seu horário original desde o começo – diferente de “Máscaras”, que correu ao caminho dos ventos da audiência e das prioridades da grade da emissora, o que muito a prejudicou.

Infelizmente, a Record ainda não conseguiu recuperar os áureos dois dígitos na audiência que suas novelas tinham antes de “Máscaras”. “Vidas em Jogo” fechou com uma média final de 12 pontos no Ibope da Grande São Paulo. “Máscaras” derrubou para a metade (6 pontos), e “Balacobaco” fecha com 7 pontos. Pelo visto, “Dona Xepa” terá bastante trabalho pela frente.

Não foi a melhor novela de Gisele Joras. Prefiro “Amor e Intrigas”, de 2008. Mas o vilão Norberto foi o melhor papel de Bruno Ferrari na TV – um jovem ator que já havia chamado a atenção em trabalhos anteriores e que cresce a passos largos a cada papel.

 

Nilson Xavier – UOL

Novela “Balacobaco” será esticada mais uma vez na Record

https://i2.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20130327161144.jpg

Divulgação/TV Record
Com audiência estabilizada na casa dos 7 a 8 pontos, a qual representa cerca de 30% a mais que a antecessora “Máscaras”, “Balacobaco” deverá ser esticada mais uma vez pela Record.
A novela de Gisele Joras, que já teve seu término anunciado para março, foi prorrogada para abril e agora se fala no mês de maio. A decisão não é tão recente, visto que o folhetim ainda não apresenta aspectos de estar em reta final.
Desta forma, “Dona Xepa” deverá estrear no dia 15 de maio, na faixa das 22h. Já a sua substituta “Pecado Mortal” pode acabar ficando para o mês de setembro, ganhando assim uma folga maior para a sua produção.
Parte da equipe da trama de Lombardi estava envolvida em “José do Egito” e apenas a partir de agora poderão se concentrar de forma integral no novo projeto.
Com informações da coluna Controle Remoto.
natelinha

“Balacobaco” ultrapassa “Máscaras” na média, mas segue longe da meta

https://i1.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20130315182132.jpg

Foto: Munir Chatack/TV Record
“Balacobaco” já alcançou um de seus objetivos dentro da Record. Apesar de ainda estar longe da meta de dois dígitos, a novela de Gisele Joras já conseguiu ultrapassar na média-geral sua antecessora, “Máscaras”.
A trama atual acumula 6,5 pontos na média dos 115 capítulos exibidos. “Máscaras”, na mesma época, ficou com 5,9. Mas ainda está bem distante das demais novelas da emissora.
Por exemplo: “Vidas em Jogo” ficou com 11,1 pontos nesse período, enquanto “Ribeirão do Tempo” marcou 10,4 e “Poder Paralelo” 10,5. “Chamas da Vida” conseguiu 13,7 pontos.
Cada ponto representa 62 mil domicílios e esses dados são referentes à Grande São Paulo.
natelinha

Jeito diferente de Amar

Esses novos tempos são mesmo cheios de surpresas. Algumas, até curiosas. Um jovem casal de atores da Record – ele no ar e ela de férias – resolveu radicalizar nos dizeres das suas alianças – parte interna, claro. Na dele, em vez do nome dela, está escrito vaquinha. E na dela, cachorro.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Neryb

OS MELHORES (E O MICO) DE 2012!

Amadinhos, quede meu cheiro? Allah Allah (meu Deus)! Chegamos ao fim de um ano de altos e baixos para a TV Brasileira. Depois das maravilhosas “Fina Estampa”, “Avenida Brasil”, “Cheias de Charme” e “Vidas em Jogo”, nos deparamos com “Guerra dos Sexos”, “Lado a Lado” e “Máscaras”. Essas últimas decepcionaram em todos os sentidos. Enfim, termino o ano de 2012 frustrado. 

Dedicarei esse tópico aos “Melhores do Ano”, incluindo o “mico”. A escolha deste último quesito foi a mais complicada. São várias as opções. Mas fiquei na dúvida entre “Máscaras” e “Encontro com Fátima Bernardes”. Poderia escolher a novela, mas optei pelo programa de variedades da Globo. A jornalista Fátima Bernardes ao anunciar a sua saída do “Jornal Nacional” disse que comandaria um programa dos “sonhos” e que nunca havia sido produzido nada semelhante na TV. Longe disto. Não apresentou nada de novo. O “Encontro” nasceu com um formato engessado e desgastado. Com o programa, a Globo não perdeu audiência e nem o prestígio da publicidade, mas, certamente, deixou de respirar novos ares. Poderia ter escolhido a fracassada e decepcionante “Máscaras”, mas não. Fracasso por fracasso, por se tratar da Globo, o do “Encontro” é maior. 

Por fim, no quesito melhor atriz, acabei optando por Adriana Esteves. Uma pena ter que indicar só um nome, já que Claudia Abreu e Débora Falabella também brilharam.

Vamos ao que interessa:

Melhor Novela: Cheias de Charme
Melhor Ator: Murilo Benício (não brilhou, mas foi o melhor entre as opções)
Melhor Atriz: Adriana Esteves, a Carminha de “Avenida Brasil”
Melhor Ator Coadjuvante: Marcello Novaes, o Max de “Avenida Brasil”
Melhor Atriz Coadjuvante: Laura Cardoso, a Doroteia de “Gabriela”
Melhor Revelação Masculina: José Loreto, o Darkson de “Avenida Brasil”
Melhor Revelação Feminina: Titina Medeiros, a divertida Socorro de “Cheias de Charme”
Melhor ator/atriz Mirim: Mel Maia, a Rita de “Avenida Brasil”
Melhor Apresentador(a): Silvio Santos, o melhor de todos
Melhor Programa de Auditório: Programa Silvio Santos
Melhor Reality Show: The Voice Brasil
Melhor Seriado: Tapas & Beijos
Melhor Telejornal: Jornal da Record
Melhor Programa de Entretenimento: “Agora é Tarde”, da Band
Melhor Programa Esportivo: Globo Esporte
Melhor Par Romântico de Novelas: Edgar (Thiago Fragoso) e Laura (Marjorie Estiano), da novela “Lado a Lado”
Melhor cena de novela: Nina (Débora Falabella) sendo enterrada viva em “Avenida Brasil”. Uma cena memorável!!!
O Mico do Ano: Encontro com Fátima Bernardes 

Nos próximos dias, entre 22/12 e 02/01, a atualização no site será reduzida. É o período de recessos. Peço a compreensão de todos. Um feliz natal e um próspero ano novo. E que o ano de 2013 nos brinde com ótimas novelas, estamos precisando. 

Retrospectiva NT 2012: A estreia de “Carrossel” e a queda da Record

Confira o que foi destaque na telinha ao longo de 2012

* Texto e pesquisa: Diogo Mendes Rodrigues
O ano se aproxima do fim e chegou a hora de recordarmos os principais fatos que agitaram a telinha em 2012.
As estreias, as coberturas esportivas, as contratações, as rescisões, os sucessos e fracassos… Para não se esquecer de nenhum detalhe que marcou o ano, o NaTelinha preparou sua tradicional retrospectiva. Confira:
Janeiro
Apesar de janeiro ser um mês de férias, os 31 primeiros dias foram bastante agitados na televisão. No dia 2, a Band surpreendeu o público e continuou a exibir o “Show da Fé” no horário nobre, ao contrário das chamadas que anunciavam a estreia do seriado “24 horas”. No mês seguinte, seria a vez da RedeTV! abrir espaço para os telecultos de R.R. Soares no horário nobre.

Estreia de “Mulheres Ricas” na Band gerou grande repercussão na internet; reality ganha segunda temporada em 2013
Foto: Divulgação/Band
O mês foi de estreias. Na Band foi ao ar “Mulheres Ricas”, reality que reuniu as milionárias Narcisa Tamborindeguy, Val Marchiori, Brunete Fraccaroli, Débora Rodrigues e Lydia Sayeg para mostrar suas vidas de luxo. Outra novidade foi o “Muito Mais” com Adriane Galisteu. O vespertino não rendeu o esperado pela direção, sendo cancelado no segundo semestre.
Na Globo, estreou “Video Game de Verão” com André Marques. Com fraco desempenho, o game não durou um mês no ar. No dia 10, estreava a 12ª edição do “Big Brother Brasil”. Vencido pelo veterinário Fael, o reality registrou a pior média histórica e se envolveu em uma polêmica. O participante Daniel foi eliminado após suspeita de ter estuprado a participante Monique dentro da casa.
Em janeiro, chegava ao fim a novela “Amor & Revolução”, de Tiago Santiago no SBT, que registrou baixos índices na faixa das 22h. Assim, a direção da emissora resolveu estrear “Corações Feridos” às 20h30 e transferiu a faixa especial para as 22h, elevando sua audiência. O mês também marcou a estreia da bem sucedida minissérie bíblica “Rei Davi” na Record e as rescisões de contrato de Rita Lisauskas na RedeTV! e Márcia Goldschimidt na Band.
Fevereiro
No dia 2, estreava na Globo o seriado “As Brasileiras” com a missão de barrar a minissérie “Rei Davi”. O seriado devolveu a liderança no horário para a rede carioca e ainda marcou o retorno da veterana Betty Faria ao canal. Três dias depois, a estreia do Fox Sports sacudia o mercado de TV por assinatura e deixava os assinantes de várias operadoras de cabelo em pé. O motivo: o sinal da emissora demorou a ser disponibilizado nas maiores empresas, levando os telespectadores a perderem vários jogos da Libertadores.

Após nove anos na RedeTV!, “Pânico” surpreende e assina com a Band
Foto: Divulgação/RedeTV!
No mesmo mês, Netinho de Paula retornava à TV após locar horário na RedeTV!. Estreava o “Programa da Gente”, que duraria poucos meses no ar, já que o apresentador precisou se afastar para se candidatar a vereador.
Já Rafinha Bastos acertava contrato com a mesma emissora para apresentar o “Saturday Night Live”, enquanto Silvia Poppovic e Luize Altenhofen rescindiam seus contratos com a Band e Giane Albertoni deixava o comando do “Hoje em Dia”, na Record.
Em fevereiro, a RedeTV! perdeu seu principal programa. A equipe do “Pânico na TV!” assinou contrato com a Band e toda a equipe da atração mudou de canal. O mês ainda foi marcado pelas transmissões da folia de rei momo. Mais uma vez, “Globeleza”, “Band Folia” e “SBT Folia” levaram o carnaval para as casas dos telespectadores. A novidade foi que o SBT expandiu sua transmissão para as festas do Rio e de São Paulo. Com a perda de patrocinadores, a RedeTV! deixou de exibir o tradicional Gala Gay.
Março
Silvio Santos surpreendia em seu retorno no SBT. Após as férias, ele apareceu com um visual grisalho no ar. A nova aparência durou pouco tempo, já que o dono da rede não gostou do resultado e resolveu tingir o cabelo novamente. Já o diretor Carlos Manga foi desligado da TV Globo, após 32 anos de trabalho.
No SBT, o programa “Eliana” passou por ajustes em março. A diretora Leonor Correa deixou a atração e foi substituída por Ariel Jacobowitz. As mudanças renderam resultado e Eliana passou a vencer com frequência Gugu Liberato.

Em março, estreava na Globo a novela que se tornaria o grande sucesso de 2012, “Avenida Brasil”
Foto: Divulgação/TV Globo
“Fina Estampa” chegava ao fim no dia 23. Com audiência estável do início ao fim, a trama recuperou os índices da faixa, fechando com 39 pontos de média geral. Três dias depois, estreava a sucessora “Avenida Brasil”, que se tornou um grande sucesso. A vida da família de Tufão (Murilo Benício) e das rivais Nina (Débora Falabella) e Carminha (Adriana Esteves) conquistaria o público e fecharia com 39 pontos.
O mês foi de muita agitação na RedeTV!. A emissora atrasou os salários e deu início a uma onda de demissões, na qual cerca de 30% de seus colaboradores foram dispensados. Os cortes atingiram vários programas e levou o jornalístico “Aconteceu” a ser cancelado. Paralelamente a isso, a direção do canal acertou com Gilberto Barros seu retorno à telinha.
O mês ainda marcou a estreia do talk show “Roberto Justus +” na Record, a exibição de mais uma edição do “Troféu Imprensa” no SBT, o retorno de Daniela Cicarelli à MTV, a saída de Claudete Troiano da Gazeta, a estreia do humorístico “Casseta & Planeta Vai Fundo” na Globo e o início da segunda temporada de “Rebelde” na emissora de Edir Macedo
O adeus ao mestre do riso
No dia 23 de março, o Brasil perdia um de seus maiores talentos. Chico Anysio falecia após quase cinco meses internado. Aos 80 anos, o comediante faleceu vítima de complicações cardiorrespiratórias.

Divulgação
Cearense, o comediante começou no rádio e com o surgimento da TV, migrou para a telinha. Trabalhou em diversas emissoras, como TV Rio, Record e Tupi, mas foi na Globo em que se firmou.
Foram mais de 40 anos no canal carioca, no qual comandou programas como “Chico City”, “Chico Anysio Show”, “Chico Total” e “Escolinha do Professor Raimundo”. Foram mais de 200 personagens criados, entre eles alguns inesquecíveis, como Alberto Roberto, Raimundo Nonato, Pantaleão e Coalhada.
Abril
No dia da mentira ia ao ar a primeira edição do “Pânico na Band”. O programa repetiu o sucesso da época de RedeTV! e registrou onze pontos na estreia. No entanto, ao longo do ano, o humorístico foi se tornando repetitivo e chegou a registrar apenas cinco pontos em um domingo de dezembro.
O mês ainda marcou a estreia do game “Quem Fica em Pé?”, com José Luiz Datena, que conseguiu bons índices. No entanto, com a ampliação dos dias de exibição, o programa se desgastou.

Estreia de “Máscaras” em abril ocasionou em uma crise na teledramaturgia da Record
Foto: Divulgação/TV Record
O SBT aproveitou abril para promover mudanças em sua grade noturna. Foi lançado o informativo “SBT São Paulo” e uma versão do “Roda a Roda” comandada por Patrícia Abravanel e Liminha. A tentativa fracassou e o canal voltou a veicular o seriado “Chaves” no lugar.
No mesmo mês, a Globo anunciou o cancelamento do quadro “Vídeo Game”, devido à gravidez de Angélica. Na RedeTV!, estreou o game “Estação Teen”, apresentado por Dudu Surita e, posteriormente, pelo grupo Restart. O programa registrou índices inexpressivos e não terá continuidade em 2013.
Abril contou com novidades na teledramaturgia. Na Globo, estreou “Cheias de Charme”, que apresentou a vida de três empregadas que se tornaram estrelas musicais. A novela elevou os índices do horário para a casa dos 30 pontos e se tornou um grande sucesso.
Já a Record entrou em sua maior crise nos últimos anos a partir da estreia de “Máscaras”. O folhetim de Lauro César Muniz despencou a audiência do canal e passou a registrar médias em torno de cinco pontos.
Maio
A crise na Record se estende pelo mês de maio e, consequentemente, várias mudanças aconteceram na grade. O “SP Record” teve um retorno relâmpago no horário nobre e “Rebelde” mudou de horário várias vezes.

“Carrossel” estreou em maio e alavancou o SBT
Foto: Divulgação/SBT
Para piorar a situação da emissora, o SBT estreou seu maior sucesso. No dia 21 de maio, ia ao ar a versão brasileira de “Carrossel”. Registrando média em torno dos 13 pontos, a novela tornou o SBT vice-líder isolado no horário nobre e impulsionou a grade noturna do canal.
No mesmo mês, “Saturday Night Live” com Rafinha Bastos foi a aposta da RedeTV! para substituir o “Pânico” aos domingos. Porém, a atração fracassou e não ultrapassou a casa dos dois pontos.
O programa foi transferido para os sábados e apresentou tímido crescimento. Alguns meses depois da estreia, Rafinha deixou o humorístico e comunicou sua rescisão de contrato. Os baixos índices dos programas e o excesso de televendas e telecultos na grade levaram a RedeTV! a ser superada pela TV Cultura na média-diária em maio. Fato que voltaria a ocorrer com frequência no segundo semestre.

“Saturday Night Live” também estreou em maio, mas não deu certo
Foto: Divulgação/RedeTV!
Já no dia 29, estreava a quinta edição de “A Fazenda”, repleta de intrigas e polêmicas. A morte da irmã de Ângela Bismarchi chamou a atenção do público e dos jornais. Mesmo com a tragédia, a loira resolveu permanecer no confinamento. Outro destaque foi a desistência da cantora Gretchen. Ao longo do reality, as rivais Nicole Bahls e Viviane Araújo trocaram farpas. E Viviane se deu melhor, já que foi a vencedora e faturou o prêmio de R$ 2 milhões. O programa elevou os índices da Record, porém registrou a pior média geral desde a primeira edição.
Junho
Em junho, a Record apostou em Marcelo Rezende para estancar a queda na faixa da 18h. E deu certo. O retorno do “Cidade Alerta” estabilizou a emissora na vice-liderança no horário. Em pouco tempo, foram lançadas versões locais no Rio, em Salvador e em Belo Horizonte.
Já a faixa das 21h continuou sendo um problema para o canal que tentou, sem sucesso, emplacar a reprise de “Vidas Opostas” e a nova temporada de “CSI Las Vegas”. “Rebelde” e “Jornal da Record” trocaram de horário e desabaram ainda mais. Já a novela “Máscaras” teve seu diretor trocado e foi encurtada. Saiu Ignácio Coqueiro e entrou Edgard Miranda. A crise na Record levou o SBT a fechar o mês de junho na vice-liderança, o que se repetiria com frequência no segundo semestre.

Apesar de não fazer tanto sucesso quanto a versão original, remake de “Gabriela” foi bem na Globo
Foto: Divulgação/TV Globo
Na Band, o programa “Pânico” foi proibido pela Justiça de imitar Silvio Santos e de se aproximar do apresentador. O motivo foi que o dono do SBT não gostou de uma dublagem, que colocou na boca dele um palavrão que ele não teria dito. Na semana seguinte, o “Pânico” fez um velório ao vivo do personagem vivido por Wellington Muniz (o Ceará), o que rendeu repercussão e críticas na internet. Ainda na Band, teve início a transmissão da Eurocopa, que sagrou a Espanha como campeã. As transmissões triplicaram a audiência do canal.
A Globo estreou duas grandes apostas em junho. A nova versão de “Gabriela”, escrita por Walcyr Carrasco e protagonizada por Juliana Paes, não repetiu o sucesso da versão original, mas rendeu bons índices na faixa das 23h. Já o “Encontro com Fátima Bernardes” estreou com bastante expectativa e poucas novidades. Desde sua estreia, a atração sofre com a instabilidade. Troca de diretor e alguns ajustes já foram promovidos, mas o programa segue se revezando na liderança com o SBT e a Record.
No mesmo mês, Angélica se afastou do “Estrelas” para sua licença-maternidade, Sílvia Pfeifer deixou a Record e, meses depois, acertou com a Globo, e Gilberto Barros estreou seu “Sábado Total” na RedeTV!. Além disso, a insatisfação de Hebe Camargo com a emissora passou a pipocar na imprensa.
Retrospectiva NT
A segunda parte da Retrospectiva será publicada nesta quinta-feira (27), relembrando o que mais chamou atenção nos outros seis meses de 2012 na televisão. Fique ligado!
Melhores do Ano
Você votou e escolheu os melhores de 2012 na televisão na premiação “Melhores do Ano NaTelinha”.
A votação está encerrada e passa agora pelo processo de apuração. Você vai conhecer os vencedores em uma reportagem especial na próxima sexta-feira (28). Aguarde!

Atrações da Record perdem força no Ibope ao longo de 2012

https://i1.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20121224083234.jpg

Divulgação

 

Tendo como resultado o baixo desempenho de suas novelas, que afetaram o horário nobre como um todo, e das sucessivas mudanças em sua grade de programação, a Record perdeu força ao longo do ano de 2012.

Considerando a média acumulada de dezembro, pode-se constatar que a maior parte dos programas fixos da emissora encerrarão o ano com índices inferiores aos obtidos no começo. Apesar disso, alguns deles apresentaram recuperação nos últimos meses se comparado ao que já chegou a ser marcado.

O “Fala Brasil”, por exemplo, teve 6,8 pontos de média no mês de janeiro ante 6,5 da Globo. Já em dezembro, houve inversão entre as duas emissoras. O canal carioca recuperou a liderança e foi a 7,4 pontos contra 5,8 da Record. Apenas nos meses de julho e agosto os índices foram inferiores (com 5,6 pontos em ambos). A média anual deve se consolidar com 6,3 pontos.

Já o “Hoje em Dia”, carro-chefe das manhãs e um dos maiores faturamentos do canal, também foi afetado pela crise na Record. Foram 5,2 pontos em janeiro contra 4,3 em dezembro. A média anual deverá fechar na casa dos 4,7 pontos. Índices inferiores ao deste mês só foram marcados em outubro, com 3,9 pontos.

No ramo dos programas de auditório, as quedas são ainda mais visíveis. O “Tudo é Possível”, por exemplo, começou o ano com média de 7,2 pontos e fechará no mês de dezembro com apenas 4,3. A queda é superior a 40%. Apesar disso, a média anual ainda deve se consolidar nos 6 pontos devido aos bons resultados nos primeiros meses do ano. Vale lembrar que o programa foi cancelado e não será mais exibido em 2013.

O “Programa do Gugu” também caiu e perdeu força. A atração de Gugu Liberato começou o ano com 10,1 pontos e em dezembro tem média acumulada de apenas 6,2 pontos. A queda foi de quase 40%. Além disso, Gugu acompanhou o fortalecimento de sua antiga casa no mesmo período. O SBT, que começou o ano com 7 pontos na disputa contra seu programa, lhe ultrapassou em novembro (com 8,5 a 7,9) e em dezembro (com 7,3 a 6,2). Ainda assim, na média anual Gugu deve-se firmar na vice com 8,9 pontos ante 7,8 do SBT.

O segmento de filmes da Record também inspira cuidados. A “Super Tela”, por exemplo, começou o ano com 10,1 pontos e perdeu audiência por seis meses consecutivos. Em julho, o índice chegou a apenas 4,5 pontos. Houve uma reação e em dezembro o Ibope deve fechar em 5,4 pontos, com média anual de 6,7.

Outra recuperação perceptível foi o “Jornal da Record”. Bastante prejudicado com a chegada de “Carrossel” e com a rejeição à “Rebelde”, o noticiário, que começou o ano com 7,4 pontos, deve terminá-lo com 6,4 e com média anual de 6,6. Ainda assim, o “Jornal da Record” já chegou a ter 5,3 pontos em junho. A melhor audiência foi alcançada em novembro, quando obteve 7,7 pontos de média.

Por fim, o “Domingo Espetacular” segue como um dos menos afetados. A revista eletrônica alcançou 11,7 pontos de média em janeiro, chegou a 13,7 em março, amargou um dígito durante alguns meses, mas voltou a pontuar acima dos dois dígitos em novembro, com 11,7 pontos. Já em dezembro, a média acumulada é de 11,3 pontos. Apesar disso, neste índice ainda não foi computada a média da edição de ontem, quando amargou 6 pontos.

Esses índices são consolidados e são baseados na preferência de um grupo de telespectadores da Grande São Paulo.

 

natelinha

Flávio Ricco critica , mas também elogia . Mas , é claro , quando merece …

O elogio só passa a ser válido, quando a crítica também é. O último trabalho do Lauro, “Máscaras”, foi duramente criticado aqui, mas a cordialidade que sempre existiu de parte a parte nunca esteve em risco. Algo pouco comum. Há quem prefira o conchavo, tenta mostrar amizade, mas é traíra, fala por trás etc. E, quanto a este tipo, existe nome e sobrenome.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery