James Akel comenta que a TV Cultura continua sem estratégia de programação

 

A TV Cultura a cada dia que passa continua sem estratégia de programação e jogando fora excelentes horários da emissora.

O atual presidente Marcos Mendonça deu poder total pra um amigo seu Mario ( não me lembro o sobrenome) que se posta igual Boni comandando todo time.

Claro que falta o talento de Boni.

Mas Mário da TV Cultura atuava mesmo em TV Legislativa o que demonstra sua nenhuma preocupação com o ibope.

E mesmo depois do trabalho do Mário da TV Cultura o ibope continua igual.

Difícil saber quem é pior no ramo de TV aberta, se o Mário da TV Cultura ou o Diego Guebel da TV Bandeirantes, outro que se acha sucessor de Boni e mantém um péssimo ibope na TV Bandeirantes agora.

No caso da TV Bandeirantes o problema é do dono que tem que pagar a conta.

No caso da TV Cultura o problema é dos cofres públicos que tem que cobrir a conta.

Sem ibope e com prejuízo o certo seria acabar com a TV Cultura.

Se nem tem ibope bom é porque o povo pouco se interessa.

A existência da TV Cultura deixou de existir na necessidade de oferecer algo cultural ao povo.

Temos tanta tv a cabo com conteúdo bom que a TV Cultura não tem mais razão de ser se não tiver ibope bom.

Não ter ibope bom é a rejeição do povo pela emissora.

Se não tem interesse social pelo povo é melhor deixar de dar prejuízo aos cofres públicos.

Marcos Mendonça, presidente da TV Cultura e Mario da TV Cultura deveriam se dar as mãos e ir passear ali perto na Água Branca e deixar pra trás esta triste administração da emissora.

A TV Cultura não tem mais razão de existir.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 10h13 no dia 27/03/2015

James Akel comenta que a TV Cultura precisas de uma solução que dê dinheiro

 

Embora Marcos Mendonça, presidente da TV Cultura acredite que tem méritos por ter ibope acima da RedeTV, sua administração está  longe de ser bom exemplo.

Talvez até sabedor desta sua faceta ele colocou pra comandar tudo um nome conhecido em TV Legistaliva.

Chamado de Mário o atual administrador da TV Cultura está mais pra se achar um Boni pelo jeito que tenta fazer a TV Cultura funcionar.

Mário (nem lembro o sobrenome) tem grande experiência em TV Legislativa.

Tentou assumir a administração da TV Câmara de SP mas deparou-se com o PT tirando de lá uma fundação de nome Fundac e entregando a outra fundação que nada tem a ver com tucanos.

Agora Mário pode achar que vai arrumar mais renda pra TV Cultura se conseguir conquistar a administração da TV Assembleia, curiosamente também administrada pela mesma Fundac.

Uai, deve pensar Mário da TV Cultura, se a Câmara Municipal tirou a Fundac de lá e entregou a outrem, então a Assembleia agora comandada por um tucano pode tirar a Fundac de lá e entregar a outra fundação, quiçá a TV Cultura, também de comando tucano por anos de administração duvidosa.

Afinal foram tantos anos de administração e a TV Cultura em situação difícil financeiramente que qualquer trocado que venha da administração da TV Assembleia pode servir pra fechar a conta.

Na próxima semana novos capítulos desta novela.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 05h14 no dia 27/03/2015
<!–[ ] –>
         

James Akel comenta que a TV Cultura poderá demitir até 200 pessoas

 

Nos bastidores da TV Cultura o medo é grande de que haja lista de demissões de 200 pessoas.

Acontece que pra demitir tanta gente a TV Cultura precisa de aprovação do Governo estadual e dinheiro mandado por Geraldo pra estas demissões que devem estar na casa de 15 milhões.

Infelizmente Marcos Mendonça não está sabendo montar estratégia de marketing de programação que lhe possibilite ter renda com patrocinadores.

Com a estratégia adequado a TV Cultura poderia estar disputando mercado publicitário com a TV Band que arrecada 1 bi ao ano.

Mas Marcos não entendeu isto até agora e joga fora excelente oportunidade de desenvolvimento econômico da emissora.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h58 no dia 29/01/2015

James Akel comenta que elitizar a linguagem da TV Cultura é suícidio

 

O chefão da TV Cultura Marcos Mendonça continua afundando o jornalismo da emissora no horário do almoço.

Durante 2 horas todos os dias na hora do almoço a TV Cultura coloca um jornalismo desinteressante no ar, algo totalmente desnecessário.

Quem está na hora do almoço em casa é a dona de casa e o aposentado.

E durante 2 horas a TV Cultura perde tempo e dinheiro tendo ibope pífio de 0,8 em média quando poderia dar excelente ibope se soubesse fazer TV neste perfil.

A TV Cultura tem um excelente apresentador de bancada que é William Corrêa.

Mas infelizmente ele também é diretor de jornalismo.

E o ibope mostra que o comando nem deve ser seu forte.

Deveria ficar na bancada e deixar a direção pra quem sabe o que fazer pra ter ibope.

Jornalismo intelectualizado na TV Cultura é jogar dinheiro público fora.

Jornalismo tem que ter apelo e carisma popular senão nem adianta.

E se nem é pra ter ibope seria melhor fechar a emissora e economizar dinheiro do povo pra coisas mais interessantes e que possam ajudar.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 19h16 no dia 18/11/2013

James Akel comenta que a TV Cultura joga fora chance de conseguir boa audiência no horário do almoço

 

Marcos Mendonça, presidente da TV Cultura e idealizador de sua programação continua jogando fora o horário da hora do almoço entre 12 e 14 horas e tendo apenas 0,8 de ibope em seu parco jornalismo.

Está tudo errado mesmo ali neste horário e Marcos perde a oportunidade rara de ter ibope perto da TV Band.

Esta coluna não vai mostrar o caminho certo desta vez porque Marcos tem um monte de gente ali que é paga pra isto mas não faz porque nem sabe o jeito certo de fazer;

Errar é humano mas permanecer no erro é teimosia.
E parece que Marcos Mendonça se especializou.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 09h16 no dia 14/11/2013

James Akel comenta o Teatro Zampari

José Serra e dois assessores entrando no Teatro citado por James Akel

 

Por anos, e anos e anos a TV Cultura teve seus programas de auditório gravados no Teatro Zampari, de excelente localização, que fica ao lado de um metrô.
Misteriosamente, o atual presidente Marcos Mendonça simplesmente tirou de lá as gravações.

Alguém chegou a ouvir dentro da emissora que o motivo de não se gravar mais no Teatro Zampari seria por ele não ter alvará em dia.
Uai, todas as outras administrações anteriores gravavam no Teatro Zampari.
Não acredito que todos estavam tão errados.

Então eu percebi que o teatro está no mesmo terreno do Banco do Brasil.
Quem sabe pode passar pela cabeça da nova administração de Marcos Mendonça oferecer o Teatro Zampari pra ser comprado pelo Banco do Brasil e melhorar o caixa da TV Cultura.

O Banco do Brasil com isto teria um excelente teatro na cidade, com localização nota dez, para realizações de seu centro cultural.

Se é pra vender, então que venda tudo de uma vez, incluindo a sede da emissora, os estúdios e aluguem uma salinha qualquer em algum prédio e fiquem passando videos antigos durante a programação.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h38 no dia 31/10/2013

James Akel que a TV Cultira joga duas horas de sua grade no LIXO

O horário da hora do almoço que tem jornalismo na TV Cultura está sendo sem produtividade pelo que já escrevi aqui antes.
A TV Cultura está fazendo jornalismo na hora do almoço pra ninguém.

O mesmo William Corrêa, que é um excelente apresentador, não tem o mesmo desempenho sendo diretor de jornalismo da TV Cultura e parece que o presidente Marcos Mendonça até agora não entendeu isto.

TV se faz pra quem está na frente da tela e não pra quem está trabalhando na emissora.

TV boa é aquela que tem público e não a que não tem ibope.

TV boa sem ibope é TV a cabo e não aberta.

Então o jornalismo da hora do almoço da TV Cultura tem que entender que quem vê TV aberta na hora do almoço em casa é a dona de casa e o aposentado.

Ou seja, se tão tiver interesse pra estes que estão na frente da tela, nem adianta fazer jornalismo.

Ou a TV Cultura faz TV aberta de verdade na hora do almoço ou muda o assunto do horário.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 01h16 no dia 21/10/2-13