Botafogo x Fluminense, pela 15ª rodada, será realizado em Brasília

Clássico estava marcado para o Maracanã, mas a diretoria alvinegra, mandante do jogo, acredita que pode ter uma renda maior no Mané Garrincha

A diretoria do Botafogo conseguiu autorização e vai levar o clássico com o Fluminense, pela 15ª rodada, para o estádio Mané Garrincha, em Brasilia. O jogo será no dia 17 de agosto, com horário ainda a ser confirmado. Originalmente, o duelo carioca seria disputado no Maracanã.

Gramado Mané Garrincha Final (Foto: Divulgação)
Mané Garrincha recebeu partidas da Copa do Mundo (Foto: Divulgação)

Em uma grave crise financeira, o Alvinegro acredita que poderá ter uma renda maior jogando em Brasília, onde tem uma torcida numerosa e que tem poucas oportunidades de assistir ao time jogar de perto.

O clássico Botafogo x Fluminense do ano passado, pelo Brasileiro, também foi disputado fora do Rio de Janeiro, na Arena Pernambuco. Na ocasião, o Glorioso venceu o Tricolor por 1 a 0, com gol de Seedorf, e assumiu a liderança provisória da competição.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Agenda cheia: governo diz que Mané Garrincha deve receber seis jogos do Brasileirão

De acordo com secretário da Copa, a primeira partida deve ocorrer ainda em julho; shows nacionais e internacionais também estão na agenda para o segundo semestre

A ausência de times de Brasília na elite do futebol nacional levantou muitas dúvidas sobre o futuro do Estádio Mané Garrincha após a Copa do Mundo. Porém, segundo o Governo do Distrito Federal (GDF), não há risco de a arena se tornar um “elefante branco”. Ao menos, é o que indica a demanda por eventos no local já para o próximo semestre.

De acordo com o secretário extraordinário da Copa no DF, Cláudio Monteiro, clubes da primeira divisão do Campeonato Brasileiro negociam a realização de jogos em Brasília no segundo semestre. Ao menos seis partidas devem ser marcadas para o Mané Garrincha até o fim do ano.

– Teremos, no mínimo, seis jogos do (Campeonato) Brasileiro e a tendência é isso se ampliar. O futebol brasileiro passou por uma crise gigantesca e vai repensar todas suas situações. As pessoas agora precisam imaginar os clubes não apenas com a fonte de renda da TV e de um patrocinador, mas entender que são nacionais. Fazer um rodízio de partidas pelo Brasil é uma grande oportunidade de captação de recursos para os clubes – disse o secretário.

Torcida do Cruzeiro no Mané Garrincha (Foto: Gabriel Duarte)
Mané Garrincha foi palco da partida entre Atlético-PR e Cruzeiro, pela terceira rodada do Brasileirão (Foto: Gabriel Duarte)

 

Monteiro não quis adiantar quais os times estariam negociando para realizar partidas na arena de Brasília, mas afirmou que o primeiro jogo deve ainda no mês de julho. Além das partidas do Brasileirão, o Mané Garrincha ainda deve receber em dezembro mais uma edição do Torneio Internacional de Futebol Feminino, que reúne a seleção brasileira e outros três países convidados.O estádio já foi palco da competição em 2013.

Inaugurado em maio de 2013, o Mané Garrincha já recebeu 12 jogos da primeira divisão do Campeonato Brasileiro. No campeonato do ano passado, foram 10 partidas. Na atual edição, o Flamengo ficou no empate em 0 a 0 com o Goiás pela rodada de abertura e o Atlético-PR foi derrotado pelo Cruzeiro por 3 a 2 em Brasília.

show beyoncé mané garrincha (Foto: André Borges / Secopa-DF)
Mané Garrincha recebeu show da cantora Beyoncé em 2013 (Foto: André Borges / Secopa-DF)

Shows internacionais

Não são apenas jogos de futebol que estão na agenda do Mané Garrincha para o segundo semestre. Segundo o secretário Cláudio Monteiro, estão sendo negociados shows de duas atrações musicais internacionais.

Em 2013, a arena de Brasília já foi palco de apresentações da cantora Beyoncé e da banda Aerosmith. Também foi realizado um show com artistas nacionais em homenagem ao músico brasiliense Renato Russo.

– Ainda existem eventos que podemos não conseguir confirmar por choque de agenda – disse o secretário, que revelou o contato de pelo menos outras oito atrações nacionais com intenção de realizar eventos no estádio.

Gestão privada

Com o fim da Copa do Mundo, a administração do Mané Garrincha deve ser passada nos próximos dias da Secretária Extraordinária da Copa para a Terracap (Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal). No entanto, é possível que a gestão da arena seja passada para uma empresa privada.

– Os estudos de viabilidade econômica estão sendo concluídos. Em seguida, o governo irá decidir qual a melhor maneira de gerenciar o estádio. Não se trata de privatização, mas de um modelo de gestão. Esse modelo irá dizer qual a forma que o governo será retribuído pela ocupação desses espaços. A melhor maneira de ter uma compensação disso.

A ideia é que, por meio de licitação, seja selecionada uma empresa para explorar comercialmente o estádio. Em contrapartida, o governo teria direito a uma porcentagem dos lucros. Além de jogos de futebol e eventos culturais, o Mané Garrincha também conta com espaços para lojas, bares e restaurantes.

estádio Mané Garrincha jogo Brasil x Holanda (Foto: Reuters)
Gestão da arena de Brasília pode ser passada para uma empresa privada (Foto: Reuters)
GLOBO ESPORTE.COM

Torcedor atira uma garrafa plástica no campo e é retirado do Mané Garrincha

Público presente no estádio identifica responsável pelo ato e indica para polícia, minimizando risco de o Flamengo ser punido com perda de mando.

Já nos minutos finais doempate por 0 a 0 entreFlamengo e Goiás, neste domingo, no Mané Garrincha, um torcedor que vestia uma camisa azul do clube carioca atirou umagarrafa de plástico no gramado. O assistente recolheu o objeto e entregou ao árbitro, que deve relatar o fato na súmula.

Logo após o episódio, no entanto, torcedores que estavam próximos acusaram quem foi o responsável pelo ato, que foi retirado sem resistência pelo policiamento. Diante disso, a tendência é que o Flamengo não seja punido com a perda de mando de campo. O caso aconteceu já aos 42 minutos do segundo tempo.

Mandante da partida, o Flamengo abriu mão de jogar no Maracanã e levou o jogo com o Goiás para Brasília por questões financeiras. Até a paralisação da Copa, na nona rodada, o Rubro-Negro tem o mando de jogo diante de Palmeiras, São Paulo, Bahia e Figueirense. Destes, apenas o primeiro deve acontecer no Rio de Janeiro.

Garrafa D'água Flamengo x Santos (Foto: Thales Soares)Árbitro Anderson Daronco retira a garrafa depois de recebê-la do assistente (Foto: Thales Soares)

GLOBO ESPORTE .COM

Renato Maurício Prado comenta a vida de Nilton Santos

Não vi Nilton Santos jogar. Dele tenho lembranças apenas nas poucas cenas dos já esmaecidos vídeo-tapes das Copas de 1958 e 1962 e a jogada mais marcante, que me ficou na memória é o famoso pênalti, que comete no jogo contra a Espanha mas, instintivamente, dá um passo adiante e o juiz marca falta fora da área.

Uma imagem de esperteza que não corresponde, na verdade, à brilhante carreira do genial lateral-esquerdo, que vim a conhecer, anos mais tarde, ao entrevista-lo algumas vezes (a primeira delas,em companhia de João Máximo, na lojinha de esportes que tinha, em Botafogo). Já naquele primeiro papo era possível perceber, claramente, sua pureza, sua honestidade e seu imenso amor pelo futebol.

Não foi à toa que recebeu o apelido de “Enciclopédia do Futebol”. Era um monstro sagrado da bola. Para muitos, o maior lateral-esquerdo de todos os tempos e, com certeza, ao lado de Mané Garrincha (seu compadre e grande amigo) uma das maiores estrelas da gloriosa história do Botafogo.

Há alguns anos, quando ainda estava bem lúcido, lhe perguntaram se não tinha uma ponta de inveja dos salários milionários que os jogadores de hoje em dia ganham (Nílton vivia franciscanamente, na velhice). Com a simplicidade e a franqueza de sempre, respondeu, com um sorriso nos lábios:

– Tenho inveja é da liberdade (para atacar) que eles (os laterais) têm no futebol moderno.

Não custa lembrar que um dos lances mais emblemáticos de sua carreira foi exatamente quando, desobedecendo às ordens do técnico Vicente Feola, lançou-se ao ataque e marcou um dos gols do Brasil contra a Áustria, na Copa de 1958.

Descanse em paz, Nílton. Com certeza, Manoel dos Santos, o Mané Garrincha, já o está recebendo agora, na porta de entrada do principal estádio do Céu.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO-27/11/2013

Entre despesas, Vasco e Flamengo abrem mão de mais de 50% da renda

Derrotado, Cruz-Maltino arrecada um pouco mais no clássico, com R$ 1.056.768,33. Pré-venda e aluguel do estádio, juntos, passam de R$ 800 mil.

 

flamengo x vasco bordero (Foto: Reprodução/FERJ)

Detalhe do borderô de Vasco x Flamengo, no
último domingo (Foto: Reprodução / CBF)

O clássico entre Vasco e Flamengo protagonizou o segundo maior público e a segunda maior renda deste Campeonato Brasileiro. A partida de domingo, no entanto, não rendeu tanto aos cofres dos clubes, que fizeram acordo para dividir os lucros. Foram R$ 4.071 milhões arrecadados e mais de R$ 2 milhões gastos. Entre os principais, pré-venda de ingressos, repasses às federações e aluguel do Mané Garrincha, que custou R$ 529.252,10. As informações constam no borderô divulgado pela CBF no início da tarde desta terça.

Sem penhoras, o Cruz-maltino, derrotado no campo, levou R$ 1.056,768,33, mais do que os três jogos como mandante na competição somados. Já o Rubro-Negro se contentou com R$ 898.253,51, por ter de abrir mão, ainda, de 15% para dívidas judiciais. Para o duelo em Brasília, foram 61.767 pagantes, abaixo de Fla x Santos (63.501 pagantes), na primeira rodada.

Além do uso da arena multiuso de Brasília, a Ferj tem direito a 10% do valor – ou seja, R$ 402.947,00 – e a federação brasiliense, a 5% – que são R$ 201.473,50. Despesas com o INSS, com segurança, com esquema de pré-venda de ingressos também tiveram representatividade.

Vasco x Flamengo - Mané Garrincha (Foto: Richard Souza)
Mané Garrincha foi o palco do clássico entre Vasco e Flamengo, domingo (Foto: Richard Souza)

Vasco x Flamengo deve ser anunciado no Mané Garrincha

Confirmação deve ocorrer até quinta-feira, e clubes vão dividir igulamente a renda da partida, que será realizada no dia 14 de julho, em Brasília

Mané Garrincha Brasil x Japão (Foto: Getty Images)

Mané Garrincha foi palco da abertura da Copa das
Confederações (Foto: Getty Images)

Após muitas propostas, Vasco e Flamengo optaram por Brasília. Desta forma, os clubes descartaram o Nordeste e deverão mandar o clássico do próximo dia 14 no estádio Mané Garrincha.  O diretor geral cruz-maltino, Cristiano Koehler, confirmou que está muito próximo de anunciar o Distrito Federal como palco do confronto, válido pela sétima rodada do Brasileirão.

– Está mais perto de ser em Brasília, estamos encaminhando, mas acertamos com o Flamengo que nos dois turnos as rendas vão ser divididas meio a meio – disse ao GLOBOESPORTE.COM o dirigente.

Nesta terça-feira pela manhã, a diretoria vascaína fez uma consulta à Federação de Futebol do Rio de Janeiro, que deu o aval para o clássico ser realizado fora do Rio de Janeiro. O Engenhão está fechado, e o Maracanã só deve ser reaberto no dia 21, para receber Fluminense x Vasco.

Para confirmar o duelo no Mané Garrincha, a Federação de Futebol do Distrito Federal aguarda apenas o envio de um documento por parte do Vasco, o que precisa ocorrer até quinta-feira. No site da CBF, o local do duelo, que será às 18h30m, ainda aparece indefinido.

Será o primeiro jogo do time vascaíno no estádio neste nacional e o terceiro do Flamengo, que havia estreado no Brasileirão diante do Santos, em partida com recorde de renda. O segundo será no próximo sábado, diante do Coritiba, agora como mandante.

Estádios do Nordeste também haviam entrado na briga para receber o clássico carioca. Mais cedo, o secretário especial da Copa do Mundo de 2014 no Ceará, Ferruccio Feitosa,demonstrou otimismo em abrigar a partida no Castelão. Salvador, com a Arena Fonte Nova, também esteve cotada para receber o confronto.