Flávio Ricco elogia desempenho de Jussara Freire contracenando com Luiza Tomé

ae509-rederecord2012

 

Dá gosto ver Jussara Freire contracenando com Luiza Tomé em “A Escrava Mãe”…
… Sem a menor cerimônia as duas tomam conta de tudo.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

TV Record marca data da estreia de Escrava Mãe

Novela vai substituir Os Dez Mandamentos no horário das 20h30.

Foto: Antonio Chahestian/TV Record

Escrava Mãe tem a difícil missão de segurar os índices conquistados por Os Dez Mandamentos, responsável pelas maiores audiências da Record. A novela, uma parceria da emissora com a produtora Casablanca, teve a sua data de estreia definida para o dia 19 de outubro, segundo informa a coluna de Flávio Ricco (Diário de S.Paulo).

A trama é escrita por Gustavo Reiz e é gravada em São Paulo, na capital e no interior, sob responsabilidade do diretor Ivan Zettel. Jussara Freire, Zezé Motta, Léo Rosa, Pedro Carvalho, Luiza Tomé e Gabriela Moreyra são alguns nomes do elenco.

 

O Planeta TV

Lucinha Lins e Luiza Tomé vão participar da comédia “Desejos Modernos”

 Lucinha Lins e Luiza Tomé também acertaram participações na comédia “Desejos Modernos”…
… O filme tem Letícia Spiller como protagonista.

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Rede Record define a protagonista de Escrava Mãe

Novela de Gustavo Reiz tem estreia prevista para novembro.

Foto: Divulgação/Record

Após testes, Gabriela Moreyra foi a escolhida para defender a protagonista de Escrava Mãe, novel a que Record exibirá no segundo semestre. Na trama, escrita por Gustavo Reis, a atriz fará par romântico com o ator português Pedro Carvalho.

Gabriela já esteve à frente de outras novelas produzidas pela Record, entre elas: “Vidas em Jogo”, “Caminhos do Coração”, “Bicho do Mato”, “Balacobaco”, “Bela, a Feia”, e “Pecado Mortal”.

O folhetim, que conta a história da mãe da escrava Isaura, terá sua produção terceirizada e ficará a cargo da produtora Casablanca, em São Paulo.  A ideia é que cerca de 50% dos capítulos já estejam gravados quando a novela estrear, em novembro.

Thais Fersoza, Pedro Carvalho, Fernando Pavão, Roberta Gualda, Jussara Freire, Luiza Tomé, Bete Coelho, Cássio Scapin, Zezé Motta, Raphael Montagner, Nill Marcondes, Roger Gobeth e Paulo Nigro são nomes confirmados no elenco.

O Planeta TV

Thais Fersoza será uma das protagonistas de “Escrava Mãe”, novela da Record

A atriz Thais Fersoza, da Record

A atriz Thais Fersoza, da Record

Thais Fersoza também foi confirmada no elenco de “Escrava Mãe”, novela que a Record irá produzir em parceria com a Casablanca, e fará uma das protagonistas.

A produção reúne ainda o ator português Pedro Carvalho, Fernando Pavão, Jussara Freire, Luiza Tomé, Bete Coelho, Cássio Scapin, Zezé Motta, Raphael Montagner, Nill Marcondes, Roger Gobeth e Paulo Nigro e suas gravações começam em maio.

 

Flavio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Nilson Xavier comenta Dona Xepa

Thaís Fersoza, Ângela Leal e Arthur Aguiar em “Dona Xepa” (Foto: Divulgação/TV Record)

Pode-se afirmar que “Dona Xepa” – a novela da Record que terminou nesta terça, 24/09 – cumpriu seu papel de ser uma produção despretensiosa. De tão despretensiosa, não gerou buzz (repercutiu pouco) e só não passou batida porque era uma produção bem acabada e não teve maiores tropeços. O maior buzz foi negativo: em junho, Maurício Mattar (do elenco da novela) pagou um mico ao vivo no “Programa da Tarde” ao perguntar para a plateia se alguém assistia à “Dona Xepa“: o ator ficou no vácuo.

Nem o “mistério da mulher da fronha rosa” e o reality “A Fazenda” (que era exibido na sequência) conseguiram atrair público para “Dona Xepa”, que manteve a média final de sua antecessora no horário: 7 pontos no Ibope da Grande São Paulo – ainda longe dos dois dígitos sonhados pela emissora de Edir Macedo.

A média final das últimas novelas da faixa das 22h30 da Record:

– “Ribeirão do Tempo” (2010-2011): 11;
– “Vida em Jogo” (2011-2012): 12;
– “Máscaras” (2012): 6;
– “Balacobaco” (2012-2013): 7;
– “Dona Xepa” (2013): 7.

Dona Xepa” foi um adaptação de Gustavo Reiz (de “Sansão e Dalila”) a partir da famosa peça teatral de Pedro Bloch, que já havia rendido uma versão para o cinema (filme de Darcy Evangelista, de 1959, com Alda Garrido no papel-título) e duas versões na Globo: a novela “Dona Xepa”, adaptada por Gilberto Braga, em 1977, com Yara Côrtes; e a novela “Lua Cheia de Amor”, escrita por Ricardo Linhares,Ana Maria Moretzsohn e Maria Carmem Barbosa, em 1991, com Marília Pêra.

Interpretar uma personagem como Dona Xepa sem cair na caricatura não é tarefa fácil. A própria Yara Côrtes (a mais icônica das Xepas da TV) foi criticada por isso. EÂngela Leal, a intérprete da vez, resvalou no exagero com sua Xepa – ainda que tenha tido ótimas e algumas emocionantes cenas.

O grande destaque da novela ficou por conta de Thaís Fersoza, que viveu a vilã Rosália, a filha carreirista de Xepa. Um trabalho maduro e levado com muita segurança. Thais é atriz experiente já, e fez bonito. Por outro lado, os trejeitos afetados da perua Meg Pantaleão de Luiza Tomé e o seu bordão requentado “adoooooro!” cansaram – o resultado final ficou tão over quanto o aplique de franja que a personagem usava, um adereço equivocado e desnecessário.

Uma novela simples, ainda bem que “Dona Xepa” foi curta (quatro meses no ar): a história não tinha mais o que render mesmo. Se “Balacobaco” parecia uma “novela das sete apresentada às 22h30”, “Dona Xepa” mais pareceu uma novela das seis às 22h30. E nem é crítica. É apenas uma observação.

Saiba quando a Globo Internacional África começará a exibir Porto dos Milagres

 

Estreia no dia 10 próximo, pela Globo Internacional –  África, a novela “Porto dos Milagres”, exibida aqui em 2001…
… Com Luiza Tomé, Flávia Alessandra, Antonio Fagundes e Marcos Palmeira nos principais papéis

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Analisando a primeira semana de Dona Xepa

A estreia de Dona Xepa

Epa, epa, epa como é chata a Dona Xepa. Brincadeira à parte, adorei a nova novela da Record, com exceção da personagem principal. Acho que Ângela Leal não passa a emoção que a personagem precisa. Ela também não é boa de comédia. Apenas acho. Espero ser convencido a mudar de opinião no decorrer da trama.

A estreia foi caprichada, com uma boa narrativa, lindas imagens, e trilha sonora impecável. Gustavo Reiz e sua equipe de colaboradores apresentaram um texto simples, porém objetivo. De cara arrancou risadas, e despertou o interesse em acompanhar os próximos capítulos.

No quesito audiência, “Dona Xepa” marcou 9 pontos, com picos de 10. Uma ótima audiência, porque não é fácil substituir “Balacobaco”, que considero uma das piores novelas já produzidas pela Record.

“Dona Xepa” pode não ser um fenômeno de audiência, mas se manter a qualidade (e ritmo) do capítulo de estreia, com certeza, será um novelão.

Por enquanto é isso. É muito cedo para uma conclusão. No aguardo dos próximos capítulos.

Em resumo, a análise do primeiro capítulo de “Dona Xepa”:

Destaques: Thais Fersoza, Luiza Tomé, Castrinho, Arthur Aguiar, Marcio Kieling

Decepções: música-tema de abertura; cenários reutilizados da novela “Rebelde”

Nota: 7

O Planeta TV

“Dona Xepa” promete ser uma boa opção da Record para 2013

Ângela Leal em cena de “Dona Xepa” (Foto: TV Record)

Assisti com receio ao clipe de lançamento da novela “Dona Xepa”, apresentada à imprensa nesta terça-feira (07/05), em um estúdio do Recnov, no Rio de Janeiro. Meu maior medo era a Record imprimir à sua nova novela a mesma pegada popularesca da atual “Balacobaco”. Mas não.

A próxima trama da emissora, que estreia dia 21, me pareceu “redondinha”, no sentido de ser uma novela sem maiores pretensões de obrigatoriamente agradar à famigerada “nova classe C” – como é “Balacobaco”, uma produção repleta de caricaturas e uma trilha por demais popularesca.

A história de “Dona Xepa” – a mãe batalhadora e simplória desprezada pelos filhos carreiristas – é, acima de tudo, um prato cheio para agradar públicos de todas as classes sociais. E parece que a Record vai tratá-la como deve ser: apenas um novelão.

A peça de Pedro Bloch – na qual a novela é inspirada – já foi adaptada para o cinema (filme de Darcy Evangelista, de 1959, com Alda Garrido) e, pelo menos, duas vezes para a TV (a novela “Dona Xepa”, de Gilberto Braga, em 1977, com Yara Côrtes, e a novela “Lua Cheia de Amor”, escrita por Ricardo LinharesAna Maria Moretzsohn e Maria Carmem Barbosa, em 1991, com Marília Pêra).

É claro que o autor Gustavo Reiz e sua equipe de roteiristas vão imprimir modernidades à nova história. Um vídeo de Dona Xepa vai cair no Youtube e virar hit na Internet. Vai ter mulher-fruta (nada mais condizente com a feira da novela), busca desmedida pela fama e especulação imobiliária. Coincidentemente, a novela das sete da Globo, “Sangue Bom”, também tem mulher-fruta e busca pela fama.

A nova classe média será retratada, claro, mas de forma mais comedida, menos acintosa: a classe abastada se rendendo ao poder econômico da nova classe C. Até a trilha sonora vem melhor. Curiosamente, o tema de abertura é o mesmo da versão da Globo de 1977 – a música “A Xepa” de Ruy Maurity e José Jorge, dessa vez em uma regravação de Eliana de Lima.

A história é ambientada em São Paulo, que está em alta na nossa Teledramaturgia: as outras emissoras também apostam na capital paulista, que detém o principal mercado publicitário do país. “Sangue Bom” e “Amor à Vida”, as novas novelas da Globo, também se passam lá (assim como “Chiquititas”, do SBT). Mas Gustavo Reiz preferiu não nomear regiões ou bairros de São Paulo. “Dona Xepa” se passa na fictícia Vila do Antigo Bonde e em algum bairro rico. Fim.

A previsão de duração inicial é de 96 capítulos – o que seria ideal para uma novela com um elenco enxuto. “Dona Xepa” tem apenas 31 atores, uma exceção nos dias de hoje e entre as tramas da emissora. Ângela Leal vive a protagonista – a atriz já participara da versão da Globo, de 1977. Thaís Fersoza e Arthur Aguiar (saído de “Rebelde”) são seus filhos Rosália e Edison. O restante de personagens têm nomes diferentes dos de outras versões da história. E Gustavo Reiz criou novas tramas que não existiam nas outras novelas. Luiza Tomé vive a perua esnobe Meg Pantaleão, que – de longe – tem algum paralelo com a popular Kika Jordão, vivida por Arlete Salles em “Lua Cheia de Amor”, em 1991.

A direção geral é de Ivan Zettel. A Record terceirizou a captação de imagens da cidade de São Paulo. “Dona Xepa” será a primeira novela da emissora gravada em 24 quadros por minuto, o que lhe confere uma aparência mais próxima do cinema. Pelo vídeo de apresentação, me pareceu uma novela colorida, alegre, como toda feira.

Mas só Deus e os bispos da Record poderão dizer o que pode acontecer nos próximos meses. Tudo dependerá da audiência (se for boa, a novela será espichada, prática comum na Record) ou da situação da emissora em relação à trama substituta, “Pecado Mortal”, de Carlos Lombardi – que poderá ter sua estreia bastante protelada.

 

Nilson Xavier  ‐ UOL

Record apresenta abertura de Dona Xepa

Durante a coletiva à imprensa, na manhã desta terça-feira, 07/05, a Rede Record apresentou a sua nova novela das dez, “Dona Xepa”. No evento, a emissora exibiu um clipe de lançamento e também a abertura do folhetim, assinado por Gustavo Reiz.

A atriz escalada para o papel principal é Ângela Leal. Além dela, nomes de peso como Luiza Tomé, Mauricio Mattar, Marcio Kieling, Rayana Carvalho, Giuseppe Oristânio, Gabriela Durlo, Emilio Dantas, Pérola Faria, entre outros, completam o elenco. “Dona Xepa”, de Gustavo Reiz, tem estreia confirmada para o dia 21 de maio, na faixa das 22h30, substituindo “Balacobaco”.

O Planeta TV