Lula, Delcídio, Esteves e mais 4 se tornam réus por obstruir a Lava Jato

Notícia Publicada em 29/07/2016 16:09

Eles são acusados pelo crime de obstrução das investigações da Operação Lava Jato

Justiça Federal aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal no Distrito Federal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Ricardo Stuckert/Instituto Lula)
Justiça Federal aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal no Distrito Federal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Ricardo Stuckert/Instituto Lula)

BRASÍLIA – A Justiça Federal aceitou hoje (29) denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF-DF) contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-senador Delcídio do Amaral, e mais cinco acusados pelo crime de obstrução das investigações da Operação Lava Jato.

Com a decisão, Lula e Delcídio passam à condição de réus na ação penal, além do ex-controlador do Banco BTG André Esteves, Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete de Delcídio; o empresário José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai, e o advogado Edson Ribeiro.

Todos os envolvidos são acusados de tentar impedir o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró de assinar acordo de delação premiada com a força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato.

Na semana passada, o MPF reiterou a denúncia contra os acusados, que já haviam sido denunciados ao Supremo Tribunal Federal (STF), pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

No entanto, no dia 24 de junho, o ministro Teori Zavascki remeteu o processo para a Justiça Federal em Brasília, por entender que a suposta tentativa de embaraçar as investigações ocorreu na capital federal. Além disso, com a cassação do mandato de  Delcídio do Amaral, nenhum dos envolvidos permaneceu com foro privilegiado na Corte.

O Financista

Lula presta depoimento à PGR em Brasília

07/04/2016 às 18:44 – Atualizado em 07/04/2016 às 19:14

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fala durante uma coletiva de imprensa com a mídia internacional em São Paulo – 28/03/2016(Nelson Almeida/AFP)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestou depoimento nesta quinta-feira pela manhã à Procuradoria-Geral da República em Brasília em inquérito da Operação Lava Jato. Não há informações sobre o processo para o qual ele foi ouvido. O ex-presidente é investigado por suspeita de receber pagamentos de empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção na Petrobras. Ele estava acompanhado do advogado e ex-deputado petista Sigmaringa Seixas. Lula já deixou Brasília para voltar a São Paulo.

VEJA.COM

Dia de los Inocentes en Brasil #AprilFools #Diadelamentira

charge

Dilma Rousseff – Yo no cometí ningúm crimén!

Luiz Inácio Lula da Silva – Yo no tengo triplex y ni sítio

 Eduardo Cunha – Yo no tengo cuenta en el extranjero!

Diário do Nordeste – 01/04/2016

Lula pode se tornar assessor especial da Presidência se não for ministro, diz Wagner

Notícia Publicada em 23/03/2016 10:55

Ministro voltou a criticar o impeachment, alertando que ele significará um agravamento da crise econômica e não sua solução

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser tornar assessor especial da Presidência da República se não puder assumir a Casa Civil (José Cruz/Agência Brasil)
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser tornar assessor especial da Presidência da República se não puder assumir a Casa Civil (José Cruz/Agência Brasil)

RIO DE JANEIRO – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser tornar assessor especial da Presidência da República se não puder assumir a Casa Civil, disse nesta quarta-feira (23) o ministro Jaques Wagner, chefe do Gabinete Pessoal da presidente Dilma Rousseff.

Em entrevista a mídia estrangeira, Wagner voltou a criticar o impeachment, alertando que ele significará um agravamento da crise econômica e não sua solução, como defendem os favoráveis ao afastamento de Dilma da Presidência.

(Reportagem de Maria Pia Palermo)

 

O FINANCISTA

Rosa Weber vai decidir recurso de Lula no STF

Notícia Publicada em 21/03/2016 17:29

A defesa de Lula apresentou o recurso para derrubar decisão do ministro Gilmar Mendes

A ministra foi citada por Lula em dos grampos telefônicos autorizados pelo juiz Sérgio Moro (Fellipe Sampaio/SCO/STF/Fotos Públicas)
A ministra foi citada por Lula em dos grampos telefônicos autorizados pelo juiz Sérgio Moro
(Fellipe Sampaio/SCO/STF/Fotos Públicas)

BRASÍLIA – A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber vai relatar habeas corpus apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A redistribuição foi feita por meio eletrônico, após o ministro Edson Fachin se declarar impedido para julgar o habeas corpus. A ministra foi citada por Lula em dos grampos telefônicos autorizados pelo juiz Sérgio Moro.

A defesa de Lula apresentou o recurso para derrubar decisão do ministro Gilmar Mendes, da última sexta-feira (18), que barrou a posse do ex-presidente na Casa Civil.

Ontem (20), a petição da defesa do ex-presidente Lula foi endereçada ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski. No entanto, na manhã desta segunda-feira, Lewandowski decidiu distribuir o habeas corpus eletronicamente, por entender que o assunto não é de competência da presidência do Tribunal. Ao declarar-se suspeito, Fachin devolveu o recurso à presidência da Corte.

(André Ritcher)

 

O FINANCISTA