Eurico Miranda: “O Vasco está 90% livre do rebaixamento”

Estava tão fácil que até o Wesley fez gol (FOTO: Guiñazu)

Estava tão fácil que até o Wesley fez gol
(FOTO: Guiñazu)

O torcedor cruzmaltino pode ficar tranquilo! Eurico Miranda, dirigente, presidente e manda-chuva do Vasco veio a público após a derrota contra o São Paulo para explicar a situação do clube e comentar a projeção para o Brasileirão 2015.

“Nós não vamos cair. Para falar a verdade, nas minhas contas, o Vasco está 90% livre do rebaixamento. Ainda mais com a chegada de reforços, como o Ronaldinho Gaúcho, Respeito e o Léo Moura. O Roth vai dar um jeito no time e com certeza vamos classificar para a Libertadores”.

Ainda que tenha tomado 4 gols, o Vasco criou algumas oportunidades claras que foram desperdiçadas pelo atacante Riascos. Ao ser questionado, o técnico Celso Roth explicou o ocorrido: “Tivemos chances de marcar, mas o Riascos esqueceu qual perna era boa e se confundiu na hora do chute. Mas vou escalar alguns volantes a mais nos próximos jogos, empatar todas no Brasileirão e salvar o time do rebaixamento”.

Procurado para comentar as declarações. o tal de Respeito não foi encontrado no Vasco.

 

Renato Maurício Prado pergunta se o Flamengo tem lateral-direito melhor que Léo Moura

 

A pergunta que não quer calar

Existe algum lateral-direito melhor que Leonardo Moura, na Gávea? Não seria útil até o final do ano?

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 28 de junho de 2015

Renato Maurício Prado não entende porque Eduardo Bandeira de Mello nada fez para repatriar Léo Moura

 

Por que?

Não entendi o Flamengo não aceitar a volta de Léo Moura. Quem fez tudo para aposentá-lo foi Vanderlei Luxemburgo, que já não está mais lá. Com o que Pará (não) vem jogando e com a irritação que a torcida demonstra com ele, Léo ainda poderia ser muito útil, pelo menos até o final do ano.

Rejeitado pelo Fla e com um acerto praticamente fechado com o Coritiba, Léo Moura quase acabou no Vasco. A imensa revolta demonstrada pela torcida rubro-negra, nas redes sociais, o fez voltar atrás.

 

Renato Maurício Prado

A torcida do Flamengo foi a 1° a ficar desapontada com Léo Moura hoje; A do Vasco foi a segunda

Acabou o amor (FOTO: Vagner Love)

Acabou o amor
(FOTO: Vagner Love)

A segunda-feira começou agitada no futebol e nos estúdios que apagam tatuagens. O motivo? Léo Moura foi anunciado como reforço do Vasco.

Entretanto, a passagem do lateral por São Januário foi mais rápida do que a do Respeito. O ex-flamenguista desistiu do negócio e já avisou aos dirigentes do Vascão que não atuará pela equipe. Desta forma, Moura acabou decepcionando os flamenguistas e depois os vascaínos, que contavam com a sua presença durante o Brasileirão.

“O Eurico está pior que o Kalil, que anunciou o Anelka. Primeiro ele anunciou o Respeito, mas até hoje nada. Agora, veio com essa do Léo Moura, que também não jogará pelo clube. Nós zoamos os flamenguistas de manhã e agora estamos sendo zoados por eles”, disse o torcedor vascaíno Bernardo.

Se existia alguma chance de o respeito voltar para o Vasco, o caso Léo Moura fez com que não existisse mais.

 

Renato Maurício Prado comenta vontade de Léo Moura de retornar ao futebol brasileiro

 

Fora do “soccer”

Talvez não seja sem motivo a disposição de Léo Moura de retornar ao futebol brasileiro. Além de Ronaldo Fenômeno, um dos acionistas do seu clube é o empresário brasileiro J. Hawilla, réu confesso, incluído no processo de delação premiada, no escândalo de subornos milionários na Fifa. Ele, através da Traffic, já foi dono do Miami e agora, no acordo com a Justiça Americana, comprometeu-se a vender todas as participações que ainda tem no “soccer” nos EUA e abandoná-lo de vez.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 19/06/2015

Renato Maurício Prado comenta o legado de Léo Moura no Flamengo

 

Acostumado com Leandro, um dos maiores laterais da história do futebol mundial, confesso, custei a enxergar em Leonardo Moura o seu verdadeiro valor. Mas à medida que os anos foram passando, seu talento, aliado à permanente dedicação e ao desmedido amor pela camisa que vestia (sempre se disse flamenguista), acabaram me conquistando e à toda Nação Rubro-Negra. Por isso, admito, foi duro assistir ao seu jogo de despedida.

Vê-lo chorar, aos prantos, ao chegar ao Maracanã, me deu um nó na garganta e encheu meus olhos de água. Pensei em desligar a televisão, ou pelo menos mudar de canal. Mas a consciência de que aquela seria a última vez que poderia apreciar suas arrancadas e seu toque refinado, ao chegar à linha de fundo, me fez resistir diante da telinha. E valeu a pena.

O primeiro tempo de Léo Moura foi simplesmente impecável. Digno de suas melhores atuações, quando ele e o outro lateral, Juan, eram o que havia de melhor num Flamengo dirigido por Joel Santana, com Toró escalado no meio-campo, apenas para cobrir os avanços dos dois alas — autênticos armadores numa equipe eivada de volantes.

Grande Moicano! Ajudou (e muito!) a ganhar um Brasileiro, duas Copas do Brasil e um punhado de Estaduais. Ficou faltando a Libertadores, que escapou num ano em que a campanha parecia tão bem encaminhada, mas acabou frustrada por três gols do gorducho Cabañas, em pleno Maracanã, na fatídica noite de despedida de Joel. Uma pena, mas nada a ponto de manchar a bela carreira de Léo Moura no Mais Querido.

Antes de chegar à Gávea, o lateral (revelado pelo Botafogo) perambulou por todos os clubes grandes do Rio e alguns outros de São Paulo e até do exterior. Nunca chegou a se destacar. Até o dia em que envergou o manto e a história passou a ser outra. Há jogadores que parecem nascidos para brilhar em determinados clubes. Exatamente como Leonardo Moura no Flamengo, seu clube de paixão.

Vai em paz, Moicano. Esses dez anos foram mais do que suficientes para garantir um lugar de honra no coração da maior torcida do país.

 

 Renato Maurício Prado – O GLOBO – 07/03/2015

Rede Globo vai transmitir amistoso de despedida de Léo Moura do Flamengo

Flamengo escudo.svgLogoClubNacionalDeFootball.svg

Um amistoso vai ocupar o espaço do futebol na noite da próxima quarta-feira (4) na Globo no Rio de Janeiro e boa parte do Norte e Nordeste do país.

A medida pouco convencional para quando a temporada do futebol já está em andamento se justifica pela despedida de Léo Moura, um dos maiores ídolos recentes do Flamengo.

Sem rodada do Campeonato Carioca e sem times do Rio de Janeiro na Taça Libertadores da América de 2015, a emissora teria para exibir a partida entre Rio Branco/AC e Vasco da Gama, válida pela Copa do Brasil.

Mas resolveu aproveitar o anúncio da ida do lateral-direito para o Fort Lauderdale Strikes, time da Major League Soccer, o campeonato americano que também vai reunir nomes como Kaká, David Villa e Lampard.

Desta vez, o amistoso internacional será com um time uruguaio, o Nacional, com quem o Flamengo jogou pela última vez em 2008, vencendo a partida então pela Libertadores por 2 a 0.

O último jogo oficial de Léo pelo Flamengo foi o clássico contra o Botafogo neste domingo (1), e perdeu de 1 a 0. Porém, o time preferiu guardar as festividades para uma partida não oficial. Além de que ontem já houve a comemoração dos 450 anos do Rio de Janeiro dividindo o foco.

Para exibir a partida amistosa de quarta, a Globo negociou os direitos individualmente com o Flamengo, o que serve até como compensação pela marcação do horário para às 22h como forma de atender a TV.

No mesmo dia e horário, São Paulo deve conferir a partida entre Corinthians e San Lorenzo pela Libertadores, enquanto estados como Ceará e Pernambuco têm rodadas normais de seus torneios locais.

NaTelinha

Flamengo 2 x 1 Atlético Mineiro

 2 x 1 

16ª RODADA
NA CABEÇA DE EDUARDO DA SILVA, FLA VIRA SOBRE O GALO E SE AFASTA DO Z-4
Atacante volta a fazer gol decisivo e garante vitória de virada no Maracanã por 2 a 1. Atlético-MG perde após quatro jogos invicto e vê G-4 mais longe

Mesmo sem ser titular ainda do Flamengo, Eduardo da Silva se candidata a herói. O roteiro do triunfo sobre o Sport se repetiu nesta quarta-feira, no Maracanã: cruzamento de João Paulo, cabeçada certeira do atacante, que garantiu a virada do Flamengo sobre o Atlético-MG por 2 a 1 – Léo Moura marcou o outro em pênalti sofrido pelo protagonista da noite, e Maicosuel abriu o placar. Empurrado por 37.726 pagantes (40.892 presentes), o Rubro-Negro conquista sua quarta vitória em cinco jogos com Vanderlei Luxemburgo, soma 19 pontos e abre quatro de folga para a zona de rebaixamento. Já o Galo perde uma sequência de quatro jogos invicto e uma boa oportunidade de se aproximar do G-4. A distância para a zona de classificação para a Libertadores aumentou de três para cinco pontos.

O resultado da partida no Maracanã, que teve renda de R$ 1.113.815,00, passa muito pelas substituições do jogo. No lado carioca, as entradas de Eduardo da Silva e Mugni deram nova vida ao time no segundo tempo, enquanto a saída de Maicosuel, com cãibras, deixou os mineiros sem força na etapa final. E os números mostram a força do Fla no estádio: dos cinco jogos disputados no local neste Brasileiro, foram quatro triunfos e apenas uma derrota. Aproveitamento de 80%.

Flamengo e Atlético-MG voltam a campo neste fim de semana. O Galo joga primeiro e recebe o Internacional no sábado, às 18h30 (de Brasília), no Independência. Já o Rubro-Negro entra em ação no domingo, às 16h, e tem pela frente o Criciúma no Heriberto Hülse.

eduardo da silva flamengo x atletico-mg (Foto: André Durão)
Herói, Eduardo da Silva marcou seu segundo gol pelo Flamengo, ambos de cabeça (Foto: André Durão)

 

Eduardo da Silva vira herói, e Victor, sem querer, o vilão

O Flamengo que se mostrou especialista em se defender e ficou os últimos três jogos sem sofrer gol mudou a postura para enfrentar o Atlético-MG. Atacou e deu espaços. Concedeu ao adversário um, dois, três… Nove contra-ataques no total. E as velocidades de Diego Tardelli e Maicosuel pelos lados do campo pareciam imparáveis. Foi assim que Maicosuel foi lançado em velocidade, passou por Cáceres, driblou Wallace e marcou um golaço logo aos nove minutos de bola rolando. Luxa reconheceu a deficiência e mexeu ainda no primeiro tempo. Colocou Nixon na vaga de Luiz Antonio e recuou Everton para fechar os espaços. Mas o Atlético-MG também se defendia bem e manteve a vantagem até o intervalo sem grandes sustos.

Os times não mexeram para a etapa final, e o jogo seguiu no mesmo ritmo até os 17 minutos. O Fla foi para o tudo ao nada com Mugni e Eduardo da Silva. O atacante no primeiro lance sofreu pênalti infantil de Pedro Botelho, e Léo Moura converteu com uma pitada de sorte. Victor acertou o canto, defendeu, mas caiu em cima da bola e colocou para dentro. O goleiro levou as mãos à cebeça lamentando, sem saber que o roteiro ainda se repetiria seis minutos depois. Ele defendeu a cabeçada de Eduardo da Silva, mas a bola bateu na trave, bateu nele de novo, e entrou. Motivos para se reclamar da sorte também teve Levir Culpi. Ao perder Maicosuel com cãibras, o Galo ficou sem forças, já que Diego Tardelli, completando 200 jogos pelo Alvinegro, cansou.

victor leonardo moura flamengo x atletico-mg (Foto: André Durão)
Vilão sem querer, Victor esteve perto de evitar os dois gols, mas não contou com a sorte (Foto: André Durão)

Já Paulo Victor não teve do que reclamar. Na cabeçada de André, que entrou no fim, o goleiro rubro-negrou salvou sem susto o que foi a última chance do adversário. O Fla mostra muita evolução no sistema defensivo. Segurou a vantagem e no quinto jogo com Luxemburgo sofreu apenas dois gols, enquanto nas 11 rodadas anteriores pelo Brasileiro a equipe foi vazada 19 vezes. A defesa ainda segue como uma das piores do campeonato, mas nada que o tempo não possa mudar.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Renato Maurício Prado comenta Flamengo 2 x 1 Atlético Mineiro

eduardo da silva flamengo x atletico-mg (Foto: André Durão)

Herói, Eduardo da Silva marcou seu segundo gol pelo Flamengo, ambos de cabeça (Foto: André Durão)

 

Quarenta mil rubro-negros compareceram ao Maracanã e empurraram o Flamengo para a sua quarta vitória em cinco jogos – as três últimas, consecutivas. Na suada vitória por 2 a 1, de virada sobre o Atlético Mineiro, o herói, dentro de campo, foi o brasileiro naturalizado croata Eduardo da Silva, que entrou no decorrer do segundo tempo e em sua primeira jogada sofreu um pênalti (que Leonardo Moura transformou no gol de empate). Pouco depois, de cabeça (como cabeceia bem!) marcou o segundo gol, o da vitória

Pessimamente escalado por Vanderlei, que conseguiu montar um inacreditável meio-campo com quatro volantes (Cáceres, Canteros, Márcio Araújo e Luis Antônio) e ainda fazer do inexpressivo Artur o titular do comando do ataque, num jogo em casa e que precisava, o Flamengo foi amplamente dominado no início da partida, quando o Atlético fez 1 a 0, através de Maicosuel. Já perdendo, o treinador rubro-negro tirou então um dos cabeças de área (Luís Antônio) e colocou Nixon em seu lugar. O time, porém, continuou a se ressentir de um armador de verdade

Após o intervalo, Luxemburgo não mexeu e, apesar de passar a dominar o jogo, o Fla pouco ameaçava o gol de Victor. Só aí, o treinador percebeu que deveria colocar em campo dois jogadores que, na verdade, deveriam ter entrado como titulares: Eduardo da Silva e Lucas Mugni.

Eles substituíram os inúteis Artur e Márcio Araújo e a virada aconteceu naturalmente, com a melhoria do ataque e do meio-campo. Com o resultado, o Mais Querido pulou para a décima terceira colocação e abriu quatro pontos de vantagem para o Coritiba, o primeiro na zona do rebaixamento.

Nos demais jogos dos cariocas, duas derrotas. O Botafogo perdeu do Figueirense, no Orlando Scarpelli, e voltou a rondar o Z-4 (é o primeiro fora da zona da degola). Já o Fluminense foi derrotado pela Chapecoense, num jogo em que voltou a atuar mal. Walter, que começou a partida como titular, ao lado de Fred, quase fez um golaço do meio-campo mas foi só. Fred teve mais uma atuação apagada. Com o resultado, o tricolor saiu do G-4 e ocupa agora a quinta posição, atrás do Corinthians.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 21.08.2014

Com vínculos até o fim do ano, seis jogadores aguardam decisões do Flamengo

Caso não sejam procurados para renovação, Léo Moura, Chicão, João Paulo, Márcio Araújo, Nixon e Arthur ficarão livres para assinar pré-contratos com outros times .

João Paulo Flamengo x Internacional (Foto: Alexandre Vidal / Flaimagem)

Na lista dos que têm contrato até dezembro, João Paulo é um dos mais contestados pelos torcedores (Foto: Alexandre Vidal / Flaimagem)

Ao mesmo tempo em que se movimenta na busca por reforços visando livrar-se da penúltima colocação do Campeonato Brasileiro, o Flamengotem no mês de junho a missão de decidir o futuro de alguns dos jogadores de seu elenco. Seis atletas que compõem o grupo principal comandado por Ney Franco têm seus vínculos atuais com vencimento no dia 31 de dezembro de 2014. Caso a diretoria rubro-negra não os procure, ficam livres para assinar pré-contrato com outros clubes a partir do primeiro dia de julho.

A situação acontece com jogadores de quase todas as posições. Léo Moura, João Paulo, Arthur, Márcio Araújo, Nixon e Chicão são os que têm contrato até o fim desta temporada e esperam o início das negociações. Os três últimos agradam a diretoria e devem ser procurados em breve para prorrogar seus vencimentos.

– São três jogadores que nós temos interesse de permanecer, e isso tudo passa pela avaliação do treinador. São bastante interessantes – disse o presidente Eduardo Bandeira de Mello.

Ao ser questionado sobre João Paulo, o mandatário desconversou. A respeito do jovem Arthur, utilizou o acerto recente com um dos destaques do elenco como exemplo.

– Todos eles, falando como torcedor, pois não estou participando diretamente do processo de avaliação dos jogadores, devem seguir nisso aí. O Arthur acabou de chegar, mas esperamos o momento certo de renovar esse contrato que vai até o fim do ano. Foi como aconteceu com o Paulinho quando veio para o Flamengo.

A situação de Leonardo Moura, ídolo do clube e com muitas conquistas no currículo, no entanto, é a mais tranquila, já que suas renovações têm sido anuais desde 2011 e o acerto só costuma ocorrer em dezembro.

*Por Thiago Benevenutte, estagiário

 

GLOBO ESPORTE.COM