Ponte Preta 1 x 1 Luverdense

 2 x 2 

3ª RODADA
LUVERDENSE DOMINA PONTE PRETA, QUE REAGE EM CASA, MAS NÃO QUEBRA JEJUM
Time do Mato Grosso fica perto de assumir vaga no G-4, mas peca após o intervalo. Macaca amarga quarto empate consecutivo com Dado Cavalcanti .
Atrevimento e experiência se igualaram no duelo entre times separados por mais de um século de idade. Como um moleque desrespeitoso, o Luverdense foi ousado e controlou a maior parte do confronto deste sábado à tarde, no Moisés Lucarelli. Insuficiente, porém, para bater os mais de 100 anos de fundação da Ponte Preta, que, em dia pouco inspirado, aproveitou lances fortuitos para se igualar ao adversário garoto. O 2 a 2 em Campinas deixa ambos invictos ao fim da terceira rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, mas em posições e fases tão diferentes quanto as posturas adotadas no duelo direto.

A tática do Luverdense foi privilegiar o ataque. Não à toa, sempre esteve à frente oumais próximo de balançar as redes que o rival. Saiu na frente com Misael, o melhor em campo, de cabeça. A Ponte, com imensa dificuldade para sair com passes curtos, só foi perigosa graças ao estreante Juninho, autor de um golaço. A superioridade do Verdão era tanta que Lê, ainda na primeira etapa, recolocou a equipe na frente. A história continuou no segundo tempo, mas a Macaca mostrou mais fome pelo resultado. Edno, de pênalti, deu números finais ao jogo.

Invictos e distantes, Ponte e Luverdense adiam a conquista dos objetivos em mais uma semana. Atrás de um lugar no G-4 (ficou com cinco pontos e só não está no grupo pelo menor saldo de gols em relação ao Náutico), o time matogrossense encara o Santa Cruz, sábado, em lugar indefinido – o Arruda está interditado após a morte de um torcedor do Paraná na sexta. Já a Macaca, sem uma vitória sequer e mais perto da zona de rebaixamento, tenta quebrar o incômodo jejum com o novo técnico contra o ABC, também no sábado, novamente em Campinas.

Daniel Borges Ponte Preta x Luverdense (Foto: Rodrigo Villalba / Ag. Estado)
Daniel Borges tenta jogada, mas perde espaço para a forte marcação (Foto: Rodrigo Villalba / Ag. Estado)

O jogo

A Ponte abriu a porte do Moisés Lucarelli para um jovem desrespeitoso, que entrou sem pedir licença, abriu portas e geladeiras e correu tanto que deixou a velha Macaca zonza. Na figura de Misael, o Luverdense comandou todo o primeiro tempo. Abriu o placar de cabeça, pressionou a desfigurada defesa alvinegra (sem Sacoman e Magal, dois titulares absolutos) e só não saiu em maior vantagem graças a Juninho, que achou um belo chute no ângulo esquerdo de Gabriel Leite. O time da casa, em tarde pouquíssimo inspirada, saiu até vaiado para o intervalo.

Dado, como a ousadia necessária de um garoto, rejuvenesceu a Ponte com Léo Cittadini e Rossi nos lugares de Adrianinho e Neilson. A tática não funcionou tanto no início, já que o Luverdense seguiu a tática de ignorar o mando do campo. O efeito aconteceu já no fim, quando o gás da molecada do Mato Grosso sumiu. Cittadini foi calçado dentro da área e deu a Edno a chance de salvar a Ponte. O camisa 11, veterano que até agora não decepciona em Campinas, mostrou que idade também faz a diferença. Nesse caso, a favor da Ponte e contra o Verdão.

Alexandro ponte Preta x Luverdense (Foto: Rodrigo Villalba / Ag. Estado)
Alexandro passou em branco em mais uma rodada da Série B de 2014 (Foto: Rodrigo Villalba / Ag. Estado)
GLOBO ESPORTE .COM