Rede Globo entendeu como natural a migração de Cristiana Oliveira , Kadu Moliterno , Nívea Stelmann e Paloma Bernardi para a Rede Record

 

Como agora se verifica…

Os acertos de Cristiana Oliveira, Kadu, Nívea e Paloma com a Record foram vistos pela Globo como absolutamente naturais.

Nenhum deles tinha mais contrato lá.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Cristiana Oliveira e Kadu Moliterno estão integrados ao grupo da novela Josué e a Terra Prometida

 

Apresentados

Cristiana Oliveira e Kadu Moliterno já estão integrados aos trabalhos de “Josué e A Terra Prometida”.

Os novos contratados da Record foram apresentados na primeira reunião de elenco da novela, a exemplo de Nívea Stelmann e Paloma Bernardi.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Rede Record aboliu salários milionários aos atores e atrizes que migram da Rede Globo

 

Situação diferente

Vários ex-globais estão desembarcando no elenco de “Josué e A Terra Prometida”, na Record, vivendo hoje uma realidade diferente da que viveram no passado.

Os salários milionários deixaram de existir e a política de agora na emissora é a dos pés no chão. Recentemente, para esta produção, a Record anunciou as contratações de Cristiana Oliveira, Kadu Moliterno, Paloma Bernardi, Nívea Stelmann e Alexandre Slaviero, entre outros.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Cristiana Oliveira e Kadu Moliterno vão participar da novela Josué e a Terra Prometida

Record contrata Cristiana Oliveira e Kadu Moliterno

Cristiana Oliveira e Kadu Moliterno, com seguidos trabalhos na TV Globo, são os novos contratados da Record para o elenco de “Josué e a Terra Prometida”.

A negociação, que vinha de algum tempo e guardada de muito segredo, foi concretizada, nos dois casos, neste último final de semana.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Novela Anjo Mau de 1997 vai ser exibida em Portugal a partir de 13 de julho de 2015

Muito em breve os telespectadores portugueses vão poder acompanhar “Anjo Mau”, de Maria Adelaide Amaral…
… É o remake da novela homônima de Cassiano Gabus Mendes, com Glória Pires, Kadu Moliterno e Alessandra Negrini…. Irá ao ar a partir do próximo dia 13, às 14h10, no canal Globo Básico.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Vamos relembrar as paixões proibidas da novela Porto dos Milagres

A novela conta muitas outras histórias de paixões proibidas, como o romance de Alfredo Henrique (Miguel Thiré) – filho de Otacílio e Amapola (Zezé Polessa) – e Luísa (Barbara Borges), filha de Rita (Joana Fomm) e Francisco (Tonico Pereira); o amor de Leontina (Louise Cardoso) pelo cunhado Oswaldo (Fúlvio Stefanini), marido de sua irmã Augusta Eugênia (Arlete Salles); a repressão sexual de Genésia (Julia Lemmertz), que se realiza nos braços de Ezequiel (Vladimir Brichta); e a relação da professora Dulce (Paloma Duarte) com o médico Rodrigo (Kadu Moliterno).

 

Fonte : Memória Globo

Kadu Moliterno e Werner Schunemann também não sabem se vão participar da novela Lady Marizete

Outros dois
Kadu Moliterno e Werner Schunemann são outros nomes que também estão nos planos do diretor Wolf Maya para a mesma “Lady Marizete”.
Ambos, a exemplo do Dalton Vigh, ainda não acertaram.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Chega às lojas o DVD da clássica novela “A Sucessora”, com Susana Vieira

Rúbens de Falco e Susana Vieira em "A Sucessora" (Foto: Divulgação/TV Globo)

Rúbens de Falco e Susana Vieira em “A Sucessora” (Foto: Divulgação/TV Globo)

Já está à venda nas lojas o DVD da novela “A Sucessora”, com Susana Vieira, Rúbens de Falco e Nathalia Timberg, originalmente exibida no horário das seis da Globo, entre outubro de 1978 e março de 1979 – há, portanto, 36 anos. Está na relação das mais antigas produções da Globo disponíveis em DVD, para compra, juntamente com outros poucos clássicos – como “Irmãos Coragem” (1970-1971), “Selva de Pedra” (1972), “O Bem Amado” (1973), “Escrava Isaura” (1976) e “Dancin´ Days” (1978). O box, com nove DVDs, custa em média 170 reais.

asucessora_dvd

Com direção geral de Herval Rossano, “A Sucessora” foi uma das mais requintadas produções de época para o horário das seis até então. Reconstituiu os glamorosos anos 1920 com muito requinte, em figurinos, caracterizações, cenários e direção de arte. A história era uma adaptação do romance homônimo de Carolina Nabuco (1890-1981), roteirizada porManoel Carlos. Foi o segundo folhetim de Maneco, que, naquele mesmo ano de 1978, apresentara, com relevante sucesso, a novela “Maria Maria” (com Nívea Maria).

A Sucessora” trazia consigo um fato curioso que repercutiu e serviu como publicidade para a novela: a história de Carolina Nabuco lembra muito o romance “Rebecca”, da inglesa Daphne du Maurier (1907-1989), o qual gerou o famoso filme “Rebeca, a Mulher Inesquecível”, de Alfred Hitchcock, em 1940. O livro de Nabuco foi publicado antes do de Maurier, o que os literatos da época configuraram como um plágio da escritora inglesa. O mais curioso é que a expressão “mulher inesquecível” é bastante repetida durante a novela.

A mulher inesquecível da história de Carolina Nabuco não chamava-se Rebeca, mas Alice, a falecida esposa de Roberto Steen (Rúbens de Falco), cultuada em um majestoso quadro em sua mansão. A novela começa quando o viúvo Roberto conhece e se apaixona pela jovem Marina (Susana Vieira), moça culta mas criada na fazenda, longe dos francesismos do Rio de Janeiro da década de 1920 – portanto, completamente diferente de sua mulher Alice, sempre lembrada como uma figura elegante e sofisticada da alta sociedade carioca, e, principalmente, de personalidade forte e marcante.

Quando muda-se para a mansão Steen, Marina vive o drama de carregar o peso que a memória de Alice exerce sobre todos que a conheceram – em especial a sombria governanta Juliana (Nathalia Timberg), uma mulher obcecada em preservar a memória da ex-patroa e que esconde uma paixão pelo patrão Roberto. Marina vai enfrentar então duas fortes oponentes: uma viva (Juliana) e uma morta (Alice). Para isso, a direção de Herval Rossano valorizou o clima psicológico da história com muito suspense – uma novidade entre as românticos folhetins do horário das seis da época. O que também remetia ao filme de Hitchcock.

Kadu Moliterno e Arlete Salles, capa da trilha sonora, Nathalia Timberg (Foto: Divulgação/TV Globo)

A abertura da novela fez sucesso: exibia cartões românticos da década de 1920 ao som a música “Odeon”, de Ernesto Nazareth e Vinicius de Moraes, cantada porNara Leão.

Ai quem me dera o meu chorinho tanto tempo abandonado
E a melancolia que eu sentia quando ouvia ele fazer tanto chorado
Ele me lembra tanto, tanto todo o encanto de um passado
Que era lindo, era triste, era bom igualzinho ao chorinho chamado Odeon…

A Sucessora” merece uma espiada pelo registro histórico de uma produção antiga da Globo de uma época em que a indústria da telenovela era muito diferente de hoje em dia. Tanto Manoel Carlos quanto Susana Vieira sempre relembraram “A Sucessora” como uma das novelas das que mais gostaram de trabalhar. Ainda, para quem conhece a obra de Manoel Carlos: “A Sucessora” não tinha nenhuma personagem chamada Helena, mas já havia um Dr. Moretti (interpretado pelo atorFrancisco Dantas). E a novela exibia cenas reais de romance entre Susana Vieira eRúbens de Falco, que assumiram um namoro na época.

No elenco, também Paulo Figueiredo, Arlete Salles, Kadu Moliterno, Liza Vieira, Mário Cardoso, Beatriz Veiga, Célia Biar, Heloísa Helena, Ary Coslov, Carmem Monegal, Patrícia Bueno, Sônia de Paula e outros.

 

Nilson Xavier

Kadu Moliterno estará na novela Meu Pedacinho de Chão

 

Kadu Moliterno, confirmado no elenco de “Meu Pedacinho de Chão”, substituta de “Joia Rara”, será o prefeito da cidade das Antas.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Saiba quando a peça O que terá acontecido a Nayara Glória? será apresentada no Teatro Santos Dumont

 

“O que terá acontecido a Nayara Glória?”, com Maria Rocha e Alexandra Bastida, será apresentada no Teatro Santos Dumont, em São Caetano, dias 27 e 28.

A peça une o teatro e o audiovisual, com as atrizes no palco e participações em vídeo de Betty Faria, Aguinaldo Silva, Kadu Moliterno e Thalita Carauta.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery