“Notícias da Manhã” perde uma hora; SBT escala desenhos “pré-escolares”

Neila Medeiros

O SBT promoveu sem alarde uma alteração em sua grade de programação a partir da próxima segunda-feira (16).

Através de seu site oficial, é possível perceber que o jornal “Notícias da Manhã“, apresentado por Neila Medeiros, perderá uma hora de duração.

Entre 6h e 7h, a emissora agora exibirá o “Desenhos Pré-Escola”, inicialmente com “Papa-léguas” e “Tom & Jerry”. Já o “Notícias da Manhã” entrará a partir das 7 da manhã e terminará às 9h, entregando para o “Bom Dia & Cia”.

Curiosamente, na programação enviada para a imprensa na manhã de hoje, esta mudança não constava, o que leva a crer que ela foi definida ainda hoje.

Procurada pela reportagem do NaTelinha, o SBT confirmou a informação: “O SBT informa que optou por diferenciar sua grade das demais emissoras já que, no horário das 6h às 7h, a maioria exibe jornalismo. Como já é tradição da emissora valorizar o público infantil, a opção foram os desenhos no horário”.

Vale ressaltar que o “Notícias da Manhã” tem o seu melhor desempenho na primeira hora, onde costumava ser vice-líder, vencendo o “Balanço Geral Manhã”, de Fabíola Gadelha, na Record.

 

NaTelinha

Rede Globo define data de estreia de seu novo jornal matinal; confira

Globo define data de estreia de seu novo jornal matinal; confira

Monalisa Perrone será a âncora do novo jornal da Globo

Anunciado no início deste mês, o novo telejornal da Globo, que entrará no lugar do “Globo Rural”, já teve sua data de estreia definida pela direção da emissora.

Segundo comunicado enviado às afiliadas de toda a rede, o novo telejornal irá ao ar das 5 às 6 da manhã, estreando no dia 1º de dezembro.

Com isso, todos os jornais locais da rede começarão logo após o programa, que será apresentado por Monalisa Perrone. Os “Bom Dia Praça” ganharão mais 30 minutos em toda a rede, e mais 15 em São Paulo e no Rio de Janeiro, entregando como de praxe para o “Bom Dia Brasil”, ancorado por Ana Paula Araújo e Chico Pinheiro.

Ainda sem qualquer nome definido, a produção do novo telejornal segue a todo vapor. Já se sabe que as ex-apresentadoras do “Globo Rural”, Ana Paula Campos e Priscila Brandão, serão repórteres especiais do noticiário.

Além disso, a ex-equipe de produção do “Globo Rural” também está fazendo uma espécie de intensivo de “hard news” com os colegas do “Jornal da Globo”, que é produzido horas antes. O novo jornalístico trará os assuntos mais importantes da noite anterior, da madrugada e do início da manhã, bem como as cotações dos produtos agrícolas.

Com essa estreia, a Globo amplia sua programação ao vivo e comemora o fato de ficar das 5h às 14h com atração exibidas em tempo real. Nos últimos meses, o “Globo Rural” vem perdendo espaço para jornalísticos da concorrência, que vinham sendo exibidos cada vez mais cedo.

NaTelinha

A ascensão do “SBT Brasil” e os motivos de seu “ressurgimento”

Essa foi a melhor reportagem do SBT Brasil . Ana Paula Padrão esteve com uma equipe gravando matérias sobre a Coreia do Nordeste dentro do país .

 

Desde o término do “TJ Brasil” e saída de Boris Casoy para a Record em 1997, até o ano de 2005, o jornalismo no SBT era precário. O investimento era nulo e havia somente dois telejornais, o da manhã e no final de noite com Hermano Henning, com um apanhado de material enlatado. Programas jornalísticos, então, apenas um “SBT Repórter” bastante limitado que, por falta de verba, passou um bom tempo reexibindo edições.

O ano de 2005 chegou e em meados dele, a contratação de Ana Paula Padrão. Na época, um alvoroço, e aqueles inserts na programação com os dizeres de que “Globo não tem mais padrão” e “Globo perdeu padrão”, uma alusão ao padrão de qualidade da emissora carioca. Ninguém acreditava que Padrão deixou a Globo, onde trabalhou por tantos anos, para se “aventurar” num projeto de Silvio Santos, que sempre foi conhecido como uma pessoa que muda de ideia como quem troca de roupa e nunca deu importância ao jornalismo.

Silvio estava de olho em Ana Paula desde 1996, mas suas investidas surtiram efeito depois que a jornalista passou a priorizar sua vida pessoal e a almejar uma melhor qualidade de vida. Daí, a troca.

Como nada nessa vida é só flores, o jornal seria encaixado num momento difícil. O SBT vivia uma fase extraordinária em audiência. Todas as suas atrações marcavam dois dígitos desde às 18h até a meia-noite. Época em que o “Roda a Roda” alcançava quase 20 pontos todos os dias contra o “Jornal Nacional” e Silvio Santos também dava expediente com o “Family Feud” diariamente. O Ratinho estava em grande fase às 19h, “Esmeralda” em seus últimos meses, além de “Xica da Silva” ter sido um grande acerto do SBT. Algo precisava ser sacrificado.

O horário acertado para a estreia do “SBT Brasil”, no dia 15 de agosto de 2005, foi o das 19h15, colocando o Ratinho para mais cedo e derrubando sua audiência em mais da metade. No seu novo horário, conseguia a proeza de perder até para a TV Gazeta, que exibia o “Mesa Redonda”. Criou-se um efeito sanfona e desde então, a audiência nunca mais fora tão alta. O noticiário era rejeitado apesar de sua sofisticação e qualidade, fazendo com que a grade noturna sofresse para retomar o caminho – algo que só está conseguindo agora.

Não adiantava. Posteriormente, Silvio Santos sacrificou seus games e fez um “sanduíche” com o jornal: “Family Feud” começando às 19h15, “SBT Brasil” às 19h45 e o “Roda a Roda”, 20h30. Nem assim.

Tirar o telejornal do ar seria uma loucura. O “SBT Brasil” passou por praticamente todos os horários de lá para cá, e só encontrou estabilidade há três anos, que se mantém às 19h45, com 45 minutos de duração.

O público mudou

É indiscutível que o público sofreu mutações de 10 anos para cá. É notório que a programação da TV caiu como um todo, mas o “SBT Brasil”, na verdade, não. A audiência da estreia foi de 10 pontos, mas em poucas semanas tinha dificuldade para passar dos 5. Foi o primeiro programa do SBT a ser terceiro lugar todos os dias com o investimento que a Record fazia dramaturgia e proferia seu discurso que chegaria ao primeiro lugar.

Naquela época, e até pouco tempo atrás, o público rejeitava jornalismo no SBT. Prova disso foi a dificuldade do jornal em conseguir boa repercussão e ter números razoáveis no Ibope. Isso foi conseguido agora.

Um nome

Rachel Sheherazade, que está à frente do jornal há três anos, foi a grande sacada. Com opiniões contundentes e polêmicas que repercutem, se tornou um chamariz no “SBT Brasil” e conseguiu seu lugar de prestígio na casa sendo autêntica. Mesmo que ela esteja “descansando” de dar seus pitacos, a audiência que o jornal conseguiu é, em parte, por conta da presença dela.

Por ali passaram alguns apresentadores e o “SBT Brasil” teve seu período mais nefasto em 2007, quando era às 21h30 e terminava no exato momento em que a novela da Globo também chegava ao fim. Triste.

 

 

Investimentos na área

O SBT tem ampliado os investimentos em jornalismo nos últimos anos, prova disso é a contratação de Roberto Cabrini para comandar o “Conexão Repórter”, que é, sem dúvida, o melhor programa jornalístico da televisão aberta. Carrega a essência jornalística no seu DNA.

A paciência que o SBT teve com o “SBT Brasil” e outros investimentos na área fizeram com que o público percebesse que dessa vez era para valer. E agora, colhe os louros.

Com a chegada de Carlos Nascimento à bancada, apenas agrega mais público e faturamento.

Concorrência

Dar entre 7 e 8 pontos atualmente contra o “Cidade Alerta”, que é o programa de maior audiência da Record, é um desempenho surpreendente. E merecido. Não há como ignorar também o bom e velho “Chaves”, que tem passado o  bastão em alta. Mas o mérito de manter todo ou parte desse público, é do “SBT Brasil”.
Contatos do colunista: thiagoforato@natelinha.com.br / Twitter: @Forato_

 

 

Âncora de jornal local deixa função para atuar em “Falso Brilhante”

Âncora de jornal local deixa função para atuar em "Falso Brilhante"

 

Atores que se tornam jornalistas são até comuns na televisão brasileira. É o caso de Sandra Annenberg, que atuou em séries e novelas da Band e SBT, além de filmes, antes de se tornar jornalista e apresentadora do “Jornal Hoje”, daGlobo.

Outros âncoras também já se arriscaram na atuação, como Augusto Xavier, hoje apresentador do “RedeTV! News”. E agora vai ser o caso do apresentador e editor-chefe do “NETV – 2ª edição”, da Globo Nordeste, Hugo Esteves.

Hugo anunciou que irá deixar o jornal e atuará na novela “Falso Brilhante”, próxima novela das 21h da Rede Globo. Em entrevista para o blog “Social 1”, do NE10, ele comentou sobre o caso e disse que as gravações ainda não começaram e relatou que foi convidado diretamente por Aguinaldo Silva, que é pernambucano e o autor da trama.

“As gravações ainda não começaram. Aguinaldo já escreveu 14 capítulos e só ontem foi divulgada alista de atores. Em breve, a produção me liga para eu seguir para o Rio de Janeiro e começar o trabalho”, disse.

Grande parte do público do jornal pernambucano ficará surpreso com isso, mas Hugo Esteves já tenta seguir carreira como ator há 20 anos e disse que já deu sua contribuição ao jornalismo, querendo entrar de cabeça na sua carreira artística: “Eu realizei 13 peças de teatro e estou nisso há muito tempo. Além do mais, sou músico e gosto de viver da arte. Faz 30 anos que trabalho no jornalismo e acho que já dei a minha contribuição neste ramo. Quero novas aventuras. Estou no elenco de apoio, agora. Ainda não sou protagonista. Ainda, mas sei que vou ser um dia”.

Falso Brilhante” estreia logo após a Copa do Mundo. A trama terá direção geral de Rogério Gomes e suas gravações começam no próximo dia 28 de abril, na Suíça.

 

NaTelinha

 

Depois de demissão do SBT, Carlos Chagas acerta novo destino na TV

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/4a9d29362a78c40dfd4cdd8d43ead4cb.jpg

 

Com prestígio no mercado, já que há anos cobre os bastidores da política, o jornalista Carlos Chagas já tem nova função na televisão, depois de ser demitido do SBT.

Carlos Chagas foi contratado pela rede paranaense CNT, onde terá duas funções. Na primeira, ele fará comentários diários no telejornal “CNT Jornal”. A segunda será a volta do programa de entrevistas “Jogo do Poder”, onde apresentou por vários anos nesta emissora, na extinta Rede Manchete e na RedeTV!.

Chagas havia deixado a televisão há apenas 30 dias, quando foi demitido do SBT juntamente com José Nêumanne Pinto e Denise Campos de Toledo. Ele também, recentemente, saiu da Rádio Jovem Pan, onde era comentarista.

Além do trabalho na televisão, Chagas se dedica à divulgação de “A ditadura militar e os golpes dentro dos golpes”, livro editado e comercializado pela Editora Record que chegou ao mercado no fim de janeiro.

 

NaTelinha

Rachel Sheherazade fala sobre polêmica: PT e PSOL defendem a censura

Em conversa exclusiva, âncora comenta repercussão de comentário no “SBT Brasil”

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/d1122ac4272fba12532cff47336dfc3d.jpg

Nesta semana, um dos nomes mais falados na internet e na política foi o de Rachel Sheherazade.

Tudo porque a apresentadora do jornal “SBT Brasil” emitiu uma opinião na última terça-feira (04) sobre um jovem de 15 anos, acusado de roubo, que foi agredido e acorrentado por populares no Rio de Janeiro.

Para a âncora, em um país onde há grandes índices de violência, as atitudes dos chamados vingadores são consideradas compreensíveis.

A jornalista ainda classificou o fato como uma “legítima defesa coletiva de uma sociedade sem Estado” e incentivou que os defensores dos direitos humanos fizessem um “favor” ao Brasil e adotassem um bandido.

Veja o vídeo:

A crítica de Sheherazade alcançou enorme repercussão e gerou reclamações de muita gente, inclusive de partidos e sindicatos. O PSOL protocolou uma representação na Justiça por crime de incitamento à violência.

Já o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e a Comissão de Ética também se manifestaram contrários ao posicionamento da âncora. Tais órgãos alertaram para a grave violação de direitos humanos através do pronunciamento da jornalista.

Em entrevista exclusiva ao NaTelinha, Rachel falou sobre sua opinião emitida no “SBT Brasil” e não poupou críticas aos que falaram mal dela.

Confira na íntegra:

NaTelinha – Você tem algum receio de que as suas opiniões polêmicas coloquem em cheque sua credibilidade?

Rachel Sheherazade – Opiniões não afetam a credibilidade. Quando você exibe sua opinião, você toma posicionamentos, mostra quem é, como pensa. Se opiniões depusessem contra nossa reputação só os idiotas teriam crédito.

NaTelinha – O que tem a dizer sobre a representação do PSOL contra você e do comunicado do Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro repudiando sua critica?

RS – O PSOL é um partido que vem ganhando as manchetes dos jornais por seus escândalos de desvio de dinheiro público e fraudes. É uma legenda insignificante, inexpressiva, que agora, às vésperas da eleição, quer ganhar as manchetes, se fazer presente de alguma forma. Procurava uma vítima para chamar de sua e uma algoz a quem pudesse acusar, desviando, assim, a atenção dos eleitores de seus escândalos políticos recentes. Assim como o PT, o PSOL também defende o controle da mídia, que nada mais é do que a volta da CENSURA aos meios de comunicação. O partido acusa-me de incitação à violência quando simplesmente faço uso de um direito constitucionalmente garantido – a liberdade de expressão. Portanto, é um partido anti-democrático, que não tolera a imprensa livre. Seu presidente usou o plenário da Câmara para me fazer acusações levianas, na esperança de ganhar dividendos eleitorais.

Já o sindicato dos jornalistas do RJ, em vez de defender seus profissionais e a liberdade de imprensa, está jogando o jogo dos maus políticos, promovendo a volta da mordaça. O sindicato acaba maculando sua própria credibilidade, como entidade representativa dos direitos dos jornalistas. Só tenho a lamentar…

Agora eu me pergunto: que tipo de apoio o PSOL, o PT, o Sindicato dos Jornalistas do RJ e as ONGs de Direitos Humanos fizeram até agora pelo infrator preso ao poste? Alguma dessas entidades lhe socorreu? Estendeu-lhe a mão? Ou ele só foi usado como discurso panfletário e nada mais?

NaTelinha – O pessoal mais de direita te defende. Até dizem que você é reacionária. Concorda?

RS – Sou, de fato, uma pessoa com valores conservadores, muito mais à direita que à esquerda. Quero conservar o Estado democrático de Direito, a família, a propriedade privada, o voto livre, o parlamento forte, a Justiça independente, a liberdade religiosa, as garantias constitucionais, a paz social, a manutenção da ordem, o direito à vida… Se tenho atitudes reativas é porque reajo contra a corrupção, a violência, a impunidade, a falência do ensino, o desrespeito às nossas instituições e tudo o que põe em risco nossas maiores e mais importantes conquistas sociais.

NaTelinha – Você acha que, em algum momento de suas opiniões nestes anos de “SBT Brasil”, você tenha quebrado a ética jornalística?

RS – De forma alguma! Defendo, antes de tudo, a democracia, a legalidade, o bem comum, a ordem, e principalmente, os direitos dos cidadãos de bem esquecidos pelo Estado.

NaTelinha – No “SBT Brasil” desta quinta-feira (06), você deu explicações sobre sua opinião de terça (04). Foi obrigada pela direção de jornalismo a fazer isso? Como se sentiu diante de tantas críticas?

RS – A ideia de voltar ao assunto foi do nosso diretor de Jornalismo [Marcelo Parada] e acatei na hora. Fazemos um jornal muito transparente e somos muito próximos ao nosso público telespectador. Tamanha repercussão sobre aquele assunto não poderia passar em branco no SBT BRASIL.

Quanto as críticas, eles serão sempre bem vindas. É para isso que analisamos os fatos, nos posicionamos diante da notícia. O objetivo não é empurrar goela abaixo nossa opinião, mas fomentar debates na sociedade. Permitir ao telespectador um olhar mais apurado e aprofundado sobre a realidade do país.

NaTelinha