Goleiro Deola, do Fortaleza, é absolvido por unanimidade em julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol

Camisa 1 tricolor foi ao tribunal por crítica à arbitragem após derrota para o Ceará, mas não recebe punição. Antes do julgamento, torcida protestou na FCF

Deola

Deola foi absolvido por três votos a zero no TJDF
FOTO: BRUNO GOMES
O goleiro Deola não desfalcará o Fortaleza na reta final do Campeonato Cearense. Na tarde desta terça-feira (7), o camisa 1 tricolor foi julgado pela Segunda Comissão Disciplinar do Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol (TJDF-CE) por críticas à arbitragem do Clássico-Rei do dia 28 de fevereiro e foi absolvido por unanimidade – três votos a zero.Antes do julgamento, torcedores do Leão realizaram protesto na entrada da sede da Federação Cearense de Futebol (FCF) – onde também funciona o Tribunal. Com faixas “171” e “Federação vendida”, os tricolores também entoaram cânticos contra as entidades. No mês passado, o clube chegou a ser excluído do Estadual por ter acionado a Justiça Comum antes de esgotar as instâncias esportivas em 2002, de acordo com o TJDF – uma semana depois, a diretoria conseguiu efeito suspensivo.

Com a presença de Deola, a defesa do Fortaleza foi realizada pelo advogado Marcello Desidério, vice-presidente do Conselho Deliberativo – o presidente Jorge Mota, o diretor jurídico Daniel de Paula Pessoa e o supervisor de futebol Álvaro Augusto também estiveram presentes. A prova de vídeo apresentada pela procuradoria foi desqualificada pela má qualidade, e o jogador foi absolvido.

O arqueiro foi denunciado pela procuradoria do Tribunal por críticas à arbitragem de César Magalhães na vitória por 1 a 0 do Ceará, pela terceira rodada da segunda fase do Cearense. Enquadrado nos artigos 243-F §1º C/C §2º e 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que preveem pena de um a seis jogos – além de multa entre R$ 100 e R$ 100 mil, no 243-F -, cada, Deola poderia ser punido por até 12 partidas.

“Tem que mudar a arbitragem. Não está dando desse jeito. Erros clássicos (sic), fáceis de serem marcados. Não sei se é por competência ou realmente favorecimento que não foram marcados e prejudicaram demais o nosso trabalho”, criticou em umas das entrevistas após o clássico.

Os artigos

O artigo 243-F, que se refere a “ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto”, diz no §1º que “se a ação for praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, contra árbitros, assistentes ou demais membros de equipe de arbitragem, a pena mínima será de suspensão por quatro partidas”, enquanto o §2º diz que “para todos os efeitos, o árbitro e seus auxiliares são considerados em função desde a escalação até o término do prazo fixado para a entrega dos documentos da competição na entidade”.

Já o artigo 258 é sobre “assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à etica desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código”.

 

Jogada – Diário do Nordeste – 07/04/2015

Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol do Ceará concede efeito suspensivo, e Fortaleza retorna ao Campeonato Cearense

Presidente do órgão defere pedido do clube, que retorna ao Estadual 2015 após exclusão e poderá jogar a semifinal contra o Icasa

Atualizada às 18h39

Cinco dias após a exclusão, o Fortaleza conseguiu retornar ao Campeonato Cearense de 2015. Na tarde desta terça-feira (31), o Pleno do Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol do Ceará (TJDF-CE) concedeu efeito suspensivo da decisão do julgamento da última quinta-feira (26) e assegurou a presença do Tricolor no restante do Estadual.

Na semana passada, a Primeira Comissão Disciplinar do Tribunal determinou, por três votos a dois, a exclusão e o rebaixamento do Leão para a Série B da competição em 2016, além de multa de R$ 50 mil. No dia seguinte à decisão, o departamento jurídico tricolor, encabeçado pelo presidente Jorge Mota,protocolou pedido de efeito suspensivo, junto com a Federação Cearense de Futebol (FCF), que ingressou no processo como terceiro interessado.

Nesta terça, o presidente do Tribunal,Jamilson Veras, indeferiu o recurso voluntário com pedido de efeito suspensivo da FCF, mas concecedeu o efeito suspensivo pedido pelo Leão “visando não tolher a agremiação de dano irreparável”, conforme a decisão. Ainda não há data marcada para o julgamento do caso no Pleno do TJDF.

O Fortaleza, portanto, poderá disputar os jogos da semifinal do Cearense, contra o Icasa. A partida de ida será no próximo domingo (5), às 16h, no estádio Romeirão, em Juazeiro do Norte. Já o confronto de volta será no dia 19, no mesmo horário, no Castelão. O classificado enfrentará Ceará ou Guarani de Juazeiro na final.

Clima tenso

Após a decisão do Tribunal, torcedores se revoltaram e chegaram a divulgar dados e informações pessoais de membros do órgão em redes sociais. Além disso, o prédio da FCF, onde também funciona o TJDF, foi alvo de protesto na madrugada do último sábado (28), sendo pintado de azul e vermelho e com disparo de coquetel molotov.

Na última segunda (30), a Polícia Civil instaurou inquérito para investigar os dois casos, que serão presididas pelo delegado titular do 34º DP, Romério Almeida.

Entenda o caso

O Leão foi julgado por recorrer à Justiça Comum antes de esgotar as esferas esportivas em 2002, de acordo com o Tribunal – a Procuradoria do TJDF reabriu o caso no dia 17 de março após ser oficiada pela FCF. Na ocasião, o clube alegou que o atacante costa-riquenho David Madrigal, do Ceará, estava atuando irregularmente, sem visto de trabalho, e recorreu ao TJD pedindo a perda de 17 pontos do Vovô. O Alvinegro conseguiu a vitória no Tribunal, e o Tricolor foi à 17ª Vara Cível da Justiça Comum.

 

Jogada – Diário do Nordeste – 31/03/2015

Entrevista com Jorge Mota, presidente do Fortaleza

Mandatário do Tricolor fala sobre gestão do clube e sócio-torcedor

Como está sendo esse início de gestão? Tem algo que lhe orgulhe ou algo pelo qual se arrepende?

Estou absolutamente satisfeito, feliz pelos resultados. Com a vitória de ontem, estamos na semifinal do Campeonato Cearense e estamos na segunda fase da Copa do Nordeste. E ainda vamos estrear contra o River/PI pela Copa do Brasil. Em todas as competições desse ano, estamos bem ‘na foto’.

O financeiro é sempre uma preocupação do torcedor. Ainda mais com clubes que sempre têm dificuldade, como acontece no Brasil.

Como estão as finanças em 2015? E como está sendo para trazer recursos e atrair patrocinadores?

Todo clube tem problemas financeiros. Até porque, hoje bilheteria não é mais a principal fonte de arrecadação. Ela é nos grandes jogos. Quarta-feira, por exemplo, nós devemos ter uma grande arrecadação contra o campeão do Nordeste, único nordestino na Série A. No mais, a gente procura equacionar, como um lençol curto, cobre a cabeça, descobre os pés. A gente vai indo, temos grandes parceiros e amigos que colaboram. Nas necessidades mais urgentes, a gente faz uma espécie de caixinha, e todo mundo colabora. Alguns empréstimos, depois a gente paga. Não vou dizer que está fácil. Mas, com dificuldade, está dando para conduzir.

Como está a situação do sócio-torcedor do Fortaleza?

Nós temos um projeto de aumento do número de sócios. Trouxemos o Paulo Zago, que é quem fez aquele programa de sócio-torcedor do Palmeiras. Nós temos outro projeto do cartão também, corporativo, para junto do sócio-torcedor, possibilitar benefícios. Eu quero acreditar que dentro de pouco tempo, quando a gente divulgar todo o programa de sócio-torcedor, nós devemos ter um aumento substancial no número de sócios-torcedores. Além de assistir aos jogos de graça, ele (sócio-torcedor) terá uma série de benefícios. É um projeto muito bonito e muito bem desenvolvido. E dentro de pouco tempo ele estará pronto, para a gente apresentar a todos.

Dentro de pouco tempo, questão de meses?

Não, não, dias, dias. Ja está ficando maduro, quando a gente divulgar, você poderá fazer seu sócio-torcedor pelo celular, comprar ingresso pelo celular, pagar a mensalidade pelo celular. Tudo será feito dentro do que se requer na modernidade. Para evitar que tenha que ir ao clube, faz-se de casa, pelo computador, telefone. É um projeto audacioso, mas simples, e muito interessante para o clube.

Nesse pouco tempo de gestão, já houve acréscimo do número de sócios-torcedores?

Já tivemos, estamos beirando os 5 mil sócios. E eu sei que já já vai ter um ‘plus’ e nós vamos ter um número muito maior de sócios torcedores. Como eu costumo dizer, se o Internacional de Porto Alegre tem menos habitantes que Fortaleza- tem 120 mil sócios-torcedores, por que nós não podemos ter 20, 30 mil?! Vamos ter sim, já, já.

O Fortaleza está de olho em algum jogador para a Série C?

Sempre a gente observa, nunca se deixa de observar. Daqui a pouco, vai acabar o Campeonato Paulista e vai ter jogador para todos os gostos.

Você falou uma vez, assim que assumiu, em uma coletiva de imprensa, que, caso não subisse, o torcedor poderia arrancar sua cabeça. Está de pé ainda?

Isso é força de expressão (risos). Isso não vai acontecer, a gente vai subir nesse ano, para o deleite da torcida tricolor.

A Série C é o principal objetivo. Mas entre Copa do Nordeste e Campeonato Cearense, tem alguma preferência do Fortaleza?

As duas. Se depender de mim e da vontade do torcedor, nós queremos ser campeões do nordeste, do cearense, do brasileiro. Não sei o que eu vou conseguir, mas a gente vai em busca de todos os objetivos. Um time como o Fortaleza, quando entra na disputa de um título, ele entra sempre pensando em ser campeão.

A troca de comando e a volta do Marcelo Chamusca eram evitáveis? Você considera que foi um erro?

Não, foi um acerto. Quando os resultados não vêm na medida que a gente espera, você tem que procurar uma mudança. A mudança que se apresentava mais razoável era de treinador. E surtiu um efeito positivo, porque o Marcelo Chamusca conseguiu encontrar e engrenar o time.

Mas dava para segurar o Marcelo Chamusca em dezembro?

Aquele momento foi interessante, de muita indefinição, entorno do projeto do Fortaleza, qualquer treinador teria tido alguma ressalva ou receio diante daquele cenário de dificuldade, que ele sabia. Ao mesmo tempo, tinha uma proposta de um outro clube, que ele achou boa, queria mudar de cenário. Foi muito natural, do dia a dia, do contexto de quem trabalha no futebol. Não houve nenhuma dificuldade para nós acertarmos a saída dele, nem para trazermos de volta. Foi dado um tempo, que foi interessante para amadurecer o Chamusca, que depois pegou um time mais ou menos encorpado.

O Marcelo Chamusca tem multa rescisória?

Não, porque nós trabalhamos muito na confiança. Ele é uma pessoa com quem a gente se dá muito bem, se dá bem com o time. A gente trabalha sob uma relação de confiança muito forte.

Foi uma questão de resultado a demissão do Nedo Xavier?

Também foi isso. Os resultados não vieram na proporção de um clube tão grande como é o Fortaleza.

Naquela sua passagem vitoriosa nos anos 2000, você era visto como um presidente centralizador. Como você definiria seu estilo hoje?

Eu centralizei tudo (naquela época)! Hoje, nós temos todas as diretorias do clube andando, funcionando naturalmente, como antes também trabalhávamos. Antes eu influenciava mais. Hoje, influencio (principalmente) as decisões no setor de futebol. E quando há a necessidade, eu participo, mas a gente tem trabalhado com muita harmonia na nossa diretoria. Uma gestão compartilhada, moderna, como tem que ser. Fazendo todas as considerações, o futebol não pode ser analisado exclusivamente como empresa.

O Osmar Baquit tinha falado que as despesas diárias no Fortaleza custavam até R$ 25 mil. Hoje, vocês têm esse calculo?

R$ 30 mil. A despesa média é em torno de R$ 30 mil. Tem que amanhecer o dia com R$ 30 mil no caixa. Se não tiver, você vai acumulando aquela conta até quando aparecer o dinheiro para regularizar. Dificilmente regulariza, sempre tem uma pendência.

Qual a melhor parte de ser presidente do Fortaleza e a pior?

A melhor parte é o reconhecimento da torcida. Quando a gente está ganhando, isso é importante. Eu já fui presidente uma vez, e atendi ao apelo de vários amigos e acabei voltando. A dificuldade é que você tem que estar presente todo dia, toda hora, estar ganhando. Mas as coisas estão correndo bem. Mesmo com a derrota diante do Ceará, a torcida apoiou o clube.

Você torce para que Fortaleza e Ceará se encontrem na final da Copa do Nordeste?

Eu torço pelo Fortaleza. Não estou olhando para o Ceará. Se o Ceará souber fazer sua parte, que faça. Eu vou tentar fazer a minha parte. Levar o Fortaleza à final é o nosso compromisso. Mas o Ceará é um grande adversário, e é importante enfrentá-lo, pela receita e pela rivalidade.

(Entrevista concedida aos colaboradores Lucas Ribeiro e Messias Borges)

 

Jogada – Diário do Nordeste – 24/03/2015

 

 

“Não vamos estabelecer teto para a folha salarial”, afirma presidente eleito do Fortaleza, Jorge Mota

2062a-fortaleza_esporte_clube_de_fortaleza-ce

Em entrevista ao Programa Ocelio Pereira, na Rádio Metropolitana, nesta quinta-feira, o presidente eleito do Fortaleza, Jorge Mota, afirmou que não irá estipular uma quantia máxima para os gastos no clube.

“Veja bem. Não vamos estabelecer um valor, um teto para a folha salarial. De que adianta eu contratar um jogador barato, ele não render e ficar parado. Vai custar mais do que se fosse um jogador caro. Nós temos de trazer qualidade. Precisamos fazer as coisas certas e contratar o que for melhor para o Fortaleza”, garantiu o mandatário tricolor, que revelou que as despesas já ultrapassaram o valor de R$ 400 mil por mês.

“Já passamos, sim desse valor. Temos de honrar os compromissos assumidos neste mês. Precisamos pagar os jogadores que nós temos, que contratamos e que renovamos. Todos os dias têm coisa para pagar. Não é só dentro de campo, não. Tem alimentação, categorias de base, gratificação etc. Você pensa o que? Não é fácil, não!”, completou Jorge Mota, que fez questão de dizer que não vai fazer loucura.

“O torcedor pode ficar tranquilo. Todos os dias estamos nos reunindo e analisando o que podemos fazer. Ontem, nossa reunião foi justamente sobre a questão financeira. O Maurício Guimarães e o Ênio Ponte estão vendo todas as situações, onde temos receita, de onde podemos tirar e o que vamos pagar”, revelou.

Indagado sobre a questão do departamento de marketing, Jorge Mota, disse que está trabalhando no assunto, e que vai ter um diretor no clube, mas que também estuda a possibilidade uma empresa especializada entrar em parceria.

Sobre o programa de sócio-torcedor, o presidente do Fortaleza afirmou que vai trazer um especialista no setor para dar uma revigorada e ajudar o clube.

Já com relação a reforços, Jorge Mota seguiu a cartilha de só falar em nomes, quando o contrato estiver assinado e que todo jogador bom interessa ao Fortaleza.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 19/12/2014

Dívida do Fortaleza foi feita em 2010 por Renan Vieira e valor era de R$ 235 mil

Renan Vieira foi o presidente do Tetracampeonato cearense (Foto: Arquivo/Diário do Nordeste)

A dívida de empréstimo superior a R$ 4 milhões confirmada pelo presidente do Fortaleza, Osmar Baquit, não foi feita em 2009 e o valor solicitado não foi de R$ 500 mil.

De acordo com o processo, obtido pelo Blog, o empréstimo foi realizado em 09 de fevereiro de 2010 no valor de R$ 235.905,60 e assinado por Renan Vieira, então presidente do Fortaleza, e com a anuência de Jorge Mota, então presidente do Conselho Deliberativo.

O débito foi pago pelo avalista em cinco parcelas de R$ 52.025,37 de 09 de março a 09 de julho de 2010.

Clique nos links abaixo para ver os documentos sobre o empréstimo tricolor.

http://svmar.es/1wepIBV

PS: Os documentos tiveram o nome do avalista apagado para preservar a imagem da pessoa.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 11/12/2014

Presidente do Fortaleza, Osmar Baquit, confirma dívida de empréstimo superior a R$ 4 milhões

Osmar Baquit e Adailton Campelo no Pici (Foto: Bruno Gomes/Diáriodonordeste)

Osmar Baquit e Adailton Campelo no Pici (Foto: Bruno Gomes/Diáriodonordeste)

Em entrevista à Rádio Assunção, nessa terça-feira, o atual presidente do Fortaleza, Osmar Baquit, confirmou a informação divulgada pelo radialista Jota Lacerda, da Rádio Assunção, sobre uma dívida do clube superior a R$ 4 milhões.

O débito é de 2009 e foi realizado pelo então presidente do clube, Lúcio Bomfim, com o aval do conselho deliberativo.

“Essa dívida existe. É do ano de 2009 e foi assinada pelo presidente Lúcio Bomfim e pelo presidente do conselho deliberativo Jorge Mota. O valor foi de 500 mil reais e teve um avalista. Esse avalista, agora cobra o valor e está na justiça. O débito hoje é de 4 milhões e 600 mil”, declarou Baquit, que continuou.

“Eu pedi para fazer uma perícia contábil sobre essa dívida, não estou desconfiando de ninguém, apenas quero saber como chegou a esse valor. De 2009 pra cá, para 2014, foi protelado. Então, é necessário avaliar bem o que aconteceu. A gente já soube que o advogado se propõe a parcelar e dar um bom desconto”, completou o atual mandatário tricolor.

Baquit também comentou sobre a cota de TV do Campeonato Cearense de 2015, que já foi recebida no mês passado.

“Nós não pedimos nenhuma antecipação. Acontece que nós recebemos a cota de TV em novembro porque o acordo é assim. Quando a gestão do Jorge Mota estiver em novembro de 2015, também vai receber a cota de 2016”, garantiu o presidente leonino.

O diretor financeiro do Fortaleza, na administração de Jorge Mota, que assume o clube em janeiro, Maurício Guimarães, informou que não entendeu como uma dívida, avaliada pelo conselho deliberativo, de 2007, e que passou por outras gestões, só agora apareceu para ser paga.

Guimarães, contudo, diz que o clube vai esperar a perícia contábil pedida pela atual diretoria do Fortaleza para saber o real valor, se já foi julgada e como está a situação jurídica do débito, e garantiu que vai tentar resolver a pendência de alguma forma.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 10 de dezembro de 2014

Fora de campo, Fortaleza vive caos e só comprova o quanto está bem atrás do Ceará

5298d-fortaleza2be2bcearc381

Em 2007, o então técnico do Ceará, Heriberto da Cunha, declarou de maneira surpreendente que dentro de Porangabuçu tinha um verme, que há muitos anos fazia de tudo para derrubar o clube e manter o time em crise. Nunca foi divulgado ou revelado quem era o tal verme.

Um ano depois, Evandro Leitão assumiu o comando do Ceará. Entre os vários objetivos declarados e divulgados para a torcida e para a mídia, o mandatário alvinegro tinha um desejo pessoal de acabar com as brigas internas dentro do clube.

Evandro acreditava que se os dirigentes, funcionários, conselheiros e sócios-proprietários não se unissem, seria impossível conseguir reerguer o clube. Vale lembrar que à época, o Ceará padecia com dívidas astronômicas e ainda via o maior rival conquistar sete dos últimos nove campeonatos estaduais disputados.

Desde então, o Ceará, como qualquer outro clube, produziu brigas grandes, mas jamais reveladas e muito menos divulgadas, e cresceu, principalmente fora de campo, de tal forma que virou exemplo e referência para outros.

Só para se ter uma ideia. Em 2008, Evandro Leitão entrou com um processo na Justiça contra as Lojas Rabelo, de propriedade de João Rabelo irmão de Eugênio Rabelo, que comandou o clube em 2006 e 2007, quando a empresa patrocinava o Ceará.

O receio de expor imbróglios sobre o clube foi tamanho, que neste ano, em 2014, ao saber do vazamento da notícia de que a Justiça deu ganho de causa ao clube para receber cerca de R$ 500 mil das Lojas Rabelo, Evandro Leitão ficou tão constrangido que preferiu recusar o recebimento, pois já tinha feito as pazes com a família Rabelo.

O (enorme) preambulo acima é só para constatar a (gigantesca) diferença entre Ceará e Fortaleza. Enquanto em Porangabuçu, há um esforço sem precedentes para não haver revelação de problemas internos do clube, no Pici, parece ser justamente o contrário.

Além de quase todos os presidentes do Fortaleza terem renunciado, desde 2007, provocados por forças ocultas, com exceção agora de Osmar Baquit, o clube e seus dirigentes e ex-dirigentes demonstram (aparentemente) gostar de ver o “circo pegar fogo”.

No mês passado, Jorge Mota (um dos presidentes mais vitoriosos do clube) discutiu calorosamente num programa de rádio com o atual vice-presidente Daniel Frota. A briga expôs o Fortaleza ao ridículo com acusações de ambas as partes de envergonhar qualquer torcedor.

No início deste ano, o então diretor de futebol, Adailton Campelo, após descobrir que estavam tramando sua queda do setor, declarou em entrevista coletiva momentos antes do clássico contra o Ferroviário, que havia traíras dentro do Fortaleza e alguém no próprio Pici estava a serviço do Ceará para prejudicar o Tricolor.

Em sua última entrevista coletiva na sala de imprensa do clube, o atual presidente do Fortaleza, Osmar Baquit, não poupou críticas a diversos adversários. Apesar de ter reconhecido erros, bateu forte em dirigentes que passaram pelo clube, entre eles, os que vão assumir o Fortaleza em janeiro.

Para não elencar ainda mais exemplos, por último, a próxima gestão do clube recebeu nessa terça-feira, a informação de que terá de pagar uma dívida superior a R$ 4 milhões de um empréstimo contraído em 2009.

O clube novamente é exposto e não consegue segurar uma informação grave dessas, que humilha ainda mais a torcida e mostra o absurdo de outras administrações, que não fizeram nada para sanar um débito dessa magnitude.

Alguns torcedores, inspirados no radialista e também torcedor, Emanuel Magalhães, afirmam que tudo isso “são as consequências da terceira divisão”, onde o clube padece desde 2010.

Creio que não é consequência, mas, sim, uma das causas do Fortaleza sofrer com esse flagelo há seis anos.

 

Blog do Mário Kempes – Diário do Nordeste – 10/12/2014

Marcelo Chamusca segue como treinador do Fortaleza em 2015

Treinador segue à frente do comando técnico do Leão do Pici. Informação foi confirmada no site oficial do Tricolor na noite desta quarta-feira (3).

Marcelo, Chamusca, técnico, Fortaleza, Macaé (Foto: Juscelino Filho)

Marcelo Chamusca segue como treinador do Fortaleza em 2015 (Foto: Juscelino Filho)

Marcelo Chamusca segue no comando técnico do Fortaleza em 2015. A notícia foi confirmada pelo site oficial do clube, na noite desta quarta-feira. O novo presidente do clube, Jorge Mota, já havia anunciado que pretendia seguir com o técnico para a nova temporada.

– O Chamusca pegou esse grupo no começo do ano com apenas oito jogadores da base e conseguiu fazer um time competitivo. Pecou um pouco nos dois jogos diante do Macaé, mas por isso não se pode desmerecer o trabalho dele. Talvez tenha faltado um algo mais, e agora com a situação mais equilibrada, com um começo mais auspicioso, quem sabe ele não possa nos dar a resposta que esperamos – afirmou.

De acordo com o gerente de futebol do Leão do Pici, Julio Manso, Chamusca se apresenta no próximo dia 15, quando dará inicio aos trabalhos da pré-temporada.

GLOBO ESPORTE.COM

Jorge Mota é eleito presidente do Fortaleza para o biênio 2015-16

Mandatário entre 2000 e 2004, advogado retorna ao comando do clube nos próximos dois anos com a missão de sair da Série C

Jorge Mota

Jorge Mota reassume o comando do Fortaleza nos próximos dois anos
FOTO: LUCAS DE MENEZES

A diretoria do Fortaleza será comandada por um velho conhecido nos próximos dois anos. Na primeira eleição direita do clube, realizada nesta segunda-feira (1º), no Pici, Jorge Motafoi o vencedor do pleito com 61% dos votos válidos e comandará o Tricolor no biênio 2015-16.

Mandatário do clube entre 2000 e 2004, o advogado da chapa “Fortaleza de Todos” ganhou 528 votos e bateu o também ex-presidente Silvio Carlos, que recebeu 262 votos com a chapa “Ney Rebouças”, e o ex-diretor Estevão Romcy, que teve 57 votos com a chapa “Fortaleza Vibrante e Forte”. Os dois vice-presidentes eleitos são Enio Mourão eSérgio Pessoa.

No total, 861 tricolores estiveram na sede do clube, entre 9h e 18h, para escolher os novos dirigentes do clube. Pela primeira vez, o sócio-torcedor teve direito a voto – eram 1.518 torcedores aptos. No lado de fora do Pici, o clima era de cordialidade entre os apoiadores das chapas, com músicas, camisas e panfletos.

Jorge Mota retorna ao comando do Leão com a missão de, enfim, sair da Série C. Em 2015, o clube também disputará Campeonato Cearense, Copa do Nordeste e Copa do Brasil. A temporada terá início no dia 14 de janeiro, quando o Fortaleza estreia no Estadual diante do Quixadá.

A nova diretoria tricolor pretende anunciar o nome do técnico ainda nesta semana para dar início ao planejamento. Marcelo Chamusca, que comandou a equipe neste ano, é o favorito. O elenco também deve passar por uma reformulação. Em entrevista à TV Diário, no último domingo (30), Jorge Mota revelou que o volante Corrêa já tinha um acerto para permanecer no clube em caso de vitória da chapa.

Além da comissão técnica e do elenco, o novo presidente terá que compor a diretoria para o próximo biênio. Nomes como Evangelista Torquato, ex-diretor de futebol de planejamento, e Daniel de Paula Pessoa, ex-diretor jurídico, devem fazer parte da nova cúpula.

Ex-presidente assume o Deliberativo

Na disputa pelo comando do Conselho Deliberativo, o vencedor foi o ex-presidente Flávio Novais, da chapa “Péricles Mulatinho”, que recebeu 504 votos e venceu Wagner Lopes, da chapa “Mozart Gomes”. O grupo vencedor ainda tem Marcello Desidério e Raimungo Regadas, vice-presidentes, Amandio Ferreira dos Santos e Souza Filho, secretários, e Armando Júnior e Flávio Novais (filho do presidente), tesoureiros.

O Conselho Fiscal, que tinha apenas a chapa “Fortaleza Unido e Transparente”, será comandado por Francisco de Assis Tomaz. O vice é Paulo Albuquerque Costa e o secretário é José Almiro Vasques.

O Conselho de Ética e Disciplina, novo órgão do clube, também tinha apenas a chapa “Jurandir Branco” na disputa. Os cinco membros eleitos são Luiz Marconi Bezerra, José Clayton de Souza Alcântara, Ariosvaldo Gomes de Almeida, João de Deus Costa Lima e Stélio Mendonça.

 

Diário do Nordeste – Jogada – 01/12/2014

 

Chapa de Adailton Campelo pode voltar a disputar a eleição no Fortaleza

Diretor de futebol Adailton Campelo participa da reunião (Foto: Nodge Nogueira/Cearasc.com)

O que já era dado como certa a desistência da chapa “Responsabilidade Tricolor”, encabeçada pelo atual diretor de futebol do clube, Adailton Campelo, poderá ter uma reviravolta.

“Por mim, eu quero tirar férias do Fortaleza. Não tenho mais interesse em continuar com minha candidatura. Mas me comunicaram sobre uma reunião hoje à noite, e vamos ouvir o que estão propondo”, disse ao Blog por telefone, Adailton, que, por não saber o mote do encontro, não oficializou a desistência.

 

“Não sei qual é o teor dessa reunião. Eu tenho de esperar para saber o que é. Soube apenas que algumas pessoas que iriam ajudar e não estavam aparecendo, querem ajudar mais ainda. Queria muito lhe dizer o que irá acontecer, mas realmente eu não sei. Vamos aguardar mais um pouco”, concluiu Adailton.

As eleições para presidente do Fortaleza acontecerão na próxima segunda-feira, e na última sexta-feira, Adailton Campelo havia anunciado em entrevista coletiva, que não iria mais participar do pleito.

Sem a oficialização da desistência, as eleições contam com os mesmo quatro candidatos: Sílvio Carlos, Estevão Romcy, Jorge Mota e Adailton Campelo.

 

Blog do Mário Kempes