O Antagonista conta uma breve história das tensões entre Arábia Saudita e Irã

A Arábia Saudita sunita e o Irã xiita se estranham desde que os aiatolás tomaram o poder em Teerã, em 1979.

Com a ascensão de Khomeini e companhia, inimigos dos Estados Unidos, os sauditas se aproximaram ainda mais dos americanos.

O fundamentalismo xiita terminou por estimular o terrorismo entre os sunitas radicais, que acusam a Arábia Saudita de trair o Islã ao aliar-se aos Estados Unidos. Al Qaeda e, posteriormente, Estado Islâmico são as expressōes máximas do terror sunita (Osama bin Laden era saudita).

A Arábia Saudita enfrenta o radicalismo sunita (e xiita) com mão de ferro, dentro do seu território. Ontem, 47 acusados foram executados, entre os quais o clérigo xiita Nimr al-Nimr — que levou iranianos a incendiar a embaixada saudita em Teerã e o aiatolá Ali Khamenei a comparar o regime da Arábia Saudita ao Estado Islâmico.

Resultado: o corte de relaçōes diplomáticas da parte de Riad e, consequentemente, o acirramento das tensōes no Oriente Médio.

O Estado Islâmico festeja a divisão agora completa dos seus maiores inimigos.

 

Fonte : O Antagonista