Números de GfK e Ibope apresentam diferença diária de até 15%

Getty Images/iStockphoto

Enquanto persistir a pendenga do Simba, o desempenho de um programa ou qualquer emissora não pode ser medido pela sua audiência. Há uma grande chance de os números não corresponderem com a realidade.

No entanto, o que mais tem chamado atenção nas pesquisas relativas a São Paulo, a partir do desligamento do analógico e da interrupção do sinal de SBT, Record e Rede TV! nas operadoras, é a diferença, muitas vezes absurda, entre os registros das duas empresas que trabalham com isso.

A média diária da GfK é sempre 15% maior daquela que é apresentada pelo Ibope. E enquanto os números de uma, a primeira, quase não oscilam, os da outra têm apontado diferenças brutais. E as maiores, por acaso, são sempre mais acentuadas no considerado horário nobre.

Isto é um perigo para, entre outras razões ou como principal delas, o tamanho do dinheiro que gira em torno disso.

Do jeito que vai, será muito provável a necessidade da criação de um terceiro instituto, preferencialmente com as nossas cores, para tirar a prova.

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Artur tem 42%, Marcelo Ramos, 20%, e Serafim 10% em Manaus, diz Ibope

Serafim Corrêa aparece com 10%, e José Ricardo, com 6%.
Instituto ouviu 805 eleitores entre os dias 10 e 15 de setembro.

Resultado de imagem para Artur Neto 45

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (16) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto na corrida para a Prefeitura de Manaus:

– Artur Neto (PSDB) – 42%
– Marcelo Ramos (PR) – 20%
– Serafim Corrêa (PSB) – 10%
– José Ricardo (PT) – 6%
– Hissa Abrahão (PDT) – 5%
– Silas Câmara (PRB) – 5%
– Henrique Oliveira (SD) – 3%
– Luiz Castro (REDE) – 1%
– Queiroz (PSOL) – 1%
– Branco / nulo – 4%
– Não sabe / não respondeu – 3%

A pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica.

No levantamento anterior, realizado pelo instituto, entre os dias 20 e 23 de agosto, Artur Neto tinha 32%, seguido por Marcelo Ramos, com 16%, Serafim Corrêa, com 10% cada, Henrique Oliveira, Hissa Abrahão e Silas Câmara, José Ricardo, com 5%, Luiz Castro e Queiroz, com 1% cada. Brancos e nulos eram 8%, e indecisos somavam 3%.

O Ibope  ouviu 805 eleitores entre os dias 10 e 15 de setembro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas sob o protocolo Nº AM-07879/2016.

Rejeição
O Ibope também apontou a rejeição dos candidatos. A maior rejeição é a Serafim Corrêa (26%). Na sequência, aparecem Queiroz (23%), Silas Câmara (22%), Artur Neto (19%), Henrique Oliveira (19%), Hissa Abrahão (15%), José Ricardo (15%), Luiz Castro (14%), Marcelo Ramos(8%).

Avaliação da administração Artur Neto
Na mesma pesquisa, os eleitores também responderam sobre a avaliação da administração do prefeito Artur Neto (PSDB). Veja os números:
– Ótima / boa – 41%
– Regular – 35%
– Ruim / péssima – 23%
– Não sabe – 2%

Segundo o Ibope, 54% aprovam a forma como Artur vem administrando o município; 38% declaram que a reprovam. Aqueles que não sabem ou preferem não responder somam 8%.

G1.COM.BR

Artur Neto lidera disputa para prefeito de Manaus com 32%, diz Ibope

Marcelo Ramos tem 16%, Serafim, 10%, Henrique, Hissa, e Silas, 8%.
Instituto ouviu 805 eleitores entre os dias 20 e 23 de agosto.

Resultado de imagem para Artur Neto senado

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto na corrida para a Prefeitura de Manaus:
– Artur Neto (PSDB) – 32%
– Marcelo Ramos (PR) – 16%
– Serafim Corrêa (PSB) – 10%
– Henrique Oliveira (SD) – 8%
– Hissa Abrahão (PDT) – 8%
– Silas Câmara (PRB) – 8%
– José Ricardo (PT) – 5%
– Luiz Castro (REDE) – 1%
– Queiroz (PSOL) – 1%
– Branco / nulo – 8%
– Não sabe / não respondeu – 3%

A pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica.

O Ibope ouviu 805 eleitores entre os dias 20 e 23 de agosto. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) sob o protocolo Nº AM-00754/2016.

Rejeição
O Ibope também apontou a rejeição dos candidatos. A maior rejeição é a Serafim Corrêa (37%). Na sequência, aparecem Artur Neto (29%), Silas Câmara  (24%), Henrique Oliveira (17%), Queiroz (13%), Hissa Abrahão (11%), José Ricardo (11%), Luiz Castro (10%), Marcelo Ramos(10%).

Avaliação da administração Artur Neto
Na mesma pesquisa, os eleitores também responderam sobre a avaliação da administração do prefeito Artur Neto (PSDB). Veja os números:
– Ótima / boa – 36%
– Regular – 39%
– Ruim / péssima – 24%
– Não sabe – 2%

Segundo o Ibope, 49% aprovam a forma como Artur vem administrando o município; 44% declaram que a reprovam. Aqueles que não sabem ou preferem não responder somam 6%.

Principais problemas de Manaus
O Ibope também perguntou aos eleitores quais são, na opinião deles, os principais problemas enfrentados hoje na capital amazonense. A saúde foi escolhida por 46% dos eleitores, o transporte coletivo (12%), a segurança (9%), a educação (6%), o abastecimento de água (5%), a geração de empregos e calçamento de ruas e avenidas (4%), o trânsito (3%), a corrupção (2%), iluminação pública, limpeza pública, administração pública, impostos e taxas, e rede de esgoto (1%).

Nível de interesse
Os eleitores também foram perguntados pelo Ibope sobre o nível de interesse nas eleições deste ano. Os que revelaram ter muito interesse são 20% dos eleitores, interesse médio (27%), pouco interesse (29%) e nenhum interesse (22%).

 

G1.COM.BR

TVs não enganam mais ninguém com divulgação de audiência mentirosa

Com GfK prometida para esta segunda-feira (27) ou sem GfK, continuando a se valer apenas do Ibope como sempre aconteceu, independentemente de qualquer uma das duas, é preciso que todos usem de maior seriedade na leitura e, principalmente, na divulgação dos números de audiência.

E aí o recado é bem direto.

Hoje, o que existe em inúmeras ocasiões, por parte ou interesse de alguns programas – e TVs por consequência, é a tentativa de passar informações que não chegam a refletir a verdade ou que são mentirosas em sua grande parte.

Virou moda agora manchetar que tal programa chegou a liderança, só se explicando depois e em letras muito menores que isso aconteceu durante, um, dois ou cinco minutos da sua duração.

Querem enganar a quem com esse tipo de assessoria de guerrilha?

Pode ter certeza que ninguém, muito menos o mercado anunciante. Aliás, antes de pensar em audiência, muitos desses programas que se arvoram em revelar resultados mentirosos, deveriam se preocupar em fazer televisão e deixar de tentar crescer números à custa da desgraça de terceiros.

Vamos trabalhar sério.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

TV Record volta a reclamar do Ibope

Vez da Record
Ontem foi a Record quem reclamou do Ibope a alteração e queda de seus números entre os da prévia e os consolidados.

Esta é mais uma ladainha que tem que parar. Nada a opor sobre o crescimento ou queda de quem quer que seja, mas tudo contra essa frequência de mexer em números divulgados. Esta é a discussão, independentemente de queda ou crescimento da emissora que for.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Correção dos números do Ibope sempre é alvo de polêmicas

O que não pode
Uma das maiores reclamações que se ouve do Ibope é a frequência, nem sempre coerente, da correção dos números, depois da divulgação do consolidado.

Por exemplo: no final de semana, entre sexta, sábado e domingo, enquanto se mantiveram os índices da Globo, os da Record foram aumentados e os do SBT diminuídos. O mesmo fato se repetiu com os números de segunda. Aí fica ruim.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Nem o sexo dos anjos é tão discutido como resultados do Ibope

Para o mercado e as emissoras de televisão no geral, a chegada de um novo medidor de audiência será importante em muitos aspectos, mas como principal deles, acabar com as discussões que sempre existiram sobre os métodos utilizados. Até, se for o caso, se reconhecer o Ibope como merecedor de um diploma de boa conduta.

A GfK, ninguém sabe exatamente para quando, ainda não passa de uma esperança. Como outra alternativa, em Londres, no ano passado, por este que vos fala foi solicitado aos responsáveis da Kantar Ibope Media a abertura de uma linha de diálogo com as emissoras, para eliminar ou ao menos diminuir as dúvidas que ainda são tão persistentes. E pertinentes.

Até agora, pelo que se vê, nem uma coisa e nem outra. Enquanto isso, motivos vão sendo dados para alimentar essa interminável discussão. Sexo dos anjos perde de goleada. Ao derrotado ou derrotados, como frequentemente acontece nos campos de futebol, o juiz é e sempre será responsabilizado.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery