Santa Cruz(PE) 2 x 2 Bahia(BA)

13/04/2016 23h44 – Atualizado em 14/04/2016 00h56

Santa Cruz sai atrás, vira, mas Bahia empata e inicia bem disputa por final

Tricolores deixaram escapar vitória no fim, esta quarta-feira, e agora têm de buscar
resultado em Salvador; confronto é no domingo, na Arena Fonte Nova, em Salvador

Foi o que se esperava de uma semifinal de Copa do Nordeste. Foi o que se esperava de um Santa Cruz e Bahia. Jogo aberto, com chances claras e quatro gols marcados. O placar terminou empatado por 2 a 2, que dá uma boa vantagem para os baianos porque marcaram fora de casa. Keno e Grafite fizeram para os pernambucanos. Hernane e Luisinho, de pênalti, para os visitantes. O Bahia tem a vantagem do empate sem gols e também por 1 a 1. Caso o placar se repita, disputa de pênaltis pela frente.

As equipes voltam a se enfrentar no próximo domingo, às 16h, na Arena Fonte Nova. É quando uma delas ficará pelo caminho e a outra se tornará a grande finalista da Copa do Nordeste.

Santa Cruz x Bahia Copa do Nordeste (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)
Santa Cruz x Bahia foi um confronto digno de semifinal da Copa do Nordeste
(Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Envolvente e bem postado. O Bahia era um time, sobretudo, calmo. Parecia jogar em Salvador. Pressionava a saída de bola do Santa Cruz e esperava um erro dos corais. Aconteceu. Allan Vieira tentou cortar uma bola no meio de campo – acabou se machucando depois -, e os baianos puxaram o contra-ataque. Edigar Junio bateu cruzado. Hernane brocou – de novo. O sexto gol do camisa 9 na competição. Nervoso, o Santa Cruz atacava de forma desorganizada. Danny Morais chegou a fazer um gol, mas estava impedido. O jeito foi apelar para a individualidade. E Keno, artilheiro do time, resolveu o problema com um golaço, empatando o jogo e deixando os pernambucanos vivos.

No segundo tempo, o Santa Cruz voltou com tudo. Foi para cima, sufocando o Bahia. Parecia questão de tempo sair o segundo gol. E, de fato, foi. A bola foi alçada na área, escorada de cabeça, e João Paulo dominou. A bola sobrou para Grafite, que fez uma boa jogada e empatou, encerrando um jejum de sete jogos sem marcar. Os corais continuaram em cima, até que Keno caiu, sentindo cãibras. Saiu para a entrada de Daniel Costa e os lances de ataque escassearam. Até que, em uma jogada isolada, veio o castigo. Wellington Cézar tocou com a mão na bola dentro da área. Pênalti. Luisinho bateu e fez. E não deixou o Bahia somente vivo, mas com uma boa vantagem.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Confiança(SE) 0 x 3 Bahia(BA)

02/03/2016 23h41 – Atualizado em 02/03/2016 23h53

Brocador marca dois, Bahia vence o Confiança e coloca a mão na vaga

Com melhor campanha do Nordestão, Tricolor vence o Dragão no estádio Batistão pelo placar de 3 a 0, com dois gols de Hernane Brocador e um de Edigar Junio

Hernane Brocador atualizou o seu status: está em um relacionamento sério com as redes. Na noite desta quarta-feira, o atacante marcou dois dos três gols do triunfo por 3 a 0 do Bahia sobre o Confiança, no estádio Batistão, em jogo válido pela 4ª rodada da Copa do Nordeste – Edigar Junio também deixou sua marca. Além de assumir a artilharia da competição, o Brocador chega à impressionante marca de oito gols em seis jogos disputados, média de mais de um por partida.

O Bahia segue de bem com a vida, tem a melhor campanha da Copa do Nordeste, com 12 pontos em quatro jogos disputados. A classificação para a próxima fase é mera questão de tempo. Já o Confiança, com apenas um ponto, praticamente dá adeus ao sonho de continuar sua caminhada na competição.

Pela Copa do Nordeste, as duas equipes voltam a campo na terça-feira: o Confiança viaja para enfrentar o Santa Cruz, no Arruda, e o Bahia recebe a Juazeirense, na Arena Fone Nova. Antes, o Dragão pega o Lagarto, no sábado, pelo Campeonato Sergipano, enquanto o Bahia encara o Bahia de Feira no domingo, pelo Baianão.

Confiança x Bahia  (Foto: João Áquila / GloboEsporte.com)
Confiança e Bahia se enfrentaram no Batistão nesta quarta-feira
(Foto: João Áquila / GloboEsporte.com)

Duas vezes Brocador

A blitz do Bahia logo nos primeiros instantes de jogo deu a impressão de que não demoraria para que a equipe abrisse vantagem. Com dois minutos de bola rolando, o Tricolor sufocou o Confiança, que ficou acuado em seu campo de defesa. Em pouco tempo, a situação se inverteu. Em casa, o time sergipano tratou de sair para o jogo e passou a ocupar o campo de ataque do adversário, inclusive com duas boas chances de abrir o placar, com Leandro Kível e Danilo Bala. O problema de o Dragão não aproveitar as oportunidades é que, do outro lado, existe um atacante chamado Hernane Brocador. Em seis minutos, ele marcou duas vezes, uma de cabeça e outra aproveitando uma confusão na área após cobrança de escanteio. Depois dos dois gols, o jogo deu uma esfriada, e as chances de gol se tornaram escassas. Para o Bahia, um saldo negativo: o lateral João Paulo e volante Danilo Pires deixaram a partida machucados.

Lances ríspidos e gol de Edigar Junio

Com uma boa vantagem construída na primeira etapa, o Tricolor voltou do intervalo com uma postura mais defensiva, com dois volantes mais marcadores, Feijão e Paulo Roberto. Os visitantes passaram a marcar atrás da linha de meio-campo, dificultando a vida do Confiança, que precisava correr atrás do marcador. Quem teve trabalho mesmo na segunda etapa foi o árbitro do potiguar Caio Max Augusto Vieira. Assim como no primeiro confronto entre as equipes, o clima não foi nada amistoso entre os jogadores, que abusaram dos lances ríspidos: pontapés, cotoveladas… Em meio a lances lamentáveis, o Bahia arranjou tempo para matar o jogo: Edigar Junio arriscou da entrada da área e fechou o placar em 3 a 0.

GLOBO ESPORTE.COM

Bahia 3 x 1 Juazeirense

18/02/2016 22h22 – Atualizado em 18/02/2016 22h23

Com trio de ataque inspirado, Bahia passa fácil pela Juazeirense na Fonte

Hernane, Edigar Junio e Luisinho marcam no primeiro tempo e definem o triunfo do Tricolor pela Copa do Nordeste – Ebinho descontou. Partida aconteceu nesta quinta.

O Bahia precisou de apenas 45 minutos para definir a partida contra a Juazeirense, nesta quinta-feira, na Arena Fonte Nova. Em noite inspirada do seu trio de ataque, o Tricolor marcou três gols na primeira etapa e venceu a equipe do interior pelo placar de 3 a 1, em jogo válido pela 2ª rodada da Copa do Nordeste. Edigar Junio, Hernane e Juninho, de pênalti, balançaram as redes. O atacante Ebinho descontou para o Cancão de Fogo.

Por causa de uma trapalhada do trio de arbitragem, que foi a campo com o uniforme da mesma cor do traje usado pelos jogadores da Juazeirense, a partida só começou com 22 minutos de atraso. Em campo, o técnico Doriva promoveu a estreia do lateral Tinga, que contribuiu com um passe para gol.

O triunfo garante ao Tricolor a liderança do grupo C do Nordestão, com seis pontos ganhos, à frente do Santa Cruz, que venceu e conquistou os três primeiros pontos. A juazeirense, com apenas um, ocupa a lanterna do grupo – o time do interior perde no saldo de gols para o Confiança.

Bahia e Juazeirense voltam a campo neste domingo, só que pelo Campeonato Baiano. Enquanto o Tricolor viaja para Ilhéus para enfrentar o Colo Colo, o Cancão de Fogo recebe o Feirense em casa. Pelo Nordestão, as duas equipes só entram em ação na próxima quarta-feira: a equipe de Doriva pega o Confiança, e o time do interior enfrenta o Santa Cruz.

Bahia x Juazeirense (Foto: RAUL SPINASSé/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO)
Jogadores do Bahia comemoram gol de Luisinho
(Foto: RAUL SPINASSé/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO)

Trio de ataque funciona em 45 minutos

Foram 45 minutos de muita intensidade e bom futebol por parte do Bahia, os melhores da temporada até o momento. O time até começou o jogo um pouco travado, com dificuldades para superar a marcação da Juazeirense, mas bastou a primeira boa jogada aparecer para que o time do técnico Doriva encontrasse o caminho do gol. O primeiro, anotado por Edigar Junio, surgiu pelo lado direito, setor do campo onde o Tricolor mais gosta de atacar, com direito a assistência do estreante Tinga. Não demorou dez minutos para o time ampliar o marcador. Marcelo Lomba iniciou um contra-ataque rápido que terminou no pé direito de Hernane, que soltou a bomba para estufar as redes. O Bahia chegou ao terceiro gol com Luisinho, em cobrança de pênalti que ele mesmo sofreu.

Juazeirense desconta, mas não consegue reagir

O ritmo da partida caiu bastante na segunda etapa. Com uma boa vantagem no marcador, o Bahia voltou do intervalo com o freio de mão puxado e criou poucas chances de gol. O time também sentiu a ausência de Hernane, que foi substituído com uma lesão no ombro e deixou com Edigar Junio a responsabilidade de jogar centralizado no ataque. A Juazeirense, que quase não incomodou Marcelo Lomba no primeiro tempo, aproveitou o ritmo lento do Bahia e chegou ao gol com Ebinho, após boa jogada de Elvis. O gol marcado aos 17 minutos deixou a impressão de que o Cancão de Fogo poderia pôr fogo na partida, porém a equipe não mostrou força para pressionar os donos da casa e saiu de campo derrotada por 3 a 1.

GLOBO ESPORTE.COM

Corinthians 4 x 3 Sport

Corinthians faz de pênalti no fim, bate Sport e seca Atlético-MG para ser líder

Árbitro paulista marca pênalti em mão de Rithely, Jadson marca e garante vitória do Timão por 4 a 3 em jogo marcado por equilíbrio e reação comandada por Brocador

Futebol se joga com os pés, mas, em quatro dias, o Corinthians sorri graças às mãos. Se no último domingo o árbitro não deu pênalti na manchete de Uendel, no fim do clássico contra o São Paulo, nesta quarta-feira o paulista Luiz Flávio de Oliveira não perdoou o braço erguido de Rithely no cruzamento de Guilherme Arana: pênalti e gol de Jadson para decidir mais um grande jogo do Campeonato Brasileiro.

A vitória por 4 a 3 castigou a inesperada reação do Sport, protagonizada por Hernane Brocador, e deixou o Corinthians a uma derrota do Atlético-MG para assumir a liderança. Nesta quinta, o Galo receberá o Grêmio em casa. Se perder, a competição terá um novo primeiro colocado. O Timão voltará a campo domingo, fora de casa, contra o Avaí. O Sport receberá a Ponte Preta.

O primeiro tempo foi equilibrado. O Sport surpreendeu com marcação adiantada. O sufoco durou pouco e logo o Corinthians conseguiu se livrar. Quando ataca, a equipe de Tite é aquela que, de repente, surge na cara do gol. Foi assim, de Jadson para Elias, dele para Luciano, que, como diz o técnico, “cheira a gol”. O substituto de Vagner Love surgiu nas costas de Matheus Ferraz e deslocou Danilo Fernandes, de carrinho, esperto, preciso.

 

A vantagem no placar não refletia o campo. Por isso, rapidinho, André, bom centroavante deste Brasileiro, aproveitou cruzamento perfeito de Marlone e empatou. Com as linhas muito recuadas, o Corinthians viu o Sport ter domínio de meio-campo. Jadson e Diego Souza, destaques, os que mais armaram ofensivamente, arriscaram de longe. Danilo Fernandes e Cássio pegaram.

A partida se caminhava para o intervalo quando os meias protagonizaram um dos lances-chave do duelo. Jadson bateu escanteio e a bola desviou na cabeça de Diego Souza antes de sobrar para Luciano, sozinho, bem posicionado como de costume, fazer o segundo.

 

Tite não fez aquilo que, muitas vezes, reclamam. Na frente, o Corinthians retornou mais bem posicionado, adiantado. O Sport perdeu a liberdade para trocar passes e teve, no início, só uma boa chance de empatar. Até empatou, mas dessa vez André estava impedido. Bem anulado.

corinthians x sport jadson (Foto: Marcos Ribolli)
Marcado até por André, Jadson tenta armar o Corinthians durante jogo na casa da equipe paulista (Foto: Marcos Ribolli)

Malcom não estava impedido. O outro assistente também acertou ao deixar o jogo seguir quando o atacante recebeu longo lançamento de Jadson, dominou, invadiu a área, e teve o gostinho do gol tirado por Samuel Xavier, que bicou para trás e fez contra: 3 a 1.

O Sport não fazia mais nada. Parecia batido até dois atos: a entrada de Hernane Brocador no lugar de André o recuo errado de Guilherme Arana. O jovem lateral corintiano não achou Gil nem Cássio, mas sim o pé e a categoria do Brocador: bola por cima de Cássio.

E não seria a única brocada. Hernane recebeu cruzamento de Diego Souza, antecipou-se a Edu Dracena e: caixa! Um 3 a 3 inesperado, mas digno da valentia desse time do Sport.

Arana seria vilão. Seria… Até arrancar pela esquerda e jogar a bola na área. Antes de chegar ao alvo, ela desviou no braço de Rithely. Os pernambucanos reclamaram muito. Não é de praxe um árbitro apitar o jogo da equipe mandante. O paulista Luiz Flávio de Oliveira foi escalado como parte da tentativa da CBF de nacionalizar a arbitragem. Certamente, motivo para chiadeira extra.

Jadson, nada a ver com o assunto, bateu com precisão. O camisa 10 iniciou a jogada do primeiro gol, bateu o escanteio no segundo, fez o lançamento para o terceiro e marcou o quarto. Jadson levou o Corinthians à liderança, ainda que provisória.

protesto árbitros corinthians x sport (Foto: Marcos Ribolli)
Protesto contra veto de Dilma à emenda que garantiria 0,5% da cota de transmissão aos árbitros (Foto: Marcos Ribolli)
GLOBO ESPORTE.COM

Renato Maurício Prado comenta que Hernane poderá voltar ao Flamengo

Brocador de volta?

Não é só o Flamengo que anda levando calote do Al Nassr, da Arábia Saudita. O artilheiro também já enfrentou problemas para receber os salários e mostra-se descontente, admitindo até retornar ao rubro-negro. Seu empresário chegou a iniciar conversas com o executivo Felipe Ximenes, mas ouviu um não como resposta. Mas Ximenes acabou demitido e o atual vice de futebol, Alexandre Wrobel, embora ressaltando que não tenha sabido da negociação, admite que ela pode ser interessante, “desde que Vanderlei queira a volta do Brocador e haja uma composição em relação ao que não foi pago”.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 05/12/2014

Cenário ideal: Hernane reencontra Maracanã e Bota para espantar bruxa

Recuperado de torção no tornozelo, Brocador esteve em campo somente por 40 minutos nos últimos quatro meses e volta ao Fla diante de palco e rival de boas recordações

Sorte nunca é demais, e o Flamengo terá de volta no clássico contra o Botafogo aquele que foi seu maior amuleto nos últimos momentos de felicidade. Goleador do país na temporada passada e figura determinante para o título da Copa do Brasil, Hernane está novamente pronto para jogar, depois de dois meses e uma semana se recuperando de torção no tornozelo. E o cenário não poderia ser mais inspirador: no novo Maracanã, onde é o goleador máximo, e diante do rival de sua melhor exibição com a camisa rubro-negra.

Hernane realiza trabalho na academia do Flamengo (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
Hernane marcou três gols num único jogo com o Botafogo na Copa do Brasil passada (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Dos 45 gols marcados pelo Brocador no Flamengo, três foram inesquecíveis: na goleada por 4 a 0 sobre o Botafogo, pelas quartas de final da Copa do Brasil de 2013. O retrospecto contra o Glorioso de modo geral também é animador: seis tentos em nove exibições. Nada, porém, supera a marca de Hernane no Maracanã. O atacante rubro-negro foi às redes 20 vezes em 28 partidas.

Na temporada passada, quando marcou 36 gols, metade foi no palco da final da última Copa do Mundo. O Brocador terminou 2013 com 18 gols em 18 partidas no local. Neste ano, os números não são tão animadores, foram apenas dois gols em dez jogos. E foi no estádio que o atacante sofreu lesões que comprometeram, e muito, sua temporada.

Na semifinal do Carioca, diante da Cabofriense, Hernane sofreu uma pancada que gerou fraturas nas costas. O problema o tirou dos gramados por quase dois meses, e no retorno, contra o São Paulo, também no Maracanã, uma torção no tornozelo direito, aos 40 minutos do primeiro tempo, o mandou de volta para o departamento médico. Ou seja, desde o dia 29 de março, quase quatro meses, o Brocador atuou por somente 40 minutos.

O longo período no DM explica também o jejum de gols. A última vez que Hernane balançou as redes foi no longínquo 1º de março, contra o Nova Iguaçu, pelo Carioca. Na temporada, são seis gols em 14 partidas. Domingo, contra o Botafogo, será a oportunidade de melhorar a marca e nada melhor do que fazer isso no Maracanã.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Tom Barros se indigna com deboche de Luís Felipe Scolari

Tento admirar o Felipão. Respeito o trabalho profissional dele. Mas repudio quando ele trata com deboche assuntos sérios. Caso mais recente, quando perguntado por uma jornalista sobre Hernane, do Flamengo, Felipão levou na gozação: “Que Hernane?”. A jornalista explicou: “O Hernane, do Flamengo”. Aí a conhecida grossura mais uma vez veio à tona. Disse ele: “Hein? Quem? Não conheço”. Deus meu, quanta bobagem de um homem que, segundo alguns amigos seus, tem tantas virtudes, dentre as quais a da caridade. Incrível.

 

Tom Barros – Jogada – Diário do Nordeste – 11.03.2014

Renato Maurício Prado comenta a permanência de Hernane no Flamengo

A falta de garantias bancárias confiáveis ajudou o Flamengo a tomar a decisão certa, recusando a milionária proposta do Shanghai Shenhua, pelo artilheiro Hernane — o clube chinês tem um perigoso histórico de calotes internacionais. Além disso, se vendesse o Brocador agora, o rubro-negro não poderia contratar outro jogador para substituí-lo nesta fase de grupos da Libertadores. 

Hernane é craque? Nem perto disso. Mas faz gols como poucos nos dias de hoje. Diante disso, não há como não reconhecer o seu valor. Aproveito até para fazer uma “mea culpa” pois, confesso, torcia o nariz para o futebol dele, até metade do ano passado, quando desembestou a balançar as redes adversárias e provou sua importância na equipe atual.

Guardadas as devidas proporções, o Brocador representa hoje, para o Fla, algo parecido com o que Nunes, o “João Danado” representava nos áureos tempos de Zico, Júnior, Leandro, Andrade e Cia. Qual o sentido de negociá-lo?

Por mais que financeiramente pudesse parecer um bom negócio, o bom dirigente não pode perder a noção de que os maiores ativos de um clube de futebol são os títulos que conquista, não o lucro que pode apresentar em seu balanço.

É óbvio que em nome disso não se deve cometer desatinos, comprando e gastando muito mais do que as receitas permitem. Mas daí a abrir mão de um goleador que já está no grupo e na folha salarial vai uma distância colossal.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 28/02/2014

Renato Maurício Prado comenta Flamengo 3 x 1 Emelec

Hernane, Flamengo x Emelec (Foto: André Durão)

Hernane comemora primeiro gol no Maracanã em 2014 (Foto: André Durão)

 

Após um primeiro tempo ruim, quando só a cobrança perfeita de falta, de Elano, salvou a pátria, o Flamengo voltou bem melhor no segundo tempo (com Gabriel no lugar do inútil argentino Lucas Mugni) e conseguiu uma vitória convincente e importante na Libertadores.

O sofrido 1 a 0 dos primeiros 45 minutos foram transformados em 3 a 1 e o placar poderia ter sido até mais dilatado, não fossem algumas boas oportunidades perdidas. Elano, de falta, Hernane e Ewerton marcaram para os rubro-negros.Escalada, ex-jogador do Botafogo, fez o gol de honra do Emelec.

No balanço final da partida, restaram algumas impressões:

1) Vender o Brocador é um péssimo negócio – ele mal tocou na bola no primeiro tempo mas, no segundo, em momento crucial, fez o 2 a 0 que deu tranquilidade ao time. A menos que seja paga a totalidade de sua multa rescisória, não faz sentido desfalcar o time em plena Libertadores – até porque nesta primeira etapa nenhum novo reforço poderá ser inscrito.

2) Lucas Mugni parecer ser mais uma bola (muito) fora da dupla Pelaipe/Walim. Lento e dispersivo, não dá continuidade a uma jogada sequer no meio-campo e, pior, nem sequer luta pela bola. É o primeiro argentino sem garra que veste a camisa rubro-negra.

3) Na ausência de um armador de verdade no elenco, o jovem Gabriel parece ser mesmo a melhor opção. Bem no estilo de Ewerton, pelo menos, corre muito e dá á equipe um ritmo muito mais intenso do que quando jogam Mugni ou Carlos Eduardo.

4) Cáceres, que andou tanto tempo marginalizado, é o melhor primeiro volante do elenco. Infinitamente superior a Amaral que, após a sandice na partida de estreia, deve perder o lugar.

5) Muralha é um dos jogadores mais técnicos do meio-campo mas precisa simplificar as jogadas. Ora acerta um belo passe longo, ora erra feio e arma um contra-ataque do adversário. Jayme tem de burilá-lo. Tem potencial mas parece também ter uma marra inconveniente para um jogador iniciante.

6) Alecsandro pode, sim, jogar com Hernane. Entrou mais recuado (no lugar de Elano, que sentiu a panturrilha) e criou vários bons lances, inclusive, um lançamento perfeito de mais de 40 metros.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 26/02/2014

Hernane confirma permanência no Fla, e Shangai contrata colombiano

Flamengo e jogador entram em acordo por sua permanência e informam ao clube chinês, que acerta com Luiz Carlos Ruiz, do Junior Barranquilla

A torcida do Flamengo pode comemorar a permanência de Hernane pelo menos até a próxima janela de transferência. Depois da vitória por 3 a 1 sobre o Emelec, no Maracanã, houve uma nova reunião entre o jogador, o empresário Paulo Pitombeira, da Talents Sports, e dirigentes do Flamengo. Em comum acordo, eles decidiram pela permanência do jogador. Com a informação, o Shangai Shenhua partiu em busca de um novo nome e acertou a contratação do atacante colombiano Luiz Carlos Ruiz, de 27 anos, do Junior Barranquilla, e pagará US$ 4 milhões (R$ 9,4 milhões) para contratá-lo.

Hernane comemora gol Flamengo e Emelec (Foto: Alexandre Vidal / Fla Imagem)
Hernane comemora gol marcado na vitória sobre o Emelec (Foto: Alexandre Vidal / Fla Imagem)

Com o fechamento da janela de transferências na China nesta sexta-feira, os dirigentes do Shangai correram para procurar outro jogador para a posição, já que o Flamengo exigia garantias bancárias que não foram apresentadas.

A oferta por Hernane previa o pagamento de 3,5 milhões de euros (R$ 11,2 milhões) ao Flamengo. Uma série de reuniões foi feita nos últimos três dias para tentar fechar a negociação, mas os chineses pediram um prazo para efetuar o pagamento, o que não foi aceito pelo clube carioca.

Emocionado após ouvir a torcida pedir sua permanência, Hernane disse que viveu um sonho no Maracanã, mas não sabia se deixaria ou não o Rio de Janeiro. Até no vestiário, o atacante ouviu apelos dos companheiros.

– Era meu sonho ver a torcida gritando, pedindo para eu ficar. Estou muito feliz por ter feito esse gol no Maracanã. De resto, como já falei, o meu empresário está conversando com a diretoria e eu não sei se eu fico, não sei se eu vou. Conheço pouco desse clube, não tenho tantas informações. Creio que até amanhã (quinta-feira) isso se decide. Eu estou feliz aqui – disse, ao deixar o campo após a vitória do Fla sobre o Emelec.

Hernane já havia recebido outra proposta milionária do Al Jazeera, mas o Flamengo não a aceitou. O jogador tem contrato com o clube carioca até 28 de fevereiro de 2016. Na quarta-feira, marcou um dos gols da vitória sobre o Emelec-EQU, no Maracanã, pela Taça Libertadores, e foi ovacionado pela torcida.

O Flamengo volta a treinar nesta quinta-feira e entrará em campo sábado, contra o Nova Iguaçu, pelo Campeonato Carioca. Mais uma vez, o Brocador estará em campo.

 

GLOBO ESPORTE . COM