Polícia Federal em Alagoas prende sete suspeitos de crimes contra a Previdência Social

Polícia diz que envolvidos tentavam obter benefícios de amparo ao idoso.
Presos em Girau do Ponciano podem ter agido em outros estados, diz PF.

Bandeira do estado de Alagoas

Documentos foram apreendidos pela PF em Girau do Ponciano (Foto: Divulgação/Ascom PF)

Documentos apreendidos pela PF com os suspeitos em Girau do Ponciano, Alagoas
(Foto: Divulgação/Ascom PF)

A Polícia Federal (PF) divulgou nesta quinta-feira (9) que prendeu sete pessoas em flagrante por crimes contra a Previdência Social, na cidade de Girau do Ponciano, no Agreste alagoano. Os suspeitos, que não tiveram os nomes divulgados, foram atuados por tentativa de estelionato, uso de documento público falso e formação de quadrilha.

As prisões aconteceram um dia antes, resultado de um trabalho de investigação da Delegacia de Repressão aos Crimes Previdenciários da Superintendência de Polícia Federal de Alagoas. Segundo a PF, os envolvidos tentavam obter benefícios de amparo ao idoso na agência da Previdência Social daquele município, e também podem ter cometido crimes semelhantes em outros estados.

De acordo com a Polícia Federal, durante a abordagem, os intermediários entraram em contradição no que diz respeito a suas relações com os beneficiários.

Os presos foram levados para a sede da PF, em Maceió, onde serão submetidos à identificação criminal papiloscópica.

A fraude consistia na utilização de certidões de nascimento e carteiras de identidade falsas para requerer benefício assistencial de amparo ao idoso.

Com eles foram apreendidas certidões de nascimento falsas, além de documentos de identidade, carteiras de trabalho, CPFs e títulos de eleitor emitidos de forma fraudulenta com base nessas certidões falsas. A polícia informou que eles não tinham residência fixa.

Entre o materal apreendido, certidões falsas com o carimbo de cartórios do interior da Bahia. Por isso a polícia suspeita de que eles tenham agido também em municípios naquele estado.  Novas diligências estão sendo realizadas com o objetivo de identificar outras pessoas envolvidas nos crimes.

As prisões aconteceram depois que servidores do INSS de Girau do Ponciano suspeitaram de três pessoas, entre elas uma mulher, que tentavam obter benefícios de amparo ao idoso na agência da Previdência daquele município.

“Foi comprovado que as certidões que eles apresentaram eram falsas e depois disso montamos uma operação, os três foram chamados à agência quando aconteceu a prisão em flagrante”, disse o delegado Luiz Ribeiro Filho, responsável pelas investigações. A partir deles, a polícia chegou aos outros quatro.

Caso semelhante em Delmiro Gouveia
Segundo , em um caso semelhante registrado em Delmiro Gouveia, foram apreendidas certidões de um município pernambucano.

“O caso em Delmiro Gouveia deu um prejuízo de 83 mil reais aos cofres públicos. Pela forma com que ele foi feito, semelhante a esse de Girau do Ponciano, acreditamos que podem estar relacionados”, disse o delegado.

 

G1.COM.BR