Segundo médico do São Paulo, Ganso está com virose desde 2011

Ganso aparentemente acordado em campo. (FOTO: Osório)

Ganso aparentemente acordado em campo.
(FOTO: Osório)

Este domingo foi um dia de descobertas no mundo do futebol. Após a Seleção Brasileira ser diagnosticada com o vírus H7N1, foi a vez de revelarem que outra estrela do futebol canarinho também está com uma virose e que isto prejudica seu desempenho desde 2011, quando ainda atuava pelo Santos. Trata-se de Paulo Henrique Ganso, meio do S4o P4ulo, ex-companheiro de Neymar e ex-bom jogador:

“O caso dele é grave. A virose faz com que ele pense que é craque e que é o único meia clássico do nosso futebol. E pior: faz com que pense ser o substituto do Alex. Ainda não sabemos como tratá-lo e, por enquanto, não podemos contrariá-lo. Vamos torcer para acharmos uma cura logo”, disse a médica do clube,  Dra Meirellen Terra.

Outro possível diagnóstico para o meia é que ele foi picado pelo mosquito tsé-tsé, que transmite a Doença do Sono, em 2011: “A gente raramente sabe quando ele está acordado. Especialmente em campo”, disse um companheiro, que não quis se revelar.

Com o futebol que está demonstrando nos últimos jogos, Ganso com certeza merece ir para a seleção. Do Dunga.

 

Após dizer que irá suprir ausência de Alex, Ganso recebe convite para fazer stand up comedy

Ganso discute com amigo imaginário (FOTO: Jobson)

Ganso discute com amigo imaginário
(FOTO: Jobson)

Ganso pode estar trocando de palco. O jogador disse em entrevista que pode suprir a ausência de Alex 10, talvez último meia cerebral que o Brasil teve, e foi convidado para fazer comédia. Diversas emissoras e grupos de stand up estão de olho no meia e tentam fechar contrato, já que o passe do meia deve valorizar depois da maior piada de todos os tempos.

“Eu estava tomando um café quando ouvi dezenas de pessoas rindo no setor de esportes. Fiquei curioso e fui conferir. No exato momento em que me contaram o que foi dito pelo Ganso, eu notei que o rapaz tem o dom da comédia. Liguei para ele na hora para fazer parte do meu projeto”, disse um diretor de uma grande emissora.

O comediante Rafinha Bastos também comentou o talento e o estilo de Ganso: “É daquele tipo de piada que pega você de surpresa, ninguém imagina um profissional dizendo uma loucura dessa. Por isso, acho que seria um grande quadro do meu programa. Essa espontaneidade, essa coisa do inesperado é muito bacana”, finalizou.

Os pais do jogador, Dona Cisne e Seu Pelicano, disseram que o meia sempre foi de dar esse tipo de declaração: “Quando criança, ele vivia dizendo que disputaria uma Copa do Mundo e jogaria na Europa. Nós entendíamos como brincadeira, só não sabemos se ele entende assim também”, disseram.

O São Paulo não descarta oferecer tratamento psiquiátrico para o meia.

 

Flávio Ricco critica qualidade das imagens de Emelec 3 x 2 São Paulo

Cobertura do SPORTV foi melhor que a do Fox Sports
Por aqui já se viu coisa de todo o tipo, mas como é possível um jogo da Sul-Americana apresentar uma geração de imagens de tão baixa qualidade quanto foi Emelec e São Paulo na quarta-feira.
O Fox Sports, dono dos direitos, deveria notificar a empresa responsável. Aquilo não existe.
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

São Paulo 2 x 1 Bahia

2 x 1

29ª RODADA
SÃO PAULO SUPERA CANSAÇO, VENCE O BAHIA E VOLTA À VICE-LIDERANÇA
Ceni e Ganso acertam chutes perfeitos e garantem triunfo do São Paulo, que terá de secar o Inter neste domingo; time de Salvador se complica
O São Paulo superou o cansaço da viagem ao Chile e o pouco tempo de preparo para o jogo contra o Bahia, neste sábado, no Morumbi, com a qualidade técnica de seus jogadores. Comandado por Kaká, e com Ganso e Rogério Ceni acertando chutes certeiros, o Tricolor paulista bateu o time baiano por 2 a 1, em duelo válido pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. Fahel descontou para os visitantes.

Neste domingo, os tricolores terão de secar concorrentes. Com a vitória, o São Paulo foi a 52 pontos e assumiu momentaneamente a vice-liderança do Brasileirão. Precisará  torcer para o Internacional, que tem 50, não vencer o Corinthians, neste domingo, em Porto Alegre. O Cruzeiro, que lidera com 56, joga neste domingo contra o Vitória, em Salvador. O Bahia, com 30, segue na zona de rebaixamento, e pode ser ultrapassado por Coritiba e Botafogo e terminar a rodada na penúltima colocação.

Marcelo Lomba, São Paulo X Bahia (Foto: Marcos Ribolli)
Marcelo Lomba pula para tentar defender o chute de Rogério Ceni, mas não alcança (Foto: Marcos Ribolli)

– Estamos brigando pelo campeonato e vamos brigar até a última rodada – avisa Ganso.

Do outro lado, o técnico Gilson Kleina lamentava.

– Qualquer derrota tem um peso muito grande, ainda mais porque tivemos uma sequência ruim. Temos de levantar a cabeça e acreditar.

O jogo

Os dois times times tiveram uma semana complicada, com jogos no exterior pela Copa Sul-Americana. O São Paulo colocou em campo neste sábado a base que atuou contra o Huachipato, no Chile, quarta-feira. O Bahia, por outro lado, trocou seis jogadores que atuaram contra o Cesar Vallejo, no Peru, também na quarta. Por isso, o time de Salvador teve muito mais perna para correr e marcar bem os donos da casa, que, apesar de terem mais a bola, tiveram dificuldades para criar jogadas.

Como estava difícil para chegar tocando, o São Paulo apelou para a bola parada. O primeiro tempo se encaminhava para o fim, quando, aos 39, Ganso tentou chute. A bola bateu na mão de Rafael Miranda, e a arbitragem assinalou falta na entrada da área; para Rogério Ceni, quase um pênalti. O capitão acertou cobrança perfeita. Marcelo Lomba se esticou todo, chegou a encostar na bola, mas não o suficiente para evitar o gol de número 123 do goleiro são-paulino.

Ganso, São Paulo X Bahia (Foto: Marcos Ribolli)
Autor do segundo gol, Ganso éi um dos destaques da vitória são-paulina (Foto: Marcos Ribolli)

O segundo tempo foi melhor, com o Bahia tentando se soltar, mas deixando espaços para os contra-ataques do São Paulo. O time de Salvador ameaçou o gol de Rogério Ceni duas vezes, mas o goleiro conseguiu segurar. Com mais qualidade e campo para jogar, os meias são-paulinos foram criando chances. Luis Fabiano, que entrou no lugar de Kardec, perdeu um gol feito após jogada de Alvaro Pereira pela esquerda. Aos 33, Ganso mostrou ao atacante como se faz: recebeu pela meia direita, avançou, percebeu o canto esquerdo de Marcelo Lomba aberto e acertou chute milimétrico, ampliando o placar.

O Bahia se lançou de vez para o ataque e conseguiu diminuir, com Fahel completando de cabeça cruzamento da direita, aos 42, mas não teve forças para o empate. Melhor para o São Paulo, que volta a ganhar confiança na caça ao líder Cruzeiro.

GLOBO ESPORTE.COM

Flávio Ricco comenta o quê a 105 FM fez na transmissão de São Paulo 2 x 1 Santos

A 105 FM, de São Paulo, inovou na transmissão de São Paulo e Santos, domingo, usando duas equipes diferentes na cobertura do clássico, cada uma fazendo um lado do campo.
Estiveram envolvidos neste trabalho os narradores Marcelo do Ó e Ricardo Mello, os comentaristas Bruno Prado e Leonardo Fontes, além dos repórteres Márcio Torvano e Ricardo Martins.
Então é isso. Mas amanhã tem mais. Tchau!
Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

São Paulo 2 x 1 Santos

 2 x 1 

17ª RODADA
INSISTENTE, SÃO PAULO SEGURA PRESSÃO DO SANTOS, VENCE E AGORA É VICE-LÍDER
Cada um dos rivais domina um tempo, mas o Tricolor se mostra mais atento e mata jogo em contra-ataque concluído por Pato. Peixe é o décimo

Insistente, o São Paulo conquistou sua quarta vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro. Mesmo tendo sido dominado pelo Santos em boa parte do segundo tempo, a equipe de Muricy Ramalho conseguiu aproveitar um bom contra-ataque com Pato, definiu o triunfo por 2 a 1 neste domingo, no Morumbi, pela 17ª rodada, e assumiu a vice-liderança da competição, sete pontos atrás do Cruzeiro. Ganso abriu o placar no primeiro tempo, que teve domínio tricolor, e Gabriel, de pênalti, marcou o gol santista justificando a pressão alvinegra na etapa final. O Peixe fica em 10º, com 23 pontos.

  • São Paulo e Santos voltam a jogar na próxima quinta-feira. O Tricolor enfrenta o Criciúma, às 20h, fora de casa, pela fase nacionial da Copa Sul-Americana. O Peixe pega o Grêmio, em Porto Alegre, pelas oitavas da Copa do Brasil.

    Pato São Paulo X Santos (Foto: Marcos Ribolli)
    Pato definiu o placar do clássico em contra-ataque mortal (Foto: Marcos Ribolli)

    O jogo

    O São Paulo, com Kaká e Ganso dominando o meio-campo, foi mais efetivo no primeiro tempo e chegou à área santista tocando a bola de forma consciente, abrindo espaços e envolvendo o adversário. O time santista tinha dificuldade para construir jogadas e só conseguiu ameaçar em bolas paradas ou em erros da zaga do São Paulo. Quando tentou contra-atacar, falhou no passe final. Gabriel, que substituiu Robinho, pouco apareceu. Aos 23, a superioridade são-paulina foi registrada no placar. Após cobrança de lateral da direita, Alan Kardec desviou, e Ganso, com extrema categoria, dominou e bateu de virada. Um golaço.

    O Santos voltou bem melhor para o segundo tempo. Rildo entrou no lugar de Leandro Damião no intervalo, e Gabriel passou a atuar mais centralizado. Essa mexida deu mobilidade ao time santista, que adiantou a linha de meio-campo e passou a jogar mais perto da área são-paulina. Mena foi bem acionado pela esquerda e fez bons cruzamentos, mas o ataque tinha dificuldades para concluir as jogadas. O São Paulo já não tinha a efetividade do primeiro tempo, e demorava a chegar ao ataque.

    À medida que o tempo foi passando, o Santos foi intensificando suas ações ofensivas, aproximando-se ainda mais da área são-paulina, mas a zaga tricolor, atenta, não permitia a conclusão das jogadas. O Peixe não se entregava e acabou premiado aos 40 minutos. O empate saiu em pênalti sofrido por Rildo e muito bem batido por Gabriel. O Tricolor, porém, não estava morto. Pressionando em busca da virada, o Santos deixou espaços atrás, e Pato se aproveitou. Aos 42, o atacante foi lançado por Denilson e chutou. Aranha deu rebote e o próprio Pato completou para o gol vazio, definindo a vitória.

     

    GLOBO ESPORTE.COM

    TV começa a despertar para a realidade e sujeira do futebol

     

    Alcançou repercussão das mais interessantes matéria da Globo destacando o trabalho sério que o Santos realiza nas suas categorias de base.

    Finalmente, a televisão, que tanto reclama da qualidade do futebol brasileiro, começa a se preocupar com a origem de toda a questão.

    Tantos talentos, como Robinho, Diego, Ganso, Neymar, Giuvânio, Neilton, Robgol, Stéfano Yuri, além de vários outros, não surgem por simples obra do acaso. A revelação de grandes valores se confunde com a própria história da Vila Belmiro, que sempre se preocupou em destacar pessoas competentes e honestas para desempenhar tais funções. Daí os “Meninos da Vila”.

    É bom que a TV e a imprensa esportiva de maneira geral passem a se aprofundar umpouco mais na questão, porque é tudo o que não acontece em quase todos os clubes brasileiros. A corrupção se instalou em boa parte deles, mesmo naqueles cujos dirigentes se perdem em destacar a riqueza das suas instalações. A maioria está dominada por organizações, que mandam e desmandam em tudo, tentando unicamente tirar proveitos próprios da situação. Um banditismo que vem de muito tempo e ninguém faz nada. O futebol brasileiro, nos seus bastidores, está sujo demais.

     

    Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

    Corinthians 2 x 3 São Paulo

     2 x 3 

    Só o São Paulo fez gols no Pacaembu. Ganso, Luis Fabiano, Rodrigo Caio e dois de Antônio Carlos, o goleador da tarde. Não, não foi 5 a 0 para o time de Muricy Ramalho. O zagueiro-artilheiro fez dois contra e deu emoção a um clássico muito bom no Pacaembu, mas que teve domínio tricolor diante de um Corinthians impecável no primeiro tempo (quando em vantagem), mas frágil ao tentar sair para o jogo.

    O companheiro de zaga Rodrigo Caio salvou a pele de Antônio Carlos nos últimos minutos: 3 a 2 e o fim de um longo jejum: eram 15 meses sem vencer um clássico. A última vez havia sido também contra o Timão no Pacaembu.

    Jogadores do São Paulo comemoram gol (Foto: Marcos Ribolli)Jogadores do Tricolor celebram gol decisivo contra o Corinthians no Pacaembu (Foto: Marcos Ribolli)

    Durante todo o tempo, os visitantes tiveram mais posse de bola no Pacaembu, mas demoraram a conseguir furar o sistema defensivo corintiano. O São Paulo de Muricy Ramalho evoluiu coletivamente. Já o Corinthians, que teve Mano Menezes expulso no fim do primeiro tempo, melhorou na etapa final com a entrada de Guerrero.

    Os dois times sentiram falta de suas novas estrelas. Jadson poderia ter se aproveitado muito bem do espaço no meio-campo. A qualidade técnica de Alexandre Pato também seria um trunfo importante para o ataque de Muricy Ramalho. Os clubes estudam a possibilidade de liberá-los para o duelo do Campeonato Brasileiro.

    O Corinthians terá uma semana só de treinos até a próxima partida. No próximo domingo, a equipe vai enfrentar o Penapolense na casa do adversário. Compromisso importantíssimo porque o time segue dois pontos atrás do Ituano e faltam apenas duas rodadas para o fim da primeira fase. A equipe do interior vai enfrentar justamente o São Paulo no fim de semana.

    Já o Tricolor, aliviado por, finalmente, vencer um de seus principais rivias, começa nesta quarta-feira sua caminhada na Copa do Brasil, contra o CSA, em Maceió. Será a estreia do atacante Alexandre Pato, já confirmado como titular.

    Corinthians x São Paulo (Foto: Marcos Ribolli)
    Timão abriu o placar num gol contra de Antônio
    Carlos na primeira etapa (Foto: Marcos Ribolli)

    Só Ganso vence a retranca

    Retranca. Não há outra palavra para definir o que fez o Corinthians, principalmente depois de abrir o placar. E nem é condenável. Foi a proposta de jogo de Mano Menezes para utilizar a velocidade de Romarinho e Luciano. O Timão não propôs o jogo e chegou ao gol num lance de escanteio, ponto fraco do São Paulo neste Campeonato Paulista.

    Já que os clubes (felizmente!) vivem 2014 em extrema cordialidade, com trocas pra cá, abraços pra lá, Antônio Carlos resolveu entrar no clima. Luciano cruzou com força para o meio da área e o zagueiro-artilheiro, que tanto gosta das redes, furou ao tentar cortar de pé direito. A bola resvalou na canhota e entrou.

    Um castigo para o Tricolor, que havia iniciado bem o Majestoso, sobretudo com Osvaldo, num flashback de seus bons momentos de 2012, infernizando Fagner pelo lado esquerdo. Em desvantagem, foi um drama tentar entrar na compacta defesa alvinegra. A bola girava de um lado pro outro: Alvaro Pereira, Ganso, Maicon, Souza, Douglas… Douglas, Souza, Maicon, Ganso… Até o corte de um dos três volantes do Corinthians ou um erro de passe.

    O jeito era arriscar de longe. Douglas, Luis Fabiano e Pabón tentaram, mas foi justamente aquele que quase nunca chuta quem arrancou o grito dos são-paulinos. A bola parecia grudada no pé de Ganso, mas saiu em direção ao ângulo de Cássio como se fosse videogame. Um golaço! Por que não faz isso sempre, Ganso?

    Foi o primeiro dele no ano, o primeiro dele em clássicos pelo São Paulo e o primeiro dele com a camisa 10, herdada de Jadson. Gol que irritou ainda mais Mano Menezes. O técnico passou boa parte do primeiro tempo reclamando do árbitro Luiz Flávio de Oliveira. Acabouexpulso. O Corinthians foi para o vestiário com posse de bola muito inferior e um dilema: como fazer para tomar conta do clássico no segundo tempo?

    Ganso comemora gol do São Paulo (Foto: Marcos Ribolli)Ganso (à dir.) comemora gol do São Paulo no primeiro tempo (Foto: Marcos Ribolli)

    Atacantes duelam e zagueiro decide

    Souza, um dos melhores do Tricolor no primeiro tempo, saiu com dores no joelho. Entrou Wellington. Renato Augusto, discretíssimo no Timão, saiu. Entrou Guerrero. O peruano travaria ótimo duelo de camisas 9 com Luis Fabiano. O Fabuloso, que nem parece o eterno insatisfeito do ano passado. Ágil, rápido nas decisões, bem posicionado e empolgado.

    Foi assim que o artilheiro do Paulistão completou linda jogada do lado direito e virou o clássico. Com um drible, Douglas deixou dois para trás e tocou para Pabón – e saiu a terceira assistência seguida do colombiano para o centroavante.

    Começava então a saga de Guerrero em busca do empate pessoal contra Luis Fabiano. Ele tentou dividir com Rogério Ceni, escorregou e acertou o goleiro. Nada de mais, um pedido de desculpas. Depois, não chegou por centímetros ao cruzamento de Luciano. Mais alguns minutos e um cabeceio que passou perto do gol do São Paulo.

    Estava difícil. Só mesmo com a inestimável ajuda de Antônio Carlos num lance amador da equipe de Muricy Ramalho. Douglas não soltou a bola em contra-ataque e perdeu. No contra-ataque do contra-ataque, Guerrero recebeu em suas costas, avançou e cruzou. Lá estava o zagueiro-artilheiro para marcar seu segundo contra. O árbitro chegou a dar o gol para o peruano, mas voltou atrás e, corretamente, “puniu” o são-paulino.

    O cansaço bateu, e o Majestoso ficou mais pegado. Guerrero, que havia incendiado o ataque, sentiu lesão muscular e deixou o Corinthians com dez nos instantes finais. E o prêmio ao domínio são-paulino veio no bom cruzamento de Osvaldo para Rodrigo Caio. Enfim, um zagueiro da equipe acertou o lado. Cabeçada certeira e a vitória garantida.

    Jogadores do São Paulo comemoram gol (Foto: Marcos Ribolli)Jogadores do São Paulo comemoram gol da vitória, marcado por Rodrigo Caio (Foto: Marcos Ribolli)
    GLOBO ESPORTE . COM

    Renato Maurício Prado e a zoação na Libertadores

     

    Circula na rede: “São Paulo eliminado com um ganso; Corinthians com um pato e Palmeiras com um frango!” Será que o Galo sobrevive?

     

    Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 17 de maio de 2013