Futebol de fora dá audiência e TV Bandeirantes quer investir

 

Bola ao alto

Os bons resultados que a Band sempre conseguiu com a “Liga dos Campeões” e os que agora foram conquistados com a Eurocopa vieram demonstrar que existe campo para o futebol de fora na TV aberta.

Já é muito forte o desejo de se investir por aí.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Futebol brasileiro perde para o europeu também no placar da televisão

Nunca, em tempo algum, se deu tanta visibilidade ao futebol europeu como nos tempos atuais. A Band, na aberta, porque a Globo só entra no momento para ela mais conveniente, tem colhido resultados bem interessantes com a “Liga dos Campeões”.

Liga dos Campeões que foi intensamente disputada pelos canais fechados e apresentou vitória do Esporte Interativo, com a Turner na retaguarda.

Emissoras como SporTV, ESPN e Fox, com os direitos que lhes cabem, têm dedicado forte espaço aos campeonatos de Portugal, França, Alemanha, Espanha, Itália e Inglaterra, que tudo junto, e misturado, está levando boa parcela do público saber de cor quem atua num Bayern, Barcelona, Real Madrid, PSG, Juventus, Roma ou qualquer outro da vida.

Hoje, em jogos de vídeo, ao se proceder a escolha dos times, a preferência sempre maior é por esses de fora. Só depois aparecem Flamengo, Corinthians, São Paulo etc.

Há casos, como revela o Mauro Beting, de alguns jovens preferirem ficar em casa a ir a um estádio, para ver um Barcelona ou Chelsea do que frequentar nossos estádios.

Isto pode ser uma simples consequência dos tempos, mas é o que está mais acontecendo.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Flávio Ricco comenta como o futebol brasileiro perdeu audiência para o futebol europeu

Problema é aqui
No futebol, todo jogo bom sempre dá audiência, basta verificar os resultados de Chelsea e PSG, de uma semana atrás.

A Espn Brasil, na fechada, deu 1,8, que é muita coisa, e a Globo, na aberta, fechou com 20. A bola daqui é que diminuiu de tamanho.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Futebol europeu pressiona Fifa

Dirigentes europeus aumentaram a pressão sobre a Fifa após a entidade decidir que não houve violação de suas regras durante o processo de escolha de Rússia e Qatar à sede das Copas do Mundo de 2018 e 2022. Há quem defenda que os países da Uefa devem dar um ultimato à Fifa ou até boicotar o próximo Mundial, daqui quatro anos.

A proposta mais radical foi lançada por David Bernstein, ex-presidente da FA (federação inglesa de futebol), para pressionar a Fifa a promover reformas estruturais. Segundo o dirigente, a iniciativa só pode ir adiante, se outros países apoiarem a proposta. “A Inglaterra sozinha não trará efeito concreto”, afirmou o dirigente, em entrevista à BBC.

 

Kal Aragão