Em nota, Fluminense agradece à Unimed e diz que procurou minimizar os prejuízos

Clube diz entender as dificuldades do mercado de saúde brasileiro e que trabalhou para que o rompimento possa trazer o mínimo de prejuízo para todas as partes.

fea98-fluminense_n2

cfdd7-cem

O Fluminense divulgou no começo da tarde desta quarta-feira uma nota oficial se posicionando sobre o fim da parceria com a Unimed. O clube agradeceu à cooperativa de médicos pelos 15 anos de união e disse entender “as dificuldades que o mercado de saúde brasileiro tem passado.”

Na nota, o Flu ainda diz que o rompimento foi dialogado nos últimos dias visando trazer o mínimo de prejuízo para todos os envolvidos: parceira, clube, jogadores e principalmente a torcida. A publicação encerra confirmando a entrevista coletiva do presidente Peter Siemsen, nesta quinta-feira, às 11h (de Brasília), nas Laranjeiras.

Confira a íntegra da nota:

O Fluminense Football Club agradece à Unimed por todos esses anos de parceria e compreende as dificuldades que o mercado de saúde brasileiro tem passado. Os últimos dias foram de conversas importantes, buscando que esse rompimento causasse o menor prejuízo possível à parceira, ao clube, aos atletas e, especialmente, aos torcedores. O Fluminense segue desenvolvendo o planejamento de 2015. Nesta quinta-feira, às 11h, no Salão Arnaldo Guinle, nas Laranjeiras, o Presidente, Peter Siemsen, concederá entrevista coletiva.

Entenda o caso:

Na manhã desta quarta-feira, a Unimed divulgou uma nota anunciando o fim da parceria com o Fluminense. O patrocínio começou em 1999, quando o time estava na Série C do Campeonato Brasileiro e completou 15 anos de união em 2014. Na publicação, a cooperativa diz que irá honrar os contratos em vigor com jogadores. Mas, segundo o GloboEsporte.com apurou,a Unimed pretende notificar estes atletas dizendo que não pagará mais os direitos de imagens deles, alegando não ter como honrar os compromissos.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Unimed anuncia fim da parceria com o Fluminense após 15 anos de patrocínio

Empresa opta por não manter o contrato, que tinha duração até 2016. Clube busca novos patrocinadores, e contratos de atletas pagos pela cooperativa serão honrados.

carrossel - Ruptura Fluminese unimed patrocinador (Foto: Editoria de Arte)

Chega ao fim a parceria entre Fluminense e Unimed após 15 anos juntos (Foto: Editoria de Arte)

Chegou ao fim a parceria entre Fluminense e Unimed. Nesta quarta-feira, a cooperativa de médicos anunciou em seu site que não seguirá como patrocinadora do clube carioca. Foram 15 anos juntos, com crescimento das duas partes desde 1999. A empresa evoluiu com o aumento de associados, e o clube conquistou títulos: foram três cariocas (2002, 2005 e 2012), uma Copa do Brasil (2007) e dois Brasileiros (2010 e 2012), além da Série C (1999). Em comunicado, Celso Barros se pronunciou:

“A Unimed-Rio informa que encerrará seu contrato de patrocínio ao Fluminense Football Club ao fim de 2014, após 15 anos de parceria. A decisão é fruto de uma revisão da estratégia de marketing da empresa. 

A cooperativa continua vendo o apoio ao esporte como uma importante forma de estimular a prática de exercícios e cuidados com a saúde. Ao longo deste período, em que a relação se consolidou como um dos mais duradouros patrocínios do futebol brasileiro, acreditamos ter contribuído para elevar ainda mais o prestígio do clube nos cenários nacional e internacional. 

Com o apoio da Unimed-Rio, o Fluminense foi campeão da Série A do Campeonato Brasileiro em 2010 e 2012, da Copa do Brasil em 2007, da série C em 1999 e do Campeonato Carioca em 2002, 2005 e 2012. Também realizou participações de destaque em competições internacionais, como a Taça Libertadores da América, na qual foi finalista em 2008, chegou às oitavas de final em 2011 e às quartas em 2012 e 2013; e a Copa Sul-Americana, tendo sido finalista em 2009 e participado ainda das edições de 2003, 2005, 2006 e 2014. Além de títulos, a parceria também viabilizou passagens de grandes nomes do futebol pelas Laranjeiras. 

Ao longo destes 15 anos, a exposição obtida com o patrocínio ajudou a tornar a Unimed-Rio a operadora líder do mercado de saúde suplementar carioca. Agradecemos a todos os atletas, integrantes de comissões técnicas, dirigentes e funcionários do clube que estiveram conosco durante esta parceria, mas, principalmente, aos milhões de torcedores do Fluminense espalhados por todo o Brasil. Desejamos que o clube continue sua trajetória de glórias, com conquistas que levem alegria à torcida tricolor.

Atenciosamente,

Celso Barros

Presidente da Unimed-Rio”

Procurado pelo GloboEsporte.com, o presidente do Flu, Peter Siemsen, foi breve:

– Não vou me manifestar. O Fluminense vai soltar uma nota (no site oficial).

Questionado se já esperava o fim da parceria, disse:

– Sim, eu já esperava.

A figura de Celso Barros, presidente da Unimed, se confunde com a imagem do clube. Ele  participa de conversas com jogadores, aparece em fotos de comemoração de títulos e, principalmente, bancava de 50% a 80% dos direitos de imagem dos atletas, o que possibilitou contratações caras, casos, por exemplo, de Fred e Conca – ela detém 80% dos direitos econômicos dos dois jogadores. Apesar do rompimento, os contratos pagos pela empresa que estão em vigor serão honrados.

Festa fred deco celso barros fluminense taça campeonato brasileiro (Foto: André Durão / Globoesporte.com)
Celso Barros participou da festa do título brasileiro de 2012 no Engenhão ao lado dos jogadores. Presidente da Unimed tem boa relação com os atletas  (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

A interferência de Celso no futebol gerou algumas discussões internas entre grupos políticos. E, no segundo mandato de Peter Siemsen no Fluminense, a relação ficou quase insustentável. Uma crise na empresa agravou a situação, e as primeiras negociações para a remodelagem da parceria para 2015 previam a redução do investimento, apenas com o comprometimento de pagamento dos contratos vigentes dos atletas. E agora a saúde financeira do Fluminense está em perigo para o ano que vem, apesar de o presidente do clube garantir que está tudo sob controle. Consequentemente, as contratações para a próxima temporada serão mais modestas.

Fim antecipado

FUTEBOL - FLUMINENSE - Peter Siemsen e Celso Barros (Foto: Nelson Perez / Fluminense FC)
Relação entre Celso Barros e Peter Siemsen ficou abalada, apesar de o presidente tricolor negar (Foto: Nelson Perez / Fluminense FC)

O contrato vai até 2016, mas a cada ano é reavaliado e pode ser até rompido. Dependia apenas da decisão de uma das partes em encerrar o vínculo, opção feita pela cooperativa de médicos. O prazo final para a tomada de decisão era dia 15 de dezembro, mas Celso se antecipou. E o clube segue buscando um novo parceiro.

Pelo acordo vigente até então, apenas a Unimed poderia estampar marca na camisa tricolor. Neste fim de ano surgiu, então, pela primeira vez, a possibilidade de abrir o espaço para novos patrocinadores seja como master ou na manga. O presidente da Unimed gostou da ideia, já que sofre pressão de opositores por conta da crise financeira que abala a empresa. O Flu, então, apresentou ao parceiro a opção da entrada de um patrocínio master a partir de 2015, que investiria cerca de R$ 18 milhões. Algo exclusivo da Unimed desde 1999. A divisão do valor gera impasse. Peter deseja a nova verba por completo para o clube, mas Celso retruca e quer uma fatia bem grossa: 50%.

Por contrato, a Unimed tinha que investir entre R$ 15 e R$ 20 milhões em pagamentos de direito de imagem de jogadores, mas sempre ultrapassa o valor. Em 2014, por exemplo, chegou a R$ 25 milhões, que seria o teto no ano que vem em caso de renovação. Já estava decidido que Celso investiria na contratação de reforços. Sua responsabilidade seria apenas honrar os pagamentos que já faz.

Os jogadores

A indecisão gerou um clima de incerteza durante a disputa do Campeonato Brasileiro. Jogadores em fim de contrato ficaram com futuro indefinido. A maioria não renovará. Carlinhos, por exemplo, já deixou o clube e acertou com o São Paulo. Diego Cavalieri, Gum, Diguinho, Valencia também terão o vínculo encerrado no fim do mês.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Revoltado, Luxa diz que gol do Flu foi irregular: “Time da Série B não pode fazer gol na Série A”

Luxemburgo se preparou para enfrentar a Lusa, mas viu o Fluminense entrar em campo (FOTO: Chicão)

Luxemburgo se preparou para enfrentar a Lusa, mas viu o Fluminense entrar em campo
(FOTO: Chicão)

O técnico do Flamengo, Wanderley Luxemburgo não perdoou a arbitragem do clássico Fla-Flu no Maracanã. O treinador lembrou das críticas que o Mengão vem sofrendo por supostamente receber ajuda da arbitragem e esbravejou contra o juiz da partida, que teria validado um gol irregular do Fluminense. Revoltado, Luxa pediu o mesmo rigor na crítica à arbitragem, agora que a vítima teria sido o time Rubro-negro.

“O gol foi irregular, porque um time que deveria estar na Série B não pode fazer gol na Série A. Não podemos admitir que o futebol brasileiro siga este rumo. O Flamengo foi prejudicado, roubado, massacrado e deveria recorrer à justiça comum contra o crime que ocorreu aqui hoje. Espero que os que tanto falaram que somos favorecidos pela arbitragem nos defendam agora e critiquem o árbitro e o Fluminense”, disse.

A Rede Globo havia comprado a briga do Flamengo e utilizou o tira teima para mostrar a tabela do Brasileirão do ano passado e provar que o Flu deveria estar na Segundona. Contudo, repentinamente parou de debater o caso após receber uma notificação dos advogados do Fluminense, que ameaçaram entrar com recurso e fechar a emissora.

 

Renato Maurício Prado comenta a paz que reina hoje no Fluminense

fea98-fluminense_n2

Melhor que a atuação em campo, marcando dois gols e dando o passe para outro, foi a entrevista coletiva de Fred, após a goleada sobre o Sport. Sereno e lúcido, reconheceu o seu mau desempenho na Copa e a sua necessidade de que o time jogue em função dele — não porque não saiba se movimentar fora da área, mas porque seu maior talento é mesmo fazer gols. Falou também, com propriedade, sobre a questão das agressões sofridas pelos jogadores do Flu, no desembarque, após a derrota para a Chapecoense. Ao que tudo indica, a paz voltou a reinar nas Laranjeiras e a luta por uma vaga na Libertadores continuará firme. Já pelo título é difícil, pois a diferença para o Cruzeiro já é dez pontos.

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 27.08.2014

Fluminense 2 x 1 Goiás

 2 x 1 

Enorme vitória. Com um jogador a menos em todo o segundo tempo, o Fluminense teve força, garra e confiança para virar contra o Goiás, no início da noite deste domingo, no estádio Moacyrzão, em Macaé. Golaço de Rafael Sobis e oportunismo de Denílson garantiram a vitória por 2 a 1 e os três pontos ao Tricolor. Vítor havia colocado o Esmeraldino na frente.

Em jogo fraco tecnicamente, sobrou suor ao Flu. Rhayner foi expulso no final do primeiro tempo, por falta muito dura no goleiro Renan. No segundo período, o Goiás pulou na frente, mesmo jogando pior, e depois parou. Resultado: cedeu uma virada impressionante.

Rafael Sobis, que passou mal logo após o apito final, exaltou o espírito da equipe tricolor.

– Acho que tive uma queda de pressão, mas não foi nada grave. Tenho muito orgulho de jogar com esse time, quando todo mundo dá o Fluminense por vencido, a gente reage. Jogamos contra uma boa equipe, mas não merecíamos ter levado o primeiro gol – declarou.

Pelo lado esmeraldino, Dudu Cearense admitiu o vacilo do time.

– Essa derrota tem um peso grande, a gente vinha de uma grande vitória contra o São Paulo. Demos a vitória para o Fluminense, estávamos com um homem a mais, o Sobis foi feliz no chute e depois eles viraram na bola parada. Agora é ter tranquilidade e trabalhar durante a Copa das Confederações – avaliou.

Denilson fluminense gol goiás brasileirão 2013 (Foto: Agência Photocamera)
O garoto Denílson corre para celebrar o gol da virada tricolor (Foto: Agência Photocamera)

Com isso, o Fluminense se recuperou da derrota para o Coritiba e foi a nove pontos, na quarta colocação no Brasileiro e com um jogo a menos do que a maioria dos rivais. O Goiás é o 15º. O Tricolor pega a Portuguesa quarta-feira, no Canindé. Se vencer, será líder. O Esmeraldino só volta a jogar em 7 de julho, contra o Vitória, em casa.

Sofrível

Pouco se salvou do primeiro tempo em Macaé. Com o Fluminense descaracterizado e o Goiás exageradamente preocupado em marcar, o jogo ficou sofrível. Foram 45 minutos de soberania das defesas sobre as estruturas ofensivas das duas equipes. Quase nada foi produzido.

O Fluminense tentou mais. E mal. Apesar dos 62% de posse, foi bem anulado pelos volantes esmeraldinos. Repetidas vezes, Edinho e Diguinho tiveram que avançar com a bola dominada, como se fossem meias de criação. Quando pintaram chances, elas não foram aproveitadas. Wagner teve um chute defendido por Renan e uma chegada travada por Vítor. Biro Biro mandou um cabeceio por cima.

Rhayner tratou de deixar o primeiro tempo ainda mais feio – parecia impossível. Deu um carrinho inacreditável no goleiro Renan. Poderia ter quebrado a perna dele. Já tinha amarelo, mas levou o vermelho direto.

Virada tricolor

A vantagem numérica fez o Goiás se soltar mais na largada do segundo tempo. Com Dudu Cearense no lugar de Rodrigo, o Esmeraldino passou a ser o dono da bola. E aí coube ao Fluminense, com Denílson em troca de Biro Biro na frente, tentar sair com velocidade no contra-ataque. Mas por pouco tempo. A partir dos dez minutos, voltou o panorama do período anterior.

Digão, Fluminense e goias  (Foto: Agência Photocamera)
Digão, do Flu,  tenta conter o avanço da equipe do Goiás (Foto: Agência Photocamera)

Araújo foi o desafogo do Goiás, o único a incomodar no ataque. Chute cruzado dele ameaçou o goleiro Berna. Muito pouco. Mesmo com um a menos, o Tricolor conseguiu sair ao ataque. Dois chutes, um de Wagner e outro de Diguinho, ameaçaram Renan. O Fluminense parecia mais perto do gol.

Mas não estava. Vítor arrancou campo afora pela esquerda, com a bola dominada, aos 25 minutos. Quando foi dividir com Bruno, teve sorte. E saiu na cara de Berna. O desvio foi fatal: 1 a 0. Quando saiu o gol, Abel Braga já tinha colocado Monzón no lugar de Wagner, o que dificultou a reação depois. Restou testar Eduardo na vaga de Diguinho.

Mas a salvação começou em uma jogada individual. Rafael Sobis se livrou de dois marcadores pela ponta direita, avançou para o meio e mandou no ângulo. Golaço. Na sequência, Gum desviou de cabeça e Denílson, 17 anos, feito centroavante, empurrou para o gol. Incrível: 2 a 1 para o Fluminense.

Coritiba 2 x 1 Fluminense

Vitória sobre o Fluminense por 2 a 1 deixa o Coxa isolado na ponta da classificação do Campeonato Brasileiro. Última vez foi em 2002

Pela primeira vez na era dos pontos corridos, o Coritiba terminou uma rodada na liderança isolada do Campeonato Brasileiro.

O feito se tornou histórico, pois a última vez que o Verdão conquistou o resultado foi em 2002, quando fez uma bela campanha na competição nacional, mas perdeu fôlego nas últimas rodadas e acabaou eliminado da primeira fase, com uma goleada do rebaixado Gama. Desde que o Brasileirão mudou a fómula de disputa de pontos, o Coritiba não sabia o que era sentir o gostinho da liderança.

Nós estamos acreditando, estamos pensando nisso. É difícil ser campeão, mas podemos chegar”
Alex

A combinação de resultados da quarta rodada propiciou a folga coxa-branca. Quase todos os jogos foram disputados na quarta-feira, com um equilibrio grande, que permitiu que o Coxa pulasse da 11ª posição para ser o primeiro.

A reação da torcida foi um aumento na esperança de conquistar um título nacional, que não acontece desde 1985. O elenco prefere não pensar em um assunto tão cedo, apesar de não negar que esse é o objetivo do ano.

Héroi da partida, após marcar o gol da vitória e o 400º dele na carreira,Alex diz que o Campeoanto Brasileiro está apenas no início e que segurar uma liderança é algo complicado. Mesmo assim, ele acredita que a força do Coxa pode render um título nacional.

– Ainda é muito cedo para falar em título. O Campeonato Brasileiro é muito equilibrado. Mas nós estamos acreditando, estamos pensando nisso. É difícil ser campeão, mas podemos chegar – declarou o craque da partida, após o triunfo.

Para manter a ponta e passar o intervalo da competição para a Copa das Confederações mais tranquilo, o Coxa precisa vencer o Náutico no domingo, às 18h30m (de Brasília), também no Estádio Couto Pereira.

Coritiba Fluminense Robinho (Foto: Divulgação / Site oficial do Coritiba)
Coritiba vence o Fluminense e termina rodada na liderança (Foto: Divulgação / Site oficial do Coritiba)