Previsão de Fidel Castro feita em 1973 se realizou em 2015

Em plena Guerra Fria, no ano de 1973, o líder cubano Fidel Castro fez uma “previsão” que acaba de se concretizar em 2015, mais de 40 anos depois

fidel castro previsão 1973

Ano de 1973. A Guerra Fria está mais fria do que nunca: Richard Nixon está no seu segundo mandato como presidente dos Estados Unidos (renunciaria no ano seguinte) e a Guerra do Vietnã chega ao fim. Ao regressar do país situado no sudeste asiático, o líder cubano Fidel Castro participa de uma de suas habituais reuniões com a imprensa internacional.

Em um ambiente descontraído, Brian Davis, jornalista de uma agência de notícias britânica, questionou: “Quando você [Fidel] acredita que serão restabelecidas relações entre Cuba e Estados Unidos, dois países tão distantes, embora próximos geograficamente?”

O líder da revolução cubana, olhando firmemente nos olhos de Brian, respondeu em alto e bom som para que todos os presentes pudessem escutá-lo: “Os Estados Unidos só voltarão a dialogar conosco quando tiverem um presidente negro e quando houver no mundo um Papa latino-americano”.

Alguns jornalistas riram da declaração, outros, incrédulos, esboçaram expressões faciais irônicas. Ninguém acreditou na previsão de um ‘Castro metido a Nostradamus’. Todo esse episódio foi resgatado pelo jornalista e escritor argentino, Pedro Jorge Solans, durante recente viagem que fez a Cuba para produzir uma reportagem que tratava da reabertura das relações da ilha caribenha com os EUA. A matéria foi originalmente publicada no El Diario de Carlos Paz.

Esse episódio histórico é explicado por Eduardo de la Torre, que na época era estudante universitário. Naqueles tempos, era impossível imaginar que Barack Obama, um homem negro, podia chegar a ser presidente do país mais poderoso do mundo. Tampouco parecia viável que um argentino fosse eleito Papa quando a maioria dos que disputavam e assumiam o posto máximo da Igreja Católica eram nascidos na Itália, mais precisamente em Roma.

 

Fonte : Pragmatismo Politico

Fidel Castro em 1973: “Brasil só ficará na pior quando o Papa ganhar CD de rap, Lobão for de direita e PT governo”

Uma premonição impressionante de Fidel Castro está circulando nas redes sociais mostrando que El Presidente era mesmo um homem de visão. Durante um discurso feito para companheiros de partido, Fidel fez várias previsões para o mundo. Uma delas, especificamente, chamou atenção.

O Gigante da América do Sul, o país do futuro, ficaria na pior quando um papa ganhasse um cd de rap, Lobão fosse de direita e o PT no poder. Todos riram na audiência, acreditando que se tratasse de uma piada. O ano de 2015 está aí provando que Fidel estava certo.

Agora videntes do mundo inteiro estão procurando discursos antigos de Fidel, para tentar tirar uma casquinha de suas previsões. O problema é que ninguém consegue assistir a coletânea de DVDs com os discursos sem dormir profundamente. “Isso é melhor para dormir do que ouvir Lana Del Rey”, disse um homem que tentou.

 

Sensacionalista

Renato Maurício Prado comenta que o presidente da Federação de Futebol do Rio age como Fidel Castro e Kim Il-sung

Cascata ridícula

O presidente da Federação de Futebol do Rio gosta de dizer que não decide nada. Que tudo é resolvido nas reuniões do Conselho Arbitral, em votação entre os clubes. O que ele não diz é que todos os pequenos votam como ele quer, para que o campeonato continue inchado como está. E ele, por sua vez, faz o que o presidente do Vasco decide… Pode dar certo? Claro que não.

 

Renato Maurício Prado – O GLOBO – 12/04/2015

Fidel Castro diz não ter confiança nos Estados Unidos mas apoia solução pacífica

A mensagem do ex-presidente cubano foi lida em cerimônia realizada nessa segunda-feira na aula magna na Universidade de Havana

Fidel Castro

Essa é a primeira vez que Fidel Castro se pronuncia publicamente sobre a aproximação diplomática entre Cuba e Estados Unidos
FOTO: THE PRESIDENTIAL PRESS AND INFORMATION OFFICE

O ex-presidente cubano Fidel Castro afirmou“não ter confiança nos Estados Unidos”, em uma mensagem dirigida aos estudantes da Universidade de Havana, transmitida pela televisão estatal, apesar de apoiar a “solução pacífica” e “negociada”.

“Não confio na política dos Estados Unidos nem troquei qualquer palavra com eles. Isso não significa – longe disso – a recusa de uma solução pacífica para os conflitos”, ressaltou o líder cubano, em carta lida pelo presidente da Federação Estudantil Universitária, Randy Perdomo.

Esta é a primeira vez que Fidel Castro se pronuncia publicamente sobre a aproximação diplomática, considerada histórica, entre Cuba e Estados Unidos, com relações suspensas há mais de meio século, anunciada no dia 17 de dezembro pelos presidentes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raúl Castro. Fidel não aparece em público há mais de um ano.

A mensagem, divulgada nesta segunda-feira (26), foi publicada poucos dias depois da conclusão da primeira rodada de contatos oficiais entre Havana e Washington, realizada em Cuba, entre os dias 21 e 22.

O líder da Revolução Cubana, de 88 anos, que passou o poder ao seu irmão, Raúl, em 2006, por motivos de saúde, expressou apoio às políticas do seu sucessor.

“O presidente de Cuba deu passos relevantes à luz das suas prerrogativas e das competências que lhe são concedidas pela Assembleia Nacional [Parlamento] e pelo Partido Comunista de Cuba”, diz na mensagem.

“Defender a paz é dever de todos. Qualquer solução pacífica e negociada para os problemas entre os Estados Unidos e os povos – ou qualquer povo da América Latina – que não implique o uso da força deverá ser tratada de acordo com os princípios e normas internacionais”, acrescentou.

A mensagem do ex-presidente cubano foi lida em cerimônia realizada nessa segunda-feira na aula magna da universidade da capital, às vésperas da celebração do 162º aniversário de nascimento do líder da independência cubana José Martí.

 

Diário do Nordeste – Internacional – 27/01/2015