Rádio Vozão estreia com sucesso entre ouvintes

Homenagem, interação de torcida e discurso do Presidente marcaram o primeiro dia de transmissão

Site do Ceará Sporting Club

TV Brasil estreia nova temporada de programa que debate a qualidade da TV

TV Brasil estreia nova temporada de programa que debate a qualidade da TV

Reprodução

O programa “Ver TV” da TV Brasil chega à sua oitava temporada nesta sexta-feira (31), às 20h.

O jornalista e sociólogo Lalo Leal apresentará a atração que debate a qualidade do conteúdo da programação dos canais de TV aberta e fechada.

A atração vai ter novo cenário, identidade visual reformulada e visa discutir as funções de uma televisão de qualidade.

Na estreia, o convidado será Cao Hamburguer, responsável pela série “Castelo Rá-Tim-Bum”; Malu Viana, diretora da Televisão América Latina; e a pesquisadora e professora de comunicação, Gabriela Borges.

O programa também vai entrevistar o chefe de políticas internacionais da BBC, Daniel Wilson, que vai comentar os critérios de pesquisa que a emissora inglesa encomendou sobre TVs de qualidade no mundo, onde a TV Cultura, do Brasil, ficou em segundo lugar, apenas atrás da própria BBC.

NaTelinha

Rede Globo define data de estreia de seu novo jornal matinal; confira

Globo define data de estreia de seu novo jornal matinal; confira

Monalisa Perrone será a âncora do novo jornal da Globo

Anunciado no início deste mês, o novo telejornal da Globo, que entrará no lugar do “Globo Rural”, já teve sua data de estreia definida pela direção da emissora.

Segundo comunicado enviado às afiliadas de toda a rede, o novo telejornal irá ao ar das 5 às 6 da manhã, estreando no dia 1º de dezembro.

Com isso, todos os jornais locais da rede começarão logo após o programa, que será apresentado por Monalisa Perrone. Os “Bom Dia Praça” ganharão mais 30 minutos em toda a rede, e mais 15 em São Paulo e no Rio de Janeiro, entregando como de praxe para o “Bom Dia Brasil”, ancorado por Ana Paula Araújo e Chico Pinheiro.

Ainda sem qualquer nome definido, a produção do novo telejornal segue a todo vapor. Já se sabe que as ex-apresentadoras do “Globo Rural”, Ana Paula Campos e Priscila Brandão, serão repórteres especiais do noticiário.

Além disso, a ex-equipe de produção do “Globo Rural” também está fazendo uma espécie de intensivo de “hard news” com os colegas do “Jornal da Globo”, que é produzido horas antes. O novo jornalístico trará os assuntos mais importantes da noite anterior, da madrugada e do início da manhã, bem como as cotações dos produtos agrícolas.

Com essa estreia, a Globo amplia sua programação ao vivo e comemora o fato de ficar das 5h às 14h com atração exibidas em tempo real. Nos últimos meses, o “Globo Rural” vem perdendo espaço para jornalísticos da concorrência, que vinham sendo exibidos cada vez mais cedo.

NaTelinha

Marcelo Adnet diz: “Como todo trabalhador, a gente tem bons e maus dias”

Humorista estreia novo programa na Globo

Marcelo Adnet diz: "Como todo trabalhador, a gente tem bons e maus dias"

Divulgação/TV Globo

Na noite desta quinta (10), o humorista Marcelo Adnet estreia a sua nova aposta na Rede Globo, onde é contratado desde janeiro de 2013: é o “Tá no Ar – A TV na TV”.

Além de atuar, Adnet assina o roteio final do programa ao lado de Marcius Melhem. Em entrevista para o jornal “Extra”, Marcelo falou sobre como tem sido a parceria com o colega: “Estamos fazendo uma dupla muito gostosa. E eu acho que todo o elenco tem uma coisa de abrir para o outro brilhar também”.

Adnet também comentou sobre o primeiro ano de Globo, onde foi bastante criticado por tem um desempenho abaixo do esperado e do que ele tinha na extinta MTV: “Não tenho que me criticar, me analisar. Eu tenho que trabalhar, tentando sempre fazer o melhor. Como todo trabalhador, a gente tem bons e maus dias. Acertamos e erramos. Em ‘O Dentista Mascarado’, eu tinha acabado de entrar na Globo. A MTV estava fechando as portas, e logo de cara tive que embarcar rápido no projeto. Não tive uma relação de autoria. Quando você é autor, fica mais envolvido”.

O “Tá no Ar – A TV na TV” irá ao ar às quintas, logo após a série “Doce de Mãe”, a partir das 23h45.

NaTelinha

Globo lança oficialmente o Divertics

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/dc2ba1906754ce278f5ad3652b5bdf59.jpg

Fotos: Divulgação/TV Globo

 

A Rede Globo lançou nesta quinta-feira (21) seu novo humorístico, “Divertics”, que estreia no dia 08 de dezembro.

Na coletiva de imprensa, a aposta da emissora se mostrou ousada e que pode ter vida longa, inclusive migrando para outras faixas horárias, embora o diretor Jorge Fernando tenha negado “qualquer pretensão, apenas querer fazer bem”.

Chamou a atenção dos jornalistas presentes o tamanho e a definição do telão do programa, as diversas “geringonças” do cenário (o nome inclusive foi cogitado como título do programa, confidenciaram) e uma apresentação que começou com bailarinos, Le Parkour, acrobatas, o grupo Afro Lata e Jorge Fernando descendo do teto pendurado por uma corda, tudo assistido de perto por sua mãe, dona Hilda.

O investimento

O primeiro sinal de que a Globo acredita nessa proposta é o tamanho do investimento. Os 18 episódios da primeira temporada da atração estão sendo gravados num estúdio no Polo Cinema e Video, 200 metros quadrados maior do que o disponível no Projac e dedicado exclusivamente ao programa.

Elenco e criação tem se reunido no espaço nos últimos três meses. A redação tem mais de dez nomes de diversas áreas, principalmente programas de humor, comediantes stand up, criadores de espetáculos de improviso e até mesmo novelistas.

A ideia

Uma ideia de Claudio Torres Gonzaga (criador do “Comédia em Pé” e diversos quadros do “Fanstástico”) encontrou a direção de Jorge Fernando para um formato que ainda não se viu na TV.

Um programa com esquetes ao vivo, na frente da plateia, onde as transições também são um show. “Quero surpreender o público. Quando eles acham que algo vai vir daqui, vem dali. Esse é o show. Nao existe mais essa opção na TV”, defende Jorge Fernando, que possui 35 novelas no currículo. Já Claudio Torres queria que todos os tipos de esquetes fossem possíveis, dentro de um cenário que lembra o galpão de uma fábrica, a todo tempo produzindo novas ideias.

O elenco


O elenco do “Divertics” é vasto, abordando várias gerações e estilos, desde o sutil Luiz Fernando Guimarães até o “caricato” Leandro Hassum – termo usado pelo colega David Lucas, o mais jovem da turma.

Mariana Armellini e Rafael Infante vem da internet e do improviso, Nando Cunha, de programas humorísticos populares (ele mesmo lembrou da “Escolinha do Barulho”, na Record) e Ellen Roche e Roberta Rodrigues foram trazidas de papéis cômicos de destaque em novelas. Para completar, há participações do próprio Jorge e de sua mãe, dona Hilda – “trabalhando com 90 anos”, lembrou o diretor.

Liberdade

Os pontos fortes do programa são os esquetes e uma certa liberdade. No que parece uma aproximação com um pedido do público, brincou-se com tudo (mas com cuidado, nas palavras de Cláudio Torres).

Há participações especiais tirando sarro de si mesmas, o que só parece fortalecer o conceito: Silvio de Abreu, Regina Casé, Rogéria, Edson Cellulari e até mesmo Renato Aragão, numa cena de delegacia onde levanta a acusação de estarem “roubando seus bordões”. A cena parece emblemática: é engraçada, cutuca o politicamente correto e as eternas mágoas com cópias, e ao mesmo tempo é popular e refinada, já que abusa da metalinguagem.

Os quadros

Além dos esquetes, há “20% de transições que são um show”, na definição de Jorge Fernando, de Le Parkour a acrobatas.

Há cenas que são comentadas no ar pelo próprio Jorge, como um diretor que tem liberdade para interferir durante a cena. Há quadros dentro dos containers da fábrica, que tem uma linguagem mais aproximada da novela. Há quadros num palco central e tambem há espaços para jogos de improvisação, com a participação e sugestões da plateia, e comandados pelo diretor/apresentador.

Há alguma inspiração com a internet? “Só queremos todos os públicos com a gente. Inclusive quem busca o humor da internet”, explicou um Cláudio Torres bastante consciente do mercado.

O “Divertcs” estreia no dia 08 de dezembro, a partir das 15h.

 

NaTelinha

“Pecado Mortal”: A briga entre bicheiros e traficantes no Rio dos anos 70

Onde o sobrenome torna-se muito importante no mundo do crime

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/9bbf98a09d6d27262f0caa72af32f68a.jpg

O Rio de Janeiro dos anos 70. Esse é o pano de fundo da primeira novela de Carlos Lombardi na TV Record. O folhetim mostrará como o consumo de drogas se alastrou pela sociedade, alterando a estrutura do poder do crime. Se antes quem mandava no pedaço eram os famosos chefões do jogo do bicho, a partir daquele momento, os traficantes passavam a dividir o status de reis do crime.

Paralelamente a isso, itens como as calças bocas de sino, os bigodes e cavanhaques, as roupas coloridas e os cabelos black power ditavam a moda. E a sociedade carioca passou a viver a época do sexo fácil, com transas de uma noite só e a virgindade tornando-se cada vez menos um tabu. Tudo isso poucos anos antes da descoberta da AIDS, que acabaria com a alegria de muitos.

Nesse cenário, pessoas continuavam se casando, tendo filhos, adquirindo dívidas e constituindo famílias. E algumas dessas famílias viraram sinônimo de riqueza e poder. O sobrenome passou a tornar-se muito importante, principalmente dentro do mundo do crime.

Ficha técnica

Escrita por Carlos Lombardi
Direção geral de Alexandre Avancini
Estreia: 25/09
Horário: 22h30
Antecessora: “Dona Xepa”, de Gustavo Reiz

Elenco

Luiz Guilherme e Henrique Guimarães – Michele Vêneto
Jussara Freire e Maytê Piragibe – Donana (Ana Vêneto)
Betty Lago e Marcela Barrozo – Stella Nolasco

Aline Borges – Joana da Costa
André Luiz Miranda – Djalma
André Ramiro – Jeferson Carneiro (Mineral)
Andréa Avancini – Fernanda
Bernardo Velasco – Romeu
Bianca Byington – Ilana Vergueiro
Carla Cabral – Laura Escobar
Carlos Bonow – Marcelo Firenze (Starsky)
Cláudio Gabriel – Júnior
Cláudio Heinrich – Paulo Noronha
Daniel Del Sarto – Adriano D’Ângelo (Anjo)
Daniela Galli – Catarina Ashcar
Denise Del Vecchio – Doutora Das Dores
Eduardo Lago – José Vergueiro
Fabio Villa Verde – Jurandir Carvalho
Felipe Cardoso – Otávio Vêneto
Fernando Pavão – Carlão
Gabriela Moreyra – Antônia
Gero Pestalozzi – Bernard Avelar
Gracindo Jr. – Cebolão
Guilherme Winter – Veludo
Gustavo Machado – Danilo Ashcar
Heitor Martinez – Tadeu Wernek (Van Gogh)
Henrique Guimarães – Juliano Vêneto
Iran Malfitano – Pedro Noronha
Juliana Didone – Leila Vergueiro e Maria Clara Vergueiro
Laíze Câmara – Lili
Livia Rossy – Bruna
Lua Blanco – Silvia de Almeida
Luciana Braga – Rosa
Luis Augusto Formal – Guilherme Escobar
Luiz Felipe Mello – Rodolfo
Marcos Pitombo – Ramiro Rodrigues
Mariah Rocha – Helena
Mário Gomes e Gustavo Leão – Getúlio Amado
Mel Lisboa – Marcinha Figueiredo
Miguel Nader – José Maria (Caravaggio)
Nanda Ziegler – Xuxu
Paloma Duarte – Dorotéia
Pietra Goa – Rafaela
Rafael Sardão – Baldochi
Renato Livera – Reginaldo Soares (Monet)
Ricardo Duque – Laerte
Ricardo Petraglia – Omar
Ricardo Vandré – Horário Carvalho (Vegetal)
Roberta Santiago – Urana Torres
Simone Spoladore – Patrícia Salgado
Sônia Lima – Norma Shirley de Almeida
Tarciana Saad – Teresa
Tatyane Goulart – Lívia Vêneto
Vitor Hugo – Vinícius Vieira (delegado Picasso)

Triângulo amoroso

A família Vêneto começa a se estabelecer no Brasil, a partir da vinda de Michele Vêneto (Henrique Guimarães e Luiz Guilherme), que veio para o Brasil fugindo de problemas com a polícia na Europa. Nessa época, o subúrbio carioca era dominado pelos bicheiros. Apaixonado pelas mulatas cariocas, Michele acabou tornando-se chefe de segurança do bicheiro Cebolão (Gracindo Jr.). Ele herdou o posto com a ajuda de sua esposa Donana (Maytê Piragibe/Jussara Freire), uma mulher que para alcançar suas metas é capaz de passar por cima de tudo.

A relação do casal parece ser a melhor possível, no entanto, começa a mudar quando Donana perde o filho que espera. Para piorar, ela descobre que Michele tem uma amante, Stella (Marcela Barrozo e Betty Lago), que também está grávida dele. O que Michele não faz ideia é de que, na verdade, o bebê será seu segundo filho com a amante. Temendo a violência dos bicheiros, Stella fez de tudo para esconder o filho de dois anos, Otávio (Felipe Cardoso).

Com medo de ver o casamento ruir, Donana esconde do marido que perdeu a criança e ameaça a rival. Ela convence Stella de que a única forma de seu filho sobreviver é de que o bebê seja criado por ela e seu marido. Paralelamente a isso, em 1941, após a morte do bicheiro Cebolão, Michele torna-se o grande nome do Morro do Pinguim. Assustada e temendo a própria vida, Stella entrega o recém-nascido Marco Antônio, juntamente com Otávio, para a rival criar.

Com o objetivo de enganar o marido e Stella, Donana vai para o interior, fingindo que teria o bebê na casa de parentes. Quanto retorna à capital, consegue convencê-la de que Marco Antônio é o filho legítimo dela com Michele e que Otávio era um menino abandonado no morro, que ela resolveu pegar para criar. Para evitar que sua mentira fosse revelada, ela pede a seu irmão Getúlio (Gustavo Leão e Mário Gomes), que dê um fim na vida de Stella.

Os filhos

O segredo de Donana seria mantido até 1977, quando ela e Michele completaram 38 anos de casados. Ao invés de dois, eles passaram a ter quatro filhos: Otávio, que acredita ser adotivo, Marco Antônio, além dos legítimos do casal, Juliano (Henrique Guimarães) e Lívia (Tatyane Goulart). Todos moram na mesma casa, com exceção de Marco Antônio, que fugiu por não concordar com a vida de crimes da família.

Já Otávio faz de tudo para ser o maior aliado do pai no mundo da contravenção. No entanto, vive infeliz ao lado da esposa Catarina (Daniela Galli), sobrinha do grande rival de Michele, o bicheiro Omar Ashcar (Ricardo Petraglia). Na verdade, Otávio está interessado pela nova moradora do morro, Laura (Carla Cabral). Com tantos problemas, Otávio não suporta a pressão e acaba agredindo a esposa Catarina, acirrando ainda mais os ânimos entre os Vêneto e Ashcar.

Duas famílias com problemas

Não são apenas os Vêneto que enfrentam problemas. Na família rival, Danilo Ashcar (Gustavo Machado) precisa arrumar uma solução. A mulher de seu tio Omar, Lili (Laíze Câmara), uma passista que deu o golpe na família, quer tirar tudo que Danilo conquistou durante a vida.

A maior preocupação das duas famílias é o equilíbrio de forças entre elas. No entanto, os Vêneto sofrerão um golpe difícil de ser superado por Michele e Donana. Stella, que para muitos estava morta, reaparece em cena. Ao contrário do passado, agora ela é uma mulher forte, rica e que fará de tudo para recuperar seus filhos de volta.

A volta de Stella

Durante o período em que foi dada como morta, Stella estudou e tornou-se uma modelo bem sucedida. Além disso, ficou viúva de um dono de cartório, que deixou uma herança satisfatória. Stella volta para o Rio com uma meta: fazer com que seus filhos descubram a verdade e construa algum tipo de relação com ela. Porém, para isso precisará enfrentar Donana.

A esposa de Michele tenta matá-la pela segunda vez, mas acaba desistindo do plano e cria uma armadilha para a rival. Ela tenta convencê-la de que Marco Antônio está morto. Quando Stella obriga Donana a apresentá-la para seu filho mais velho, Otávio a rejeita. Arrasada, Stella se desespera e teme nunca conquistar o amor de seus filhos.

A guerra esquenta

A disputa entre as famílias Vêneto e Ashcar nunca foi tão quente como nos anos 70. Se no passado a disputa entre Michele e Omar era silenciosa e velada, os herdeiros Otávio e Danilo não pensam do mesmo jeito, afinal, além do jogo do bicho, o tráfico de drogas também passa a ser alvo de disputa.

Para defenderem seus impérios do pó, os dois rivais passam a manipular políticos, comprar testemunhas e policiais e a defender seus territórios com armamento pesado. No jogo do bicho, Michele era o maior nome do Rio de Janeiro. Já no mundo das drogas, a família Ashcar não quer ficar para trás. Para isso, tenta abocanhar alguns territórios dos rivais.

Enquanto o poder dos Ashcar cresce, Michele foca em apenas um objetivo: ir atrás de Ricardo Rocha, a quem jurou de morte. O inimigo número 1 de Michele o delatou à justiça, fornecendo provas que levou a Promotoria Pública do Rio a abrir um grande processo contra sua família. Fragilizado nos negócios, Michele fica cada vez mais sensível aos ataques da família Ashcar e passa a acreditar que encontrar Ricardo Rocha é a maneira mais eficaz de estancar o problema com a justiça.

No meio do furacão

Em meio aos problemas judiciais da família Vêneto, está Patrícia (Simone Spoladore), uma jovem promotora de justiça, responsável por analisar o caso. Ela também está montando um grande processo contra os Ashcar. A moça divide a dura rotina de trabalho com o dia a dia em casa. Ela é casada com Carlão (Fernando Pavão).

Enquanto Patrícia é respeitada em sua profissão e leva uma vida formal, Carlão é hippie e mantém sozinho uma escola para crianças, onde atua como professor, pedreiro, mecânico e até motorista. Cabeludo e com uma aparência um pouco diferente do normal, o rapaz sofre com o preconceito. Porém, supera as dificuldades e torna-se a figura mais popular das praias de Ipanema e Leblon.

Tarado do Jardim de Infância?

A vida do casal parecia perfeita, até que Carlão é acusado de abusar de um aluno em sua escolinha. A partir de então, sua vida se transforma e ele torna-se um grande vilão, passando a ser conhecido no Rio de Janeiro como o Tarado do Jardim de Infância.

Na verdade, Carlão foi vítima de uma armação, que só foi descoberta pelo casal certo tempo depois. As fotos usadas como prova contra ele foram feitas no dia em que o estabelecimento de ensino foi assaltado. Enquanto ele corria atrás dos criminosos, alguém entrou na escola e forjou as fotos comprometedoras.

Para complicar ainda mais a vida do rapaz, ele guarda um segredo: sua identidade é falsa. Ele mudou de vida para esconder seu passado, inclusive da própria esposa. O que poucos sabem é que, anos atrás, ele se envolveu com Dorotéia Ashcar (Paloma Duarte), irmã de Danilo e a mais fria e calculista da família. Com o tempo, cada vez fica mais claro que a vilã Dorotéia tem ligação com tudo que está ocorrendo na vida de Carlão.

A partir daí, perguntas intrigarão os telespectadores. Será que Dorotéia está se vingando do rapaz por causa de uma paixão não correspondida? Será que os Ashcar o escolheram para prejudicar a esposa dele, Patrícia, que resolveu investigar os negócios ilícitos da família? Ou, quem sabe ainda, ele é Ricardo Rocha, o homem que está sendo caçado por Michele e que sabe todos os podres dos Vêneto?

E o que já está complicado, pode ainda piorar. O responsável por investigar o suposto abuso de crianças é o corrupto detetive Picasso (Vitor Hugo).

Acima da lei

Picasso é líder de uma equipe de detetives conhecida como “Artistas da Polícia”. Com ele, trabalham Van Gogh (Heitor Martinez), Monet (Renato Livera) e Caravaggio (Miguel Nader). Famoso e bastante requisitado pelas emissoras de TV, Picasso leva a fama de melhor policial do Rio de Janeiro. O que ele esconde de todos é que ele transita entre a legalidade e a ilegalidade. Porém, após algumas mancadas, a corregedora Das Dores (Denise Del Vecchio) passa a ficar de olho no trabalho dos rapazes.

A conduta de Picasso na investigação do caso do “Tarado do Jardim de Infância” deixa suspeitas. Afinal, aparece uma estranha ligação entre ele e o perigoso Veludo (Guilherme Winter), um empregado da família Ashcar. Além deles, seus colegas de investigação também possuem posturas impróprias, que irão ser descobertas ao longo da trama.

Já a corregedora Das Dores, além de precisar monitorar as ações dos investigadores da polícia, enfrenta problemas na família. Seus sobrinhos golpistas, Pedro (Iran Malfitano) e Paulo (Cláudio Heinrich), chegam de Minas Gerais para aplicar golpes na Cidade Maravilhosa. Em pouco tempo, a dupla vira dona de um dos locais mais agitados do Rio de Janeiro, a discoteca Stars Like Dust. É lá que as vidas de vários personagens da novela se cruzarão.

O autor

“Pecado Mortal” marca a estreia do experiente novelista Carlos Lombardi na Rede Record. O autor marcou época na Globo na faixa das 19h nos anos 80 e 90. Lombardi é formado em Rádio e TV pela USP. Ingressou na televisão escrevendo, ao lado de Edy Lima e Ney Marcondes, a novela “Como Salvar Meu Casamento” para a TV Tupi em 1979.

Após rápidas passagens pela Band e TV Cultura, estreou na Globo como colaborador de Silvio de Abreu em “Jogo da Vida” no ano de 1981. Posteriormente, colaborou nos textos das novelas “Elas por Elas” e “Guerra dos Sexos”. Sua primeira trama como autor principal foi “Vereda Tropical”. Desde então, emplacou vários sucessos na faixa das 19h, como “Bebê a Bordo”, “Quatro por Quatro” e “Uga Uga”.

Porém, os bons números não se repetiram em suas últimas tramas na faixa. “Kubanacan” e “Pé na Jaca” não fizeram o mesmo sucesso de suas antecessoras e acabaram levando Lombardi a perder espaço na Globo. Nos últimos anos, escreveu apenas alguns capítulos de “Caminho das Índias” e colaborou com o texto do seriado “A Vida Alheia”. Com isso, o novelista cedeu ao convite da Record e assinou com a emissora em setembro de 2012. “Pecado Mortal” será a primeira novela do autor em uma faixa mais nobre da TV.

Anote na agenda

“Pecado Mortal” estreia nesta quarta (25), às 22h30.

 

NaTelinha

Elenco de “Dona Xepa” se reúne para assistir primeiro capítulo

Novela estreou nesta terça (21) na Record

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/8b34f28fb81a8c305124bc119c3094d0.jpg

O elenco da nova novela da Record, “Dona Xepa”, se reuniu na noite desta terça (21) para assistir ao primeiro capítulo da trama.

Um dos destaques da novela, Arthur Aguiar, que ficou marcado como o Diego de “Rebelde”, confessou que estava ansioso para ver o resultado: “Estava bem ansioso com o primeiro capítulo e depois do que vi, o nervosismo deu lugar a empolgação. Acredito que a função do ator é emocionar e acho que assim como eu, todo o elenco têm esse objetivo: emocionar o público”.

Arthur estava acompanhado de Giovanna Lancelotti, que mesmo sendo contratada da Globo, foi prestigiar o namorado. “Achei a novela incrível e ele estava muito bem nas cenas”, falou ela.

Além deles, um outro casal estava presente: tratava-se do cantor Michel Teló e Thaís Fersoza, que interpreta a Rosália na trama. Teló gostou do que viu: “Gostei muito.

Thaís está muito bem no papel. Vou querer acompanhar a novela”. Já Fersoza foi perguntada sobre um possível casório com o cantor, mas desconversou.

Protagonista da novela, Ângela Leal era só felicidade ao falar de seu trabalho como Xepa: “Tudo perfeito. Eu estou bastante feliz. Esse papel estava destinado a mim e eu quero fazê-lo bem”.

“Dona Xepa” estreou com 9 pontos no Ibope e conquistou a vice-liderança no horário em que foi exibida. A trama irá ao ar de segunda a sexta, a partir das 22h15.

 

NaTelinha

“Morning Show” já tem data para estrear na RedeTV!

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/a56b05e13c1e605e7771bfec7eeab296.jpg

Depois de vários pilotos gravados, o programa “Morning Show” já tem data para estrear na RedeTV!.

Inspirada no “Show da Manhã” da Rádio Jovem Pan, a nova atração deve estrear no próximo dia 27, a partir das 8h30 da manhã, substituindo o “Se Liga Brasil”.

“Morning Show” terá apresentação de Zé Luiz, Thiago Rocha, Patrick Maia, que até bem pouco tempo era roteirista do “Agora é Tarde”, e Renata Del Bianco, que interpretou a Viva na primeira versão da novela “Chiquititas”. Eles irão dar as notícias do dia de uma forma bem humorada.

Em recente entrevista, Thiago Rocha falou sobre o programa: “Vai ser um programa bem humorado, com notícias factuais mostradas num clima descontraído, com a nossa visão. O maior desafio, pra mim, é chegar em uma emissora, implantar um programa novo para um público que tem o olhar mais voltado ao programa feminino no horário. Vamos dar uma nova opção e companhia, além do que todos gostam de assistir de manhã”.

NaTelinha

Especial “Amor à Vida”: As incontáveis formas e intensidades do amor

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/6c343dd99e2cd7dcadd6f55c71cf1b97.jpg

Os diferentes jeitos de amar. Esse é o pano de fundo da nova novela das 21h da Globo, “Amor à Vida”, escrita por Walcyr Carrasco. O amor de um casal, por uma profissão, a si próprio e entre mãe e filho são apenas alguns exemplos desse sentimento que, dentro de uma família, pode ser visto e encarado de variadas formas.

Por meio do amor, pessoas são levadas a alimentar confusões, segredos, intrigas e romances. E, em muitos casos, esse sentimento é confundido com paixão, ciúme e até com o ódio. Por isso, cada escolha na vida não é fácil de ser tomada. Será que vale a pena abrir mão de tudo por um amor? Essa será uma das principais questões abordadas por “Amor à Vida”, que estreia nesta segunda (20), às 21h10.

Ficha técnica

Escrita por Walcyr Carrasco
Colaboração de Daisy Chaves, Eliane Garcia, Daniel Berlinsky e Márcio Haiduck
Direção de Núcleo de Wolf Maia
Direção Geral de Mauro Mendonça Filho
Direção de André Filipe Binder, Allan Fiterman, Marco Rodrigo, Marcelo Travesso e André Barros
Estreia: 20/05
Horário: 21h10
Antecessora: “Salve Jorge”, de Gloria Perez

Elenco

Paolla Oliveira – Paloma
Juliano Cazarré – Ninho
Matheus Solano – Félix

Álamo Faço – Renan
Anderson di Rizzi – Carlito
Ângela Rebelo – Lídia
Antônio Fagundes – César
Ary Fontoura – Lutero
Bárbara Paz – Edith
Bel Kurtner – Joana
Bruna Linzmeyer – Linda
Caio Castro – Michel
Carolina Kasting – Gina
Caroline Rainato – Raquel
Christiane Tricerri – Vega
Daniel Rocha de Azevedo – Rogério
Danielle Winits – Amarylis
Eliane Giardini – Ordália
Elizabeth Savalla – Márcia
Emílio Orcciolo Neto – Murilo
Fabiana Carla – Perséfone
Fernanda Machado – Leila
Françoise Forton – Gigi
Fúlvio Stefanini – Denizard
Genézio de Barros – Amadeu
Júlio Rocha – Jacques
Klara Castanho – Paula
Leona Cavalli – Glauce
Lucas Romano – Luciano
Luis Mello – Atílio
Malvino Salvador – Bruno
Marcello Antony – Eron
Maria Casadevall – Patrícia
Marina Ruy Barbosa – Nicole
Mouhamed Harfouch – Pérsio
Nathália Timberg – Bernarda
Paula Braun – Esther
Pierre Baitelli – Laerte
Ricardo Tozzi – Thales
Rodrigo Andrade – Daniel
Rosamaria Murtinho – Tamara
Sandra Corveloni – Neide
Susana Vieira – Pilar
Tatá Werneck – Valdirene
Thales Cabral – Jonathan
Thavyne Ferrari – Sandra
Thiago Fragoso – Niko
Vanessa Giácomo – Aline

Família Perfeita?

Aos olhos dos mais desatentos, a família Khoury, formada pelo casal César (Antônio Fagundes) e Pilar (Susana Vieira) e pelos filhos Félix (Mateus Solano) e Paloma (Paolla Oliveira), parece ser perfeita. No entanto, os mais próximos sabem que isso é apenas uma ilusão.

César e Pilar já foram apaixonados. No entanto, apenas ela o ama, já que ele mantém uma relação fora do casamento há vários anos. Félix é o filho preferido e paparicado de Pilar e possui atitudes que desagradam ao pai. Individualista, só quer saber de grana e poder. Mau-caráter, ele acredita que sua irmã Paloma pode atrapalhá-lo na conquista de seus objetivos.

Enquanto isso, Paloma mantém uma relação de tensão com a mãe, pois não recebe o mesmo carinho que o irmão. A relação dela com o pai é de pura afinidade. Inocente, a jovem é honesta com o irmão Félix, que mente, manipula e a odeia.

A trama de “Amor à Vida” inicia-se há mais de dez anos, quando a família Khoury viaja ao Peru para comemorar o ingresso de Paloma no curso de Medicina. E é por lá que a relação dos Khoury se estremece. Desconfiado que a irmã é filha adotiva, Félix resolve usar a informação como trunfo para atazanar a vida de Paloma que, ao saber da suposta verdade, resolve jogar tudo para o alto.

Amor arrebatador

Abalada com a notícia, Paloma rompe com a família e resolve seguir o que seu coração manda. No Peru, ela conhece Ninho (Juliano Cazarré) e se apaixona. Ela abre mão de sua carreira médica e de suas posses, resolve experimentar uma vida livre e seguir os passos do amado de andar pelo país sem qualquer compromisso.

Por um tempo, o plano dos dois pombinhos funciona e eles conhecem pessoas e lugares diferentes tanto no Peru como na Bolívia. Porém, a partir do momento em que Paloma engravida, os dois sentem-se obrigados a mudar de vida, pois um bebê exige cuidados, segurança e dinheiro. Por isso, eles resolvem retornar ao Brasil.

No entanto, a tentativa de voltar ao país pela fronteira com a Bolívia não dá certo. Para conseguir dinheiro para a viagem, Ninho aceita transportar drogas no próprio corpo e acaba sendo preso no aeroporto. Sem saída, Paloma sente-se obrigada a voltar ao país sozinha, deixando o amado para trás.

O irmão mau-caráter

O personagem Félix é sinônimo de inveja e ambição. Ele usa a boa relação com a mãe como instrumento para conquistar o que deseja. Casado com Edith (Bárbara Paz), o vilão consegue sustentar um casamento de fachada, inclusive para a própria esposa. Ele acredita que a união dele com Edith irá ajudar a convencer seu pai de que ela é a pessoa certa para comandar o hospital San Magno, pertencente à família. Para fingir ter uma família perfeita, Félix, que nunca conseguiu ter filhos, resolve adotar Jonathan (Thales Cabral).

Tirar a irmã Paloma de seu caminho sempre foi seu objetivo. No entanto, ao saber que ela está voltando ao país e esperando um filho, Félix fica temeroso e resolve planejar um golpe. Tudo porque ele acredita que o bebê pode fazer com que ela volte a se aproximar da família e, o pior, seu sobrinho é mais um herdeiro na disputa pelo hospital San Magno.

Ao voltar ao país, Paloma acredita que o irmão é a única pessoa em quem pode confiar. E Félix não perde tempo. Ele aproveita o momento para executar um plano que, na verdade, afastará a irmã mais uma vez da família. Ele consegue libertar Ninho e trazê-lo para o Brasil. Além disso, ele articula para que Paloma fuja novamente com Ninho e tenha o filho longe da mansão dos Khoury.

No entanto, a relação dos dois não é a mesma de antes. Com o tempo, eles passaram a ter objetivos bem diferentes. Após uma discussão em um bar, Ninho deixa Paloma e, sozinha, ela dá à luz uma menina. Durante o parto em condições precárias, mãe e filha ficam em apuros. Uma desconhecida ajuda Paloma, que perde os sentidos sem ver a bebê viva. É nesse momento que Félix consegue afastar mãe e filha. Ele descobre onde Paloma está, vai ao local e, ao perceber que a irmã está desacordada e não viu a filha nascer, resolve deixar a criança em uma caçamba de lixo próxima ao San Magno.

Sopro de Deus

O personagem Bruno (Malvino Salvador) passa pelo momento mais difícil de sua vida no hospital San Magno. No centro cirúrgico, ele vê sua esposa e seu filho morrerem no parto. Abalado com a tragédia, ele encontra um presente de Deus que pode mudar sua vida.

Ao deixar o hospital, ele ouve o choro de um bebê dentro de uma caçamba. Sem pensar muito, ele pega a menina nos braços e resolve ‘adotá-la’. A garotinha recebe o nome de Paula (Klara Castanho) e guarda em seu sangue uma verdade que poucos sabem.

Uma nova oportunidade

Dez anos se passaram e Paloma nunca se recuperou da perda da filha e da paixão avassaladora que nutria por Ninho. Ela então resolve tornar-se médica e uma mulher mais segura. E é nesse momento que Bruno reaparece na vida de Paloma. Eles se conheceram logo após Paloma ‘perder’ a filha, em um encontro apenas casual para ela, mas que despertou o amor dele.

De tanto insistir, ele consegue convencê-la a lhe dar uma oportunidade para que, ao menos, se conheçam melhor. E a pequena Paula, filha adotada por Bruno, é um importante reforço para o rapaz conquistar o coração da protagonista.

Paloma morre de amores pela menina, mesmo sem saber que, na verdade, ela é sua filha. A possibilidade de ceder às investidas de Bruno pode levar Paloma finalmente a ter uma família de verdade, sonho que não conseguiu realizar no passado.

O autismo dentro de casa

A vida da família Rodriguez, liderada por Amadeu (Genézio de Barros), que é irmão de Pilar e casado com Neiva (Sandra Corveloni), muda completamente após o nascimento da filha caçula Linda (Bruna Linmeyer). A garota, que é autista, obriga os pais e os irmãos Leila (Fernanda Machado) e Daniel (Rodrigo Andrade) a se reinventarem, com o objetivo de descobrirem novas formas para se relacionarem. Cada membro da casa precisa se adaptar para aprender a lidar com uma pessoa que necessita de cuidados especiais. Enquanto a matriarca Neide é uma mãe zelosa e protetora, a irmã Leila tem dificuldades em compreender as necessidades de Linda.

Filhos trabalhadores

Uma família batalhadora. Assim pode ser definida a família Vianna, formada por Ordália (Eliane Giardini) e Denizard (Fúlvio Stefanini). Os dois tiveram quatro filhos: Bruno, Gina (Carolina Casting), Carlito (Anderson di Rizzi) e Luciano (Lucas Romano). Os quatro são honestos e trabalham duro para ajudar em casa.

Denizard mantém um bar no bairro onde mora. Já Ordália trabalha como auxiliar de enfermagem no hospital San Magno. O sonho do casal sempre foi ver os quatro filhos com curso superior. No entanto, as dificuldades levaram cada um para um lado. Apenas Luciano conseguiu se matricular em uma faculdade. Mesmo assim, o jovem passa por dificuldades para conseguir estudar Medicina.

Busca por um bom partido

Márcia (Elizabeth Savalla) é mãe de Valdirene (Tatá Werneck). Parceiras, Márcia planeja um bom futuro para filha. O motivo? Ela quer fazer com que a moça não repita seus erros e leve uma boa vida em breve. Para isso, fiscaliza cada passo da filha com o objetivo de que Valdirene fisgue um bom partido, independente de quem seja. No entanto, quase todas as investidas da dupla fracassam. Mesmo assim, elas não desanimam e sempre partem para uma nova tentativa.

Superando preconceitos

Eron (Marcello Antony) e Niko (Thiago Fragoso) não esconderão de ninguém que eles mantêm uma relação estável. Bem-sucedidos em suas profissões, eles levam uma relação pautada no respeito e no afeto. Porém, a vida não é fácil para o casal, que sofrerá preconceito e terá dificuldades para realizar o sonho de ter um filho.

Bancada pelo ex-marido

Atílio (Luís Melo) e sua atual esposa Vega (Christiane Tricerri) precisarão conviver com uma presença desagradável. Eles, que mantém um casamento feliz, terão que aturar a ex-mulher de Atílio, Gigi (Françoise Forton), uma mulher falida, que não consegue manter seu antigo padrão de vida. Gigi sempre recorre ao ex para sanar as dívidas cometidas durante os seus excessos e para garantir o sustento da neta Sandra (Thavyne Ferrari) e do filho Murilo (Emílio Orciolo Neto), que não são do mesmo sangue de Atílio.

O Hospital

O San Magno é um dos principais cenários de “Amor à Vida”. O hospital é administrado por Atílio e é referência no tratamento de diversas especialidades. O complexo médico não segue um modelo de negócio que visa apenas o lucro. César, proprietário do San Magno, oferece atendimento gratuito a quem não pode pagar, o que sempre contrariou o filho Félix, que busca apenas o lucro. O sonho de Félix sempre foi tornar-se o único dono do San Magno.

Nos corredores, há muita disputa entre os profissionais. São os casos de Lutero (Ary Fontoura), cardiologista veterano e amigo de César, e Jacques (Júlio Rocha), um jovem ambicioso, esperto e que quer ocupar o lugar de Lutero. Com pouco tempo de hospital, Jacques já percebeu que a melhor forma de crescer lá dentro é se unindo a Félix.

Além de disputas, romances também ocorrerão nos corredores. É o exemplo do casal Michel (Caio Castro) e Patrícia (Maria Casadevall). A paixão pegou os dois de surpresa. Ela não queria nunca mais se envolver em relacionamentos amorosos, pois tinha acabado de ser traída. Já Michel é mulherengo e não gostaria de manter um compromisso sério. No entanto, cada vez mais os dois passam a se conhecer melhor e a sentir amor um pelo outro.

O bom-humor no hospital ficará por conta da enfermeira-chefe Perséfone (Fabiana Karla). Muito atenta, ela é discreta e fiel aos amigos, sobretudo à obstetra Glauce (Leona Cavalli). Perséfone é considerada a principal paqueradora do hospital, pois ela dá em cima de vários homens pelos corredores. No entanto, sua timidez a atrapalhará a engatar um romance sério.

O autor

Walcyr Carrasco é formado em jornalismo pela USP. Ele divide seus dias como escritor de livros e autor de peças de teatro e telenovelas. Iniciou sua carreira literária aos 28 anos com o livro “Quando o meu irmãozinho nasceu”. Atualmente, soma mais de 60 livros, entre juvenis e adultos.

No teatro, estreou com a comédia “O Terceiro Beijo”, mas foi a peça “Êxtase” que lhe proporcionou o prêmio Shell de melhor autor. Ingressou na teledramaturgia em 1989, quando escreveu o folhetim “Cortina de Vidro” para o SBT. Mas foi com a novela “Xica da Silva” (1995), da TV Manchete, que ele despertou a atenção do público e da crítica.

Após uma nova passagem pelo SBT, foi contratado pela Globo em 2000, emissora na qual emplacou vários sucessos na faixa das 18h, como “O Cravo e a Rosa”, “Chocolate com Pimenta” e “Alma Gêmea”. Os bons resultados alcançados levaram o autor a ser transferido para a faixa das 19h, na qual emplacou os sucessos “Caras & Bocas” e “Morde & Assopra”. Em 2012, coube a Carrasco escrever o remake de “Gabriela” para a faixa das 23h.

Com vários resultados positivos, a TV Globo resolveu apostar em Carrasco no horário das 21h. “Amor à Vida” será a primeira trama assinada por Walcyr na faixa mais nobre do canal.

Anote na agenda

“Amor à Vida” estreia nesta segunda (20), às 21h10, na TV Globo.

NaTelinha