Icasa 4 x 1 Bragantino

 4 x 1 

No Estádio Romeirão, o Icasa mostrou novamente que tem a força. Neste sábado (17), o Verdão do Cariri começou perdendo, mas conseguiu a virada e, mais que isso, goleou o Bragantino por 4 a 1, pela 16ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. A equipe cearense chega aos 22 pontos e sobe na tabela para a 10ª colocação. O Braga estaciona nos 22, em 11º.

Os visitantes receberam de presente o primeiro gol em Juazeiro do Norte, marcado contra pelo zagueiro Luiz Gustavo. O Verdão empatou ainda na etapa incial, com Tadeu, em cobrança de pênalti com categoria de Tadeu. Na etapa complementar, no intervalo de apenas nove minutos, a equipe da casa fez mais dois e fechou a goleada em nova cobrança de pênalti, com Tadeu.

Na 17ª rodada, o Verdão do Cariri encara o Paysandu fora de casa, às 21 horas, no próximo sábado (24). O Bragantino enfrenta a Chapecoense no mesmo dia, às 16h20m, no Nabi Abi Chedid, pela mesma rodada.

Marcação forte dos dois lados

Tentando desbancar a força que o Verdão tem em casa, o Bragantino construiu a primeira jogada de perigo logo aos 3 minutos. Após cobrança de escanteio, Carlinhos arriscou de primeira, mas a bola passou por cima do gol de João Ricardo. Cinco minutos depois, Elanardo mandou a primeira bomba de fora da área e quase surpreendeu Leandro Santos, depois de a bola desviar na zaga do Bragantino.

Mas não vinha dos pés do volante a maior surpresa do Verdão no início do jogo, e sim do zagueiro Luiz Gustavo. Depois de um cruzamento despretensioso da equipe visitante, em que a bola já vinha tranquila para João Ricardo, o zagueiro desviou, tirou do goleiro e acabou marcando contra no Romeirão. Sem conseguir furar a zaga do adversário para buscar a reação, a equipe de Sidney Moraes passou a tentar chutes de longe, principalmente com Elarnardo. Aos 16, ele cobrou falta, mas por cima do travessão. Depois, em um chutaço de primeira, o jogador voltou a assustar Leandro Santos.

Aos 34, o zagueiro Luiz Otávio foi derrubado dentro da área por Dudu e o árbitro deu pênalti. Dessa vez, o exímio cobrador Elarnardo não foi para a bola, mas viu Tadeu, com frieza e muita categoria, deixar tudo igual em Juazeiro do Norte. Até o fim da etapa inicial, as duas equipes investiram na marcação sólida. O Icasa ainda tentou aos 45 minutos, mas Carlinhos pegou chutou longe demais ao arriscar de primeira.

Verdão vira e dispara

O treinador Sidney Moraes foi para o intervalo com  discurso de ‘arrumar a casa e tentar vencer o jogo’. Logo início da etapa complementar, a virada do Verdão quase se concretizava com Juninho Potiguar, que dominou na pequena área, chutou e viu a bola passar rente à trave do Braga. De Potiguar veio o passe preciso que deu origem ao segundo do Icasa. Chapinha recebeu dentro da área e acertou o canto direito de Leandro Santos no Romeirão: 2 a 1.

Os visitantes tentaram responder com Lincom aos 19, de cabeça, e a bola por pouco não entrou. Na sequência, aproveitando um erro de Elias, Carlinhos ficou com a bola, cruzou para Neilson, que livre fez o terceiro do Verdão. Novamente com Lincom, o Braga chegou aos 28, mas o chute rasteiro do jogador acabou indo para fora. O duelo no Romeirão teve direito a gandula sendo punido com cartão amarelo por demorar a devolver a bola.

Perto dos 40, os visitates tiveram mais duas oportunidades seguidas de diminuir, com Magno Cruz e Cesinha, mas as tentativas acabaram frustradas. Ainda houve tempo para Tadeu sofrer pênalti, marcar o segundo dele e decretar a goleada em casa. O Verdão segue sem perder para o Bragantino na história dos confrontos e, além disso, embala na Segundona.

Icasa 2 x 1 ABC

  2 X 1  

Em uma partida nervosa, o Icasa venceu o ABC por 2 a 1, no Estádio Romeirão nesta terça-feira (13), na 15ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Com o triunfo, o Verdão do Cariri se distancia do Z-4, com 19 pontos. Já a equipe natalense vê a situação ficar ainda mais agoniante e segue na lanterna da competição, com apenas oito pontos e só uma vitória na Segundona.

Apostando nos chutaços, o Icasa conseguiu a vantagem ainda no primeiro tempo, com gols de Tadeu e Chapinha. Gilcimar, de cabeça, fez o único do ABC. Com nervos à flor da pele, os jogadores da equipe natalense trocaram tapas no intervalo. No segundo tempo, as equipes apresentaram um futebol limitado e, em mais confusão, Adalgísio Pitbull foi expulso mesmo no banco de reservas.

Na 16ª rodada, o Verdão do Cariri volta a jogar no Romeirão, contra o Bragantino, no sábado (17), às 21 horas. Já o ABC encara o Figueirense, no mesmo dia, às 16h20m, no Frasqueirão.

Icasa x ABC Série B Romeirão (Foto: Normando Sóracles/Agência Miséria de Comunicação)
Icasa respira na competição com vitória diante do ABC (Foto: Normando Sóracles/Agência Miséria de Comunicação)

Gols em chutaços

Após duas rodadas longe do Romeirão, o Icasa voltou a Juazeiro mais disposto. Na primeira oportunidade que teve, fez surgir o gol. Aos quatro minutos, o experiente Tadeu recebeu lançamento em profundidade, matou no peito e mandou uma bomba sem alcance para o goleiro Lopes. Nas chegadas pontuais ao ataque, os visitantes apostavam em jogadas de bola parada. E foi assim que o ABC conseguiu o empate seis minutos depois. Após cobrança de falta certeira e falha na marcação da zaga do Icasa, Gilcimar de cabeça deixou tudo igual em Juazeiro do Norte.

Com mais posse de bola e mais consistência, a equipe de Sidney Moraes não se intimidava e arriscava para o gol adversário. Aos 16, Da Silva mandou um chute de direita da entrada da área, rente à trave esquerda de Lopes. O segundo gol icasiano se concretizou com Chapinha, aos 22, que também mandou no peito e acertou uma bomba no ângulo: 2 a 0.

Novamente atrás no placar, o ABC continuava insistindo em bolas paradas, mas a fórmula não funcionava. Do outro lado, Chapinha parecia ter tomado as cobranças da torcida como inspiração e, aos 37, quase fez o terceiro. O veterano goleiro do ABC fez grande defesa e impediu o gol. Na saída para o intervalo, o goleiro Lopes e o zagueiro Flávio Boaventura chegaram a trocar tapas.

Mais confusão

Para tentar evitar a derrota, o técnico Roberto Fernandes resolveu mexer no intervalo. Sacou Giovani e colocou Giovani em campo. O Verdão do Cariri, no entanto, voltou todo pressão e teve boa oportunidade logo no início da etapa complementar. Aos 5, Tadeu chutou e, após a bola desviar na zaga, Chapinha ficou livre para o chute. Mas a pontaria falhou e o jogador mandou para fora. Assim como no primeiro tempo, as duas equipes faziam um duelo movimentado, em que o Icasa predominava no ataque adversário.

Roberto Fernandes gritava e insistia para que o grupo colocasse a bola na área. Os jogadores do clube natalense atenderam e começaram a dar trabalho ao goleiro João Ricardo. Para tentar conter o avanço do ABC, Sidney Moraes fez as três alterações possíveis. Perto dos 40 minutos, os visitantes chegaram ao ataque, mas sem sucesso.

E o futebol deu espaço para mais confusão. Mesmo no banco de reservas, o atacante Adalgísio Pitbull, do Icasa, recebeu cartão vermelho. Em campo, o ABC ainda chegou a pressionar no fim, mas não conseguiu o empate e segue na lanterna da Segundona.

A ´fênix´ quer a taça

Depois de um conturbado 2012, o Verdão faz o primeiro jogo da decisão da Série C diante do Oeste/SP

Quem já não ouviu falar na Fênix? O pássaro mitológico que entrava em combustão ao morrer, mas tinha capacidade de ressurgir das próprias cinzas. Assim podemos chamar o Icasa, que, após um conturbado ano de 2012, decide o título da Série C contra a equipe do Oeste/SP, às 20h30 de hoje (horário local), no estádio Romeirão.

O Verdão do Cariri garantiu o acesso à Série B de 2013 com uma vitória (foto) e um empate diante do Duque de Caxias. Depois, superou o Paysandu para chegar à final FOTO: NORMANDO SÓRACLES/MISÉRIA.COM

Essa será a quinta vez que uma equipe cearense chega a uma decisão de Campeonato Brasileiro. Nas vezes anteriores, Fortaleza (1960 e 1968, pela extinta Taça Brasil; e 2002, pela Série B) e Guarany de Sobral (em 2010, pela Série D) chegaram a decisão, mas só o Bugre sobralense conseguiu, até o momento, conquistar um título.

Vale lembrar que o Ceará decidiu outra competição nacional – a Copa do Brasil de 1994 – perdendo para o Grêmio.

“Essa conquista é esperada não somente pelo clube e sua torcida, como também por toda a região do Cariri. Existe uma expectativa muito grande, mas não podemos esquecer que o Oeste também é uma equipe forte, que não chegou por acaso à final”, explica o atual presidente icasiano, Paes de Lira.

Após assumir um Icasa cheio de dívidas e problemas fora de campo, Paes se diz confiante no elenco e na comissão técnica, que souberam superar os problemas extra-campo. “Eles são verdadeiros profissionais, pois souberam dividir as situações. Mesmo exigindo os seus direitos salariais, todos entraram em campo e cumpriram com suas obrigações”, conta. Conforme o dirigente, o resto da gratificação prometida pelo acesso já foi paga e os salários estão sendo quitados.

Assim como a Fênix, que também tem como característica sua força (que a faz carregar cargas pesadas durante seus voos), o Verdão chegou a passar pela zona de rebaixamento. No entanto, arrancou fôlego e, mesmo chegando a ter greves decretadas nos treinos, chegou à sua primeira final nacional.

Desfalques

Para o duelo de logo mais, o técnico Francisco Diá não poderá contar com Da Silva, que cumprirá suspensão. Índio e Danilo disputam a posição.

Além disso, o atacante Niel também preocupa. Ele sentiu um desconforto muscular durante o treino de ontem e é dúvida.

Campanha do Oeste foi melhor no geral

O Oeste acabou tendo a vantagem de decidir a finalíssima da Série C em casa por conta do maior somatório de pontos obtidos durante a competição.

Na primeira fase, o time paulista somou 29 pontos no Grupo B e no mata-mata ficou com mais oito – empates e vitórias contra Fortaleza e Chapecoense. Já o Icasa, com 24 no Grupo A, somou mais sete – vitória e empate com o Duque de Caxias/RJ nas quartas e em seguida vitória e derrota para o Paysandu. Assim, a diferença ficou de 37 a 31.

Aplicação

No Oeste, o técnico Luis Carlos Martins quer seu time “aplicado na marcação, mas sem medo de atacar”. Adepto do futebol defensivo, ele sabe que um empate fora seria um bom resultado.

Nordestinos são “fregueses”

Guarany de Sobral, campeão da Série D em 2010, não teve de passar por nenhum clube do Sudeste do País. O Bugre bateu o América/AM na final FOTO: KIKO SILVA

Desde 1959, ano da realização da primeira Taça Brasil, até a decisão da Série C em 2011, foram 14 encontros entre times do Sudeste e do Nordeste em finais de Brasileiros (Sem incluir a Copa do Brasil, considerado outro torneio). E os times da região Nordeste perdem feio, tendo ganhado apenas duas vezes.

A exceções foram o Bahia (campeão da Taça Brasil em 1959, batendo o Santos) e o Sport, que foi Campeão Brasileiro no controverso ano de 1987 em cima do Guarani/SP.

Nas demais decisões, doze, os times do Sudeste bateram os Nordestinos. Em cinco finais da Taça Brasil, Náutico, Fortaleza, duas vezes e Bahia perderam as decisões para os poderosos Palmeiras, Botafogo e Santos.

Cada vez menos

Já a partir da década de 1970, quando o Nacional mudou de nomenclatura e fórmula, os confrontos entre times do Nordeste e do Sudeste nas decisões rarearam. Além da final de 1987 já citada, apenas o Vitória voltou a decidir um Brasileiro, em 1993, na Série A, com o Palmeiras.

Outras decisões ocorreram, só que em divisões inferiores: três na Série B, duas na Série C e uma na D. E nem assim o Nordeste venceu: CSA – duas vezes -, ASA, Náutico, Santa Cruz e Santo Amaro/PE perderam para times do Sudeste, como Internacional/SP, Juventus/SP, Campo Grande/RJ, Olaria/RJ, América/MG e Tupi/MG.

ÍKARA RODRIGUES / VLADIMIR MARQUES
REPÓRTERES

Diário do Nordeste- A GRANDE JOGADA – 28/11/2012

Oeste tem desfalques para enfrentar o Icasa no Romeirão

Ligger foi revelado pelo Icasa

 

O técnico Luis Carlos Ferreira não terá dois titulares importantes para o primeiro jogo decisivo do Campeonato Brasileiro Série C. O zagueiro Dezinho, ex-Fortaleza, e o lateral esquerdo Piauí, ex-Salgueiro, receberam o terceiro cartão amarelo e desfalcam o Oeste de Itápolis nessa quarta-feira, contra o Icasa, no Romeirão. Em contrapartida, o lateral direito Dede e o goleiro Fernando Leal devem retornar à equipe.

O treinador do Rubrão aproveita pra fazer mistério e não definiu os substitutos. A tendência é que Lucas, de 23 anos, contratado junto ao Juventus, entre na lateral esquerda. Na zaga, Everton Dias, que tem 22 anos e foi revelado pelo Palmeiras, aparece como a opção mais provável. O atacante Marcinho Beija-Flor foi liberado pelo departamento médico no jogo passado, contra a Chapecoense, e tem alguma chance de voltar ao time titular no lugar de Serginho.

O zagueiro Ligger vai reencontrar a torcida icasiana. O jogador foi revelado pelo Verdão do Cariri em 2008 e deixou o clube no ano seguinte. Em 2010, disputou o Campeonato Cearense pelo rival Guarani de Juazeiro e se transferiu em seguida para o Cianorte/PR. Outro jogador que já defendeu o Icasa foi o goleiro Fernando Leal. Reserva de Claudevan durante todo o estadual de 2007, o jogador foi titular na final contra o Fortaleza e sofreu o gol de Rinaldo, que deu o título ao Tricolor.

O provável formação do Oeste para o jogo contra o Icasa é Fernando Leal, Eduardo, Everton Dias e Ligger; Dede, Ricardo Oliveira, Paulo Vitor, Wanderson e Lucas; Jheimy e Serginho (Marcinho Beija-Flor).

Diário do Nordeste – A GRANDE JOGADA – 27 de novembro de 2012

Oeste segura pressão da Chapecoense e garante vaga na final . Equipe do interior paulista disputará decisão do Brasileiro série contra o Icasa, que bateu o Paysandu

Oeste e Chapecoense se enfrentaram nesta sexta-feira, pela semifinal do Brasileiro série C, no estádio dos Amaros, em Itápolis. O Rubrão encontrou dificuldades, mas segurou a vantagem que obteve no jogo de ida ao vencer por 1 a 0 a Chapecoense fora de casa. Com o Resultado o time do interior paulista garantiu vaga na final e enfrenta o Icasa que bateu o Ceará.

O primeiro tempo foi equilibrado, mas na etapa final a equipe de Santa Catarina pressionou mais e manteve o time da casa praticamente buscando os contra-ataques. O resultado sem gol foi suficiente para garantir a vaga na decisão.

Aos cinco minutos Wanderson proporcionou o primeiro suspiro de gol na torcida da casa. O meia dominou a bola na entrada da área pelo lado direito, cortou o zagueiro e bateu de perna esquerda. O chute saiu fraco, mas pegou o goleiro Nivaldo de surpresa, o goleiro defendeu e a antes de ir pela linha de fundo tocou na trave.

Dois minutos depois, o zagueiro Dezinho cabeceou forte e o defensor da Chapeocoense fez a primeira grande defesa. Em seguida, o time de Santa Catarina fez uma boa troca de passes na grande área do Oeste. Paulinho Dias arriscou, mas a bola foi pela linha de fundo.

A partir daí até os 18 minutos, a equipe visitante este melhor em campo. Em uma das jogadas, Athos entrou livre na grande área pelo lado esquerdo e cruzou na segunda trave, mas a zaga do Oeste mandou para escanteio. Aos 20 minutos, o time do técnico Luiz Carlos Martins voltou a atacar com perigo. Serginho recebe a bola livre de marcação e na cara do goleiro. O atacante chutou fraco de bico e raspou a trave.

A melhor chance de gol do Oeste na etapa inicial. As duas equipes fizeram um primeiro tempo equilibrado. Na volta do intervalo, sem sol e com a temperatura mais agradável, os times voltaram com mais velocidade. A Chapecoense precisando do gol enquanto que o Oeste apertava a marcação e buscava os contra-ataques. Foi assim o segundo tempo inteiro.

Agora o Oeste enfrenta o Icasa na decisão do Campeonato Brasileiro da Série C deste ano. O time do Ceará garantiu a classificação ao passar pelo Paysandu.

Oeste X Chapecoense (Foto: Daniel Cavagnoli/Assessoria CAF)Oeste e Chapecoense fizeram um jogo muito disputado (Foto: Daniel Cavagnoli/Assessoria CAF)

Icasa vence Paysandu por 2 a 1 e está na final da Série C do Brasileiro Verdão venceu o Papão no Estádio Romeirão, em Juazeiro do Norte, Ceará. Paysandu teve dois jogadores expulsos e não conseguiu avançar na Série C

O Icasa venceu o Paysandu nesta quinta-feira (22), no Estádio Romeirão, por 2 a 1, com um gol de cabeça do zagueiro Naylhor e outro de pênalti do atacante Niel. Thiago Potiguar marcou para os visitantes. O resultado coloca o Verdão do Cariri na final da Série C do Campeonato Brasileiro e o adversário sairá do confronto entre Chapecoense x Oeste, que acontece nesta sexta (23).

O Papão jogava com a vantagem do empate, por ter vencido o primeiro jogo, no Pará, por 3 a 2, mas não conseguiu segurar o placar. Os devotos de Padre Cícero, no Ceará, fizeram o simples e avançaram na Terceirona.

Estímulo extra para o Icasa conseguir a vitória foi o pagamento de um mês de salário atrasado do grupo, antes do confronto. Os jogadores até haviam se recusado a treinar no início da semana e, mais uma vez, mostraram que, dentro de campo, podem fazer a diferença.

Primeiro tempo com duas bolas na trave e ‘gol fácil’

A etapa inicial começou bastante movimentada, pelos dois lados, com as duas equipes em busca do resultado. Mesmo com a vantagem do empate, o Paysandu foi pra cima e chegou a assustar os donos de casa, mas o Icasa se mostrou mais eficiente e abriu o placar logo aos 7 minutos. Canga desviou cruzamento de cabeça e Naylhor cabeceou para o gol, no segundo pau.

A reação do Paysandu veio pouco tempo depois. Thiago Potiguar fez boa jogada individual, passou para Vanderson, que rolou para Rafael Oliveira desperdiçar e chutar para fora. O Verdão, no entanto, ainda queria mais no jogo e quase ampliou de falta, na cobrança do Carlinhos. A bola foi direto no travessão, voltou pro Naylhor, em mais uma tentativa, e João Ricardo fez bela defesa.

Paysandu não conseguiu fazer proveito da vantagem do empate (Foto: Normando Sóracles/Miseria.com.br)Paysandu não conseguiu fazer proveito da vantagem do empate (Foto: Normando Sóracles/Miseria.com.br)

Como se não bastasse, o Verdão do Cariri voltou a acertar o travessão mais uma vez, cerca de 10 minutos depois. Dessa vez foi o baixinho Canga quem assustou a zaga do Papão. O setor defensivo do Icasa teve que trabalhar quando Thiago Potiguar chutou cruzado e quase alcançou Rafael Oliveira em boa posição. Naylhor chegou antes e afastou o perigo. Foi com a mesma atenção que Thiago Costa impediu que Canga avançasse, em bom lançamento do Carlinhos.

No fim do primeiro tempo, o Paysandu por pouco não chegou ao empate. Thiago Potiguar recebeu lançamento em posição de impedimento – que o árbitro não marcou – e cruzou para Rafael Oliveira, dentro da área. Gilberto se antecipou e impediu o gol do Papão.

Segundo tempo de chances perdidas e expulsões

O segundo tempo começou mais calmo. O Paysandu insistia em furar o bloqueio do Icasa, sem sucesso. Boa oportunidade seria em cobrança de falta, perto da área. Só que Lineker colocou por cima do gol, sem preocupar o goleiro João Carlos. Os donos da casa trabalhavam a bola com calma, com o apoio da torcida, e avançavam entre um contra-ataque e outro.

Foi assim que saiu o primeiro lance de perigo do segundo tempo, aos 18 minutos. Carlinhos recebeu lançamento do Canga e obrigou o goleiro do Papão a fazer ótima defesa. No lance seguinte, o mesmo Carlinhos teve mais uma chance e desperdiçou de novo. A bola raspou a trave.

Papão sofreu com dois jogadores a menos (Foto: Normando Sóracles/Miseria.com.br)Papão sofreu com dois jogadores a menos (Foto: Normando Sóracles/Miseria.com.br)

O Icasa cresceu no jogo e passou a ocupar mais o campo adversário. Em lance incrível, após um cruzamento longo, Gilberto subiu sozinho e perdeu outra chance de marcar para a equipe cearense. Pouco tempo depois, entretanto, oportunidade de ouro.

Marcus Vinícius tocou a bola com a mão e o árbitro marcou pênalti para o Icasa. O zagueiro do Paysandu ainda foi expulso. Na cobrança, o atacante Niel finalmente conseguiu aumentar a vantagem do Verdão. 2 a 0 Icasa.

A torcida no Romeirão vibrou ainda mais quando Ricardo foi expulso, de tanto reclamar com o árbitro. O Paysandu com dois a menos no jogo teve que aguentar os gritos de ‘olé’ quando o adversário tocava bola.

Mas o que parecia fácil se complicou no fim do jogo. Thiago Potiguar conseguiu acertar um belo chute de fora da área e diminuiu para 2 a 1. O adversário chegou a ficar nervoso no jogo para segurar o placar, e a equipe paraense investiu na pressão, mas não conseguiu o empate.

Torcida e time do Icasa fizeram festa no apito final e o Verdão garantiu vaga na final da Terceirona, para tentar ser o segundo cearense a conquistar um título brasileiro. O primeiro foi o Guarany de Sobral, na Série D.