Rede TV! anuncia que em 2018 o Encrenca terá novos cenários

 

Promessa 2

A Rede TV! anuncia para início de 2018 a apresentação dos novos cenários do “Encrenca”.

Promessa feita pela direção da emissora durante evento em São Paulo na última quarta-feira.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Briga da Rede TV! com operadoras derruba principal programa de domingo

Divulgação/RedeTV!

Antes de a Rede TV! comprar uma briga com as principais operadoras, juntamente com Record e SBT, o “Encrenca”, exibido nas noites de domingo, chamava a atenção por seus bons índices de audiência na Grande São Paulo e, principalmente , por nocautear o “Pânico” da Band na faixa de confronto.

Mas isso mudou após a emissora, integrante da Simba, liderar uma debandada. Como triste resultado, o “Encrenca” também foi prejudicado e já se vê em situação desconfortável diante da turma de Emílio Surita.

A diferença entre os programas, como verificado nos dois últimos domingos, agora é muito pequena, mas suficiente para o produto da Band aparecer à frente.

Existe uma preocupação em relação a esse quadro, que a situação possa fugir ainda mais do controle, se uma solução para o impasse não for encontrada logo.

A concorrente, evidentemente, agradece.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Encrenca sobe na audiência com pouco dinheiro e o Pânico cai na audiência

c4574-redetvperdeafiliadaparatvigrejamundial

Só cresce
O “Encrenca”, exibido aos domingos, começou dando sustos na RedeTV!, mas logo depois encontrou um modelo, sem grandes investimentos, que foi decisivo para alavancar sua audiência. E desde 2014 não para de crescer.

No primeiro ano, a média em São Paulo foi de 1,15 com 2,13 de participação (share); em 2015, deu 3,53 com 5,92%, e em 2016, 5,28 com 8,22%. Além disso, no ano passado, por diversas ocasiões, marcou 6 de média, jogando pressão no “Pânico”.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

“Encrenca” não quer briga com o “Pânico”

Divulgação/RedeTV!

Pessoal do “Encrenca”, da Rede TV!, tem-se mostrado muito na dele, nunca entrando no barulho de alguém interessado em causar ou criar algum tipo de fato.

Todos eles sempre evitam manifestações sobre a concorrência, especialmente em relação ao “Pânico”.

A briga dos dois programas para eles, resume-se a audiência. Só a ela.

O “Encrenca”, desde a sua estreia, vem se colocando entre as principais audiências da Rede TV! e o clima de rivalidade com o programa da Band, criado de fora para dentro, deve-se aos dois irem ao ar nas noites de domingo e em horários parecidos. Além de se dirigirem praticamente para a mesma faixa de público.

No entanto, vários integrantes de um e de outro têm amizades próximas.

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

RedeTV! estuda processo contra a Band por causa do “Pânico”

Disputa entre "Pânico" e "Encrenca" extrapola a busca por audiência

Disputa entre “Pânico” e “Encrenca” extrapola a busca por audiência

O “Encrenca”, da RedeTV!, acusa o “Pânico da Band” de plágio, “pela cópia descarada de um quadro”, lançado no último programa com narração de vídeos de internet no palco. Um embalado da mesma maneira que o outro. Ontem já se analisava a possibilidade de um processo.

Mas será que vale uma briga por tão pouco?

Verdade é que ontem o departamento jurídico estudava uma maneira de como proceder diante de tal situação.

A ordem da direção, segundo se informa, é não deixar como está.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

O “Encrenca” é um programa que não existe

Programa "Encrenca", da RedeTV!

Programa “Encrenca”, da RedeTV!

É preciso saber exatamente o que a Rede TV! pretende do chamado “Encrenca”, levado ao ar nas noites de domingo. Se o objetivo é só conseguir audiência barata, a custo de produção próxima do nada e usando como “balão de oxigênio” tão somente os vídeos esmerilhados da internet, então ok, a meta vai sendo atingida.

Registros em torno dos 4 ou 5 pontos, um absurdo para os padrões atuais da emissora, também nos levam a atestar que há público também para isso. Nem cabe qualquer discussão. O que não pode acontecer, em circunstância nenhuma, mesmo diante de todo esse descompromisso, é não se dar o devido valor àqueles que se propõe anunciar no seu horário.

Empresas como Cacau Show, Tim e Eparema, com toda certeza, estão comprando uma coisa e recebendo outra, porque as suas ações comerciais são pagas em extensos intervalos no começo. Pagam pela média do horário, mas a entrega se dá quando o programa ainda nem saiu do zero alguma coisa.

O pior do pior, numa verdadeira aula do que jamais se deve fazer em televisão nenhuma, é que após esse gigantesco intervalo inicial existe uma emenda com merchandisings. Um verdadeiro absurdo.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Pânico na Band virou freguês de caderno do Encrenca da Rede TV!

Band aumenta a sua carga comercial para driblar a crise

 

Senão vejamos

Há vários e vários domingos, o “Encrenca”, da Rede TV!, que não é uma das maiores maravilhas desse mundo, passou a ganhar do “Pânico” no embate direto.

Existiram tentativas, inclusive, de enfrentar o principal concorrente com um genérico do quadro “zap-zap”. É ruim isso.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Alguém se arrisca a dizer que o Encrenca é um bom programa?

 

… O “Encrenca”, da Rede TV!, é outro exemplo. Está entre as maiores audiências da casa, mas alguém se arrisca em dizer que é um bom programa?.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nwry

Flávio Ricco comenta o custo/benefício do Pânico na Band e do Encrenca

 

Preocupação

Na Band, por mais que a sua direção informe que não é bem assim, já existe sim uma preocupação com o “Encrenca” da Rede TV!. Ainda não há uma concorrência direta, mas o programa e “O Pânico” já alcançam praticamente a mesma pontuação.

Detalhe

E o que passou a ser discutido é a relação custo/benefício de cada um. O programa da Rede TV!, que não gasta praticamente nada na sua produção, vem alcançando audiência bem significativa. Um e outro, no entanto, dão bem uma medida do ponto a quem chegamos.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery